Campanha da Fraternidade 2020 – Cobertura completa

0Dias0Horas0Minutos0Segundos

Para a abertura da Campanha da Fraternidade 2020

Os melhores materiais para a Campanha da Fraternidade 2020

Subsídios para a Campanha da Fraternidade 2020

Como está a preparação da sua comunidade para a Campanha da Fraternidade deste ano?
O Portal Kairós preparou uma série de dicas, vídeos de formação, materiais especiais e publicações que dão suporte para pessoas, comunidades, paróquias e dioceses se prepararem bem para viver a Campanha da Fraternidade 2020, cuja abertura será dia 26 de fevereiro.

Baixe os melhores materiais/subsídios para a Campanha da Fraternidade 2020:

PowerPoint da Campanha da Fraternidade 2020 em pdf:

PowerPoint sobre a CF 2020 – 04:

PowerPoint sobre a CF 2020 – 03:

PowerPoint sobre a CF 2020 – 02:

PowerPoint sobre a CF 2020 – 01:

Mais uma dezena de materiais para baixar

Portal Kairós

Resumão do texto-base da Campanha da Fraternidade 2020

O Bom Samaritano como modelo de Ação Evangelizadora comprometida com o cuidado

CONTEXTUALIZANDO

A Campanha da Fraternidade 2020, que tem como tema “Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso”, foi buscar na Parábola do Bom Samaritano (Lc 10), o modelo de relação e encontro que deve nortear a Missão da Igreja e, consequentemente, da Província. Os três verbos que aparecem no versículo que serve de lema – Ver, sentir compaixão e cuidar – remetem ao consagrado método adotado na caminhada eclesial de modo muito frequente a partir do Pós-Concílio Vaticano II. No exemplo pedagógico que apresenta, Jesus deixa bem claro qual é o ponto de partida da proposta de discipulado que Ele vem apresentar: de que maneira o Amor a Deus e ao próximo transforma concretamente as pessoas, as relações e o mundo.

VIU (1)

Mais do que um ato fisiológico de percepção da luz, das imagens e das cores, olhar é uma postura que se assume diante dos apelos e estímulos que nascem da realidade. O olhar, assim como as outras habilidades humanas, também pode ser treinado, dirigido e orientado de acordo com uma série de interesses, prioridades e valores. Na parábola do Bom Samaritano, podem ser identificados três tipos de olhar:

1) O olhar dos assaltantes – Viram naquele homem que passava uma oportunidade de obter benefício imediato sem grande empenho. Bastava usar um pouco da força física e da vantagem numérica para subtrair da vítima tudo o que ela possuía e que atendesse a seus interesses. Não tinham a menor preocupação em saber quem era aquele que passava nem estavam preocupados com sua vida de maneira que o deixaram ferido, espoliado e quase morto à beira do caminho. Trata-se do olhar do egoísmo, da exploração, do ódio, totalmente alheio aos princípios da ética, da empatia e da compaixão. É um olhar que mata, fere e que rouba a dignidade das pessoas. Este tipo de olhar está no germe da corrupção, da violência, do autoritarismo, da devastação da natureza, das grandes guerras, das gritantes desigualdades sociais e demais mazelas que assolam o Brasil e o mundo.

2) O olhar do levita e do sacerdote – É o olhar da indiferença, da inversão dos valores da incompreensão do que é prioritário. É a postura de quem “dá de ombros” diante de situações urgentes, em que a vida encontra-se frontalmente ameaçada. É a postura cantada pelo Padre Zezinho na célebre canção: “Seu nome é Jesus Cristo e passa fome e grita pela boca dos famintos. E a gente quando vê passa adiante, às vezes pra chegar depressa à igreja”. Nasce do individualismo, da sede crescente pelo consumo, da cultura do descartável, opções de vida que vêm sendo profundamente criticadas pelo Papa Francisco em seus discursos, entrevistas e nos documentos papais.

3) O olhar do samaritano – É o olhar solidário, do serviço e do comprometimento. Na cena em que os assaltantes enxergaram uma oportunidade de lucro fácil, o levita e o sacerdote viram um possível “estorvo” a seus programas préestabelecidos, o samaritano viu um irmão que necessitava de um cuidado urgente e imediato. Assim como os personagens anteriores, o samaritano não esteve interessado, num primeiro momento, em saber quem era aquele que jazia quase morto. Não era importante naquele momento. O prioritário era socorrê-lo e garantir-lhe a sobrevivência. Ali encontrou uma oportunidade única e inédita de amar. É o olhar da disponibilidade, da doação gratuita e da identificação com o outro, especialmente com suas lutas e dores. É o modo de olhar adotado por Jesus (cf. p.ex. Mt 9,36) e que Ele convida seus discípulos a também assumir.

SENTIU COMPAIXÃO

LEIA MAIS

Encontro catequético sobre a Campanha da fraternidade 2020

Objetivo

Compreender a importância do amor ao próximo e que em Cristo, com Cristo somos todos irmãos.

Material

Caixa de som, fósforo ou isqueiro, fita crepe, folha A4, E.V.A, cola, tesoura, lápis de cor.

Ambiente

Altar com a imagem ou quadro da Santa Dulce dos pobres, um crucifixo, uma vela acesa, cartaz da campanha da fraternidade 2020. Colar ao fundo do altar figuras de olhos ou rostos, corações e mãos.

Local

Sala de catequese

Desenvolvimento

1º – Momento – Acolher os catequizandos ao som do hino da Campanha da Fraternidade;

2º – Momento – Momento orante: Fazer a oração da campanha da fraternidade 2020, o catequista fala e os catequizandos repetem. Depois leia para os catequizandos Mt 5, 38-48 e mostre para todos a importância do AMOR AO PRÓXIMO, até mesmo com os inimigos, pois hoje muitos julgam, mas amanhã quem julgou pode precisar daquele que foi julgado.

3º – Momento – O catequista convida os catequizandos a olhar para o altar e pergunta:

a) Hoje iremos refletir sobre o tema e o lema da campanha da fraternidade 2020. No altar tem escrito o tema e o lema da campanha, quem gostaria de ler em voz alta para todos?
b) Atrás do altar tem alguns símbolos. Quais são?
c) Qual ligação os símbolos tem com o lema da campanha da fraternidade? Observação: Se os catequizandos tiverem dificuldade, informe-os que os olhos ou rostos representam a palavra VIU. Os corações representam as palavras SENTIU COMPAIXÃO. As mãos representam as palavras CUIDOU DELE.
d) O que é COMPAIXÃO?
e) Na sociedade quais problemas devemos perceber (VER), SENTIR COMPAIXÃO e CUIDAR para amenizar a situação? Como podemos CUIDAR?

4º – Momento – Contar a história de Santa Dulce dos pobres e depois explicar porque ela é conhecida como a intercessora dos pobres e mais necessitados. Perguntar os catequizandos quais exemplos ela nos ensina. Em seguida, montar um porta-retrato de EVA e colocar nele o desenho de Santa Dulce dos pobres que os próprios catequizandos vão colorir.

5º – Momento – Perguntar os catequizandos quais famílias, instituições, pessoas, entre outros, que eles conhecem e carecem de doações. Juntos escolham uma (ou todas) e façam uma campanha de arrecadação de doações. (Se possível)

Ação

Durante a semana pedir doações para seus amigos, vizinhos, parentes e comerciantes. Para no próximo encontro ir à entidade escolhida fazer a entrega. Lembre-se que não é só chegar e entregar e sim apresentar o tema da campanha da fraternidade 2020, realizar um momento orante com a palavra de Deus e evangelizar. (Se possível)

Momento final

Fazer juntos a oração de Santa Dulce dos Pobres.

