Primeiro material de formação sobre a Campanha da Fraternidade 2018

No Brasil, os homicídios dolosos são uma triste realidade: 56.000 pessoas são assassinadas todos os anos no País, o que equivale a 29 vítimas por 100.000 habitantes.

Com o tema, lema e objetivos da Campanha da Fraternidade 2018 definidos, podemos começar os nossos estudos.

O grande desafio daqui pra frente não é somente saber conteúdos, posto que esses estão disponíveis na Internet, mas quais informações são importantes e relevantes para o seu crescimento e da comunidade, como essas informações vão mudar o modo de ver o mundo e de fazer as pessoas crescerem espiritualmente.

A sociedade do conhecimento inaugurou uma nova era. Participe de redes sociais, se inscreva, interaja mais, colabore com o que você sabe e pergunte mais, procure saber, trocar ideias e informações. Não basta ter acesso ao dicionário gigante de informações é preciso que ele faça sentido a todos nós e o laboratório de troca de experiências são as redes sociais. E tenha um filtro para as chamadas “Fake News” (notícias e artigos falsos), não compartilhe sem saber a fonte e a veracidade dos fatos.

Acompanhe aqui no Portal Kairós todos os materiais e notícias da Campanha do ano que vem.


Baixe o primeiro material de formação e estudo sobre a CF 2018 –  155 páginas


Objetivo geral:
“Construir a fraternidade, promovendo a cultura da paz, da reconciliação e da justiça, à luz da Palavra de Deus, como caminho de superação da violência.

Objetivos específicos:
01 – Anunciar a Boa Nova da fraternidade e da paz, estimulando ações concretas que expressem a conversão e a reconciliação no espírito quaresmal.

02 – Analisar as múltiplas formas de violência, considerando suas causas e consequências na sociedade brasileira, especialmente as provocadas pelo tráfico de drogas;

03 – Identificar o alcance da violência nas realidades urbana e rural de nosso país, propondo caminhos de superação a partir do diálogo, da misericórdia e da justiça em sintonia com o Ensino Social da Igreja.

04 – Valorizar a família e a escola como espaços de convivência fraterna, de educação para a paz e de testemunho do amor e do perdão.

05 – Identificar, acompanhar e reivindicar políticas públicas de superação da desigualdade social e da violência.

06 – Estimular as comunidades cristãs, pastorais, associações religiosas e movimentos eclesiais ao compromisso com ações que levem à superação da violência.

07 – Apoiar os centros de direitos humanos, comissões de justiça e paz, conselhos paritários de direitos e organizações da sociedade civil que trabalham para a superação da violência.

 

Portal Kairós

Concurso para o Cartaz oficial da Campanha da Fraternidade 2018

Violência urbana: triste realidade do Brasil

Processo de escolha do Cartaz oficial da Campanha da Fraternidade 2018

I – A Campanha da Fraternidade – CF

Em 1964, em pleno desenvolvimento do Concílio Vaticano II, realizou-se a primeira Campanha da Fraternidade, em âmbito nacional, sob os cuidados da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB.
Expressão de comunhão, conversão e partilha, a Campanha da Fraternidade tem como objetivos permanentes: 1. Despertar o espírito comunitário e cristão na busca do bem comum; 2. Educar para a vida em fraternidade; 3. Renovar a consciência da responsabilidade de todos pela ação evangelizadora, em vista de uma sociedade justa e solidária.
A cada ano, os Bispos do Conselho Episcopal Pastoral (CONSEP) da CNBB, acolhendo as sugestões vindas dos Regionais da CNBB, das organizações eclesiais, escolhem um tema e um lema para chamar a atenção sobre alguma situação que, na sociedade, precisa de cuidados para o bem de todos.
Para o ano de 2018, foi escolhido o tema “FRATERNIDADE E SUPERAÇÃO DA VIOLÊNCIA”, e o lema: “VÓS SOIS TODOS IRMÃOS” (Mt 28,3),

Objetivo geral: “Construir a fraternidade, promovendo a cultura da paz, da reconciliação e da justiça, à luz da Palavra de Deus, como caminho de superação da violência.

Objetivos específicos:
01 – Anunciar a Boa Nova da fraternidade e da paz, estimulando ações concretas que expressem a conversão e a reconciliação no espírito quaresmal.
02 – Analisar as múltiplas formas de violência, considerando suas causas e consequências na sociedade brasileira, especialmente as provocadas pelo tráfico de drogas;
03 – Identificar o alcance da violência nas realidades urbana e rural de nosso país, propondo caminhos de superação a partir do diálogo, da misericórdia e da justiça em sintonia com o Ensino Social da Igreja.
04 – Valorizar a família e a escola como espaços de convivência fraterna, de educação para a paz e de testemunho do amor e do perdão.
05 – Identificar, acompanhar e reivindicar políticas públicas de superação da desigualdade social e da violência.
06 – Estimular as comunidades cristãs, pastorais, associações religiosas e movimentos eclesiais ao compromisso com ações que levem à superação da violência.
07 – Apoiar os centros de direitos humanos, comissões de justiça e paz, conselhos paritários de direitos e organizações da sociedade civil que trabalham para a superação da violência.

II – O Tema da CF 2018

O tema da CF 2018 pretende considerar que a violência nunca constitui uma resposta justa. A Igreja proclama, com a convicção da sua fé em Cristo e com a consciência de sua missão, que a violência é um mal, que a violência é inaceitável como solução para os problemas, que a violência não é digna do homem. A violência é mentira que se opõe à verdade da nossa fé, à verdade da nossa humanidade. A violência destrói o que ambiciona defender: a dignidade, a vida, a liberdade dos seres humanos.

A busca de soluções alternativas à violência para resolver os conflitos assumiu atualmente um caráter de dramática urgência. É, portanto, essencial a busca das causas que originam a violência, em primeiro lugar as que se ligam a situações estruturais de injustiça, de miséria, de exploração, sobre as quais é necessário intervir com o objetivo de superá-las. (Cf. Compêndio da Doutrina Social da Igreja).

A proposta é a superação da violência, e nos ajuda nessa reflexão o discurso do Papa Francisco no encontro com os presidentes Abbas e Peres, no ano 2014: “Ouvimos uma chamada e devemos responder: a chamada a romper a espiral do ódio e da violência, a rompê-la com uma única palavra: “irmão”. Mas, para dizer esta palavra, devemos todos levantar os olhos ao Céu e reconhecer-nos filhos de um único Pai”.

III – O Lema da CF 2018

O lema da CF 2018 busca resgatar o sentido da Fraternidade dos povos somos todos irmãos e irmãs filhos e filhas de um mesmo Pai por isso iluminados pelo Evangelho do Reino somos chamados a não violência.

A mensagem do Papa Francisco para o 47º Dia mundial da Paz nos ajuda aprofundar essa realidade: “Surge espontaneamente a pergunta: poderão um dia os homens e as mulheres deste mundo corresponder plenamente ao anseio de fraternidade, gravado neles por Deus Pai? Conseguirão, meramente com as suas forças, vencer a indiferença, o egoísmo e o ódio, aceitar as legítimas diferenças que caracterizam os irmãos e as irmãs?

Parafraseando as palavras do Senhor Jesus, poderemos sintetizar assim a resposta que Ele nos dá: dado que há um só Pai, que é Deus, vós sois todos irmãos ( Mt 23,9). A raiz da fraternidade está contida na paternidade de Deus. Não se trata de uma paternidade genérica, indistinta e historicamente ineficaz, mas do amor pessoal, solícito e extraordinariamente concreto de Deus por cada um dos homens (Mt 6, 25-30). Trata-se, por conseguinte, de uma paternidade eficazmente geradora de fraternidade, porque o amor de Deus, quando é acolhido, torna-se no mais admirável agente de transformação da vida e das relações com o outro, abrindo os seres humanos à solidariedade e à partilha ativa.

Em particular, a fraternidade humana foi regenerada em e por Jesus Cristo, com a sua morte e ressurreição. A cruz é o “lugar” definitivo de fundação da fraternidade que os homens, por si sós, não são capazes de gerar. Jesus Cristo, que assumiu a natureza humana para a redimir, amando o Pai até à morte e morte de cruz (Fl 2, 8), por meio da sua ressurreição constitui-nos como humanidade nova, em plena comunhão com a vontade de Deus, com o seu projeto, que inclui a realização plena da vocação à fraternidade.

IV – A elaboração do Cartaz da CF 2018

a) O Cartaz deverá conter, além da arte, os dizeres: “Campanha da Fraternidade 2018”; “Fraternidade e superação da violência” e “Vós sois todos irmãos (Mt 28,3);
b) Visibilizar uma mensagem clara… possível de ser lida e entendida a uma razoável distância (10m). A ideia do Tema e do Lema deve ser facilmente assimilada pelo público.
c) Que seja de fácil/imediata leitura/assimilação por parte das pessoas ou do público a quem se dirige…
d) Apresentar uma mensagem que cause impacto no público…
e) Ante estas considerações, como deve ser o título/tema/ideia central do Cartaz (fonte, tamanho, cor, localização…) considerando ainda que o Cartaz da CF conjuga mensagem de texto (com diversas informações – ordem de prioridade/ importância…) e mensagem de imagem…?
f) Destaque maior ao Tema da CF.
g) Destaque um pouco menor ao Lema, mas destaque.
h) De forma mais reduzida as demais informações do Cartaz….
i) Não sobrecarregar demais o Cartaz (dizeres, imagens/desenhos…) – Confunde, diminui a assimilação da mensagem forte desse instrumento/meio de divulgação…
j) Pensar uma arte que seja viável para ser aplicada além do Cartaz, como por exemplo: adesivo, camiseta, bonés, mochilas.

V – Prazos, escolha e cessão de direitos

01 – O Cartaz deverá ser enviado à CNBB (endereço abaixo) até o dia 20 de julho de 2017;
02 – O Conselho Episcopal Pastoral (CONSEP) da CNBB procederá a escolha do Cartaz, tendo liberdade para sugerir as modificações que acharem necessárias para o bem pastoral da Conferência a ser distribuído em todo o território nacional;
03 – O autor do Cartaz escolhido será premiado com o Manual com os subsídios da CF 2017 e terá o nome em todos os textos impressos;
04 – Após aprovado o cartaz serão inseridos: o dia da Coleta nacional da solidariedade e as logomarcas da Campanha e da CNBB
05 – O Cartaz deverá ser acompanhado do termo de Cessão Gratuita de Direitos Autorais (ver modelo no site da CNBB), sem o qual o autor estará impedido de participar do concurso.
06 – O Cartaz deverá ser endereçado à:
CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL – CNBB
Setor Campanhas
SE/SUL – Quadra 801 – Conjunto ‘B’
70.200-014 – BRASÍLIA-DF

Edital em PDF

Os Bispos do Conselho Episcopal Pastoral (CONSEP) agradecem aos que se sentiram inspirados a partilhar do seu talento para construir o instrumental capaz de fazer chegar ao coração de cada irmão e irmã a mensagem de Jesus, nosso Senhor e Salvador.
Por intercessão de Nossa Mãe Aparecida, desça sobre o povo brasileiro a bênção de Deus Pai e Filho e Espírito Santo.
Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário-Geral da CNBB


CNBB

Edição e adaptação: Portal Kairós

CNBB lança edital de concurso do cartaz da CF 2018

Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lançou no dia 20 de junho, o concurso para a escolha do cartaz da CF 2018. Os interessados deverão enviar suas propostas até o dia 20 de julho.

Embora muitos avanços tenham sido alcançados com a Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006), ainda assim, hoje, contabilizamos 4,8 assassinatos a cada 100 mil mulheres, número que coloca o Brasil no 5º lugar no ranking de países nesse tipo de crime.

Com base no tema da Campanha da Fraternidade 2018 “Fraternidade e superação da violência” e o lema “Vós sois todos irmãos”, o cartaz da Campanha da Fraternidade deverá conter além da arte, os dizeres do título e do lema. Além disso, é exigido também que a mensagem possa ser lida, entendida e assimilada pelo público a uma razoável distância de 10 metros.

Em relação às características, o edital sugere que a mensagem exposta no cartaz apresente um impacto no público e dê um maior destaque ao tema e, posteriormente, ao lema. Também é proposto que o candidato pense em uma arte que seja viável para ser aplicada além do cartaz como por exemplo, adesivo, camiseta, bonés, mochilas.

As criações deverão ser encaminhadas à sede da CNBB até o dia 20 de julho. O Conselho Episcopal Pastoral (Consep) da CNBB procederá a escolha do cartaz, tendo liberdade para sugerir as modificações necessárias. O autor será premiado com o manual dos subsídios da CF 2017 e terá o nome em todos os textos impressos.

“Os bispos do Conselho Episcopal Pastoral (Consep) agradecem aos que se sentiram inspirados a partilhar do seu talento para construir o instrumental capaz de fazer chegar ao coração de cada irmão e irmã a mensagem de Jesus, nosso Senhor e Salvador. Por intercessão de Nossa Mãe Aparecida, desça sobre o povo brasileiro a bênção de Deus Pai e Filho e Espírito Santo”.

Confira o edital completo

Campanha da Fraternidade

Em 1964, em pleno desenvolvimento do Concílio Vaticano II, realizou-se a primeira Campanha da Fraternidade, em âmbito nacional, sob os cuidados da CNBB. Expressão de comunhão, conversão e partilha, a CF tem como objetivos permanentes despertar o espírito comunitário e cristão na busca do bem comum; educar para a vida em fraternidade e renovar a consciência da responsabilidade de todos pela ação evangelizadora, em vista de uma sociedade justa e solidária.

A cada ano, os bispos do Consep da CNBB, acolhendo as sugestões vindas dos regionais da CNBB, das organizações eclesiais, escolhem um tema e um lema para chamar a atenção sobre alguma situação que, na sociedade, precisa de cuidados para o bem de todos. Para o ano de 2018, foi escolhido o tema “Fraternidade e superação da violência” e o lema: “Vós sois todos irmãos” (Mt 28,3). Um dos objetivos este ano é “construir a fraternidade, promovendo a cultura da paz, da reconciliação e da justiça, à luz da Palavra de Deus, como caminho de superação da violência”.

 

CNBB
Portal Kairós

Assassinatos de Jovens entrarão na pauta da Campanha da Fraternidade 2018

Assassinatos de Jovens entrarão na pauta da Campanha da Fraternidade 2018

Os assassinatos de jovens no Brasil entrarão na pauta da Campanha da Fraternidade em 2018, cujo tema central será Fraternidade e Superação da Violência. A informação foi confirmada nesta segunda-feira (17), pelo arcebispo primaz do Brasil e titular da Arquidiocese Salvador, Dom Murillo Krieger, que recebeu a visita da senadora Lídice da Mata (PSB-BA) e do ex-vereador Fernando Schimidt.

Durante o encontro, que ocorreu na Cúria Metropolitana, no bairro do Garcia, em Salvador, a senadora entregou ao arcebispo um exemplar do relatório da CPI do Senado que investigou os assassinatos de jovens no Brasil, com audiências em todas as regiões do País, à qual ela foi presidente. “É um documento que traz relatos de mães e avaliações dos principais especialistas do Brasil no tema  violência e segurança pública. Creio que esse relatório vai contribuir com a campanha que será coordenada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)”, avaliou Lídice que também conversou sobre temas como a Reforma da Previdência e a Lei da Terceirização com Dom Murillo.

Os assassinatos de Jovens estarão na pauta da CF 2018

Conheça Dom Murilo S. R. Krieger

Ordenação Presbiteral: 07/12/1969
Ordenação Episcopal: 28/04/1985
Nomeação como Arcebispo de São Salvador da Bahia: 12/01/2011
Posse como Arcebispo de São Salvador da Bahia: 25/03/2011
Lema: “Deus é amor”

Catarinense de Brusque, onde nasceu a 19 de setembro de 1943, Dom Murilo Sebastião Ramos Krieger, scj, teve a vocação sacerdotal despertada ainda quando criança. Realizou os estudos de primeiro e segundo graus no Seminário de Corupá, SC, na Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus. Após receber a Ordenação Episcopal, trabalhou com Dom Afonso até março de 1991 e com Dom Eusébio Oscar Scheid de março a junho de 1991. Nesse ano, no dia 22 de julho, assumiu a Diocese de Ponta Grossa, PR.

No dia 11 de julho de 1997, assumiu a Arquidiocese de Maringá, no Paraná. Dom Murilo foi nomeado Arcebispo de Florianópolis em 20 de fevereiro de 2002, assumindo essa Arquidiocese no dia 27 de abril de 2002. A posse na Arquidiocese de Salvador aconteceu em 25 de março de 2011.

Dom Murilo é autor de vários livros, escreve em revistas e jornais e tem programas na televisão e na Rádio Excelsior da Bahia, sempre com o intuito de evangelizar. Dentre as obras publicadas, destacam-se: Shalom: A Paz ao Alcance da Juventude (Loyola); O Primeiro, o Último, o Único Natal (Loyola); Com Maria, a Mãe de Jesus (Paulinas); Um mês com Maria (Paulinas); Anunciai a Boa Nova (Canção Nova); Dai-lhes vós mesmos de comer (CNBB) e Se eu tivesse uma câmera digital… (Paulinas).

Arquidiocese de Palmas entregam carta sobre a CF 2017

CF 2017: movimentos sociais da arquidiocese de Palmas entregam carta aos deputados

Somente quando for cortada a última árvore, pescado o último peixe, poluído o último rio, é que as pessoas vão perceber que não podem comer dinheiro

Por ocasião do Lançamento da Campanha da Fraternidade (CF-2017), na Câmara Municipal de Palmas (TO) e na Assembleia Legislativa do Estado do Tocantins, os movimentos sociais da arquidiocese de Palmas entregaram aos deputados uma carta solicitando deles empenho redobrado na defesa da vida das pessoas e dos biomas brasileiros, em especial do Cerrado. O ato teve lugar no último dia no dia 14 de março e mostra uma das ações que as dioceses do Brasil vêm realizando para chamar a atenção sobre o cuidado da Casa Comum. Confira a íntegra da Carta.

Arquidiocese de Palmas

Arquidiocese de Palmas, Tocantins

“Somente quando for cortada a última árvore, pescado o último peixe, poluído o último rio, é que as pessoas vão perceber que não podem comer dinheiro” (Provérbio Indígena).

Caros deputados, caras deputadas, o cuidado com o meio ambiente e a defesa da vida têm sido temas de Campanhas da Fraternidade anteriores. No ano passado, ao abordar o tema do saneamento básico, a Campanha da Fraternidade Ecumênica nos lembrou que o cuidado com a Casa Comum é responsabilidade nossa. A Campanha da Fraternidade (CF) deste ano, que tem como tema: “Fraternidade: os Biomas Brasileiros e a diversidade da vida” e como lema: “Cultivar e Guardar a Criação” (Gn 2,15), nos convida a viver a fraternidade em sintonia com cada Bioma e co seus respectivos povos, nas situações atuais em que se encontram.

O objetivo geral da CF 2017 é cuidar da criação, de modo especial dos Biomas Brasileiros, dons de Deus e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho. Atualmente, como resultado da expansão das atividades agropecuárias e da urbanização no país, os seis Biomas brasileiros correm risco de extinção, caso sejam mantidos os mesmos padrões de ocupação e de exploração dos mesmos. O Brasil, embora possua uma grande biodiversidade, corre o risco de perdê-la, caso as leis ambientais de proteção destes Biomas não sejam colocadas em prática.

A título de exemplo, o Bioma Cerrado, que abrange partes dos Estados de Goiás, do Tocantins, do Mato Grosso, do Mato Grosso do Sul, de Minas Gerais, da Bahia, do Maranhão, do Piauí, de Rondônia, de São Paulo e do Distrito Federal, tem um papel fundamental no ciclo das águas brasileiras. É chamado de “caixa d’água do Brasil”, pois, acumula as águas das chuvas em seu subsolo poroso e contribui para a formação de grandes aquíferos das outras regiões brasileiras. É inclusive o berço dos Rios Parnaíba, São Francisco e tantos outros. O Cerrado é, portanto, fundamental para a conservação da biodiversidade e dos recursos hídricos. No entanto, várias espécies, típicas do Cerrado, encontram-se na lista de ameaçadas de extinção.

Como é do conhecimento dos senhores e das senhoras, o Cerrado está sendo ocupado e explorado, de forma desordenada, pela monocultura do Agronegócio. Este tipo de monocultivo que produzir mais, com mais agrotóxicos, poluindo a água e matando o solo, permite o desmatamento de grandes áreas, que vai se apossando das terras das comunidades tradicionais, compacta o solo, modifica a sua textura e, por consequência, altera a vegetação e modifica o regime das águas. Tudo isto traz efeitos danosos a todo território brasileiro que precisa destes serviços ambientais. Este regime dificulta o avanço para práticas de cultivo alternativo e sustentável, menos nocivo ao solo e ao ser humano.

Um exemplo disto é o Município de Campos Lindos que, desde 2005, é o maior produtor de soja do Estado do Tocantins. Mas ocupou o primeiro posto absoluto entre todos os municípios do país no mapa da pobreza e da desigualdade. Por este índice, divulgado em 2003, 84% da população vive na pobreza e 62,4% dos moradores não ingerem o mínimo de calorias diárias para sobreviver. Mateiros é o terceiro maior produtor de soja do Estado e ocupa o terceiro lugar no mapa da pobreza. Os pobres, neste município, constituem 81,5% da população local.

O desenvolvimento destrutivista, realizado pelo agronegócio no Cerrado, e que será potencializado pelo MATOPIBA, é responsável pela destruição do Cerrado, de grilagens de terras, de desmatamento e de implementação de grandes projetos, com violências e assassinatos de pessoas, ligadas à questão da terra. No nosso Cerrado, considerado de a última fronteira agrícola do Brasil, o agronegócio tem avançado sobre as terras e os territórios indígenas, expulsando camponeses, quilombolas, utilizando-se do trabalho escravo, destruindo e envenenando nossos rios com uso abusivo de agrotóxicos.

Problemas ambientais mais graves e comuns do Estado do Tocantins são: a caça e a pesca ilegal; o desmatamento e o transporte ilegal de madeira; a extração ilegal de produtos minerais; a extração ilegal de palmito; o tráfico de animais silvestres; o mau-trato de animais; o atropelamento de fauna silvestre; o plantio exagerado das monoculturas; o desmatamento das nascentes; a captação das águas dos rios para irrigação de grandes projetos; a pulverização de agrotóxico, impactando as comunidades indígenas, ribeirinhas e o solo; os impactos ambientais de grandes projetos, como por exemplo, o MATOBIPA; o tráfico de fósseis; o tráfico de orquídeas; as queimadas e os incêndios florestais; a queima de lixo em áreas urbanas; a falta de esgotamento sanitária na maioria das cidades do Tocantins; as poluições do ar e sonora; a introdução de espécies exóticas, a ausência de uma política pública de resíduos sólidos na maioria dos municípios Tocantinenses

Solicitamos desta Casa de Leis que se empenhe no sentido de:
01 – Revogação da Lei Estadual 2713/2013 que isenta de licenciamento ambiental todos os projetos agrossilvipastoris no Tocantins;

02 – Empenhar e articular para que municípios tocantinenses criem políticas públicas de resíduos sólidos e adote política para coleta seletiva e destinação corretas do lixo e resíduos sólidos;

03 – Respeitar os territórios dos povos indígenas e das comunidades quilombolas do Estado do Tocantins, dizendo não a PEC 215;

04 – Criar Leis de proteção ao Cerrado Tocantinense, como: desmatamento zero, combate ao uso de agrotóxicos; não desmatamento as margens dos rios e córregos; projetos que vise a recuperação das nascentes e mananciais dos nossos rios;

05 – Cobrar maior rigor nas fiscalizações dos órgãos ambientais no cumprimento de suas funções e proteção da fauna e da flora e consequentemente o Cerrado;

06 – Criar Lei que guarde e protejam o Cerrado como Patrimônio Tocantinense;

Sabemos que em nossa existência no planeta terra, tudo está interligado. O Papa Francisco deixa claro na Laudato si’ que não faz sentido cuidar bem da ecologia e descuidar do social, descuidar dos pobres e necessitados. Os bens da criação pertencem a todos. Assim, uma verdadeira preocupação ecológica sempre estará marcada por uma preocupação social. É preciso ouvir tanto o clamor da terra como o clamor dos pobres (LS 49). A unidade é superior ao conflito (LS 198). Não há como resolver o problema da ecologia, sem ao mesmo tempo, resolver o problema social.

A partir do convite de cuidar da Casa Comum, a Arquidiocese de Palmas, conclama os senhores Deputados e as senhoras Deputadas, a se engajarem na luta pela defesa do Cerrado, apoiando a proteção, demarcação e titulação das terras e territórios indígenas, quilombolas e camponeses.

Que seja fecunda a caminhada quaresmal e peço a Deus que a Campanha da Fraternidade 2017 atinja seus objetivos. Invocando a companhia e a proteção de Nossa Senhora da Natividade sobre todo o povo do Tocantins.

 

arquidiocesedepalmas.org.br