Ascensão do Senhor: “Continuar a missão de Jesus”

Cidade do Vaticano (RV) – «Celebrar a Ascensão de Jesus é celebrar seu modo novo de estar conosco, do Emanuel, Deus Conosco, manifestar-se em nosso meio.

Certamente esse modo novo do Senhor de se manifestar entre os homens passa pela Comunidade, por suas atitudes que dão continuidade à missão do Senhor e que asseguram a continuidade da construção do Reino de Justiça e de Paz.

O Livro dos Atos dos Apóstolos, do qual é tirada a primeira leitura da solenidade de hoje, nos mostra Jesus dizendo aos seus discípulos que eles receberão o Espirito Santo e que Este os tornará suas testemunhas no mundo inteiro.

O Espírito que os discípulos receberão é o mesmo que esteve presente em Jesus. Os anjos que aparecem após a “subida” de Jesus ao Céu dizem aos discípulos para não ficar de braços cruzados, mas agir, isto é, continuar a missão do Senhor. Os anjos dizem aos discípulos que Jesus vai voltar. Isso nos recorda a parábola contada pelo Senhor em que o patrão quando volta de viagem quer saber de seus servos o que fizeram, qual o produto do trabalho. Os anjos nos recordam a necessidade de deixar de ficar olhando para o céu e colocar mãos à obra, trabalhar!

O Evangelho de Mateus nos fala que o poder que Jesus recebeu do Pai e foi plenificado após sua ressurreição, é dado à Comunidade para que “ Vá e faça discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, e ensinando-os a observar tudo o que lhes ordenei!”

Batismo e catequese! Batismo é a consagração, a configuração a Jesus Cristo, o Ungido e a Catequese é a implementação da Justiça. Logo, deveremos levar as pessoas a se configurarem ao Homem Novo, de acordo com o desejo do Pai e, depois, após conscientizá-los, levá-los a praticar a justiça e as bem-aventuranças. E Mateus termina citando a certeza da presença eterna de Jesus ao nosso lado: “ Eis que eu estarei com vocês todos os dias, até o fim do mundo!”

A Ascensão de Jesus é a transformação da presença do Emanuel, do Deus Conosco. Sua presença é manifestada não através de uma figura visível, a de Jesus, mas através da ação libertadora praticada pelos membros da Comunidade.

Quando chegar o final dos tempos, a Parusia, veremos a “re-velação” do Senhor. Veremos que atrás de cada atitude cristã estava o Redentor – Cristo, o Autor de todo ato de bondade – o Pai, e nos inspirando, o Espírito de Amor».

(Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos para a Solenidade da Ascensão do Senhor)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Editorial: Espaço à boa notícia

Cidade do Vaticano (RV) – Romper a espiral das notícias negativas, dando espaço à lógica da boa notícia. Uma das exortações que o Papa Francisco faz na sua Mensagem para este 51º Dia Mundial das Comunicações Sociais que celebramos neste domingo, 28 de maio, Ascensão do Senhor. O tema é “Comunicar esperança e confiança no nosso tempo”. O texto da mensagem já fora publicado em, 24 de janeiro, Festa de São Francisco de Sales, padroeiro dos jornalistas. Nele Francisco exorta os comunicadores a serem “canais vivos” do Evangelho da “Boa Notícia”, Notícia que ilumina também as situações mais dramáticas da história.

Francisco encoraja uma comunicação “construtiva” que rejeite os preconceitos e favoreça a “cultura do encontro”. Assim os comunicadores poderão romper aquele “circulo vicioso” da angústia que se fixa nas “notícias ruins”.

O Papa recorda ainda que todos os dias são “moídas” tantas informações. Cabe então, aos comunicadores, aos jornalistas “oferecer um pão perfumado e bom àqueles que se alimentam dos frutos da sua comunicação”.

Comentando a mensagem o Prefeito da Secretaria para a Comunicação do Vaticano, Mons. Dario Edoardo Viganò, disse que “romper a espiral de uma comunicação negativa, que leva também ao anestesiamento da consciência, significa que a história é feita de cinza, de preto às vezes, mas que mantém sempre espirais que se abrem num horizonte de esperança, de proximidade. É isso que somos chamados a fazer: procurar fazer de modo que o mal jamais seja o protagonista vencedor”.

Francisco sublinha com força que é preciso deter a “espiral de medo”, fruto do costume de fixar a atenção nas notícias ruins. Certamente não se trata de promover a desinformação na qual seria ignorado o drama do sofrimento, e muito menos de cair em um otimismo ingênuo que não se “deixa tocar pelo escândalo do mal”. Ao invés, o Papa pede para ultrapassar o sentimento de descontentamento e resignação.

Em um sistema de comunicação onde vale cada vez mais a lógica que uma boa notícia não interessa, e, portanto, não é uma notícia, podemos ser tentados de anestesiar a consciência ou de escorregar no desespero. Assim, muitas vezes o drama da dor e o mistério do mal “são facilmente espetacularizados”.

O Pontífice na sua Mensagem propõe então a busca de um estilo comunicativo aberto e criativo, que não esteja disposto a conceder ao mal um papel de protagonista, mas sim que procure colocar em evidência as possíveis soluções, inspirando uma abordagem propositiva e responsável nas pessoas às quais se comunica a notícia.

Brota assim um apelo a todos os comunicadores para que ofereçam à humanidade do nosso tempo “narrações marcadas pela lógica da boa notícia”. A realidade não há um significado unívoco. Tudo, de fato, depende do olhar com o qual é captada pelos óculos que nós escolhemos olhá-la. Quais são então os óculos certos para contar a realidade? Para os cristãos, responde Francisco, os óculos adequados são os da Boa Notícia por excelência: o Evangelho de Jesus.

Temos uma esperança fundada na boa notícia que é Jesus. Para Francisco, esta esperança não pode deixar de moldar também o nosso modo de comunicar, com a persuasão de que é possível enxergar e iluminar a boa notícia presente na realidade de cada história e no rosto de cada pessoa. Quem se deixa conduzir pela Boa Notícia ilumina caminhos e abre novas sendas de confiança e esperança. Este é o chamado a todos os comunicadores para que sejam faróis na escuridão do mundo. (Silvonei José)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Dia das crianças desaparecidas: 22 mil ao dia

Roma (RV) – Celebrou-se nesta quinta-feira, dia 25, o Dia Internacional das Crianças Desaparecidas, organizado em 1983, em memória do pequeno Ethan Patz, sequestrado em Nova York em 25 de maio de 1979. Um drama que envolve todos os anos no mundo cerca de 8 milhões de crianças, de acordo com o Centro Internacional de crianças desaparecidas e exploradas (ICMEC), com sede em Virgínia, nos EUA e que lidera uma Rede global de associações ativas nesta frente, entre as quais na Itália Telefono Azzurro. A Rádio Vaticano ouviu o fundador e presidente, Ernesto Caffo:

Um drama recordado várias vezes pelo Papa Francisco. “É um dever de todos – advertiu – proteger as crianças, especialmente aquelas expostas a alto risco de exploração, tráfico e comportamentos desviantes”. Estas crianças desaparecem e são depois esquecidas, em sua maior parte não são mais procuradas, seja nos países pobres, seja nos países ricos: desaparcem 22 mil a cada dia no mundo, uma a cada dois minutos na Europa, onde a maioria dos desaparecimentos é relativa às crianças migrantes não acompanhadas. O prof. Ernesto Caffo:

R. As crianças são frequentemente vítimas do tráfico, de um mercado dramática onde são vistas como objeto de interesse no trabalho infantil, nas guerras. Na Itália, tivemos um aumento significativo nos últimos anos, porque as crianças estrangeiras desacompanhadas têm aumentado e faltam pontos de apoio e protecção. É uma chaga que sabemos que existe em todo o mundo e que requer medidas sempre mais coordenadas e adequada. (SP)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Paris: congresso para jornalistas e comunicadores católicos

Paris (RV) – Realizar-se-á, em Paris, de 20 a 22 de setembro próximo, um congresso para jornalistas e comunicadores católicos promovido pela Conferência das Igrejas Europeias (CEC), na Casa do Protestantismo.

