Posts

O Santo de Deus

Comunhão

“Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele”

Jesus havia declarado: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna e eu o ressuscitarei no último dia” (Jo 6, 54). Então muitos dos seus discípulos ao ouvirem estas palavras disseram: “É dura tal linguagem, quem pode escutá-la?” (Jo 6, 60). Isto significa que estes não haviam compreendido imediatamente a grande revelação do Mestre divino. Em Israel durante séculos todo sacrifício ao Ser Supremo passava por uma destruição. Com efeito, o trigo e outros produtos do solo eram queimados e sangue derramado de um ser vivo era também oferecido à divindade. Jesus iria estabelecer um novo ritual para o culto divino. Seu corpo e sangue, que seriam imolados no Calvário em reparação dos pecados da humanidade, ficariam presentes entre os homens sob os acidentes do pão e do vinho. Deste modo, os fiéis através dos tempos se uniriam a seu sacrifício através da Eucaristia. Esta seria seu legado supremo de amor, isto é, sacrifício, imolação incruenta do Gólgota e sacramento no qual Ele entraria em comunhão com os que nele cressem. Presença permanente que seria verdadeira, imediata, intensamente pessoal.

Num gesto de incomensurável dileção na última ceia ele tornou o pão e o vinho e os transubstanciou em seu corpo, sangue alma e divindade. Eis por que Ele podia dizer: “Se vós não comerdes a carne do Filho do homem, vós não tereis a vida em vós”! Quem não tivesse fé só contemplaria sempre pão e vinho, pois não penetrariam nunca no mistério das palavras de Jesus. Por esta razão a Eucaristia seria atraente para quem acreditasse, opaca para os sem fé. Ela uniria os autênticos seguidores de Cristo e manteria muitos que se dizem cristãos longe da presença real do Redentor. Para os católicos as sentenças de Jesus no Cenáculo seriam espírito e vida porque eles atravessariam pela fé os sinais do pão e do vinho e perceberiam só os acidentes destes elementos para adorar o próprio Filho de Deus. A Igreja católica seria portadora através dos tempos do grande legado de Cristo: “Isto é meu corpo, isto é meu sangue”, Iluminados pelo Espírito da verdade os católicos jamais duvidariam da presença real de Jesus na Eucaristia. Repetem o que falou São Pedro quando Cristo indagou aos apóstolos se também queriam abandoná-lo por ter ele dito que todos deveriam comer sua carne e beber o seu sangue: “A quem iríamos nós, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna e nós cremos e sabemos que tu és o santo de Deus”. (Jo 6, 68-69). Foi, sem dúvida, inspirado pelo Espírito Santo que São Pedro lançou esta sublime resposta. Jesus é, de fato, o Santo de Deus por possuir a santidade na plenitude da mesma, no mais alto grau. Assim Ele não somente é o ponto culminante da perfeição, mas sua verdadeira fonte. Ele comunica a cada um de seus seguidores a força para vencer o pecado em todas as suas funestas manifestações, pecado incentivado em nossos dias por uma mídia corrupta, imoral que afronta continuamente a Lei do Senhor. Da parte de cada cristão deve haver, contudo, a colaboração com a graça que Jesus oferece para refletir em todas as ações sua santidade.

 

Quanto mais cada batizado procura sua identidade com Cristo, o Santo de Deus, tanto mais cresce a dimensão eclesial com todos os que são de Cristo.

 

