Campanhas

Formação para o Ano Nacional do Laicato

Começaremos a viver, a partir do domingo de Cristo Rei deste ano, Dia do Cristão leigo, o ano do laicato. Uma iniciativa de nossa Conferência Episcopal no intuito de protagonizar o papel e a missão dos leigos na igreja e no na sociedade. Os leigos são os cristãos batizados que não estão ligados como membros às Sagradas Ordens, ou seja, os que foram incorporados a Cristo pelo Batismo, que formam o Povo de Deus, e que participam da função sacerdotal, profética e régia de Cristo.

Os cristãos leigos estão na linha mais avançada da vida da Igreja; e devem ter uma consciência clara, não somente de pertencerem à Igreja, mas de “serem e sentirem com a Igreja”, isto é, a comunidade dos fiéis na terra em unidade com o Santo Padre, o Papa, e em comunhão com seus Bispos. Juntos, como a Igreja.

O leigo tem como vocação própria, procurar o Reino de Deus exercendo funções no mundo, no trabalho, mas ordenando-as segundo o Plano e a vontade de Deus. Cristo os chama a ser “sal da terra e luz do mundo” (lema deste ano do laicato). O leigo deve ser testemunha de Cristo aonde o sacerdote não chega. Ele deve levar a luz de Cristo aos ambientes de trevas, de pecado, de injustiça, de violência, enfim, ao mundo de hoje com suas virtudes e mazelas. Assim, no mundo do trabalho, levando tudo a Deus, o leigo contribui para o louvor do Criador. Ele constrói o mundo pelo trabalho, e assim coloca na obra de Deus a sua assinatura.

Sabendo da importância do leigo para a Igreja, a Igreja no Brasil tem a proposta de celebrar no período de 26 de novembro de 2017, Solenidade de Cristo Rei, à 25 de novembro de 2018, o “Ano do Laicato”.

O tema escolhido para animar a mística do Ano do Laicato foi: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino” e o lema, como já dissemos: “Sal da Terra e Luz do Mundo” (Mt 5,13-14).

O Ano do Laicato terá como objetivo geral: “Como Igreja, Povo de Deus, celebrar a presença e a organização dos cristãos leigos e leigas no Brasil; aprofundar a sua identidade, vocação, espiritualidade e missão; e testemunhar Jesus Cristo e seu Reino na sociedade”.

O Concílio Ecumênico Vaticano II fez vir à tona mais ainda a atividade do leigo na Igreja: “Os leigos que forem capazes e que se formarem para isto podem também dar sua colaboração na formação catequética, no ensino das ciências sagradas e atuar nos meios de comunicação social.” (CIC §906)

Os leigos são encarregados por Deus do apostolado em virtude do Batismo e da Confirmação, “eles têm a obrigação e gozam do direito, individualmente ou agrupados em associações, de trabalhar para que a mensagem divina da salvação seja conhecida e recebida por todos os homens e por toda a terra; esta obrigação é ainda mais presente se levarmos em conta que é somente por meio deles que os homens podem ouvir o Evangelho e conhecer a Cristo. Nas comunidades eclesiais, a ação deles é tão necessária que sem ela o apostolado dos pastores não pode, o mais das vezes, obter seu pleno efeito”. (CIC §900)

“Os leigos podem também sentir-se chamados ou vir a ser chamados para colaborar com os próprios pastores no serviço da comunidade eclesial, para o crescimento e a vida da mesma, exercendo ministérios bem diversificados, segundo a graça e os carismas que o Senhor quiser depositar neles.” (CIC §910). Nesse sentido, além do trabalho essencial dos leigos no mundo, a colaboração intra-eclesial também é muito importante como membros da Igreja.

A Comissão Episcopal Especial para o Ano do Laicato organizou as atividades em quatro eixos: 1) Eventos; 2) Comunicação, catequese e celebração; 3) Seminários temáticos nos Regionais; e 4) Publicações. O Ano do leigo, pretende ainda: “Dinamizar o estudo e a prática do documento 105: ‘Cristãos leigos e leigas na Igreja e na Sociedade’ e demais documentos do Magistério, em especial do Papa Francisco, sobre o Laicato; e estimular a presença e a atuação dos cristãos leigos e leigas, ‘verdadeiros sujeitos eclesiais’ (DAp, n. 497a), como “sal, luz e fermento” na Igreja e na Sociedade.

Contudo, o Ano do laicato será muito especial, pois, teremos a oportunidade de ainda mais aprofundar na missão do leigo e do seu papel no contexto atual de Igreja e mundo. Segundo Papa Francisco: “em virtude do Batismo recebido, os fiéis leigos são protagonistas na obra de evangelização e promoção humana”. “Incorporado à Igreja, cada membro do Povo de Deus é inseparavelmente discípulo e missionário. É preciso sempre reiniciar dessa raiz comum a todos nós, filhos da Mãe Igreja”.

Que nossos leigos e leigas neste ano especial, fiéis filhos da Igreja, e seguidores de Jesus Cristo, possam, diante de tantas ideologias e injustiças serem testemunhas de um tempo novo em que o Evangelho vivido seja um sinal de esperança cristã para a sociedade, totalmente comprometidos com Jesus Cristo e guiados pelo Espírito Santo no caminho para o Pai e assim sejam sempre mais testemunhas evangélicas da misericórdia divina!

Cardeal Orani João Tempesta
Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro

A Campanha da Fraternidade de 2018 por Pe. Brendan Coleman

A Campanha da Fraternidade de 2018 tem como tema: “Fraternidade e superação da violência” e como lema: “Vós sois todos irmãos” (Mt. 23,8). Segundo o texto-base: “o tema pretende considerar que a violência nunca constitui uma resposta justa. A Igreja Católica proclama, com a convicção de sua fé em Cristo e com a consciência de sua missão, que a violência é um mal, que a violência é inaceitável como solução para os problemas, que a violência não é digna do homem. A violência é mentira que se opõe à verdade de nossa fé, à verdade de nossa humanidade. A violência destrói o que ambiciona defender: a dignidade, a vida, a liberdade dos seres humanos”.

O Objetivo Geral da campanha da Fraternidade 2018 é: “Constituir a fraternidade, promovendo a cultura da paz, da reconciliação e da justiça, à luz da Palavra de Deus, como caminho de superação da violência”. Há também nesta Campanha sete Objetivos Específicos: a) Anunciar a Boa-Nova da fraternidade e da paz, estimulando ações concretas que expressem a conversão e a reconciliação no espírito quaresmal; b) Analisar as múltiplas formas de violência, especialmente as provocadas pelo tráfico de drogas considerando suas causas e consequências na sociedade brasileira; c) Identificar o alcance da violência, nas realidades urbana e rural de nosso país, propondo caminhos de superação, a partir do diálogo, da misericórdia e da justiça, em sintonia com o Ensino Social da Igreja; d) Valorizar a família e a escola como espaços de convivência fraterna, de educação para a paz e de testemunho do amor e do perdão; e) Identificar, acompanhar e reivindicar políticas públicas para superação da desigualdade social e da violência; f) Estimular as comunidades cristãs, pastorais, associações religiosas e movimentos eclesiais ao compromisso com ações que levem à superação da violência; g) Apoiar os centros de direitos humanos, comissões de justiça e paz, conselhos paritários de direitos e organizações da sociedade civil que trabalham para a superação da violência.

A Campanha usa o método conhecido de “Ver, Julgar e Agir” para analisar a situação da violência no país. A parte titulada “Ver” é dividida em três subdivisões: (i) As múltiplas formas da violência; (ii) A violência como sistema no Brasil; e (iii) As vítimas da violência no Brasil contemporâneo. O texto-base da CF cita os tipos de violência sofridos pelas vítimas no Brasil contemporâneo: A lista é longa: Violência racial, doméstica, religiosa, no trânsito, contra jovens e mulheres, violência sexual e tráfico humano, violência e narcotráfico, violência policial, violência contra os trabalhadores rurais e contra os povos tradicionais etc.

O setor da CF titulado “Julgar” apresenta a fundamentação religiosa para evitar a violência. A violência é um tema abundante na Sagrada Escritura especialmente no Antigo Testamento. O texto-base da CF oferece um riquíssimo estudo sobre isso. Porém, é no Novo Testamento que Jesus anuncia o evangelho da reconciliação e da paz. “Os escritos do Novo Testamento nasceram à luz da Páscoa de Jesus e todos a refletem de alguma forma. O centro do Novo Testamento é Jesus que é por excelência uma pessoa não violenta. Por isso, não se encontra nenhum tipo de incentivo à violência em suas páginas”. Fiel à mensagem de paz e reconciliação de Jesus a Igreja oferece sua colaboração para a superação da violência, como partilha de sua experiência e de sua fé. Vários documentos Pontifícios além do Concílio Vaticano ll são citados aqui no texto-base.