Materiais do Encontro catequético sobre a Campanha da fraternidade 2020

Olhos – Rostos
Corações
Mãos

Mais materiais para atividades nas escolas e na catequese

Materiais do Encontro catequético CF 2020:

Oração da Campanha da Fraternidade 2020

Oração à Santa Dulce

Hino da CF 2020

Cartões do Encontro catequético CF 2020:

Na Área Especial

Cartões do Encontro catequético CF 2020 em alto resolução para imprimir:

Textos do Encontro catequético CF 2020 em word / pdf:

Cartaz oficial CF 2020

A História de Santa Dulce dos Pobres

Catequese com Crianças / Portal Kairós

Planejando e organizando as equipes para a CF 2020

Além de um compromisso pessoal, o cuidado com a vida é uma tarefa a ser cumprida comunitariamente. A proposta de conversão quaresmal da Campanha da Fraternidade 2020 (CF-2020), cujo tema é “Fraternidade e Vida: dom e compromisso”, pode ser colocada em prática a partir da articulação de uma equipe de animação na comunidade, paróquia, diocese ou regional.

O objetivo geral da CF 2020 é conscientizar, à luz da Palavra de Deus, para o sentido da vida como Dom e Compromisso, que se traduz em relações de mútuo cuidado entre as pessoas, a família, na comunidade, na sociedade e no planeta, nossa Casa Comum.

Para promover estas relações de mútuo cuidado, o texto-base da Campanha da Fraternidade 2020 resgata das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023) o termo “comunidade-casa” e indica que este deve ser “o lugar do afeto, da ternura e do abraço, do encontro fraterno em torno da Palavra e da Eucaristia que geram vida”. Também indica que “a comunidade gera vida pela proclamação da Palavra e pela vivência da fraternidade”.

O texto fala do convite à construção de comunidades-casas – as comunidades eclesiais missionárias – que são enviadas a enfrentar “todo tipo de exclusão” e a promover ações concretas de solidariedade e de inclusão. “Essa comunidade é chamada a atuar no mundo como comunidade em saída rumo às periferias humanas e existenciais”.

Seja nestas comunidades ou num grupo específico de reflexão ou animação da Campanha da Fraternidade, alguns passos podem ser dados para esta articulação:

01 – Aprofundar o tema com a equipe

O primeiro passo é estudar o tema. As equipes podem aproveitar os vários materiais impressos e os encontrados aqui no Portal Kairós, com todo o aprofundamento da temática da Campanha da Fraternidade e as propostas de celebrações, retiros, círculos bíblicos. O texto-base é o principal material da Campanha. Nele estão elencados: a fundamentação bíblica do tema, as referências nos documentos da Igreja, o resgate da atuação da Igreja no Brasil na temática e as sugestões de iniciativas práticas a partir da CF.

Várias dioceses e regionais em todo o Brasil realizam, desde o ano passado, seminários para estudo do texto-base, oportunidade de maior articulação entre os diversos agentes de pastoral para a montagem de uma equipe de campanhas.

02 – Apresentar os materiais

A equipe de campanhas e as comunidades eclesiais missionárias, ao levarem a proposta da Campanha da Fraternidade para o seu local (bairro, comunidade, aldeia, condomínio, empresa, associação, etc), além de favorecerem o conhecimento acerca dos objetivos e iniciativas, também apresentam os materiais disponíveis para a vivência da CF nestes locais.

O Portal kairós é o mais completo local para encontrar materiais extras e subsídios gratuitos para a CF 2020.

03 – Conhecer ações práticas propostas no texto-base

Agir como o bom samaritano, que viu, sentiu compaixão e cuidou, é a principal motivação da Campanha da Fraternidade 2020. Neste sentido, o texto-base, em sua terceira parte, “Cuidou dele”, indica uma série de iniciativas que podem inspirar a ação das comunidades eclesiais missionárias em vista do cuidado com o próximo. Essas indicações, tomadas da exortação apostólica Evangelii Gaudium, estão no texto-base a partir dos verbos “Primeirar” – ter iniciativa; “Envolver” – intercâmbio de cuidado; “Acompanhar” – iniciar processos fundamentados no Evangelho; “Frutificar”; e “Festejar” com momentos de confraternização.

Ainda são indicados outros quatro verbos inspirados na relação com os migrantes proposta pelo Papa Francisco: acolher, proteger, promover e integrar.

Veja os infográficos sobre as ações práticas preparado na última edição da revista Bote Fé:

Ações práticas a partir do Texto-base da CF 2020

PRIMEIREAR

Ter iniciativa. São indicadas ações como: ser presença de vida onde não há uma comunidade eclesial missionária; criar espaços de partilha da vida e da experiência de fé; valorizar o protagonismo dos cristãos leigos e leigas por meio de serviços e ministérios; ofertar atendimentos e atividades evangelizadoras em dias, horários e locais acessíveis às pessoas; favorecer o diálogo entre gerações e com a sociedade.

ENVOLVER

No intercâmbio de ternura e cuidado, a CNBB propõe: formação para convivência a partir do resgate de valores humanos; promoção de rodas de conversa sobre a realidade local; promoção e valorização da agricultura familiar e das cooperativas; envolvimento em iniciativas voltadas para a ecologia integral; parcerias com organizações que cuidem da vida a partir dos valores do Reino de Deus.

ACOMPANHAR

Neste conjunto de ideias, são sugeridos processos fundamentados no Evangelho, como iniciativas na perspectiva da iniciação à vida cristã; redescoberta da importância da Liturgia; proximidade missionária com as famílias enlutadas; valorização das celebrações da Palavra de Deus e formação de ministros da Palavra, e programas de visitas missionárias.

FRUTIFICAR

Individualmente, é necessário fazer um exame de consciência tendo em vista o pecado da omissão. A comunidade é chamada a se tornar uma casa da acolhida, da amizade, do fraterno cuidado, com o desafio de chegar ao Domingo da Páscoa do Senhor com novas comunidades formadas. Para a sociedade, o chamado é para redescobrir a esperança como força agregadora do sentido à vida, com os leigos assumindo a participação social e política.

FESTEJAR

Aqui, a indicação é para que não se descuide dos momentos de confraternização na ação evangelizadora, como aniversários, nascimentos e conquistas. Todos são chamados a promover iniciativas que favoreçam a amizade entre as pessoas, como passeios, mutirões, ações caritativas e ecológicas.

4 verbos do Papa Francisco

04 – Planejamento

Para que tudo isso aconteça, a equipe de animação da Campanha da Fraternidade precisa olhar adiante e fazer um planejamento. Devem ser pensadas as ações antes da abertura da campanha, na Quarta-feira de Cinzas, durante o período quaresmal e depois. Algumas perguntas podem ajudar: O quê? Quem? Quando? Assim, são definidas as prioridades, os responsáveis e os prazos.

Antes da CF, o foco pode ser a preparação com estudo do texto-base. Durante a Quaresma, a articulação das iniciativas, a continuidade do estudo e as celebrações quaresmais em família, grupos e comunidades, além da sensibilização para a colaboração fraterna na Coleta Nacional de Solidariedade. Após a Quaresma, a campanha continua com as iniciativas projetadas pelos grupos locais e talvez a apresentação de projetos que podem ser contemplados com os recursos do Fundo Nacional de Solidariedade (FNS).

CNBB / Portal Kairós

Agir como o Bom Samaritano, é possível hoje em dia?

A Quaresma é um tempo litúrgico no qual a Igreja faz um convite mais intenso à conversão. No Brasil, esse período é marcado pela Campanha da Fraternidade (CF), iniciativa proposta pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que auxilia na busca de transformação e santificação por meio de uma realidade que se apresenta para ser refletida, meditada e rezada. Para além dessas atitudes, são várias as ações práticas que podem ser realizadas a fim de fazer com que a conversão gere transformação. Em 2020, a proposta é de cuidado e compromisso com o dom da vida. A CF refletirá, neste ano, sobre o tema “Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso” e o lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34).

Agir como o Bom Samaritano, é possível hoje em dia?

A inspiração para essa campanha, modelo motivador para o caminho de conversão quaresmal, é a imagem do Bom Samaritano, apresentado por Jesus no trecho do Evangelho de Lucas ao qual o lema da CF 2020 remete.

“O que fez o Bom samaritano interromper a rotina dele? Foi essa capacidade de parar, e essa pausa lança um olhar diferenciado para quem está à beira do caminho. Ele vê, não se contém e é a compaixão que faz com que ele se aproxime sem fazer julgamento, sem preconceito, porque a vida que grita por sobrevivência, é a vida que está ameaçada”, explica o secretário executivo de Campanhas da CNBB, padre Patriky Samuel Batista.

A perspectiva do cuidado perpassa as três formas indicadas por padre Patriky (foto abaixo) para viver-se a Campanha da Fraternidade 2020: conversão pessoal, renovação na família e ações em comunidade.

Padre Patriky da CNBB

No horizonte da conversão pessoal, o convite é à reflexão: “O que me faz parar? O que me tem feito parar? O  que é capaz de interromper a minha rotina? O que desperta o meu coração, a minha vida para cuidar daquilo que está à beira do caminho?”, sugere padre Patriky. O Bom Samaritano auxilia o caído à beira da estrada nos primeiros socorros e também oferece a montaria e conduz à hospedaria. “A Igreja é samaritana, a vida é essencialmente samaritana, por isso que o sentido da vida, diante da depressão, desse cenário todo em que a gente está vivendo, é a capacidade de cuidar”, ressalta o secretário executivo de Campanhas da CNBB.

Quem teve a capacidade de ser presença samaritana na realidade brasileira foi Santa Dulce dos Pobres: “As lágrimas enchiam meus olhos… O meu coração estava invadido pela dor em ver tanta miséria ao meu redor”, escreveu certa vez. A Santa foi marcante no atendimento das   necessidades urgentes dos mais pobres de Salvador (BA) e sua obra de assistência à saúde é referência no Brasil inteiro. “Irmã Dulce é um grande símbolo para todos nós de como a gente deve ajudar, colocar-se no lugar do outro, ver a necessidade e sentir como se fossemos nós”, ressalta Maria Rita Pontes, sobrinha de Santa Dulce dos Pobres e presidente das Obras Sociais Irmã Dulce (OSID).

Apresentação sobre a vida da Irmã Dulce

Quando o olhar se volta para a família, o chamado é à renovação nas ações de cuidado. A primeira indicação no Texto-Base da CF 2020 é “reafirmar o valor da família e motivar, organizar, ainda mais, a Pastoral Familiar em todos os lugares e ambientes como resposta a esse desafio de tornar nossos lares, nossas casas comunidades de fé, de ternura e de cuidado para com a vida”.

Lugar de promoção e construção da cultura da vida, a família é o primeiro ambiente onde se acolhe a vida nascente e, também por isso, é alvo de “múltiplos ataques”. Em São José dos Campos (SP), a Associação Guadalupe atua com gestantes em situação de vulnerabilidade social e com atendimento e aconselhamento   de mulheres que apresentam algum risco de interromper a gravidez.

“Essa obra nasceu com o objetivo de salvar as crianças do abortamento. Hoje, muitas jovens procuram interromper a   gravidez por falta de apoio, de cuidado, de amparo e nós decidimos fundar uma obra em que pudéssemos amparar essas jovens”, conta a presidente e fundadora da associação, Mariângela Consoli de Oliveira.

Contabilizando mais de 4,5 mil crianças salvas do aborto em cinco anos, a Associação Guadalupe oferece assistência médica, psicológica, espiritual e jurídica às gestantes, que podem também contar com auxílio na geração de renda e em oportunidades de trabalho.

“Muitas dessas meninas que nos procuram estão completamente afastadas das famílias, completamente desestruturadas. O que me levou realmente a fundar a Associação Guadalupe foi enxergar naquela gestante o desespero de não ter um lar”, conta Mariângela.

Comunidades

LEIA MAIS