Segundo a Agência Sir, o encontro é aberto “aos responsáveis das Igrejas, estudiosos e jornalistas que trabalham diretamente com as questões ligadas aos fatos religiosos na Europa, e a quem se interessa pela comunicação dentro das Igrejas”.

“O objetivo é oferecer um tempo para debater sobre os desafios que todos nós enfrentamos ao comunicar a perspectiva cristã numa Europa cada vez mais secular e multicultural”, ressalta numa nota o responsável pela comunicações na CEC, Erin Green.

“Discutiremos sobre os aspectos políticos, teológicos e sociológicos desse ambiente e trabalharemos juntos para dar respostas construtivas e aumentar o volume”, frisou.

Será possível “aprender e desenvolver melhores práticas” e se confrontar sobre “temas religiosos relativos à Europa”.

(MJ)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Audácia, liberdade, criatividade: Papa propõe o “manual do missionário”

Cidade do Vaticano (RV) – Um pequeno “manual do missionário”: foi o que propôs o Papa Francisco ao concluir sua série de audiências na manhã desta sexta-feira (26/05) recebendo as Pequenas Irmãs Missionárias da Caridade, reunidas em Roma para seu 12º Capítulo Geral.

O Instituto, da família orionita, tem como carisma desenvolver um amplo apostolado junto aos mais pobres da sociedade e tem uma natureza missionária. E foi justamente a esta característica que o Papa dedicou o seu discurso. O método missionário, afirmou, deve ser marcado pela proximidade, pelo encontro, pelo diálogo e pelo acompanhamento.

Audácia e criatividade

“A missão e o serviço aos pobres as coloca ‘em saída’ e as ajudará a superar os riscos da autorreferencialidade, do limitar-se a sobreviver e da rigidez autodefensiva”, destacou Francisco. Ao missionário, acrescentou, pede-se que seja uma pessoa audaz e criativa. “Não vale o cômodo critério do ‘sempre se fez assim’. Repensem os objetivos, as estruturas, o estilo e os métodos da missão. Estamos vivendo num tempo em que é necessário repensar tudo à luz daquilo que o Espírito nos pede”, aconselhou.

Liberdade e simplicidade

O missionário, prosseguiu o Papa, deve ser também uma pessoa livre, que vive sem nada de sua propriedade. “Não me canso de repetir que a comodidade, a preguiça e a mundanidade são forças que impedem o missionário de ‘sair’, de ‘partir’ e de se colocar em caminho e de compartilhar o dom do Evangelho. O missionário não pode colocar-se em caminho com o coração repleto de coisas (comodidade), com o coração vazio (preguiça) ou em busca de coisas alheias à glória de Deus (mundanidade). O missionário é uma pessoa livre de lastros e correntes; uma pessoa que vive sem nada de sua propriedade; somente para o Senhor e o seu Evangelho; uma pessoa que vive num caminho constante de conversão pessoal e trabalha sem cessar para a conversão pastoral.”

Espiritualidade holística e profeta da misercórdia

Outra característica do missionário é ser uma pessoa habitada pelo Espírito Santo e que tenha uma espiritualidade fundada em Cristo, na Palavra de Deus e na liturgia. Uma espiritualidade “holística”, que envolva toda a pessoa nas suas várias dimensões. Por fim, o missionário deve ser um profeta da misericórdia, isto é, pessoa centralizada em Deus e nos crucifixos deste mundo. “Deixem-se provocar pelo clamor de tantas situações de dor e de sofrimento. Como profetas da misericórdia, anunciem o perdão e o abraço do Pai.”

O Papa Francisco concluiu seu discurso propondo o ícone da Visitação: “Assim com a Virgem Maria, coloquem-se em caminho, com pressa – não a pressa do mundo, mas a pressa de Deus – e repletas da alegria que habita em seu coração cantem o magnificat. Cantem o amor de Deus por cada criatura. Anunciem aos homens e às mulheres de hoje que Deus é amor”.

As Pequenas Irmãs Missionárias da Caridade estão presentes em várias cidades do Brasil, reunidas na Província Nossa Senhora Aparecida.

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo