Notícias

Faleceu aos 110 anos Cândida Bellotti, a religiosa mais idosa da Itália

Lucca (RV) – Ela deixou este mundo com a serenidade que a sempre distinguiu em seus 110 anos de vida. Faleceu no último sábado (27) em Lucca, região italiana da Toscana, na sede das Ministras dos Enfermos, a Irmã Cândida Bellotti, religiosa de origem vêneta que se distinguiu pela sua extraordinária longevidade.

Em 20 de fevereiro último, ela tinha comemorado o último aniversário circundada pelo bispo de Lucca, Dom Italo Castellani, pela Superiora Provincial Irmã Giuliana Fracasso e pelas coirmãs. Para ela também uma bênção especial do Papa Francisco, que tinha lhe enviado “calorosas felicitações e fervorosos votos”.

De origem vêneta, Irmã Candida (batizada com o nome Alma Bellotti) pertencia à Congregação das Ministras dos Enfermos de São Camilo de Lellis, que trabalham em hospitais, nas casas de repouso e em locais de atendimento, promovendo a pastoral da saúde e a saúde de base.

Desde os anos 30 havia trabalhado como enfermeira profissional em várias cidades italianas, dedicando-se também à formação das jovens irmãs. No ano 2000, aos 93 anos, tinha sido transferida para a Casa Mãe em Lucca para um merecido descanso. Dez os Pontífices que se sucederam durante a vida da Irmã Cândida, até o Papa Francisco, que teve o privilégio de encontrar em 2014 em Roma, por ocasião de seus 107 anos, participando na missa celebrada na Domus Santa Marta, e recebendo a sua bênção.

Agora, depois de uma vida rica de obras e dedicada com alegria ao serviço dos outros, Irmã Cândida permanecerá na memória daqueles que a conheceram e a apreciaram pelo seu grande ativismo, a sua sabedoria e o seu humor.

O funeral será nesta terça-feira, dia 30, na igreja da Santíssima Trindade de Lucca. (SP)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Papa: aprender a ouvir o Espírito antes de tomar decisões

Cidade do Vaticano (RV) – É preciso deixar-se interpelar pelo Espírito Santo, apender a ouvi-lo antes de tomar decisões. Esta foi a exortação que o Papa Francisco dirigiu aos fiéis na homilia da Missa desta segunda-feira (29/05) na capela da Casa Santa Marta.

Nesta semana que antecede Pentecostes, afirmou o Papa, a Igreja pede que rezemos para que o Espírito venha no coração, na paróquia, na comunidade. Francisco inspirou-se na Primeira Leitura, que poderíamos chamar de “Pentecostes de Éfeso”. De fato, a comunidade de Éfeso tinha recebido a fé, mas não sabia nem mesmo que existisse o Espírito Santo. Eram “pessoas boas, de fé”, mas não conheciam este dom do Pai. Depois, Paulo impôs as mãos sobre eles, desceu o Espírito Santo e começaram a falar em línguas.

O Espírito Santo move o coração
O Espírito Santo, de fato, move o coração, como se lê nos Evangelhos, onde tantas pessoas – Nicodemos, a samaritana, a pecadora – são impulsionados a se aproximar de Jesus justamente pelo Espírito Santo. O Pontífice então convidou a nos questionar qual o lugar que o Espírito Santo tem em nossa vida:

“Eu sou capaz de ouvi-lo? Eu sou capaz de pedir inspiração antes de tomar uma decisão ou dizer uma palavra ou fazer algo? Ou o meu coração está tranquilo, sem emoções, um coração fixo? Certos corações, se nós fizéssemos um eletrocardiograma espiritual, o resultado seria linear, sem emoções. Também nos Evangelhos há essas pessoas, pensemos nos doutores da lei: acreditavam em Deus, todos sabiam os mandamentos, mas o coração estava fechado, parado, não se deixavam inquietar”.

Não à fé ideológica
A exortação central do papa, portanto, é deixar-se inquietar, isto è, interpelar pelo Espírito Santo que faz discernir e não ter uma fé ideológica:

“Deixar-se inquietar pelo Espírito Santo: “Eh, ouvi isso… Mas, padre, isso é sentimentalismo?” – “Pode ser, mas não. Se você for pela estrada justa não é sentimentalismo”. “Senti a vontade de fazer isso, de visitar aquele doente ou mudar de vida ou abandonar isso …”. Sentir e discernir: discernir o que sente o meu coração, porque o Espírito Santo é o mestre do discernimento. Uma pessoa que não tem esses movimentos no coração, que não discerne o que acontece, é uma pessoa que tem uma fé fria, uma fé ideológica. A sua fé é uma ideologia, é isso”.

Interrogar-se sobre a relação com o Espírito Santo
Este era o “drama” daqueles doutores da lei que eram contrários a Jesus. O Papa exortou a se interrogar sobre a própria relação com o Espírito Santo:

“Peço que me guie pelo caminho que devo escolher na minha vida e também todos os dias? Peço que me dê a graça de distinguir o bom do menos bom? Porque o bem do mal se distingue logo. Mas há aquele mal escondido, que é o menos bom, mas esconde o mal. Peço essa graça? Esta pergunta eu gostaria de semeá-la hoje no coração de vocês.”

Portanto, é preciso se interrogar se temos um coração irrequieto porque movido pelo Espírito Santo ou se fazemos somente “cálculos com a mente” . No Apocalipse, o apóstolo João inicia convidando as “sete Igrejas” – as sete dioceses daquele tempo, disse o Papa Francesco – a ouvir o que o Espírito Santo lhes diz. “Peçamos também nós esta graça de ouvir o que o Espírito diz à nossa Igreja, à nossa comunidade, à nossa paróquia, à nossa família e cada um de nós, a graça de aprender esta linguagem de ouvir o Espírito Santo”.

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Papa: Ascensão do Senhor, continuação da missão por parte da Igreja

Cidade do Vaticano (RV) – O Papa Francisco rezou a oração do Regina Coeli, neste domingo (28/05), com os fiéis e peregrinos na Praça São Pedro.

Na alocução que precedeu a oração, o Pontífice recordou a Ascensão do Senhor, celebrada neste domingo, após quarenta dias depois da Páscoa.

“Os versículos que concluem o Evangelho de Mateus nos apresentam o momento da despedida definitiva do Ressuscitado aos seus discípulos. O cenário é o da Galileia, lugar onde Jesus os chamou para segui-lo e para formar o primeiro núcleo de sua comunidade nova. Agora, aqueles discípulos passaram através do fogo da paixão e da ressurreição. Ao verem Jesus ressuscitado eles se prostram diante dele, alguns porém ainda duvidam. A esta comunidade amedrontada, Jesus deixa a grande tarefa de evangelizar o mundo; e concretiza esta tarefa com a ordem o mandato de ensinar e batizar em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.”

Segundo o Papa, “a Ascensão de Jesus ao céu constitui o fim da missão que o Filho recebeu do Pai e o início da continuação desta missão por parte da Igreja. A partir deste momento, do momento da Ascensão, a presença de Cristo no mundo é mediada através de seus discípulos, daqueles que acreditam Nele e o anunciam. Esta missão durará até o fim da história e contará todos os dias com a assistência do Senhor ressuscitado, que garante: “Eu estarei convosco todos os dias, até ao fim do mundo”.

“A sua presença traz fortaleza nas perseguições, conforto nas tribulações, sustento nas situações difíceis que a missão e o anúncio do Evangelho encontram. A Ascensão nos recorda esta assistência de Jesus e de seu Espírito que dá confiança e segurança ao nosso testemunho cristão no mundo. Revela-nos porque existe a Igreja: a Igreja existe para anunciar o Evangelho! Somente para isso! A alegria da Igreja é anunciar o Evangelho.”

Francisco disse ainda que “todos nós batizados somos a Igreja. Hoje, somos convidados a entender melhor que Deus nos deu a grande dignidade e responsabilidade de anunciá-lo ao mundo, de torná-lo acessível à humanidade. Esta é a nossa dignidade, esta é a maior honra de cada um de nós, batizados na Igreja!”

“Nesta festa da Ascensão, enquanto voltamos o nosso olhar para o céu, onde Cristo subiu e está sentado à direita do Pai, fortalecemos os nossos passos na terra para prosseguir com entusiasmo e coragem o nosso caminho, a nossa missão de testemunhar e viver o Evangelho em qualquer ambiente. Estamos bem conscientes de que isso não depende em primeiro lugar de nossas forças, da capacidade organizacional e recursos humanos. Somente com a luz e a força do Espírito Santo podemos efetivamente cumprir a nossa missão de fazer conhecer e experimentar cada vez aos outros o amor e a ternura de Jesus.”

O Papa pediu “à Virgem Maria para nos ajudar a contemplar os bens celestes, que o Senhor nos promete, e a nos tornar testemunhas cada vez mais críveis de sua Ressurreição, da vida verdadeira.”

(MJ)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Dia Mundial das Comunicações Sociais: comunicar esperança e confiança

Cidade do Vaticano (RV) – Celebra-se neste domingo (28/5), solenidade da Ascensão do Senhor, o 51º Dia Mundial das Comunicações Sociais.

O tema da mensagem do Papa para este dia “Não tenhas medo, que Eu estou contigo. Comunicar esperança e confiança no nosso tempo” foi divulgado no dia litúrgico de São Francisco de Sales, patrono dos escritores e jornalistas, celebrado em 24 de janeiro.

Com este tema, Francisco propõe um estilo “aberto e criativo” para comunicar a esperança. Por isso, encoraja todos os que trabalham neste campo a comunicar de modo construtivo, rejeitando preconceitos e promovendo uma cultura do encontro.

Com efeito, em sua mensagem, o Santo Padre ressalta: “ O protagonista da notícia não pode ser o mal – que nos leva à apatia, ao desespero e a anestesiar a consciência –, mas a solução dos problemas, com um estilo aberto e criativo”.

“Em um sistema de comunicação, – frisa o Papa – onde vigora a lógica de que uma notícia boa não desperta a atenção e, por conseguinte, não se torna notícia, e onde o drama do sofrimento e o mistério do mal facilmente se tornam espetáculo, somos tentados a anestesiar a consciência ou a cair no desespero”.

A realidade não tem um significado unívoco – afirma o Papa -; tudo depende do modo com que a encaramos. Portanto, o ponto de partida ideal, para se encarar a realidade, é a “Boa Nova por excelência”, ou seja, o Evangelho de Jesus Cristo.

Esta boa notícia, – diz por fim Francisco – comporta sofrimento, porque o sofrimento é vivido num quadro mais amplo, como parte integrante do amor de Cristo ao Pai e à humanidade.

Em Cristo, – concluiu o Pontífice – Deus se fez solidário com toda a situação humana, revelando que não estamos sozinhos, porque temos um Pai que nunca esquece seus filhos. (MT)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos na América Latina

Brasília (RV) – A riqueza e a diversidade das Igrejas cristãs devem ser motivos para se aproximar das várias denominações religiosas e não para se distanciar.

Brasil

Esta é a mensagem do Conselho Nacional das Igrejas Cristãs do Brasil (Conic) por ocasião da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos que tem início neste domingo (28/05), Solenidade da Ascensão do Senhor, e prossegue até o próximo domingo, 4 de junho, Solenidade de Pentecostes.

Em muitos países da América Latina a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos é celebrada antes ou depois do Pentecostes. O tema deste ano é “Reconciliação: é o amor de Cristo que nos move”. Inspirada na 2Cor 5, 14-20 a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos deste ano traz como mensagem central a afirmação de que é a graça de Deus que nos reconcilia. A relação entre graça e reconciliação é motivada pela celebração dos 500 anos da Reforma Protestante, ocorrida em 1517, na Alemanha.

“O movimento da Reforma não foi isento de conflitos e extremismos religiosos, causados pelas partes envolvidas. É justamente por causa desses conflitos que a palavra reconciliação torna-se central ao refletirmos sobre estes 500 anos”, destaca a mensagem assinada pelos representantes do Conic.

Bolívia

A Bolívia também celebra nesse mesmo período a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos sobre o mesmo tema, recordando os 500 anos da Reforma. Cada jurisdição preparou o próprio programa de iniciativas.

Chile

No Chile, a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos terá início no Domingo de Pentecostes, 4 de junho, e se concluirá no domingo sucessivo.

“Este ano, a Semana de Oração nos convida a nos deixar-se reconciliar com Deus e a nos reconciliar com nós mesmos. À luz da Palavra de Deus citada no tema, rezamos e trabalhamos constantemente para alcançar a unidade visível”, exorta Dom Jorge Vega Velasco, Bispo de Illapel, presidente da Comissão Nacional para o Ecumenismo.

Uruguai

O Bispo de São José, Dom Arturo Fajardo, Presidente do Conselho das Igrejas Cristãs do Uruguai (Cicu) fará uma reflexão na celebração ecumênica de 1° de junho, na Igreja Luterana da Congregação Evangélica Alemã de Montevidéu, no contexto da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos. Os membros das Igrejas Cristãs do Uruguai se encontrarão para refletir sobre o tema da Semana e fazer avançar o diálogo entre as diferentes confissões.

(MJ)

br.radiovaticana.va

Baixe materiais especiais para seu grupo