Finalmente, no setor titulado “Agir” encontramos ações para a superação da violência. “A superação da violência nasce da relação com o outro. O primeiro lugar onde o ser humano aprende a se relacionar é na família”, portanto sua importância na luta contra a violência. A CF deste ano de 2018 propõe a construção e a promoção de uma cultura da paz. Apresenta pistas e áreas concretas que precisam ser reexaminadas para atingir esta meta: a) O Estatuto da Criança e do Adolescente; b) A violência doméstica e a Lei Maria da Penha; c) Os Direitos Humanos; d) A superação da violência gerada pela exploração sexual pelo tráfico humano; e) Violência e juventude; f) O racismo e a superação da violência; g) A superação da violência no campo; h) A superação da violência fruto do narcotráfico; i) O Estatuto do Desarmamento; j) A violência religiosa; k) A violência política; l) A violência no trânsito; e m) A Defensoria pública. O Texto-base tem 124 páginas e vale a pena adquiri-lo.

Brendan Coleman Mc Donald, Redentorista e Assessor da CNBB Reg. NE1

CF 2018: Diocese de Erexim reflete sobre criminalidade

Clero da diocese de Erexim reflete sobre criminalidade

Com a presença de dom José Gislon, bispo diocesano, e dom Girônimo Zanandréa, bispo emérito, os padres e diáconos da diocese de Erexim realizaram sua quarta e última reunião do ano, no Seminário de Fátima, em Erexim (RS).

A violência na região

Em vista do tema da Campanha da Fraternidade do próximo ano, “Fraternidade e superação da violência”, o tempo de estudo da reunião foi dedicado a uma visão geral da criminalidade na região, com a assessoria da Delegada da 11ª Região Policial, Diana Zanatta. Com recursos gráficos, clareza e objetividade, ela apresentou a estrutura da Delegacia e dos órgãos policiais de sua abrangência e dados estatísticos gerais da violência e da criminalidade na região e em particular contra a mulher, apontando causas e consequências. Alguns fatores do problema são a deficiência de pessoas, recursos e condições do sistema policial, a desestruturação da família, a cultura de domínio e posse do homem sobre a mulher, crimes de “colarinho branco” não devidamente investigados e penalizados, a falta de meios de aplicação das leis, o narcotráfico e outros. Em relação à violência doméstica, há o constrangimento e o medo da mulher denunciar a violência que sofre. As vítimas do estelionato e do conto do bilhete vivem a mesma situação. Delegada Diana ressaltou o papel da Igreja na sociedade para a superação da violência e para o estabelecimento de relações justas, harmônicas e pacíficas. Ela destacou a família como base de tudo.

Ano Nacional do Laicato

Pe. Maicon Malacarne, coordenador diocesano de pastoral, recordou aspectos do Ano do Laicato no Brasil a partir da solenidade de Cristo Rei deste ano, dia 26 deste mês, até a do próximo ano, em 25 de novembro. O tema é: “Cristãos leigos e leigas, sujeitos na ‘Igreja em saída’, a serviço do Reino”. O lema, “Sal da Terra e Luz do Mundo”. A abertura na Diocese será na missa das 09h do próximo dia 26 na Catedral, presidida pelo bispo, com a entrega de uma capelinha da Sagrada Família para representantes das 30 Paróquias que a compõem. Cada Paróquia organizará a peregrinação desta capelinha em suas comunidades, escolas, entidades, movimentos eclesiais e grupos sociais.

Curso de formação para a pastoral da consolação e da esperança

Visa preparar pessoas para acompanhar as famílias na experiência da morte, proporcionando-lhes momentos de escuta e de oração, bem como ajudando em eventual necessidade de encaminhamentos práticos de velório e sepultamento. O curso teria vinte encontros semanais, nas terças-feiras, das 19h às 22h, a partir, possivelmente do dia 10 de abril do próximo ano. A formação se daria em torno de cinco eixos: dimensão antropológica, tratando especialmente sobre a realidade da morte; dimensão bíblico-teológica, refletindo sobre a visão cristã da morte, do que vem depois dela, a ressurreição, a vinda final de Cristo; dimensão psicológica, aprofundando a questão do sofrimento e o luto; a dimensão litúrgica, estudando a celebração do mistério pascal no velório e nas exéquias; a dimensão da espiritualidade pastoral, vendo práticas eclesiais na doença, morte e luto.

Relatório sobre o projeto de revitalização do Santuário

Dom José introduziu a exposição sobre assuntos administrativos dizendo que se daria destaque maior ao relatório sobre projeto de revitalização do Santuário. Em sua maior parte, ele foi concluído. Foi um grande empreendimento, só possível pelo esforço de todos, de modo especial pelo empenho dos leigos e leigas. Foi realizado em vista da dimensão espiritual, do cultivo da fé, da piedade popular. João Fachini, pela comissão econômica, apresentou os custos das etapas concluídas do projeto e a previsão de gastos com a etapa que falta, a capela da reconciliação. As despesas com as etapas concluídas, calçamento e luminárias dos dois lados da esplanada, Santuário, monumento, velário, asfalto e paisagismo foram de R$ 2.870.889,00. A previsão para a capela da reconciliação é de R$ 470.000. Assim, o total do projeto será de R$ 3.341.000,00. As receitas, até agora, totalizam R$ 2.242.884,00 provenientes de contribuições de pessoas e famílias, de paróquias e empresas, do Seminário e da Cúria Diocesana, sem nenhum recurso público. No momento, há um déficit de R$ 628.000,00, referentes a contas a serem pagas a fornecedores até o janeiro do próximo ano. A comissão estima conseguir esta importância com nova campanha junto a empresas, com doações das Paróquias, do seminário e da Cúria Diocesana. Depois de saldadas estas contas, ver-se-á os encaminhamentos para a última etapa do projeto, a capela da reconciliação.

Outros assuntos da reunião

Pastoral do Batismo, projeto vocacional “cada comunidade uma vocação”, avaliação da Romaria, agenda pastoral do próximo ano, pastoral da comunicação, com a contratação de um jornalista, Vinicius Martins Freitas, e outros.

Comunicações de Dom José

Foi encaminhada a organização de um novo site da Diocese, com mais alternativas de divulgação da organização e da vida eclesial. No próximo ano, fará visita a todas as paróquias, juntamente com o coordenador de pastoral e membros do setor administrativo para encontro com as lideranças durante um período de aproximadamente três horas. Até o final do ano, será executado um projeto de estacionamento em frente ao Centro Diocesano, tornando-o privativo para os que nele trabalham, para os padres, para participantes de reuniões e para quem precise tratar de assuntos relacionados a ele. Recordou o compromisso de todas as paróquias, no próximo ano de implementarem a Iniciação à Vida Cristã de espírito catecumenal. Apresentou também um esboço de projeto de remodelação de um espaço do Seminário de Fátima para acolher padres idosos ou enfermos, que seria o “Lar Sacerdotal”.

Diana Zanatta: Tem Graduação em Direito pela Universidade Federal de Santa Maria – UFSM (1998). Possui Especialização em Direito Processual Civil pela Universidade do Oeste de Santa Catarina – UNOESC (1999); Mestrado em Direito pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI – Campus de Santo Ângelo/RS (2015); É Delegada de Polícia da Polícia Civil do RS desde 2004. Atualmente é Delegada de Polícia Regional da 11ª Região Policial (Titular da Delegacia de Polícia Regional de Erechim/RS). É professora do Curso de Direito da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI – Campus de Erechim/RS, da disciplina de Direito Penal, desde 2010. Experiência na área de Direito, com ênfase em Direito Penal.

Diocese de Erexim

2018: o ano do Laicato no Brasil

Um dos sinais mais positivos de nossos tempos é, sem dúvida, a crescente e cada vez mais intensa participação dos leigos na vida da Igreja. Nesse histórico foi tão grande o número daqueles que transmitiram a fé, que podemos dizer que foi uma “primavera”, um florescer para um novo tempo: cristãos leigos testemunhando os valores do Evangelho também no mundo econômico e político, trabalhando para que o Reino de Cristo aconteça no mundo, transformando as relações pessoais, semeando a justiça e, fazendo valer no mundo o mandamento do amor, assim, apontando para a esperança do Reino.

Leigos e leigas assumem esse compromisso no dia do batismo. São eles a maioria do povo de Deus no anúncio e no testemunho do Evangelho, os leigos são sujeitos capazes de levar Jesus Cristo a todos os recantos da terra. Leigo é aquele que é consagrado, e enquanto consagrado tem uma missão, sendo ele enviado para “atuar” no mundo que não é consagrado. Essa é a missão secular do leigo.

Vinte anos após o Concílio Vaticano II, um novo documento, escrito pelo papa João Paulo II, a Exortação Christifideles laici, trouxe novamente à luz esse tema, firmando o passo nos avanços alcançados e possibilitando novas aberturas de consciência para que o laicato se revele como verdadeiro dom de Deus para a Igreja. Justamente agora, na comemoração dos 30 anos da Christifideles laici, o Ano do Laicato nos possibilita viver intensamente essa conquista.

O tema escolhido reflete o longo trajeto de estudos realizado pela Igreja no Brasil, que teve como fruto o documento 105: “Cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade”, aprovado na 54ª Assembleia Geral da CNBB. Nele se acentua que o leigo é membro do corpo de Cristo Jesus, responsável pela evangelização, sendo fermento, sal da terra e luz do mundo. Esse documento vem fazendo crescer a consciência da missão do laicato em todo o Brasil e, sem dúvida, o Ano do Laicato reacende a importância da missão dos leigos. A CNBB, neste documento vem ressignificar mais as mentes e os corações, na Igreja, para uma participação mais viva e consciente.

O papel do leigo na igreja

A vocação leiga é expressão de Cristo ao próximo, por meio do sacramento do Batismo, impulsionada pela graça do Espírito Santo. Nesse sentido, não se pode “fechar” os olhos, é preciso, antes, abri-los para enxergar os leigos como protagonistas da ação evangelizadora. É com eles que a Igreja parte para sua sublime missão de levar Jesus Cristo “a todos os povos”. Basta ouvir a voz da Igreja na Lumen Gentium, dizendo que o conjunto dos fiéis é chamado por Deus a contribuir, do interior, à maneira de fermento, para a santificação do mundo, por meio do cumprimento do próprio dever, guiados pelo espírito evangélico.

A grande forma de evangelizar, então, é abraçar a vocação, de modo a ser portador da palavra, levando a Igreja ao diálogo. O catecismo apresenta uma grande diretriz sobre a vocação leiga: “Os fiéis leigos estão na linha mais avançada da vida da Igreja: graças a eles a Igreja é o princípio vital da sociedade humana. Por isso, especialmente, eles devem ter uma consciência sempre mais clara, não somente de pertencerem à Igreja, mas de ser Igreja, isto é, a comunidade dos fiéis na terra sob a direção do chefe comum, o Papa, e os bispos em comunhão com ele. Isso é a Igreja”.

É essa comunhão que une e faz Igreja plena em Jesus. A vocação leiga é ser Igreja, viver pela Igreja e viver com a Igreja. E, como Igreja, deve-se olhar para as exigências sociais que os cercam, enxergar onde elas estão e descobrir o novo que nasce para, com a graça de Deus, tornar o rosto de Cristo visível aqui na terra.

Afinal, hoje a sociedade necessita de cristãos leigos que amem o que fazem e que levem suas experiências com Cristo a todos a sua volta. Falta alegria no que se faz! Mostrar a vocação de leigo, que é ser amor de Deus ao próximo, fará transparecer a face de Jesus à sociedade, levando a verdade e a justiça na política, na educação, na saúde, ou seja, em todo lugar, sendo verdadeiramente sal e luz.

Não dá para ficar indiferente às injustiças e não levar à comunidade a esperança do amor que brota e que vem de Cristo. O mundo está à frente! O Santo Padre, o Papa Francisco, nos exorta na Evangelii Gaudium: “Saí para evangelizar, a Igreja clama por vós! Sair para ir ao encontro do outro, o que atrai e une em Cristo Jesus”. De fato, a própria vocação é viver o Batismo para o caminho da santificação, é anunciar e colaborar com uma civilização do amor, na responsabilidade de povo de Deus, fiel aos seus ensinamentos. De tal maneira que não há vocação inferior, todas são para a busca da salvação e da santificação. Por isso, a vocação leiga é ser a face de Cristo no meio da humanidade. E que cada um abrace o seu apostolado para promover verdadeiras e frutuosas vocações, uma vez que todos são chamados à santidade!

Diego Medeiros – 4º ano de teologia
diocesedeosasco.com.br

ONU do Brasil lança campanha pelo fim da violência contra jovens negros

A Organização das Nações Unidas no Brasil lançará, nesta terça-feira dia 7 de novembro, em Brasília, a campanha “Vidas Negras”, pelo fim da violência contra jovens negros.

A iniciativa, ligada à Década Internacional de Afrodescendentes, envolve os 26 organismos da equipe de país da ONU. O objetivo é sensibilizar sociedade, gestores públicos, sistema de Justiça, setor privado e movimentos sociais a respeito da importONU do Brasil lança campanha pelo fim da violência contra jovens negrosância de políticas de prevenção e enfrentamento da discriminação racial.

Racismo

Para a ONU, o racismo é uma das principais causas históricas da situação de violência e letalidade a que a população negra está submetida. Atualmente, um homem negro tem até 12 vezes mais chance de ser vítima de homicídio no Brasil que um não negro, segundo o Mapa da Violência.

O lançamento, com divulgação de vídeos e materiais de campanha, terá início às 15h30, na Casa da ONU, em Brasília (DF), e contará com a presença do coordenador residente das Nações Unidas, Niky Fabiancic; de representantes do governo e da sociedade civil que atuam no tema; e do ator Érico Brás – apoiador da campanha “Vidas Negras” e participante dos vídeos e peças.

No Brasil, sete em cada dez pessoas assassinadas são negras. Na faixa etária de 15 a 29 anos, são cinco vidas perdidas para a violência a cada duas horas. De 2005 a 2015, enquanto a taxa de homicídios por 100 mil habitantes teve queda de 12% entre os não negros, para os negros houve aumento de 18%.

Agenda 2030

“O Brasil é um dos 193 países comprometidos com a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Um dos principais compromissos dessa nova agenda é não deixar ninguém para trás em relação às metas de desenvolvimento sustentável, incluindo jovens negros. Com a campanha Vidas Negras, a ONU convida brasileiras e brasileiros a se engajarem e promoverem ações que garantam o futuro de jovens negros”, comenta o coordenador residente da ONU, Niky Fabiancic.

Segundo pesquisa realizada pela Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) e pelo Senado Federal, 56% da população brasileira concorda com a afirmação de que “a morte violenta de um jovem negro choca menos a sociedade do que a morte de um jovem branco”. O dado revela o grau de indiferença com que os brasileiros têm encarado um problema que deveria ser de todos.

A campanha quer chamar atenção para o fato de que cada perda é um prejuízo para o conjunto da sociedade. Além disso, deseja alertar sobre como o racismo tem restringido a cidadania de pessoas negras de diferentes formas.

Vítimas da violência

Segundo dados recentemente divulgados pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), de cada 1 mil adolescentes brasileiros, quatro vão ser assassinados antes de completar 19 anos. Se nada for feito, serão 43 mil brasileiros entre os 12 e os 18 anos mortos de 2015 a 2021, três vezes mais negros do que brancos.

Entre os jovens, de 15 a 29, nos próximos 23 minutos, uma vida negra será perdida e um futuro cancelado, segundo o Mapa da Violência. A campanha defende que esta morte precisa ser evitada e, para isso, é necessário que Estado e sociedade se comprometam com o fim do racismo – elemento-chave na definição do perfil das vítimas da violência.

Consciência Negra

As peças da campanha abordam diferentes facetas da questão, que vão da discriminação como obstáculo à cidadania plena; passam pelo tratamento desigual de pessoas negras em espaços públicos; e pelo vazio deixado pelos jovens assassinados nas famílias e comunidades; chegando até o problema da filtragem racial (escolha de suspeitos pela polícia, com base exclusivamente na cor da pele).

Participam dos vídeos e demais materiais, além de Érico Brás, Taís Araújo, Kenia Maria, Elisa Lucinda e o Dream Team do Passinho.

A campanha, principal ação do Sistema ONU Brasil no mês da Consciência Negra, não para por aí. Ela seguirá estimulando o debate sobre a necessidade urgente de medidas voltadas para superação do racismo nos diferentes segmentos da sociedade.

(MJ/ACNUR Brasil)

Destaques