Card. Filoni: testemunho de Pe. Ganni deve permencer vivo na Igreja

Cidade do Vaticano (RV) – “Um sacerdote alegre, inteligente, que amava profundamente sua escolha de vida e um pároco generoso. O esplêndido testemunho de fé de Pe. Ragheed é verdadeiramente tal, e deve permanecer presente na memória da Igreja. Passados dez anos de seu martírio, Pe. Ganni está vivo na memória dos parentes, dos amigos, da Igreja caldeia e de toda a Igreja católica.”

Com essas palavras, o prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, Cardeal Fernando Filoni – que já foi núncio apostólico no Iraque e Jordânia –, recorda a figura de Pe. Ragheed Aziz Ganni, membro da Arquidiocese caldeia de Mosul (norte do Iraque), barbaramente assassinado em 3 de junho de 2007, aos 37 anos de idade.

Foi dedicado ao mártir caldeu o livro “Um sacerdote católico no Estado islâmico”, escrito por Pe. Rebwar Audish Basa, amigo e coirmão de Pe. Ganni, com o prefácio do próprio Cardeal Filoni.

“Conheci Pe. Ganni no Iraque, durante meu mandato de núncio apostólico naquele país – escreve o purpurado. Encontrei-o em Bagdá e depois em Mosul. Impressionou-me sua vivacidade e seu entusiasmo sacerdotal, apesar das dificuldades destes tempos.”

De fato, observa o prefeito de Propaganda Fide, “desde a queda do regime de Saddam Hussein, toda a população parece passar pela grande tribulação: guerra, explosões, atentados, saques, assassinados e extorsões”.

“Os cristãos no Iraque tornaram-se o alvo preferido de fanáticos islâmicos e de criminosos; primeiro Bagdá, depois Mosul, tornaram-se centros de violências sistemáticas”, acrescenta.

Ainda no prefácio, o Cardeal Filoni recorda também o Arcebispo Faraj Rahho, assassinado em Mosul em 12 de março de 2008: ambos foram uma oblação do povo de Deus para o próprio Cristo.

Obrigado Pe. Ganni, conclui o purpurado, “obrigado por ter-nos ensinado a viver como sacerdotes corajosos, que amam o próprio ministério, fiéis a Cristo, servidores do Povo de Deus. A Igreja tem a honra de tê-lo como Filho devoto e o vê parte daquela eleita fileira de mártires que ninguém pode contar e da qual fala o Livro do Apocalipse”.

Durante uma visita à Planície de Nínive (Iraque) em março passado, uma delegação de “Ajuda à Igreja que Sofre” – propugnadora do livro sobre Pe. Ganni – encontrou na igreja de Saint-Adday, em Karamles, a lápide do sacerdote caldeu quebrada em várias partes por obra das milícias do autodenominado Estado Islâmico, providenciando reconstituí-la. (RL-Sir)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Catacumbas de Santa Domitila: restauração e novo museu

Cidade do Vaticano (RV) – Uma viagem no tempo para redescobrir os lugares onde eram sepultados os primeiros cristãos, mas também onde eles se reuniam para rezar e celebrar durante as perseguições e momentos de maior perigo.

As restaurações e o novo museu das Catacumbas de Santa Domitila – realizados pela Pontifícia Comissão de Arqueologia Sacra – foram apresentados na última quarta-feira à imprensa. Entre as técnicas usadas para trazer à luz pinturas e inscrições ainda desconhecidas, pela primeira o emprego do laser.

Na apresentação do novo museu sobre o tema “O mito, o tempo e a vida”, uma série de explanações buscou explicar o significado da beleza das decorações pictóricas reveladas com o uso da nova técnica.

O Cardeal Gianfranco Ravasi, Presidente da Pontifícia Comissão de Arqueologia Sacra, explicou a importância das descobertas:

“É importante por três razões. Antes de tudo, porque permite ver esta conjugação profunda entre a cultura clássica e a cultura cristã. É uma espécie quase de lugar de diálogo entre duas expressões religiosas e duas visões de mundo que porém tem muitas raízes comuns. Segundo, é importante porque é a catacumba mais extensa de Roma: estes 12 km, estes quatro andares, estes 26 mil, senão mais, nichos, demonstram o quanto eram importante, o quanto aqui se respirava o cristianismo e também a vida de Roma. Terceiro: Domitila é importante também agora pelo museu que organizamos, porque as restaurações que estamos realizando permitem ver um complexo iconográfico de imagens, de extraordinária intensidade e beleza e sobretudo também de grande cotidianidade, recordando-nos que aqui, sob a terra, havia uma continuação da vida que acontecia na superfície”.

