Cartaz da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016 – CFE 2016

cartaz_cfe_2016_oficial_pk

Música do Hino oficial da Campanha da Fraternidade 2016

Hino oficial da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016
  1. Hino da CF 2016 CF 2016
  2. Hino da CF 2016 - Voz e Violão Hino da CF 2016

Baixe o Hino da CFE 2016 (música em mp3):

Baixe o Hino da CFE 2016 na Versão Voz e Violão (música em mp3):

Baixe a cifra do Hino da CFE 2016:

Baixe a partitura do Hino da CFE 2016 (acordes):

Baixe a partitura de TODAS as músicas da CFE 2016:

 

Na Área Especial:

Baixe a partitura do Hino da CFE 2016 (solo):

 

Baixe todas as músicas da CF 2016 + Músicas litúrgicas + Midi + Playbacks especiais do Hino

 

Campanha da Fraternidade 2016 Hino da CF 2016 e cantos para a Quaresma ano C São Lucas
Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016 Hino da CFE 2016 e cantos para a Quaresma ano C São Lucas

Apresentação da CFE 2016

“Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca”. (Am 5,24)

Com alegria e animados pelo Espírito, cujo agir consiste em unir, chamar, congregar, superar barreiras e unir pessoas de boa vontade ao redor de objetivos comuns, apresentamos a Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2016, com o tema “Casa Comum: nossa responsabilidade” e o lema “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5,24).

Pela quarta vez, a Campanha da Fraternidade é realizada de forma ecumênica. Nesse ano, tem como objetivo geral “assegurar o direito ao saneamento básico para todas as pessoas e empenharmo-nos, à luz da fé, por políticas públicas e atitudes responsáveis que garantam a integridade e o futuro de nossa Casa Comum”.

As reflexões sobre o saneamento básico contidas no texto-base demonstram que esse é um direito humano fundamental e, como todos os outros direitos, requer a união de esforços entre sociedade civil e poder público no planejamento e na prestação de serviços e de cuidados.

Desejamos que o texto-base contribua para mobilizar e criar espaços ecumênicos de comprometimento com a Casa Comum.

Nosso agradecimento especial a todas as pessoas que contribuíram com a redação desse trabalho, que reflete a soma de muitas experiências e compromissos. O texto foi elaborado em mutirão ecumênico. Todas as pessoas que colaboraram desde as primeiras palavras até a última revisão, colocaram a serviço do testemunho da unidade cristã seus dons e conhecimentos.

Acreditamos que um mundo de justiça e direito precisa ser construído assim: coletivamente, somando as criatividades, os talentos e as experiências em benefício do bem comum.

Que essa CFE fortaleça a fé e a esperança de uma Casa Comum, em que o direito brote como fonte e a justiça qual riacho que não seca!

 

Dom Flávio Irala – Presidente
Pastora Romi Márcia Bencke – Secretária-Geral

Integrantes da Comissão da CFE 2016

Igrejas e organizações da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016

Padre Marcus Barbosa
Suplente: Antônio Evangelista
Igreja Católica Apostólica Romana

Pastor Teobaldo Witter
Suplente: Sr. Amando Maurmann
Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil

Reverenda Carmen Kawano
Suplente: Enea Stutz de Almeida
Igreja Episcopal Anglicana do Brasil

Reverendo Isaque Goés
Igreja Presbiteriana Unida do Brasil

Zulmira Inês LourenaGomes da Costa
Suplente: Padre Joanilson Pires
Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia

Padre José Oscar Beozzo
Suplente: Cecília Franco
Centro Ecumênico de Serviços à Evangelização e Educação Popular – CESEEP

Pastor Wellinton Pereira
Suplente: Flávio Conrado
Visão Mundial

Pastor Joel Zeferino
Aliança de Batistas do Brasil

Pastor Altemir Labes e Presbítero Danieldo Amaral
Diretoria do CONIC

Padre Thomas Schmidt
Misereor

Pastora Romi Márcia Bencke
CONIC

Objetivo geral e específicos da CFE 2016

cnbb_logoObjetivo geral:

Assegurar o direito ao saneamento básico para todas as pessoas e empenharmo-nos, à luz da fé, por políticas públicas e atitudes responsáveis que garantam a integridade e o futuro de nossa Casa Comum.

Objetivos específicos:

1 – Unir as igrejas, diferentes expressões religiosas e pessoas de boa vontade na promoção da justiça e do direito ao saneamento básico;

2 – Estimular o conhecimento da realidade local em relação aos serviços de saneamento básico;

3 – Incentivar o consumo responsável dos dons da natureza, principalmente da água;

4 – Apoiar e incentivar os municípios para que elaborem e executem o seu Plano de Saneamento Básico;

5 – Acompanhar a elaboração e a excussão dos Planos Municipais de Saneamento Básico;

6 – Desenvolver a consciência de que políticas públicas na área de saneamento básico apenas tomar-se-ão realidade pelo trabalho e esforço em conjunto;

7 – Denunciar a privatização dos serviços de saneamento básico, pois eles devem ser política pública como obrigação do Estado;

8 – Desenvolver a compreensão da relação entre ecumenismo, fidelidade à proposta cristã e envolvimento com as necessidades humanas básicas.