Nossa Senhora Aparecida entre nós

Nossa Senhora Aparecida está definitivamente entre nós. A imagem da Santa Padroeira, que peregrinou desde o início do ano passado, pelas Paróquias da Arquidiocese da Paraíba, ganhou um santuário nas dependências do Hospital Padre Zé, no bairro de Tambiá, em João Pessoa. Os filhos devotos podem ir em qualquer horário fazer orações e prestar homenagens a Ela.

No Padre Zé, a Padroeira do Brasil abençoa os paraibanos que precisam de amparo e assistência médica e que encontram no Hospital a única saída para um atendimento digno e de qualidade, com humanização. A caridade está presente nessa unidade, que é filantrópica, recebendo recursos do SUS, mas que depende principalmente de doações para permanecer de portas abertas. Há também parcerias com instituições como o Unipê.

São 110 leitos, sendo 60 de clínica médica, e 50 leitos numa unidade para aquelas pessoas, maioria idosos, que precisam de uma atenção maior por um período mais demorado de recuperação. É grande a diversidade de serviços oferecidos gratuitamente no Hospital, que hoje dá prosseguimento ao trabalho do seu criador, o Mons. José da Silva Coutinho – o Padre Zé. Tem laboratório de análises clínicas, unidades de fisioterapia, de radiodiagnóstico e de ultrassonografia, e ainda serviços de assistência social e psicológica, sem contar as consultas médicas em várias especialidades. No ano passado foram quase 20 mil pacientes atendidos. E a população mais carente vai poder contar, em breve, com mais opções, como atendimento em pediatria.

A imagem peregrina de Aparecida, que agora repousa em território arquidiocesano, veio nos preparar para a festa do Jubileu dos 300 anos da aparição da imagem original no Rio Paraíba do Sul, em São Paulo, que acontece no próximo mês de outubro. Este tempo é, para nós, de grande alegria e evangelização. Está sendo uma bênção para o nosso povo poder contemplar a Imagem da Rainha e Padroeira do Brasil de perto, podendo rezar e pedir a sua bênção e a sua intercessão! Aprendamos com Ela a fazer tudo o que Jesus nos diz!

Aproveito este espaço para fazer uma reflexão sobre as Bodas de Caná, quando Maria auxiliou o início da missão de Jesus com o milagre da transformação da água em vinho. Comparo aquela situação com o cotidiano das famílias hoje em dia. Todas as famílias passam por algum tipo de problema, mas é importante não perder a coragem e a fé. Não excluam Jesus de vossas casas. Convidem a Mãe Aparecida para a festa da vida de vocês, e então teremos sempre o vinho da alegria, o vinho do amor.

 

Dom Manoel Delson
Arcebispo da Paraíba
CNBB

 

Baixe materiais especiais para seu grupo

Como superar momentos difíceis da vida?

A vida é muito boa. Essa é a verdade original que em certos momentos parece ficar tão ofuscada que corremos o risco de cair na falta de esperança. Esse ofuscamento provém da nossa natureza caída que, depois do pecado original e de cada pecado pessoal, tem dificuldade de ver a Deus e o seu Plano de Amor. Dessa situação nascem todas as dificuldades da nossa existência. Jesus veio para nos salvar e é nele que precisamos nos aferrar para continuar caminhando pelo Bom caminho nos momentos mais difíceis da vida.

Quando o povo de Israel caminhava pelo deserto, Deus lhes concedeu as tábuas dos dez mandamentos. Mas já no profeta Jeremias vemos que as tábuas da Lei não eram a palavra final de Deus. “Eis, no entanto, a Aliança que celebrarei com a comunidade de Israel passados aqueles dias”, afirma o SENHOR: “Registrarei o conteúdo da minha Torá, Lei, na mente deles e a escreverei no mais íntimo dos seus sentimentos: seus corações. Assim, serei de fato o Deus deles e eles serão o meu povo”! .

 

A realização dessa profecia se dá justamente em Jesus, que é o Verbo que se fez carne. De maneira especial se realiza na Eucaristia, quando comungamos do próprio Cristo que se faz alimento por nós. A carta aos hebreus retoma a profecia e diz que o Senhor colocará suas leis no âmago dos nossos corações, as inscreverá profundamente em nossas mentes. Ou seja, seguir o Senhor não é um simples cumprir regras externas, mas um descobrir que essas leis estão gravadas em nosso interior e que ao cumpri-las, nos realizamos como pessoas, como filhos e filhas de Deus.

E isso é fundamental para os momentos difíceis que atravessamos na vida. Porque nesses momentos o último que queremos é que nos digam regras que cumprir, preceitos que realizar para que Deus nos ajude a atravessar a dificuldade. Mas se nesses momentos difíceis se descobre renovadamente que lá no fundo do nosso mesmo ser existe um desejo de estar mais próximos ainda de Deus, não afundaremos nas ondas agitadas da vida, mas alçaremos nossa voz a Deus como o fez São Pedro quando começou a afundar enquanto caminhava sobre as águas: “Senhor ajuda-me pois estou perecendo”. Esse grito só pode vir de alguém que, mesmo atordoado pelas tribulações da vida, possui essa Lei de Deus inscrita no coração.

É evidente, então, que para não sucumbir nesses momentos difíceis é preciso ter uma vida espiritual forte. Dessa forma, não daremos às costas a Deus, pelo contrário, nos aproximaremos ainda mais dele em cada dificuldade que passarmos. E, no fundo, esse é o intuito de Deus quando permite alguma provação. Ele quer que purifiquemos nossa fé de todas as falsas seguranças que nós todos temos. Essas dificuldades fazem parte da pedagogia divina porque Ele quer que, pouco a pouco, aprendamos a confiar cada vez mais nele e menos em todas as outras coisas nas quais nos agarramos porque nossa fé ainda é pequena.

Vale a pena ter um pequeno “arsenal” de passagens Bíblicas para que nesses momentos possamos rezar e não sucumbir. Nesse sentido alguns salmos podem ajudar bastante porque eles mostram a Deus que em nosso coração está a sua Lei e a Ela queremos ser fiéis.

Alguns exemplos de Salmos:

Sal 119, 11: No meu coração atesourei tua palavra, para não pecar contra ti.

Sal 40, 8: Meu prazer é fazer a tua vontade, meu Deus; tua lei está dentro do meu coração.

Sal 17, 5: Meus passos ficaram firmes pelos teus caminhos. Meus pés não vacilaram.

Sal 25, 3: Certamente nenhum dos que esperam em ti será defraudado…

 

Irmão João Antônio
A12

Baixe materiais especiais para seu grupo

Mensagem do Papa para o próximo Dia Mundial do Migrante e do Refugiado

“Acolher, proteger, promover e integrar”: mensagem do Papa para o próximo Dia Mundial do Migrante e do Refugiado

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) reproduziu a matéria divulgada pela Rádio Vaticano nesta segunda-feira, 21 de agosto, sobre a Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial do Migrante e do Refugiado a ser celebrado em 14 de janeiro de 2018, que tem como tema “Acolher, proteger, promover e integrar os migrantes e os refugiados”.

O Pontífice define “um sinal dos tempos” a triste situação de tantos migrantes que fogem da guerra e da pobreza e recorda que a Igreja tem a grande responsabilidade de compartilhar com todos a preocupação com os migrantes.

A Mensagem se articula em 4 pontos: verbos baseados nos princípios da Doutrina da Igreja.

O primeiro é “acolher”.

O Papa enfatiza que é urgente oferecer aos migrantes e aos refugiados mais oportunidades de entrada segura e legal nos países de destino. Francisco pede para simplificar a concessão de vistos humanitários e incentivar a reunificação familiar.

Realça ainda a necessidade de abrir corredores humanitários para os refugiados mais vulneráveis. E critica a expulsão coletiva de migrantes e refugiados, especialmente quando realizada em direção de países que não garantem o respeito pelos direitos fundamentais. O Pontífice reitera que o princípio da centralidade da pessoa humana requer “que se anteponha a segurança pessoal à segurança nacional“. E isto, afirma a Mensagem, acarreta a necessidade de um maior esforço para preferir soluções alternativas à detenção dos migrantes.

Em seguida, Francisco volta sua atenção para o verbo “proteger”.

Essa proteção, diz ele, começa em casa e deve continuar na terra da imigração. Daí a necessidade de valorizar as habilidades e competências dos migrantes que devem ter, consequentemente, liberdade de movimento no país anfitrião e oportunidade de trabalhar. O Papa enfatiza a proteção de crianças migrantes, que têm o direito de estudar e viver com suas famílias, tuteladas de qualquer forma de detenção. E, referindo-se à situação de apátrida de alguns imigrantes, o Papa sugere que a questão pode ser superada com “uma lei de cidadania” conforme ao direito internacional.

Em relação ao verbo “promover”, a Mensagem afirma que significa que todos os migrantes devem ser colocados em condição de se realizar como pessoas.

Francisco incentiva a integração sócio-profissional dos migrantes. E elogia os esforços de muitos países em termos de cooperação internacional, relevando que “na distribuição das ajudas, sejam consideradas as necessidades dos países em desenvolvimento que recebem grandes fluxos de refugiados e migrantes“.

O último verbo, escreve Francisco, é “integrar”.

O Papa observa inicialmente que a integração não é uma assimilação, que induz o migrante a suprimir ou esquecer a sua identidade cultural. É um processo prolongado que, exortou, “pode ​​ser acelerado através da concessão da cidadania independentemente de requisitos econômicos ou linguísticos“. Mais uma vez, o Papa pede que se favoreça a cultura do encontro e assegura que a Igreja está disponível a se comprometer “em primeira pessoa” neste campo. Para alcançar os resultados esperados, ele adverte, no entanto, que a contribuição da comunidade política e da sociedade civil é indispensável.

Na conclusão, Francisco faz apelo aos líderes políticos para que aprovem os acordos globais (Global compacts) aprovados recentemente na Onu dedicados aos refugiados e aos migrantes. E destaca que os próximos meses são uma oportunidade privilegiada para apoiar com ações concretas os quatro pontos delineados na Mensagem: “acolher, proteger, promover e integrar“.

(cm/ag)
CNBB

Baixe materiais especiais para seu grupo

Você sabe a diferença entre Freira, Irmã e Madre?

Na vida religiosa existem muitos termos utilizados para qualificar as funções de cada pessoa.
Para a vida religiosa feminina (religiosa mulher ligada à religião por votos monásticos) existem três termos que são mais conhecidos, são eles:  Freira, Irmã e Madre

Para entender essa nomenclatura a Irmã Elza Maria Pianta, Franciscana do Coração de Maria escreveu quando e como se usam esses termos.

Freira:

“Freira” é o feminino da palavra “Frei” que vem do latim: “Frater” que significa: “Irmão”. Portanto, a palavra “freira” é o mesmo que “Irmã”.

Irmã:

“Irmã ou Freira”:é o título dado à mulher que se consagra totalmente a Deus na Vida Religiosa. A Freira ou Irmã, pertence a uma Congregação Religiosa e professa os Votos de Castidade, Pobreza e Obediência. Vivendo vida fraterna em Comunidade, dedica-se à Oração e ao serviço aos irmãos de acordo com o Carisma e a Missão de sua Congregação ou Instituto Religioso.

Madre:

“Madre”, do latim “mater”, em português: “Madre” que significa “Mãe”.

“Madre” é o título dado à Irmã Religiosa que exerce a função de Coordenadora de uma Comunidade de Irmãs ou de uma Congregação Religiosa. Cabe a ela a responsabilidade do cuidado em geral de suas Irmãs, principalmente no que se refere à fidelidade ao Carisma e Missão da Congregação.

 


A12

Baixe materiais especiais para seu grupo

Vão e façam com que todos os povos se tornem meus discípulos

A Transmissão da fé

Quando Jesus Ressuscitado enviou os apóstolos em missão, lhes disse: “Vão e façam com que todos os povos se tornem meus discípulos” (Mt 28, 19). Está claro, desde o início, que recebem o mandato de transmitir tudo o que haviam vivido e escutado na companhia do Mestre. É por causa desta missão [“vão”] que os apóstolos se organizam. Anunciam o que viram e ouviram: “Porque a Vida se manifestou, nós a vimos, dela damos testemunho, e lhes anunciamos a vida eterna” (1Jo 1,2). Nossa fé, que hoje vivemos, está fundada nos apóstolos, na fidelidade aos ensinamentos de Jesus Cristo e na sua ininterrupta continuidade na história. Passou, em grande parte, o tempo em que as pessoas pelo fato de nascerem num ambiente cristão iam adotando comportamentos e valores a partir do meio religioso: família, escola, comunidades. Este cristianismo herdado e transmitido como herança cultural encontra dificuldades de transmitir a fé, de encantaras novas gerações no seguimento de Jesus Cristo. O anúncio de Jesus Cristo e do seu evangelho, que se dava por suposto, hoje precisa encontrar caminhos novos para que chegue aos corações sedentos de Deus, na nossa geração. “O encontro com o Messias (Jo 1,35-51), no mundo contemporâneo, é possível. Mas precisa ser proposto de maneira a cativar mais as pessoas, para que se possa fazer a experiência impactante da verdadeira adesão a Jesus” (CNBB, Iniciação à vida cristã: itinerário para formar discípulos missionários, Doc. 107, n.54).

Sentimos a necessidade de um caminho para formar discípulos, que chamamos de Iniciação à Vida Cristã. Trata-se do “processo de ser conduzido para dentro do mistério amoroso do Pai e de ser inserido na comunidade eclesial, para professar, celebrar, viver e testemunhar a fé em Jesus Cristo, no Espírito Santo.” (Idem, n. 61). Temos certeza e testemunhamos que todos os que se encontram com Jesus Cristo, tal qual a Samaritana, os apóstolos, Maria Madalena, os discípulos de Emaús e tantos homens e mulheres do nosso tempo, fazem a experiência do amor gratuito de Deus misericordioso, que ilumina o caminho da vida e convida à conversão e à missão. A partir deste anúncio fundamental, do amor salvífico de Deus manifestado em Jesus Cristo, inicia-se um caminho, um processo, que culmina na celebração dos sacramentos da iniciação cristã, com sua inserção na comunidade cristã e o testemunho cristão no mundo. Para os batizados já são adultos, os missionários devemir ao seu encontro e testemunhar a alegria de ter uma comunidade de irmãos e irmãs que juntos vivem e celebram a fé. Muitos, talvez, não se sentem vinculados a Jesus Cristo, como seus discípulos, e à Igreja, por causa de uma catequese que tiveram, unicamente doutrinal.

“Vão e façam com que todos os povos se tornem meus discípulos” (Mt 28, 19)

Toda a Igreja sente-se envolvida neste novo e desafiador caminho de evangelização. A Iniciação à Vida Cristã é “um eixo unificador, uma bússola que direciona os esforços de toda a Igreja no Brasil, em sua tarefa de renovação pastoral para maior fidelidade à missão que o Senhor nos confiou” (Idem, n. 248).

Nesta missão, os(as) catequistas têm um lugar especial. A catequese se compreende a serviço desta missão de formar discípulos missionários de Jesus Cristo.Os(as) catequistas anunciam, pelo testemunho e pela Palavra de Deus, a alegria de ser cristão. Parabéns a todos(as) catequistas pela passagem de vosso dia!

 

Dom Adelar Baruffi
Bispo de Cruz Alta
CNBB

Baixe materiais especiais para seu grupo