RV: Que significado tem as catacumbas para os cristãos?

“Tinham a convicção de que a vida continuava e não por nada os fiéis, os parentes, os amigos, voltavam aqui para este espaço, celebrando também refeições, segundo um ritual bem conhecido, ou mesmo reproduziam ali toda a vida que havia acompanhado seus entes queridos. E isto era um modo para afirmar sobretudo a fé e a ressurreição na imortalidade, neste outro plano da vida, que é a dimensão da eternidade”.

Entre as restaurações mais importantes, encontra-se o chamado “Cubículos dos padeiros” onde são descritas, por meio das decorações, as atividades ligadas à Annona, a instituição romana que administrava o fornecimentos de alimentos na cidade. Pela primeira vez foi utilizada para a restauração a técnica do laser, que permitiu restituir o colorido original às pinturas. Ouçamos o que disse Barbara Mazzei, responsável pelas restaurações dos afrescos:

“As novidades são, no entanto, a possibilidade de identificar, finalmente, os sujeitos representados; e existem alguns importante que dizem respeito à história da panificação em Roma: como se desenvolvia o comércio do trigo e a distribuição do pão. Depois, temos cenas que pertencem ao repertório da pintura paleocristã, e em particular um colégio apostólico muito importante que faz referência, com base na composição, ao mais antigo mosaico absidial que temos em Roma, que é o de Santa Prudenciana”.

Junto às catacumbas, também foi restaurado o museu anexo, onde foram reunidas peças de sarcófagos, bustos, estátuas, epígrafes, além de outros objetos encontrados durante as escavações, e que descrevem a vida cotidiana existente nas proximidades das catacumbas, como nos explica Fabrizio Bisconti, Superintendente da Pontifícia Comissão de Arqueologia Sacra:

“Vocês podem ver dentro deste museu banqueiros, pastores, cavaleiros. Depois temos crianças que brincam no berço com um chocalho e até mesmo ourives, portanto, também a vida cotidiana representada. Se constata como havia uma integração entre pagãos e cristãos também nas catacumbas, que era o lugar destinado precisamente à morte, que depois era a vida dos cristãos, porque não esqueçamos que os cemitérios são dormitórios à espera da ressurreição”. (MartT/JE)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Papa exorta os jovens a mudar o mundo abrindo o coração aos outros

Cidade do Vaticano (RV) – O mundo pode mudar se abrirmos o coração aos outros, jamais responder ao mal com o mal. Foi a exortação do Papa aos cerca de seis mil jovens da experiência educacional cristã “Graal” e “Os Cavaleiros”, recebidos por Francisco na Sala Paulo VI, no Vaticano.

Falando espontaneamente, ou seja, sem texto, e respondendo às perguntas de três jovens, o Pontífice ressaltou que não há respostas diante do sofrimento das crianças, mas que somente se pode olhar para o Crucifixo e rezar.

Milhares de jovens acolheram com afeto e entusiasmo o Santo Padre na Sala Paulo VI, cujo encontro foi vivido em clima de grande festa. Com a naturalidade que lhe é própria, Francisco dialogou com os jovens, respondendo em particular às perguntas de três deles.

Dirigindo-se à jovem Marta que lhe confiara seu receio de passar para o ensino médio, Francisco ressaltou que a vida é “um contínuo bom-dia e até a próxima”. Afirmou também que se não se aprende a despedir-se bem, jamais aprenderá a encontrar novas pessoas.

Não se pode acomodar-se no sofá, retomou, por ter medo de mudar, correndo o risco de fechar o horizonte da vida. Daí, a exortação a vencer o medo de crescer e de mudar e a aceitar o desafio de alargar o horizonte, de fazer o caminho com novas pessoas.

Para mudar o mundo é preciso abrir o coração aos outros e não responder ao mal com o mal. Assim o Papa respondeu à pergunta de Giulia sobre como poder mudar o mundo. Em primeiro lugar, disse o Santo Padre, é preciso ter consciência de que ninguém possui a “varinha mágica” para mudar o mundo. Em seguida, evidenciou o coração como o motor de uma autêntica mudança:

“O mundo muda abrindo o coração, ouvindo os outros, recebendo os outros, partilhando as coisas. E vocês podem fazer o mesmo. Se você tem um companheiro, um amigo, uma amiga, um colega de escola, uma colega de escola de quem você não gosta, que é um pouco antipática… Se você vai fofocar sobre aquela pessoa, porque esta é assim e assim. Se, ao invés, você releva – ‘Não gosto, mas não digo nada’ –, como é aquela pessoa? Brava. Entenderam! Mudar o mundo com as pequenas coisas de todos os dias, com a generosidade, com a partilha, criando essas atitudes de irmandade.”

Em seguida, o Santo Padre pediu aos jovens que jamais respondam ao mal com o mal, e que não respondam nem mesmo aos insultos. Jesus, recordou Francisco, nos pede que rezemos por todos, inclusive pelos nossos inimigos. Desse modo, rezando por todos, retomou, “se pode mudar o mundo”.

Em seguida, foi a vez de Tanio, jovem búlgaro adotado, que contou sua comovente história de sofrimento perguntando a Francisco como se pode acreditar no Senhor diante da dor que atinge as crianças.

O Papa disse que não é possível encontrar explicações racionais para o sofrimento de uma criança. Dirigindo-se a Tanio disse que é possível encontrar alguma explicação “no amor daqueles que lhe querem bem e lhe apoiam”:

“Sinceramente, lhe digo, e você entenderá bem isso: quando na oração faço a pergunta ‘por que as crianças sofrem?’, habitualmente faço essa pergunta quando vou aos hospitais das crianças e depois saio – e lhe digo a verdade – com o coração, não diria destruído, mas muito compadecido, o Senhor não me responde. Apenas olho para o Crucifixo. Se Deus permitiu que Seu Filho sofresse assim por nós, deve haver algo ali que tenha um sentido. Mas, querido Tanio, não posso explicar-lhe o sentido. Você o encontrará: mais adiante na vida ou na outra vida. Mas explicações, como se explica um teorema matemático ou uma questão histórica, não lhe posso dar nem eu nem ninguém.”

“Não posso lhe explicar isso”, retomou o Papa com sinceridade. E concluiu agradecendo a Tanio pela pergunta porque, observou, “é importante que vocês, rapazes e moças”, comecem “a entender essas coisas, porque isso os ajudará a crescer bem e a seguir adiante”. (RL/AG)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Jovens sacerdotes estão no coração do Papa, diz Cardeal Stella

Cidade do Vaticano (RV) – Após o encontro do Papa Francisco com membros da Congregação para o Clero na quinta-feira (01/06), o Cardeal Beniamino Stella, Prefeito deste dicastério vaticano, conversou com a Rádio Vaticano.

O purpurado concentrou-se, em particular, na Ratio fundamentalis – o documento sobre a formação sacerdotal aprovado em dezembro passado e sobre as palavras do Santo Padre dirigidas aos jovens sacerdotes:

“O conceito de fundo deste documento de dezembro passado é precisamente este: a unicidade, isto é, a formação dos padres começa quando são ministrantes – por assim dizer – e continua até o momento em que o Pai Eterno nos chama para a outra margem da vida! Uma formação que é inicial no tempo do seminário, e depois é permanente no tempo da vida sacerdotal. Quisemos dizer aos bispos e aos formadores: levem a sério este compromisso, porque hoje, diante da Igreja e diante da sociedade, para apresentar o padre com um compromisso definitivo, com um compromisso que seja profundo na sua vida, é necessário que exista uma boa seleção, uma boa formação, um discernimento correto no momento do chamado às ordens, e depois um acompanhamento apropriado no tempo do ministério sacerdotal. Insistimos muito no fato de que a formação deva ser contínua, integral; a ênfase da Ratio fundamentalis – eu diria – não é intelectual ou acadêmica, mas é humana e espiritual. Hoje é preciso proceder gradualmente, com discernimento: esta palavra muito cara ao Santo Padre é de certa forma a chave que ilumina todo o processo de formação”.

RV: Na audiência aos membros da Congregação, o Papa deu muita ênfase aos jovens, e em particular aos jovens sacerdotes…

“Para nossa gratíssima surpresa! Percebe-se que o Papa vê, sente, escuta as expectativas desta juventude presbiteral que tem necessidade de uma palavra de apoio, de encorajamento, de compreensão, de afeto. O Papa fez isto também hoje, realmente com grande coração. Parecia que os tinha diante de si, que lesse os seus corações, as suas expectativas. Disse: “Rezem, caminhem, sejam criativos, não tenham medo, mesmo das novidades”. Depois: “Tenham um coração que tenha paixão, que tenha compaixão, que escute”. Gostei de ter ouvido o Papa falar aos jovens padres. Talvez houvesse alguma expectativa: o Papa fala seguidamente aos sacerdotes, é exigente, pede… Os jovens padres, de certa forma é aquela comunidade presbiteral que tem necessidade de um particular apoio por parte do Papa, e sobretudo de seus bispos, de seus pastores”.

RV: A respeito da urgência da formação sacerdotal, poucos meses após a promulgação da Ratio fundamentalis, quais são, na sua opinião, os pontos que mais o tocaram e que o Papa acentuou?

“Eu penso que se o jovem seminarista, o jovem que é candidato às ordens, se abre, então a formação não é dar uma doutrina: é apresentar a Pessoa de Jesus. Importantíssimo para a formação é que o coração do jovem realmente se abra a esta formação. E este é o ponto mais delicado: porque um jovem pode permanecer no seminário seis anos, oito anos e viver sempre na superfície. O ponto fundamental é que o jovem sinta que abrindo o coração, consiga amadurecer uma amizade profunda com Jesus, consiga crescer na maturidade humana, na sua espiritualidade. Se a formação tratou em profundidade sobretudo os aspectos humanos, não somente os intelectuais ou acadêmicos, se houve uma conversão do coração, uma conversão da sua vida a Jesus, eu penso que o projeto sacerdotal não deve assustar. O Papa nos fala tanto da esperança: quantas homilias, quantas catequeses dedicou à esperança! Acredito que toque realmente o coração para nos dizer: “Para longe o desencorajamento, para longe o desconforto, para longe o pessimismo!”. Entreguemo-nos ao Senhor, à escola do Evangelho, a este Jesus que no fundo nos diz: “Estou convosco”. Estou convosco… O Papa hoje insistia muito sobre o chamado aos jovens: na Bíblia, quantos chamados aos jovens! Porque ali é a juventude que tem sonhos, que tem projetos, que tem esperanças, que tem ideias e acredito que ali se insira precisamente o chamado sacerdotal”. (AG/JE)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Roma: Circo Maximo palco das comemorações dos 50 anos da RCC

Cidade do Vaticano (RV) – O ponto alto das celebrações do Jubileu de Ouro do Movimento Renovação Carismática Católica (RCC) ocorre na noite desta sexta-feira (02/6), no “Circo Máximo” de Roma.

Segundo a programação, o Cardeal Kevin Joseph Farell, Presidente do Pontifício Conselho para os Leigos, a Família e a Vida, presidirá a uma solene Santa Missa aos milhares de membros do Movimento, presentes em Roma.

E na parte da tarde deste sábado (03/6), no mesmo lugar, o Santo Padre vai presidir a uma Vigília de Oração, por ocasião da solenidade de Pentecostes.

O Jubileu de Ouro do Movimento Carismático é um momento oportuno para todos os seus membros, grupos de oração e novas comunidades, de se reunir para louvar a Deus por tantas maravilhas que Ele fez e faz na sua Igreja.

O Movimento e a Fraternidade Católica do Brasil se unem para a realização deste grande evento de 50 anos desta “Corrente de Graça”, como denominou o Papa Francisco.

Os milhares de membros do RRC estão reunidos na Cidade Eterna para cinco dias de louvor, ação de graças e testemunhos junto com aqueles que, desde o começo, levam adiante esta missão de experiência do Batismo no Espírito Santo.

Entre os cerca de quatro mil e quinhentos brasileiros, presentes em Roma para as celebrações jubilares do Movimento, encontra-se Patti Gallagher Mansfield, pioneira da RCC no mundo e Padre Eduardo Dougherty, pioneiro da RCC no Brasil, que organizou a primeira experiência de oração em nosso país em 1969.

Destacamos também a presença na capital italiana da presidente do Conselho Nacional da RCC/BRASIL, Katia Roldi Zavaris, com os membros do Conselho; Padre Jonas Abib, fundador da Comunidade Canção Nova; Aluísio Nóbrega, presidente da Fraternidade Católica no Brasil e alguns fundadores e moderadores de Novas Comunidades brasileiras.

Presente também a Comunidade Sementes do Verbo. Nós conversamos com um dos seus membros, Padred Thiago Barros sobre a RCC… (MT-SP/várias)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo