Papa: a misericórdia abre a porta da mente e do coração

“A misericórdia é a pedra angular na vida de fé”: palavras do Papa que antecederam a oração mariana do Regina Caeli neste II domingo de Páscoa, dedicado à Divina Misericórdia.

Aos milhares de fiéis reunidos na Praça S. Pedro, Francisco explicou que este domingo, na tradição da Igreja, era chamado “in albis” (alba). A expressão evocava o rito do batismo na Vigília de Páscoa e veste branca ofertada para a ocasião. No passado, esta veste era usada por uma semana, até o domingo in albis, quando era retirad, e os neófitas iniciavam sua nova vida em Cristo e na Igreja. Já no Jubileu do Ano 2000, São João Paulo II teve “a belíssima intuição” de dedicar o II domingo de Páscoa à Divina Misericórdia.

A misericórdia se apresenta como perdão dos pecados

No dia da ressurreição de Jesus, a misericórdia se apresenta como perdão dos pecados, como narrado no Evangelho deste domingo. Cristo diz aos seus discípulos: “A quem perdoardes os pecados eles lhes serão perdoados”; e transmitiu à sua Igreja, como primeira tarefa, a missão de levar a todos o anúncio concreto do perdão.

A misericórdia abre a porta da mente

A experiência da misericórdia, acrescentou o Papa, abre a porta da mente para compreender melhor o mistério de Deus e da nossa existência pessoal. “Faz entender que a violência, o rancor, a vingança não têm qualquer sentido, e a primeira vítima é quem vive desses sentimentos, porque se priva da própria dignidade.”

A misericórdia abre a porta do coração

Francisco ressaltou que a misericórdia abre também a porta do coração e permite expressar a proximidade sobretudo aos que estão sós e marginalizados, porque os faz sentir irmãos e filhos de um só Pai. “A misericórdia aquece o coração e o torna sensível às necessidades dos irmãos com a compartilha e a participação. A misericórdia, enfim, compromete todos a serem instrumentos de justiça, de reconciliação e de paz. Jamais nos esqueçamos que a misericórdia é a pedra angular na vida de fé, e a forma concreta com a qual damos visibilidade à ressurreição de Jesus.”

Devotos da Divina Misericórdia

Ao final da oração do Regina Caeli, o Papa saudou de modo especial os devotos da Divina Misercórdia, e recordou a beatificação em Oviedo, na Espanha do Pe. Luis Antonio Rosa Ormières. Francisco agradeceu e retribui os votos de feliz Páscoa que recebeu de milhares de fiéis.

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Domingo da Divina Misericórdia: “Coração de Jesus eu confio em vós”

A primeira leitura deste domingo nos relata a vida dos primeiros cristãos. Ela está estruturada sobre quatro colunas: o ensinamento dos apóstolos, a partilha dos bens, a partilha do pão ou Eucaristia e as orações em comum.

O ensinamento dos apóstolos ou catequese provocava nos discípulos uma mudança de vida. A fé na palavra de Deus, revelada por e em Jesus Cristo, agora era explicada pelos apóstolos, e os cristãos deixavam de ser simples cidadãos, para com suas vidas, testemunharem Jesus Cristo. Esse testemunho veremos concretamente nas outras três colunas.

Se acreditavam em Jesus Cristo, elas criam que Deus era Pai de todos e isso os levava a um sentimento de radical fraternidade, daí a partilha de bens, a renúncia à propriedade particular, onde tudo é, livremente, colocado em comum e distribuído de acordo com as necessidades pessoais. Com isso não existe mais pobres.

A partilha do pão celebrava a memória de Jesus que partilhou sua vida. Assim, se reuniram para realizar o gesto e o mandamento de Jesus: “Fazei isso em minha memória de mim”.

O Senhor estava presente no meio deles de modo eucarístico e era partilhado como alimento, como sustento para o dia a dia.
Finalmente a Comunidade também se reunia para louvar o Senhor e, certamente, rezar o Pai-Nosso.

O autor dos Atos nos fala ainda que esse estilo de vida simples, fraterno e temente a Deus, suscitava a adesão de outras pessoas a fazerem parte do grupo dos amigos de Jesus.

Peçamos ao Senhor que nossa vida de batizados, de homens e mulheres que creem em Jesus, seja fiel à nossa profissão de fé.

Para isso vale que cada noite nossa consciência diante do Senhor nos diga até onde vivemos nossa fé, se fomos capazes de partilhar nossos bens, nosso tempo, nossa atenção, nossa capacidade de ajudar o outro.

A partilha do pão eucarístico da vida que é Jesus deverá refletir o meu dia, meu ato de partilhar os bens que geram vida, com aquele irmão ou irmã, aquele próximo que é carente deles. Feliz Páscoa!

(Reflexão do Padre Cesar Augusto dos Santos)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Congregação pede orações pela saúde da Irmã Miria Kolling

A Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria – Província Nossa Senhora Guadalupe – pede orações pela saúde da Irmã Miria T. Kolling. A religiosa sofreu um leve infarto e está internada no Hospital Santa Virgínia, em São Paulo (SP).

Na quarta-feira, 19 de abril, Irmã Miria sentiu dores no peito, sendo internada no dia seguinte. Após ser diagnosticado o infarto, a religiosa foi submetida a um procedimento de cateterismo. Ela continua internada e aguarda as condições favoráveis para ser submetida a uma cirurgia de angioplastia. Por orientação médica, as visitas estão proibidas.

Irmã Miria Kolling é um dos grandes nomes da música católica. Com 77 anos, sendo 46 de caminho musical, a religiosa da Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria publicou mais de 600 obras musicais, abrangendo Missas, catequese, hinos diversos e outros cantos. A religiosa também é escritora com especial dedicação às orientações sobre canto e liturgia. Incansável, viaja o Brasil e o exterior, dinamizando cursos de liturgia e canto.

“Unamo-nos em oração pelo dom da saúde e recuperação da nossa querida Irmã Miria”, pede nota oficial da congregação.

Biografia

Irmã MIRIA THEREZINHA KOLLING é religiosa da Congregação do Imaculado Coração de Maria. Nascida em Dois Irmãos, Rio Grande do Sul – Brasil,desde cedo aprendeu na família a amar e cultivar a música. Na Congregação teve oportunidade de aprofundar seus estudos musicais.

Fez o Curso de Formação Profissional de Professor Primário, no Instituto de Educação “Padre Anchieta” , em São Paulo, onde mereceu Cadeira Prêmio, efetivando-se sem concurso, no magistério público do Estado, como Professor I.

Cursou Pedagogia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Santos (Licenciatura Plena) e Música – bacharelado em Instrumento – Piano, na Faculdade de Música de Santos.

Em 1981 participou do Simpósio Internacional de Música Sacra e Cultura Brasileira, realizado em São Paulo, SP, evento que lhe abriu caminhos para seu aprofundamento em música sacra na Alemanha e na Áustria, com mestres europeus, por 2 anos (1983 e 1984), com Bolsa da Adveniat.

Estudou Técnica Vocal e Canto com os professores Adelia Issa e Caio Ferraz, em São Paulo. Fez também os cursos básicos de alemão, inglês e espanhol. Participa de Congressos, Festivais, Encontros de músicos pela CNBB, Semanas de Liturgia, bem como das Campanhas da Fraternidade, tendo já composto diversos hinos.

Morou em Santos por diversos anos, onde fez parte da Comissão Diocesana de Música Sacra, juntamente com Pe. Ximenes Coutinho, Pe. Lucio Floro e Juan Manuel Serrano Júnior. Foi lá que começou a compor e a se dedicar à Música Litúrgica, participando desde 1968 dos Cursos de Canto Pastoral que aconteciam em São Paulo e outras capitais. Desde 1989 reside em São Paulo – SP, mas exerce suas atividades litúrgico-musicais pelo Brasil todo, ministrando Encontros de Liturgia e Canto Pastoral.

É membro da Academia Feminina de Ciências, Letras e Artes de Santos- AFCLAS, como sócia fundadora, desde 1986. Como membro da Comissão de Bens Culturais da Igreja, que até 2003 estava sob a coordenação de Dom Gil Antonio Moreira, participou de dois Seminários promovidos pela Comissão, acontecidos em São Paulo, e coordenou o Curso de Música da UNIFAI, no ano de 2003, que infelizmente teve sua continuidade interrompida, por dificuldades internas.

Foi também membro da Sociedade Brasileira de Musicologia, e durante vários anos fez parte da Associação dos Regentes de Corais Infantis – ARCI, como regente do Coral Infantil “Do-Re-Mi”, do INSA (Instituto Nossa Senhora Auxiliadora, capital), com quem gravou diversos CDs (Missas com crianças e canções infantis), para Paulinas-COMEP e Paulus.

Como compositora de música litúrgica e religiosa, é conhecida sobretudo pelas Missas e cantos litúrgicos, para as Celebrações. Dentre as mais conhecidas: Missa da Amizade, sua obra prima, composta em 1970. Outras Missas: da Alegria, Ser Presença, O Senhor minha Festa ( uma experiência feita no interior do nordeste, e gravada também em Portugal), Bem-Aventurados, Creio na Vida, Espírito Santo, Noite Feliz ( Natal), Maria a Nova Mulher, Solidão Sonora ( uma experiência de Deus com São João da Cruz), Serei o Amor (experiência de Deus com Santa Teresinha, em Lisieux, na França), Nas Asas do Amor, Eterna Fonte (experiência de Deus com Santa Teresa), Deus é bom (refrãos orantes), Abre-te, ó céu (exéquias) e muitas outras, além de cantos para a catequese e evangelização, já mais de 600 músicas, em geral com letra e música de sua autoria.

Muitas obras estão gravadas em LPs e CDs (cerca de 50 gravações), das quais destacamos, entre outros:
Salmos da Vida – COMEP, Paulinas
Solidão Sonora – Em Busca de Deus – COMEP, Paulinas
O Coração da Trindade – Paulus
Serei o Amor (Santa Tereseinha) – Paulus
Canções Infantis (Vol 1 e vol 2) – Paulus
Graças, Senhor – COMEP, Paulinas
Em louvor a São José – COMEP, Pauluinas
Envia teu Espírito, Senhor ! Paulus
Cantando louvor a Maria – Paulus
A Boa Notícia (parábolas bíblicas, para crianças) – Paulinas/COMEP
Maria, a nova mulher – Ave Maria
Um Canto Novo (4 volumes) – Editora Vozes
Nas asas do amor – Paulus
Cantando os Salmos e Aclamações – Anos A, B e C – Paulus
Eterna Fonte (Santa Teresa de Ávila) – Paulus
Queremos ver Jesus – Paulinas/COMEP
Luz Nova se faz (cantos de mensagem) – Paulinas/COMEP
A vida que eu canto (cantos de mensagem) – Catolicanet
Serei o Amor (Santa Teresinha) – Paulus
O Mais Além – Paulinas COMEP
O Senhor, minha Festa (5 Missas) – Paulus
Abre-te, ó céus! (Para exéquias) – Paulus
Cantar brincando… brincar cantando! – Paulus
Cantos Celebrativos (4 Missas) – Paulinas/COMEP
Deus é bom – Paulus, 2010
Santos e Santas de Deus – volume 1 e 2, Paulus, 2007 e 2011.
Cantarei ao meu Senhor (experiência em Moçambique), Paulus 2012.
Padrinho do Povo – Paulus, 2013.

Coordenou ainda um livro com 310 páginas de partituras “Cantando os Salmos e Aclamações – Anos A, B e C “, conforme o Lecionário Litúrgico, compondo a maioria das melodias para os Salmos Responsoriais. Um trabalho editado pela Paulus, acompanhado de diversos CDs duplos.

Foi publicado pela Paulus, o livro de partituras, com 227 cantos, chamado CAMINHA E CANTA – As melhores músicas de Ir. Miria Therezinha Kolling, comemorativo dos seus 25 anos de música litúrgica, além do CD GRAÇAS, SENHOR, pelas Paulinas-COMEP.

Já esteve no Canadá e diversas vezes nos Estados Unidos, cantando com as comunidades brasileiras e portuguesas ( 1993, 1995 , 1998 , 2001, 2 004, 2007) e também em Portugal, onde lançou o LP ” Solidão Sonora” – Lisboa, e cantou com o povo de Guimarães. Em 1997 foi convidada pelos Padres Redentoristas para participar da Celebração comemorativa dos 300 anos de nascimento de Santo Afonso Maria de Ligório, realizando uma sessão musical com o Coral Santa Luzia e Orquestra de Câmara, no Instituto Paulo VI, em Fátima. Para a ocasião, compôs também diversos hinos, lá executados sob a sua regência. Tornou a voltar a Portugal com o mesmo fim, em maio de 2002, para a 50ª Peregrinação dos Redentoristas a Fátima, celebrando os 250 anos de nascimento de São Clemente Maria Hofbauer, para o qual compôs também dois hinos.

Em 2000 compôs o Hino à Bakhita – a negra sudanesa, canonizada por João Paulo II em 1º de outubro, ocasião em que foi convidada pela Congregação das Irmãs Canossianas a participar das celebrações, em Roma, onde cantou o Hino com o grupo brasileiro, na Basílica Santa Maria Maior.

Também compôs o Hino para o Congresso Eucarístico Nacional de Campinas – 19 a 22 de julho de 2001, coordenando a gravação do CD “Venham para a Ceia do Senhor””, com diversos cantos eucarísticos, pela Paulus.

Em 2003 gravou e lançou um CD dedicado inteiramente a Nossa Senhora “Cantando louvor a Maria” – cantos devocionais, e o CD – Nas asas do amor -, com letras do Pe. José Bortolini e músicas de sua autoria, ambos lançados pela Paulus. Em 2004, gravou com o grupo “Fruto da Terra”, sob a coordenação de João Cristal, um CD muito especial, comemorativo dos 35 anos de composição e serviço à música litúrgica, lançado e distribuído pela gravadora Paulinas – COMEP, com o título O Mais Além, tendo a participaçãode intérpretes convidados especiais, como Jair Rodrigues, Agnaldo Rayol, Camila Titinger, Céline Imbert, Thelma Chan, Pe. Antonio Maria e outros…

Em dezembro de 2004 foi lançada nova edição do livro CANTOS E ORAÇÕES para a liturgia da Missa, Celebrações e Encontros, da Editora VOZES (antigo Cecília e Vamos Cantar) com cerca de 1.600 cantos – Edição A, com letra para o povo, e Edição B, em dois volumes, com as partituras para os cantores, instrumentistas, músicos… Irmã Miria trabalhou no projeto por mais de 4 anos, coordenando-o juntamente com Frei José Luiz Prim e Frei Alberto Beckäuser. Uma verdadeira Antologia musical!

Em 2005, Irmã Miria celebrou seus 35 anos de composição e dedicação à música litúrgica, com a graça de Deus. Além do CD comemorativo O MAIS ALÉM, pelas Paulinas-COMEP, outros dois foram remasterizados e lançados: O Senhor, minha Festa, com Missas diversas, pela Paulus – Missa da Amizade, da Alegria, Ação de Graças, Noite Feliz e O Senhor, minha Festa; e Cantos celebrativos, pelas Paulinas, com as Missas de Páscoa, O Encontro, Bem-aventurados). Coordenou e lançou também o CD “Queremos ver Jesus”, pelas Paulinas, com cantos diversos desse projeto da CNBB, vivido pela Igreja do Brasil. O ano todo, por onde cantou, Irmã Míria celebrou com o povo a ação de graças pelo dom da música recebido de Deus, mas o ponto alto foi no dia 25 de novembro, quando na Igreja São José do Belém, em São Paulo, onde mora e atua, celebrou-se uma solene Eucaristia, presidida pelo Bispo da Região Belém, Dom Pedro Luiz Stringhini, concelebrada por Dom Emilio Pignoli, Pe. Ivan Danhone e outros padres, com a presença de muitos amigos.

Também fez parte das comemorações o “Momento Celebrativo Musical”, na Assembléia dos Bispos reunidos em Itaici, na noite de 11 de agosto, quando Irmã Míria cantou para os bispos, o que foi transmitido pela TV Canção Nova e Rede Vida, além de diversos outros programas e entrevistas, nas rádios, jornais e TVs católicas. Por isso, com o coração em festa, transbordando alegria e gratidão, a vida se faz canto mais uma vez, repetindo GRAÇAS, SENHOR, cantando O SENHOR, MINHA FESTA e buscando sempre O MAIS ALÉM.

Irmã Míria participou, em outubro do ano de 2006, como já em anos anteriores, da Semana de Liturgia, sempre realizada em Santa Fé, interior de São Paulo, com o tema “A Música Litúrgica”, de suma importância para o seu trabalho evangelizador através da música.

Dois CDs foram gravados e lançados em 2006, ambos pela Paulus Editora: Santos e Santas de Deus, com 15 músicas-hinos, o primeiro de uma série de CDs que cantam os santos padroeiros. O outro, Eterna Fonte, inspirado na vida, espiritualidade e obra de Santa Teresa de Ávila, contendo uma Missa e cantos diversos, numa linha orante e contemplativa. Ele completa a Trilogia Carmelitana, com Solidão Sonora (São João da Cruz – Paulinas) e Serei o Amor (Santa Teresinha – Paulus).

Alguns lançamentos foram feitos, destacando-se setembro – São Roque, e outubro – Belo Horizonte. Além destas duas obras, Irmã Míria coordenou um livro de partituras e CD “Cantar brincando… brincar cantando”, pela Paulus, com 36 brincadeiras e cantos de animação, para encontros com crianças, jovens e adultos, compilados e também compostos ao longo desses anos de viagens pelo Brasil, cantando com o povo. Teve logo sucesso garantido.

De 23 de maio a 09 de junho de 2006, Irmã Míria participou daPeregrinação à Terra Santa, presente que lhe foi dado por um sacerdote amigo, com um grupo de 52 peregrinos de Araraquara e Tietê, pela Home Tour de São Paulo. No roteiro estavam: Egito, Jordânia, Israel e Paris. Uma graça muito especial pisar o chão onde o Filho de Deus se encarnou e viveu sua missão, seguindo-lhe as pegadas. Oxalá tal experiência se transforme em mais música, para a glória de Deus e o bem dos irmãos. “Peregrinos em Canto”, composto para a ocasião, retrata um pouco a experiência.

De junho de 2006 a dezembro de 2011, Irmã Míria colaborou com a revista AVE MARIA, dos padres claretianos, escrevendo mensalmente um artigo sobre a Música na Liturgia, o que mais tarde se transformou em livro, com o título “Sustentai com arte a louvação! – A música a serviço da liturgia, muito útil às comunidades, sobretudo aos ministros da música.

Em agosto de 2006 aconteceu o Primeiro Encontro de Compositores Litúrgicos e Letristas, na Lareira São José- São Paulo, convocados pela CNBB, na pessoa do seu assessor para a música litúrgica, Frei Joaquim Fonseca, ofm, o que foi um passo importante na valorização da verdadeira música e num trabalho conjunto para um repertório adequado e digno do Mistério que celebramos na Liturgia. Com duração de 4 anos, a partir de 2008 os encontros foram assessorados pelo Pe. José Carlos Sala, então responsável pela Música Litúrgica da CNBB, dando continuidade à formação de compositores e letristas, encontro que se estendeu pelos anos seguintes, e continua até hoje.

Em 2008, lançou pela Paulus o CD Abre-te, ó céu!, para a celebração da morte e ressurreição de um irmão, de uma irmã, contendo Missa e diversos cantos. Lançamentos vários foram feitos em São Paulo e também nos Encontros de Liturgia e Canto Pastoral, pelo Brasil afora.

Também no ano de 2008 compôs, a pedido de Dom Odilo Pedro Scherer, o Hino Jubilar da Arquidiocese de São Paulo, comemorando os cem anos de sua existência, com o lema “Deus habita esta cidade!” Compôs ainda neste ano o canto “Sim, nós podemos!”, por ocasião da eleição histórica de Barack Obama, como presidente dos Estados Unidos, a 5 de novembro. A ele dedicado e enviado pessoalmente, com a versão em inglês, o mesmo se encontra no YouTube.

Participou do importante Seminário sobre a Pastoral Litúrgica no Brasil, promovido pela CNBB, na pessoa de Dom Joviano de Lima Júnior e diversos assessores, acontecido em São Paulo, de 11 a 15 de fevereiro de 2008.

Em 2009 coordenou a gravação do CD Por tudo, dai graças!, com um grupo de Irmãs, em Santa Maria – RS, realizado pela Congregação das Irmãs do Imaculado Coração de Maria, em preparação à beatificação de sua Fundadora, Bárbara Maix, soleníssima Celebração que aconteceu no dia 06 de novembro de 2010, em Porto Alegre, RS.

Em comemoração as seus 40 anos de compositora, em 2010, gravou com a Paulus Gravadora o CD Deus é bom, com 25 refrãos orantes e contemplativos, lançado no mesmo ano. O CD quis ser também uma homenagem especial a Dom Luciano Mendes de Almeida, cujas últimas palavras, antes de falecer, no dia 27 de agosto de 2006, foram: Deus é bom! Ainda em 2010, celebrou seus 50 anos de Vida Religiosa, como Irmã do Imaculado Coração de Maria.

Em 2010, o tema dos Encontros de Liturgia e Canto Pastoral foi “Eucaristia, pão da unidade dos discípulos missionários”, com o lema “Fica conosco, Senhor”, em razão do Congresso Eucarístico Nacional, realizado em Brasilia. Neste ano, Irmã Miria participou da Assembléia Nacional da CRB, em Brasília, de 19 a 22 de julho, compondo o hino “De olhos fixos em Jesus”, que foi amplamente divulgado e cantado na assembléia, também gravado pelas Paulinas/COMEP.

Ainda, o LP Luz Nova se faz, gravado em 1976 pelas Paulinas/COMEP, foi remasterizado e se transformou em CD. Para celebrar seus 40 anos de composição, Paulinas-COMEP e a Livraria Domingos de Morais promoveram uma “Manhã Musical”, no dia 27 de novembro.

Também em 2010, gravou e lançou o CD “Santos e Santas de Deus” – volume 2, com a gravadora Paulus, com excelente aceitação das comunidades, cantando padroeiros diversos. O maestro Rodrigo Vitta coordenou o trabalho musical, com belíssimos arranjos. “Um grito pela vida” foi um projeto da CNBB em favor da vida, que se transformou em CD, e cujo título leva o nome do hino composto por Irmã Miria, que participou do mesmo projeto.

Experiências sempre ricas e variadas são os Encontros de Liturgia e Canto Pastoral, que Irmã Miria continua assessorando de norte a sul do Brasil, verdadeiros momentos de graça, geradores de novas inspirações. Cerca de 30 encontros anuais são realizados sob a sua coordenação já há mais de 40 anos, atingindo especialmente os ministros da música e do canto litúrgico.

Em 2011, Irmã Miria teve a especial graça de fazer uma experiência em Moçambique, na África, permanecendo por 3 meses (início de março a final de maio) em terras africanas, sobretudo em Maputo (capital) e na Província de Nampula, onde percorreu o interior do país, convivendo com as comunidades, tendo contato com a música, a dança e o ritmo africanos, sobretudo na liturgia, o que foi uma riqueza única, ímpar… Desta experiência, inspirada pelo Senhor, nasceram novas músicas, que resultaram no CD Cantarei ao meu Senhor, gravado com a Paulus no mesmo ano, lançado e divulgado no ano de 2012, sobretudo nos Encontros de Liturgia e Canto, contendo Missa, Partes Fixas e cantos diversos, como o marcante “Vou sentir saudades, vou chorar de amor…”

Com o tema “Em Cristo somos novas criaturas” para os seus Encontros de Liturgia e Canto Pastoral em 2011, destacou a Exortação Apostólica “Verbum Domini”, do Papa Bento XVI, oferecendo sempre repertório novo, rico e variado aos agentes da música litúrgica. Dentre as muitas dioceses visitadas com seu canto, podemos citar: São Paulo (capital e interior), Rio de Janeiro (capital e Niterói), Goiás (Uruaçu), Paraná (Colombo e Paranavaí), Tocantins (Palmas), Bahia (Feira de Santana e Salvador), entre muitas outras.

Seu nome e pequena biografia constam do “Dicionário de MULHERES”, da autoria de Hilda Agnes Hübner Flores, editado pela Editora Mulheres – Florianópolis, 2011 em sua 2ª edição.

Participou da ExpoCatólica em julho de 2011, a convite da Editora Ave Maria, em comemoração ao lançamento do seu livro Sustentai com arte a louvação, contendo artigos sobre Música na Liturgia, além de um artigo sobre a Voz Humana, a Beleza na Liturgia e Aventuras Musicais.

O livro “Sustentai com arte a louvação ” – a música a serviço da liturgia, teve seu lançamento no dia 13 de agosto, na livraria Ave Maria, com a presença de muitos amigos.

Ainda no ano de 2011, a convite do Pe. Leo Pessini, Provincial dos Camilianos no Brasil, ajudou a coordenar a gravação do CD e DVD “Mais coração nas mãos”, juntamente com o produtor Rafael Righini, com 18 músicas, sendo várias delas de sua autoria. O lançamento aconteceu em 2012, celebrando os 90 anos de presença da Província Camiliana no Brasil.

Em 2012, a Igreja celebrou o 50º aniversário da abertura do Concílio Vaticano II, iniciando também o Ano da Fé, assim proclamado pelo Papa Bento XVI, eventos que foram tema dos Encontros de Liturgia e Canto Pastoral, juntamente com o CD Cantarei ao meu Senhor e o livroSustentai com arte a louvação, ministrados pelo Brasil afora. Também neste ano Ir. Miria participou do encontro “O Concilio Vaticano II, 50 anos depois”, assessorado pelo teólogo jesuíta Pe. João Batista Libânio, em Itaici. Esteve presente ainda na Semana de Liturgia, com o tema “A participação do Povo de Deus como sujeito da liturgia na perspectiva dos pobres, à luz da Sacrosanctum Concilium.”

Em maio de 2012, recebeu da Associação do Senhor Jesus – TV Século 21, como Prêmio Nacional da Música Católica, o Troféu “Louvemos o Senhor 2012” – mérito especial por suas composições litúrgicas.

Entre muitos outros cantos, compôs o Hino Jubilar da Diocese de Penedo, AL, e participou da Celebração festiva, acontecida em outubro de 2012, ocasião em que o Hino foi solenemente executado. Também o Hino do Centenário da Igreja Matriz de Jaraguá do Sul – SC, fez parte das festividades daquela Igreja, quando em julho aconteceu o Encontro de Liturgia e Canto. Em novembro houve o evento musical da Família Paulina, na FAPCOM, São Paulo, “Oi, vem pra cá!”, do qual Irmã Miria participou, cantando algumas das suas canções vocacionais.

Também em 2012 nasceu e se concretizou o projeto musical Padrinho do Povo, com músicas inspiradas no Padim Ciço, do Juazeiro do Norte, CE, feito de experiências profundas de Deus com o santo do povo sobretudo do Nordeste. Apresentado à equipe da Paulus, foi aprovado e gravado ainda no final de 2012, com 18 cantos que cantam a vida e a obra do querido padrinho. Lançado em novembro de 2013, em Fortaleza e Juazeiro do Norte, traduz a devoção popular e o profundo carinho do povo por este que “está no céu, pois santo é”.

Os Encontros de Liturgia e Canto Pastoral, ministrados de norte a sul do Brasil cada ano, continuam ecoando nas comunidades celebrantes, sempre com novos convites e pedidos das Dioceses, de norte a sul do Brasil. No ano de 2013, tiveram por lema CREIO, Ó SENHOR, celebrando o Ano da Fé, os 50 Anos do Concílio Vaticano II e a Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, concretizando também em música, o Documento 97 da CNBB: Servidores da Palavra de Deus na missão da Igreja. Muitos refrãos orantes fazem parte do repertório.

Acontecimento singular, único, ímpar, foi a eleição do Papa Francisco, em março de 2013, e que em julho do mesmo ano visitou o Brasil. Deus inspirou à Irmã Miria a saudação Francisco, no abraço do Redentor, que ela cantou com a multidão no Santuário de Aparecida, a 24 de julho, e na Catedral do Rio de Janeiro, de forma discreta e quase imperceptível à mídia, no dia 27. Desse encontro, e sobretudo, do olhar de Francisco, mãos nas mãos, resultaram 15 novas composições, posteriormente gravadas em CD, com a gravadora Paulus, lançado em fevereiro de 2014, com o título Francisco, no abraço do Redentor – presença inspiradora.

Dentre os muitos outros hinos e cantos compostos em 2013, destacamos a Missa e canções inspiradas em Santo Agostinho – Canta e Caminha! – divulgadas nos Encontros 2014 ; o Hino a São Geraldo, a pedido da Paróquia São Geraldo das Perdizes (SP), que em 2014 celebra o seu jubileu centenário.

De 30 de abril a 2 de junho de 2014, Irmã Miria fez missão pastoral no Japão, a convite do Pe. Bruno Rojas, sacerdote peruano que acompanha as comunidades brasileiras e outras latinas, espalhadas na Diocese de Kyoto, com a aprovação de Dom Paulo Otsuka, bispo diocesano.Cantou e deu formação litúrgica nas cidades de Kusatsu/Minakuchi, Hikone e Nagahama (Província de Shiga-Ken); Iga-Ueno, Suzuka, Tsu, Matsuzaka e Yokkaichi (Província de Mie-Ken), também alguns dias em Karasaki, onde se encontra a Casa de Formação da Diocese. Uma experiência ímpar, única, na Terra do Sol Nascente!

Ainda em 2014 ministrou dezenas de Encontros de Liturgia e Canto Pastoral, de norte a sul do Brasil, com o tema A alegria do Evangelhoenche o coração e a vida daqueles que se encontram com Jesus, conforme o Papa Francisco. No segundo semestre gravou o CD Caminha e Canta, a ser lançado em 2015, pela Paulus, em parceria com a Família Agostiniana.

No dia 27 de março de 2014, em cerimônia solene, recebeu das mãos do Maj. Brig. José Geraldo Ferreira Malta, Comandante do Quarto Comando Aéreo Regional – IV COMAR, em São Paulo, o Diploma conferindo-lhe o título de Membro Honorário da Força Aérea Brasileira, pela composição do Hino a Nossa Senhora de Loreto, padroeira dos Aviadores.

Outras muitas composições lhe nasceram neste ano, inspirados na Palavra de Deus, nos documentos da Igreja, nos acontecimentos da vida… Senhora de Guadalupe (para as comunidades do Japão) Travessia (novo tempo na Congregação) Alegrai-vos! (Ano da Vida Consagrada), Quem chorou? (experiências do Papa em Lampedusa), Dom Ceslau em Jubileu (Bispo de Itabuna, em seu Jubileu de Ouro Sacerdotal), muitos refrãos orantes, entre outros…

Segundo Frei Patrício Sciadini, “Irmã Miria não é uma simples compositora, uma conhecedora da técnica musical, mas uma alma contemplativa, que compreende o desejo religioso mais profundo do ser humano, traduzindo-o em música que eleva a Deus. Através de seus cantos, o povo reza, medita a Palavra, se sustenta na luta, sempre atento aos sinais dos tempos que questionam e evangelizam.”

a12.com

Baixe materiais especiais para seu grupo

“Crianças Mártires de Tlaxcala” serão proclamadas Santas em outubro

No Consistório Ordinário Público de 20 de abril foram anunciadas as canonizações não somente dos mártires do Rio Grande do Norte e dos Pastorzinhos de Fátima, mas também das “Crianças Mártires de Tlaxcala”.

As “Crianças Mártires de Tlaxcala”

Cristobal, Antonio e Juan, as “Crianças Mártires de Tlaxcala”, assassinadas por ódio à fé no México, entre 1527 e 1529, também serão canonizados em 15 de outubro próximo, no Vaticano. Os três haviam sido beatificados em 6 de maio de 1990, na Basílica de Guadalupe, na Cidade do México, por São João Paulo II.

Cristóbal nasceu em Atlihuetzia, no atual Estado mexicano de Tlaxcala, então Virreinato de Nueva España. Era filho do Cacique Acxotecatl.

Sua educação deveu-se ao trabalho evangelizador que os frades franciscanos realizavam na região, entre os anos 1524 e 1527.

Depois de receber o Batismo, influenciou sua família para um caminho de conversão, o que provocou uma reação raivosa de seu progenitor.

Não conseguindo recuperar-se das queimaduras e golpes sofridos de seu pai, Cristóbal morreu aos 12 anos. Seu corpo foi enterrado no antigo Convento de São Francisco, atual Catedral de Nossa Senhora da Assunção, em Tlaxcala.

Antonio e Juan, por sua vez, nasceram em Tizatlán, região de Taxcala. Assim como Cristóbal, foram educados inicialmente pelos franciscanos, e mais tarde pelos dominicanos.

Os dois tentaram erradicar a adoração aos ídolos em seu povoado e nas aldeias vizinhas. Ao serem descobertos por moradores de Cuautinchán, em Puebla, tentando por fim à idolatria, foram golpeados até a morte por vingança. (JE)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Fundador das irmãs do Santo Anjo da Guarda será beatificado na Espanha

Será beatificado este sábado 22 de abril, em Oviedo, Espanha, o sacerdote Luis Antonio Rosa Ormières (1809-1890), fundador das religiosas do Santo Anjo da Guarda. A celebração será presidida pelo Prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, Cardeal Angelo Amato, representando o Santo Padre.

O Padre Ormières nasceu em 14 de julho de 1809 em Quillán, pequena cidade dos Pireneus franceses do Departamento de Aude, em plena época pós-Revolução Francesa. Sua família era profundamente cristã. Em casa recebeu com atenção e carinho os primeiros ensinamentos que marcaram o seu carácter. Segundo o testemunho de parentes e amigos, herdou do pai “um ânimo sincero e leal, uma grande inteligência” e uma natureza “muito engenhosa e jovial, devido a qual encontrava sempre anedotas e brincadeiras para que todos rissem”; e da mãe “uma fé profunda”, juntamente com uma formação religiosa sólida e o gosto pela leitura.

Estudou no Seminário de Carcassome. Logo seus Superiores descobriram nele uma decidida vocação pedagógica, sendo então nomeado professor do Seminário Maior. Em 21 de dezembro de 1833, aos 24 anos, recebeu a ordenação sacerdotal.

Padre Luís Ormières não é erudito, nem um teórico. É um sacerdote sensível que conhece a realidade de seu tempo, interpretando-a à luz do Evangelho. É um homem de ação e fiel, mostrando-se sensível e obediente à inspiração celeste.

Sente o chamado para cuidar da educação das crianças, carentes de cultura e de uma formação cristã. Disto nasce todo o seu esforço, deixando-se ajudar por religiosas, que ao seu lado entregam-se generosamente a esta missão. Como educador demonstra esmerada dedicação à formação de crianças e jovens, sobretudo aos provenientes do campo. Estava convencido de que onde estão pobres, lá deve estar a Igreja.

Foi um verdadeiro perito em “humanidade”. Nele as ideias tornavam-se projetos. Fez da sua inteligência um instrumento de apostolado, graças também a uma propensão particular em perceber os aspetos essenciais das questões e a uma disponibilidade especial para se ocupar das dificuldades dos outros. Era muito sensível à amizade, porque a considerava parte de uma experiência essencial de fé. Sempre colocou os interesses dos demais acima dos seus, mesmo com o risco da própria vida, como demonstrou sua entrega aos afetados pela epidemias em Camus (1838 e 1845).

Padre Luis Antonio Rosa Ormières fez da escola o lugar privilegiado para ajudar cada indivíduo a realizar-se segundo o dom recebido de Deus. Comprometido pessoalmente no campo educativo, foi o fundador das religiosas do Santo Anjo da Guarda. O sacerdote faleceu em 1890.

(JE com L’Osservatore Romano)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo