Campanha da Fraternidade 2016 – Notícias

A Campanha da Fraternidade 2016 na Arquidiocese de Londrina

Com o tema “Casa comum nossa responsabilidade”, e o lema “quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5, 24) A reflexão da Campanha da Fraternidade 2016 (Cf 2016) na Arquidiocese de Londrina será a partir de um problema que afeta o meio ambiente e a vida de todos os seres vivos, que é a fragilidade e, em alguns lugares, a ausência dos serviços de saneamento básico em nosso país, problema este que afeta mais de 100 milhões de brasileiros.

A CF 2016 tem a seguinte programação na Arquidiocese de Londrina:

Coletiva de imprensa: 12/02/2016, as 09h, no Centro de Pastoral Jesus Bom Pastor.
Abertura Oficial: 12/02/2016, as 19h30, na Catedral de Metropolitana de Londrina.
Encontro de Formação sobre a CF 2016: 14/02/2016, das 08h até às 12h, na Paróquia Nossa Senhora Rainha do Universo.
Coleta da Solidariedade: 20/03/2016.
Algumas outras iniciativas serão asseveradas a partir dos encontros que estão programados. Existem várias propostas, entre elas constam: audiências públicas, diálogo com as instâncias públicas e privadas da região, celebrações nas diversas comunidades e o tema da CF 2016 norteará os encontros e reuniões das várias pastorais e movimentos da Arquidiocese.

A comissão responsável pela CF 2016 é composta de uma equipe formada por membros de cada Igreja pertencente ao MEL (Movimento Ecumênico de Londrina):

Igreja Presbiteriana Unida: Reverendo Ricardo José
Igreja Anglicana: Reverenda Lucia,
Igreja Católica: Pe. Carlos Benni Pereira da Veiga e Ir. Dirce Gomes
Igreja Luterana: Joana D’Arc Schulze e Pablo Fernando Dumer
Igreja Presbiteriana Independente: Pastor Carlos Klein e Pastor Uriel.

A expectativa em nossa Arquidiocese é trabalhar em consonância com os objetivos propostos pelo CONIC (Comissão Nacional das Igrejas Cristãs) para a CF 2016 que conclama a todos os cristãos para o cuidado com a nossa Casa Comum, a partir da garantia do direito ao saneamento básico a todos.

O objetivo da CF 2016 é assegurar o direito ao saneamento básico para todas as pessoas e empenharmo-nos, à luz da fé, por políticas públicas e atitudes responsáveis que garantam a integridade e o futuro de nossa Casa Comum.

Especificamente, os objetivos alvitram unir as igrejas, diferentes expressões religiosas e pessoas de boa vontade na promoção da justiça e do direito ao saneamento básico; estimular o conhecimento da realidade local em relação aos serviços de saneamento básico; incentivar o consumo responsável dos dons da natureza, principalmente da água; apoiar e incentivar os municípios para que elaborem e executem o seu Plano de Saneamento Básico; acompanhar a elaboração e a excussão dos Planos Municipais de Saneamento Básico; desenvolver a consciência de que políticas públicas na área de saneamento básico apenas tomar-se-ão realidade pelo trabalho e esforço em conjunto; denunciar a privatização dos serviços de saneamento básico, pois eles devem ser política pública como obrigação do Estado; desenvolver a compreensão da relação entre ecumenismo, fidelidade à proposta cristã e envolvimento com as necessidades humanas básicas.

Como se constata os desafios que perpetram essa Campanha chamam a atenção para a nossa responsabilidade com o planeta, nossa Casa Comum, a partir da na promoção da justiça e do direito ao saneamento básico. Que cada fiel cristão assuma o compromisso de dedicar-se à refletir sobre o imperativo tema da CF 2016.

Paulo Tardivo
Arquidiocese de Londrina

Campanha da Fraternidade 2016: abertura na Arquidiocese de BH

bh_cfe2016_01

Arquidiocese de Belo Horizonte realiza a abertura da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016: no sábado, dia 13 de fevereiro. A abertura da será às 14h, na Associação dos Moradores do Conjunto Ribeiro de Abreu (Rua Serra Geral, 70).

Este ano a Campanha é ecumênica e discutirá a situação do Saneamento Básico em todo o país. Como tema “Casa comum, nossa responsabilidade” e lema: “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5, 24), a Campanha será coordenada pela Conferência Nacional dos Bispos do brasil (CNBB e o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic).

A cada cinco anos, a Campanha da Fraternidade é realizada de forma ecumênica. A primeira, foi em 2000, e teve como tema “Dignidade humana e paz”, e o lema escolhido foi: “Novo milênio sem exclusões”. A segunda edição, em 2005, falou sobre “Solidariedade e paz”, com o lema: “Felizes os que promovem a paz”. Em 2010, o tema foi “Economia e Vida”, com o lema “Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro”.

Programação:

14h – Acolhida e visita aos estandes
15h – Apresentação do tema e considerações
16h – Apresentações culturais
16h30 – Celebração
17h30 – Músicas
18h – Encerramento
Conic

O Conic é o Conselho Ecumênico formado pelas Igrejas Católica Apostólica Romana, Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, Episcopal Anglicana do Brasil e Presbiteriana Unida do Brasil, Episcopal Anglicana do Brasil e Sirian Ortodoxa de Antioquia.

banner_cfe2016

São Paulo recebe encontro regional para debater CFE 2016

O evento foi realizado em Indaiatuba, Itaici, reunindo centenas de participantes

São Paulo recebeu, nos dias 23, 24 e 25 de outubro, o Encontro Estadual da Campanha da Fraternidade Ecumênica (CFE). O evento foi realizado em Indaiatuba, Itaici, reunindo centenas de participantes.

sp_cfe2016

A Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2016 terá como tema “Casa Comum: nossa responsabilidade” e o lema “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5,24). Nessa edição, o objetivo geral da CFE será “assegurar o direito ao saneamento básico para todas as pessoas e empenharmo-nos, à luz da fé, por políticas públicas e atitudes responsáveis que garantam a integridade e o futuro de nossa Casa Comum”.

Durante o evento, as reflexões sobre o saneamento básico contidas no texto-base demonstram que esse é um direito humano fundamental e, como todos os outros direitos, requer a união de esforços entre sociedade civil e poder público no planejamento e na prestação de serviços e de cuidados.

De acordo com Antônio Evangelista, um dos participantes, dados da agência Trata Brasil dão conta de que o tratamento do esgoto está diretamente implicado na qualidade de vida da população. “O país, apesar de ser a sétima economia mundial, ocupa a triste posição de número 112, numa lista de 200 países, quando o assunto é tratar a produção de esgoto. A falta na elaboração de projetos, mais do que a falta de dinheiro, é a causa responsável de direcionar cerca de 3.500 piscinas olímpicas de esgoto diariamente em córregos e rios, nas 100 cidades mais ricas do Brasil”, afirmou.

Você pode adquirir o texto-base e outros materiais da Campanha neste site: edicoescnbb.com.br.

Mais informações sobre a Campanha, clique aqui.


Clique aqui e assista o vídeo oficial da Campanha

Católicos e luteranos: Declaração a Caminho da unidade

luteranos_e_catolicos

Expressando 50 anos de diálogo nacional e internacional, luteranos e católicos juntos emitiram uma “Declaração a Caminho: Igreja, Ministério e Eucaristia” (Declaration on the Way: Church, Ministry and Eucharist), documento ecumênico que marca um trajeto em direção a uma unidade mais visível entre católicos e luteranos. A publicação em 30 de outubro deste documento vem na véspera do aniversário da publicação das 95 Teses de Martinho Lutero, fator que provocou a Reforma protestante.

A declaração foi publicada por Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, sigla em inglês), 30-10-2015. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

“Em sua recente visita aos Estados Unidos, o Papa Francisco enfatizou, repetidas vezes, a necessidade e a importância de um diálogo. Esta Declaração a Caminho representa, de forma concreta, uma oportunidade para que os luteranos e católicos se juntem, agora, de maneira unificadora num caminho finalmente em direção à comunhão plena”, disse Dom Denis J. Madden, bispo auxiliar da Arquidiocese de Baltimore, membro católico da força-tarefa que produziu a Declaração.

“Quinhentos anos atrás, guerras foram travadas com base nas mesmas questões sobre as quais os luteranos e católicos romanos, hoje, alcançam um consenso”, disse a bispa Elizabeth A. Eaton, presidente da Igreja Evangélica Luterana na América – ELCA (na sigla em inglês).

“Igreja, Ministério e Eucaristia têm sido áreas de desacordo e separação entre as nossas duas igrejas, e ainda temos muito a fazer – tanto em termos teológicos como pastorais – na medida em que analisamos as questões. Esta Declaração é muito animadora porque nos mostra 32 pontos importantes em que já podemos dizer que já não há motivos para nos dividir enquanto igrejas; ele nos dá esperanças e uma direção para o futuro”, disse ela.

No cerne do documento estão 32 “Afirmações de Concordância” (Statements of Agreement), onde luteranos e católicos já possuem pontos de convergência em tópicos sobre igreja, ministério e Eucaristia. Estas concordâncias sinalizam que os católicos e luteranos estão, de fato, “a caminho” de uma unidade plena, visível. Na medida em que 2017 se aproxima, ano do 500º aniversário da Reforma, este testemunho de uma unidade crescente traz uma mensagem poderosa de esperança e reconciliação. O documento igualmente indica diferenças ainda existentes entre os luteranos e católicos, apontando para possíveis saídas daqui em diante.

Em outubro, tanto a Conferência dos Bispos da ELCA (organismo consultivo da igreja) como o Comitê para Assuntos Ecumênicos e Inter-Religiosos da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês) receberam e reafirmaram, por unanimidade, as 32 Concordâncias. Os bispos da ELCA pediram que o Conselho de Igreja as aceite e encaminhe o documento inteiro à Assembleia Mundial da ELCA de 2016, o mais alto organismo legislativo da denominação.

O documento busca uma recepção do “Statement of Agreements” por parte da Federação Luterana Mundial – FLM e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos – PCPUC. A FLM é uma comunhão global de 145 igrejas em 98 países em todo o mundo. Dos Estados Unidos a ELCA é única igreja participante.

Em sua parte conclusiva, o texto convida o PCPUC e a FLM a criar um processo e um cronograma em que se abordariam as questões remanescentes. Ele também sugere que a expansão das oportunidades de os luteranos e católicos receberem a Sagrada Comunhão juntos seria um sinal dos acordos já alcançados. A Declaração igualmente busca um compromisso em aprofundar a ligação, em nível local, dos católicos e luteranos.

Em dezembro de 2011, o Cardeal Kurt Koch, presidente do PCPUC, propôs uma declaração para selar alguns acordos sobre igreja, o ministério e a Eucaristia. A ELCA e a Conferência dos Bispos Católicos dos EUA responderam à proposta do cardeal ao identificar estudiosos católicos e luteranos e líderes para produzirem a Declaração a Caminho, partindo principalmente das declarações das comissões para o diálogo internacional dadas pela FLM e pelo PCPUC e de gama de diálogos regionais, incluindo alguns travados nos Estados Unidos.

Um resultado significativo do diálogo luterano-católico nos EUA e em nível internacional é a Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação – DCDJ, assinada em 1999 em Augsburg. Com a DCDJ, a FLM e a Igreja Católica concordaram com uma compreensão comum da doutrina da justificação e declararam que certas condenações entre si, datadas do século XVI, não mais se aplicam.

O texto da Declaração a Caminho (Declaration on the Way) e mais informações estão disponíveis aqui.

Com informações do IHU Unisinos

Regional Noroeste CNBB manifesta preocupação com entidades

Regional Noroeste da CNBB manifesta preocupação com entidades comprometidas com a dignidade, paz e justiça

Bispos, leigos/as, religiosos/as e organismos do Regional Noroeste da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), reunidos na 9ª Assembleia Geral deste Regional (que abrange as dioceses de Rondônia, Acre e Sul do Amazonas), realizada entre os dias 16 e 18 de outubro de 2015, em Porto Velho, no estado de Rondônia, divulgaram documento final em que manifestam preocupação com as ameaças de violência à população do campo e aos agentes da Comissão Pastoral da Terra (CPT), aos indígenas e aos indigenistas e seus respectivos órgãos, como o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), às organizações dos povos indígenas da Amazônia e outras entidades comprometidas com a dignidade, a paz e a justiça.

“Procuramos em muitos momentos buscar as razões para compreender esse contexto em que as políticas deveriam estar comprometidas com o bem-estar da população menos favorecida. Pois, a vida é um dom a ser vivido como único, e, o ambiente como ‘casa comum’ (Campanha da Fraternidade Ecumênica/2016), valores esses que devem ser defendidos por todos”, afirma a nota, que questiona ainda “É possível percorrer o caminho da paz? Podemos sair desta espiral de dor e de morte? Podemos aprender de novo a caminhar e percorrer o caminho da paz? … Sim, é possível para todos!”.

Baixe o documento final na íntegra:

Destaques