A vocação de todo batizado é ser santo, porque o Mestre divino é santo. Mais do que nunca na sociedade secularizada de hoje os cristãos têm necessidade urgente de ser santos vivendo intensamente tudo que Jesus ensinou, tornando visíveis e presentes por toda parte seu amor e a beleza de sua doutrina. A santidade cristã consiste então na união com Cristo de forma consciente e livre. Em consequência desta adesão ao Redentor se passa da fé ao plano moral. Aparece então a pratica das virtudes em sua verdadeira riqueza. Elas são cultivadas como realidades vividas deliberadamente e que penetram a existência da pessoa humana. Isto justamente por força da riqueza da doação pessoal a Cristo com a espontaneidade de uma vontade livre que une ao Filho de Deus ao qual o cristão se entrega com fervor e amor. Quanto mais cada batizado procura sua identidade com Cristo, o Santo de Deus, tanto mais cresce a dimensão eclesial com todos os que são de Cristo. São milhões que pelo mundo afora testemunham o que disse São Pedro: “A quem iríamos nós, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna e nós cremos e sabemos que tu és o santo de Deus”. Disto tudo resulta a importância da Eucaristia na vida do seguidor de Cristo, pois no momento sublime da Comunhão se realiza o desejo de Jesus: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele”. Portanto, uma presença reduplicada de efeitos maravilhosos na existência de quem recebeu a Eucaristia. A santidade de Jesus, o Santo de Deus, passa a envolver o seu discípulo irradiando-se em todo seu ser, envolvendo, assim, todos os pensamentos, todos os desejos, todas as ações. Deste modo, quem comunga pode repetir com São Paulo: “Já não sou eu quem vive, é Cristo quem vive em mim” (Gl 2,20).

 

O Santo de Deus
Côn. José Geraldo Vidigal de Carvalho
Professor no Seminário de Mariana durante 40 anos.

No Brasil, vi que música e fé podem estar juntas, diz freira

Ela diz que passar dois anos no país lhe colocou em contato com igreja alegre, que usa música para entrar em contato com jovens.

disco_irma_cristina
Reconhecida mundialmente depois de ter vencido a competição musical The Voice na TV italiana, a freira Cristina Scuccia, de 26 anos, acaba de se lançar como cantora com uma regravação do single Like a Virgin, de Madonna. Desta forma, transformou em realidade um sonho que tinha desde pequena, quando se apaixonou pela música. Mas ela conta que nada disso teria acontecido se não tivesse vivido por dois anos no Brasil.

“Antes de conhecer o país, não sabia que música e fé podiam estar juntas”, disse irmã Cristina à BBC Brasil. “Nunca havia visto uma banda de rock com canções cristãs ou freiras que fizessem música profissionalmente. Foi no Brasil que decidi utilizar o dom que Deus me deu. Foi como uma purificação para o meu canto.”

Nascida em Comiso, uma cidade siciliana com menos de 30 mil habitantes, no sul da Itália, ela havia abandonado a música e estava em conflito antes vir ao Brasil.

Entre 2010 e 2012, durante seu período de formação religiosa, a freira morou com outras noviças da Congregação das Irmãs Ursulinas em Mogi das Cruzes, na periferia de São Paulo. “No Brasil conheci uma igreja jovem, que está crescendo e é vivida com mais dinamismo. Quero transmitir esta alegria aos jovens italianos.”

Além das músicas durantes as missas, dava aulas de canto e dança para as crianças. Não perdia nenhuma das oportunidades de cantar, e ajudou a montar o musical A Coragem de Amar. A apresentação foi sua despedida, pois logo depois ela foi à Itália para fazer os votos à Igreja.

“Voltei decidida a seguir meu amor pelo canto e, logo depois, fui incentivada pelas palavras do Papa Francisco, que pedia aos religiosos para levarem o próprio dom às perifeiras. Foi quando as madres da minha Congregação convenceram-me a participar do The Voice”, reconta irmã Cristina.

Surpresa

Em junho passado, vestida com o hábito completo e crucifixo no peito, a religiosa surpreendeu os jurados do programa, que a escolheram para seguir na competição após seu teste – sem saberem que se tratava de uma freira. Em poucos dias, o vídeo com a sua versão da música No One, de Alicia Keys, interpretada por ela em sua estreia na competição, já havia sido visto mais de 30 milhões de vezes no portal Youtube.

Depois de vencer o programa, ela assinou contrato para lançar um álbum. O disco Sister Cristina traz outras 9 regravações e três músicas inéditas. Gravado em Los Angeles, o álbum será lançado mundialmente no dia 11 de novembro pela Universal.

Irmã Cristina nega que tenha sido uma imposição da gravadora ter no álbum uma versão de Like a Virgin, como uma forma de atrair mais atenção ao disco. “Também não foi uma provocação. No período em que estávamos selecionando o repertório, ouvi por acaso a canção de Madonna. Quis dar um significado completamente diferente à música, com novos arranjos, instrumentos acústicos e um novo vídeo”, disse.

“A canção fala de uma pessoa em conflito, que é chamada por Deus e decide levar o seu amor adiante para o resto da vida. A minha versão tem uma linguagem nova e é justamente esta a capacidade cristã de enxergar tudo com novos olhos que pretendo transmitir aos jovens.”

A canção em português “Perto, Longe ou Depois”, presente no disco, é um agradecimento ao país que lhe “deu tanto” e a sua “vontade de continuar a falar” o idioma brasileiro.

Caridade

De acordo com irmã Cristina, o dinheiro arrecadado com as vendas dos discos será destinado aos projetos de caridade da Congregação das Irmãs Ursulinas, entre eles a casa onde viveu em Mogi das Cruzes. “Há pouco tempo fizemos a ampliação do edifício para podermos receber mais crianças e adolescentes e nossa prioridade é manter os projetos já iniciados”, disse.

A freira afirma ter boas recordações do período que esteve no Brasil, onde tem duas afilhadas, e diz ter dificuldades para encontrar algo de ruim para falar sobre o país.

“Penso sempre no afeto das pessoas, no acolhimento que encontrei quando vivia ali. O que me deixava mais triste era ver meninas muito pequenas que engravidavam, mesmo depois de conhecerem a difícil experiência de irmãs e amigas, que precisavam tomar conta dos filhos embora fossem elas mesmas muito jovens”, conta a freira.

Conseguir conscientizá-las para evitar a maternidade tão precoce era uma luta cotidiana. “Mas apesar da realidade difícil nas periferias, as crianças estão sempre felizes. Para elas basta um pouco de música, uma bola no pé ou um pipa na mão para ficar contentes, enquanto aqui temos tanto e estamos sempre insatisfeitos. Para a minha experiência de vida, foi fundamental testemunhar que mesmo na pobreza é possível cuidar do próximo e compartilhar o pouco que se tem”.

Embora não estejam previstas apresentações ao vivo, irmã Cristina disse que gostaria de fazer shows na Europa. “Seria fantástico conseguir encher os estádios com a minha música, como fazem muitos religiosos no Brasil.”

Celebridade religiosa

Mesmo com a fama, irmã Cristina afirma não ter dificuldades para conciliar a vida religiosa com a carreira musical. Em Milão, a congregação da qual ela faz parte administra uma escola infantil, um pensionato para universitárias e colabora com a paróquia local. Cristina dá aulas de catequismo, faz turnos na portaria da pensão e canta durante as missas de domingo.

“A minha prioridade é a oração, a eucaristia, mas dedicar um pouco do meu tempo ao disco e aos fãs não me distrai do meu objetivo. É apenas um meio a mais para evangelizar”, diz.

“Se o sucesso acabar, ou se for preciso escolher, com certeza vou optar pela vida religiosa. Mas vou continuar a animar a minha comunidade com minha voz e meu violão.”

 

Fonte: BBC

Solidariedade é um modo de fazer história, diz papa Francisco

papa_francisco_01

“A solidariedade, entendida em seu sentido mais profundo, é um modo de fazer história e isso é o que fazem os movimentos populares”, disse o papa Francisco, na manhã de ontem, dia 28, durante encontro com os participantes do Encontro Mundial dos Movimentos Populares.

Ao falar sobre solidariedade, Francisco sugeriu pensamentos e atos em favor da comunidade e da prioridade de vida a todos. “Também é lutar contra as causas estruturais da pobreza, a desigualdade, a falta de trabalho, a terra e a violência, a negação dos direitos sociais e trabalhistas”, enumerou. Para ele, a solidariedade se traduz no enfrentamento aos “efeitos destruidores do ‘Império do dinheiro’, como os deslocamentos forçados, as migrações dolorosas, o tráfico de pessoas, a droga, a guerra, a violência. “Todas essas realidades que muitos de vocês sofrem e que todos somos chamados a transformar. A solidariedade, entendida em seu sentido mais profundo, é um modo de fazer história e isso é o que fazem os movimentos populares”, disse.

A transformação da realidade dos que sofrem com a pobreza conduziu o papa a três elementos que para ele são uma resposta a algo que deveria estar ao alcance de todos, mas que está cada vez mais longe da maioria: “terra, casa e trabalho”. A abordagem em relação ao escândalo da pobreza não deve promover “estratégias de contenção que somente tranquilizem e convertam os pobres em seres domesticados e inofensivos”.

O papa Francisco alertou, ainda, ao tratar dos elementos “terra, casa e trabalho”, que fala do amor pelos pobres, que está “no centro do Evangelho”. “É estranho, mas quando falo sobre estas coisas, para alguns parece que o papa é comunista”, comentou.

Francisco também falou sobre a “cultura do descartável”, na qual aqueles que não podem se integrar no fenômeno da exportação e da opressão, são excluídos como resíduos, sobras. Ele explicou que isso acontece quando no centro de um sistema econômico está o deus dinheiro e não o homem, a pessoa humana. “Ao centro de todo sistema social ou econômico deve estar a pessoa, imagem de Deus, criada para que fosse o dominador do universo. Quando a pessoa é desprezada e vem o deus dinheiro, acontece esta troca de valores”, alertou.

Falando sobre trabalho, o papa destacou direitos a uma remuneração digna, à seguridade social e à cobertura previdenciária aos catadores, vendedores ambulantes, costureiros, artesãos, pescadores, camponeses, construtores, mineiros, todo tipo de cooperativistas e trabalhadores de ofícios populares, que, segundo Francisco, estão excluídos dos direitos trabalhistas e têm negada a possibilidade de sindicalizar-se e de ter uma renda adequada e estável. “Hoje quero unir minha voz à sua e acompanha-los em sua luta”, afirmou.

O papa ainda falou sobre paz e ecologia no contexto dos três elementos apresentados em seu pronunciamento. “Não se pode haver terra, não pode haver casa, não pode haver trabalho se não temos paz e se destruirmos o planeta”, disse. Ele exorta que a criação não é uma propriedade da qual se pode dispor a esmo gosto, nem que pertence a uns poucos. “A criação é um dom, é um presente, um dom maravilhoso que Deus nos deu para que cuidemos dele e utilizemos em benefício de todos, sempre com respeito e gratuidade”, acrescentou.

Em relação à “globalização da indiferença”, presente no mundo, foi apresentado um “guia de ação, um programa” considerado “revolucionário”: as bem-aventuranças, presentes no Evangelho de Mateus.

Ao final, Francisco afirmou que os movimentos populares expressam “as necessidades urgentes de revitalizar as democracias”. Ele considera “impossível imaginar um futuro para a sociedade sem a participação como protagonista das grandes maiorias”.

Encontro

O Encontro Mundial dos Movimentos Populares aconteceu de 27 a 29 de outubro, com organização do Pontifício Conselho Justiça e Paz do Vaticano, em colaboração da Pontifícia Academia de Ciências Sociais e líderes de vários movimentos. São 100 leigos, líderes de grupos sociais, 30 bispos engajados com as realidades e os movimentos sociais em seus países, e cerca de 50 agentes pastorais, além de alguns membros da Cúria romana presentes no evento. Representou a CNBB o bispo auxiliar de Brasília (DF) e secretário geral da instituição, dom Leonardo Steiner.

O evento buscou fortalecer a rede de organizações populares, favorecer o conhecimento recíproco e promover a colaboração entre eles e suas Igrejas locais, representadas por bispos e agentes pastorais provenientes de vários países do mundo. O Pontifício Conselho Justiça e Paz do Vaticano ressalta o compromisso na promoção e tutela da dignidade e dos direitos da pessoa humana, assumido pelos movimentos.

 

Fonte: CNBB Nacional