Sugestões para a Campanha da Fraternidade 2018 na catequese

01 – Organizar formação para as catequistas sobre o tema da Campanha e combinar o que a catequese irá fazer.
Pensar em ações transformadoras, mesmo que sejam pequenos gestos. Podem ser utilizados vídeos formativos sobre a CF-2018 na formação.

02 – Utilizar o subsídio para Encontros Catequéticos com crianças e adolescentes e Jovens na CF para a Crisma, disponibilizados pela CNBB (verificar na sua paróquia ou comunidade). Lembrar que com crianças o tema precisa ser trabalhado de maneira especial. Por isso, o subsídio da CF ajudará muito.

03 – Organizar um painel com imagens de violência, de um lado e de outro, imagens de situações de paz e reconciliação. O painel poderia ficar num local visível da comunidade ou da paróquia.

Um outro exemplo:

04 – Uma dramatização sobre o tema da violência e a cultura da paz pode ser organizada pelos jovens da crisma ou já crismados.
A apresentação poderia ser feita para as crianças e também os adolescentes.

05 – Ressaltar testemunho de pessoas que trabalham pela paz, pela não violência. Descobrir projetos pela cultura da paz e apresentar a pais e catequizandos, sobretudo jovens e adultos.

06 – Utilizar histórias infantis sobre o tema: Veja aqui

07 – Incentivar a produção de poemas, pinturas, maquetes, paródias e músicas.

08 – Filmes para ajudar na reflexão (para jovens e adultos):
– Elysium
– Rede Social
– O pianista
– Flores do oriente
– O quarto poder
– Dormindo com o inimigo

09 – Músicas que podem ajudar na reflexão:
(Se puder use sempre músicas católicas)
– Violência
– Cantando a paz no mundo
– Paz – Pela paz a gente berra
– Sal da terra

10 – Na internet:
Indicar vídeos para o catequista trabalhar o tema (sobretudo para adolescentes e jovens):

Que exploração é essa?
Que abuso é esse?

11 – Outras sugestões:

Mais

– Promover uma caminhada pela paz.
– Identificar pastorais sociais da Igreja no Brasil que trabalham contra a violência.
– Verificar o que a comunidade pode fazer para conscientizar as pessoas sobre a questão  da violência.
– Organizar grupos de conversa sobre o tema da CF-2018.
– Buscar parcerias com órgãos públicos no combate e no acompanhamento de pessoas que sofreram violência.

Tem mais sugestões, envie pra gente!

 

Lucimara Trevizan
catequesehoje.org.br e
Adaptação, ilustração e revisão
Portal Kairós

Nossas crianças na Campanha da Fraternidade 2018

Cartaz original da CF 2018 para colorir:

 

Atividades – Catequese infantil Campanha da Fraternidade 2018:

Visite:
Fonte – http://catequizarcomjesus.blogspot.com.br/

 

Em alta resolução (300px), você pode mandar imprimir do tamanho que quiser.
Arquivo em PDF e Photoshop (que você pode ver ou imprimir as peças separadas).
Depois é só recortar com estilete.

 

Quebra-cabeça do Cartaz da CF 2018 – 20 peças:

Quebra-cabeça do Cartaz da CF 2018 – 48 peças:

Quebra-cabeça do Cartaz da CF 2018 – 80 peças:

 

 

O processo de Iniciação à Vida Cristã, que a Igreja no Brasil assumiu como uma das grandes urgências de sua evangelização, vem despertando muito interesse e empenho de concretização por toda parte.  Uma vez que implica em mudança de paradigma e uso de novas metodologias, encontra também resistências e pedras pelo caminho.

Muitas experiências já em marcha, porém, evidenciam significativos avanços em termos de evangelização e renovação da vida de fé nas comunidades que optaram por esse caminho.

Inspirando-se na experiência catecumenal das primeiras comunidades cristãs, com seus tempos e etapas que envolvem a vida e as celebrações da comunidade, a catequese a serviço da Iniciação à Vida Cristã se caracteriza por ser experiencial, celebrativa e centrada na Palavra de Deus.

Sua principal meta é motivar a experiência do encontro com Jesus Cristo, que desperta para o seu seguimento e discipulado a serviço do Projeto do Reino.

A questão que se levanta em toda parte é: Como implantar esta nova metodologia catequética na paróquia?

Tudo que é novo assusta um pouco, ainda mais quando exige mudança de mentalidade. Neste caso, passar de uma concepção doutrinal para um conceito mais vivencial, tendo como base principal a Palavra de Deus.

É importante perceber que já dispomos de muitos instrumentos de ajuda para isso: O Estudo 97 da CNBB “Iniciação à Vida Cristã”, o caderno “Catequese evangelizadora nº 7” da Coleção à Luz do DNC e, de forma muito especia,l o “Itinerário Catequético: Iniciação à Vida Cristã – Um Processo de Inspiração Catecumenal” – que já está em sua 4ª edição em 2 anos apenas -, traz pistas concretas e o passo a passo de como proceder nas paróquias para entrar nessa caminhada.

Por toda parte do país já temos experiências muito exitosas que causam grande alegria e esperança para a renovação de nossas paróquias. Tanto assim que os bispos escolheram a Iniciação à Vida Cristã como tema central de sua próxima Assembleia Geral. E teremos no final um texto definitivo da coleção “Documentos da CNBB” sobre a temática.

Isso nos dá ainda mais força e certeza de que esse é o rumo que o Espírito Santo está inspirando para a Igreja no Brasil. Mais um motivo para sentir o quanto a catequese ocupa um lugar central em toda a evangelização. Motivação também para nos empenharmos em implantar e aperfeiçoar, aos poucos, esse novo jeito de formar discípulos de Jesus Cristo, nosso grande objetivo.

Vamos juntos abraçar essa causa tão promissora para a animação e nova vitalidade em nossas paróquias!

 

Padre Décio José Walker
Assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Animação Bíblico-Catequética do Regional Sul 3 da CNBB

Resumão do Texto Base da Campanha da Fraternidade 2018

Tema: Fraternidade e superação da violência
Lema: Vós sois todos irmãos (Mt 23,8)


No vídeo acima, o Arcebispo de Campinas, Dom Airton José dos Santos,  falou  sobre a temática da Campanha da Fraternidade 2018 e como superar a violência que nos cerca. Ele também relembra que a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil acompanhou a história e os anseios da sociedade ao longo de décadas de campanha. Para ele a violência está no coração das pessoas. “Nós temos no coração a capacidade vencer o mal”, segundo o arcebispo a temática toca no íntimo das pessoas.

 

Ver a realidade da violência
Tendo suas residências guardadas por cercas elétricas, guaritas e vigias, cada vez mais também as pessoas se isolam e sentem nisso uma falsa sensação de segurança. O outro é afastado. Mantêm-se distância não só do inimigo, mas também dos possíveis amigos, como os vizinhos. Eis aí um dos maiores desafios contemporâneos no campo da segurança pública: garantir que as políticas públicas tenham em vista o aumento da solidariedade entre as pessoas, ao invés de enclausurá-las, criando empecilhos ou mesmo impedindo relações interpessoais humanizadas.

Um alerta para a sociedade brasileira: Apesar de possuir menos de 3% da população mundial, o Brasil responde por quase 13% dos assassinatos do planeta. Em 2014 foram 59.627 mortes.

As diversas faces da violência – onde há paz e onde há guerra no Brasil

Primeiro fator da paz ou da guerra
Este número expressivo (59.627 mortes violentas no Brasil, em 2014) revela a contradição da imagem que se tem das terras brasileiras como espaço de povo pacato e ordeiro. Normalmente esta ideia surge onde o Estado se faz presente, justamente nos lugares onde residem pessoas endinheiradas, que podem pagar por segurança particular, também contam com maior presença da segurança estatal. Nas periferias há ausência da segurança estatal ou só acontece quando há uma operação de combate a isso ou aquilo. Nestes ambientes os moradores são entregues a grupos armados, ao tráfico de drogas, etc.

Segundo fator da segurança ou insegurança
O dinheiro demarca onde há paz ou guerra no Brasil. Quem pode pagar por segurança privada tem privilégios no espaço urbano. Visto nesta perspectiva, a segurança se torna um privilégio para poucos.

Terceiro fator da violência no brasil
O acesso à Justiça, na plenitude que a palavra “justiça” pode abarcar, acontece somente para aqueles que podem pagar bons advogados.

Um dado alarmante para refletir
Mais da metade da população carcerária, mesmo depois de anos presa, ainda não compareceu diante de um juiz para julgamento.

A cultura da violência
Na cultura da violência costuma-se atribuir a culpa à vítima. Por exemplo, a estuprada é vista como mulher que se veste de forma imoral ou por não se dar ao respeito. O adolescente, por ser drogado, sofre o que merece e, muitas vezes, a morte. A cultura da violência tende a separar os bons dos maus. Comumente os maus estão nas classes inferiores ou em indivíduos situados em circunstâncias muito particulares, tais como imigrantes, migrantes ou os que têm orientação sexual diferenciada.

A cultura da violência que gera a política pautada na violência

Existem hoje, no Congresso Nacional, parlamentares identificados com segmentos econômicos e sociais fortemente interessados em propostas potencialmente geradoras de violência. Eis alguns exemplos:
– Políticos defendem o uso de arma de fogo pela população civil sustentando tratar-se de um direito natural, o da autopreservação.
– A corrupção é a expressão de que o dinheiro está em primeiro lugar, colocando em segundo plano a dignidade da vida humana.

Não há da parte da maioria dos políticos uma efetiva conscientização da população para que participe da atividade política para além do voto. Para inibir a maioria da população na participação política, vários políticos criminalizam os movimentos sociais que têm pontos de vista diversos daqueles que desejam aprovar projetos mais voltados aos interesses econômicos (dinheiro) que ao bem comum dos cidadãos.

As vítimas da violência no Brasil hoje

No mapa da violência 2016 constata-se que morrem muito mais pessoas negras que brancas. Isso pode ser verificado nos homicídios cometidos contra jovens. Em 2011 houve quase 28.000 assassinatos de jovens. Destes, quase 20.000 vítimas eram compostas por jovens negros.

LEIA MAIS

Literatura para trabalhar a Campanha da Fraternidade 2018

A Campanha da Fraternidade 2018 reúne um material focado na literatura como forma de superar a violência. É uma oportunidade para educadores desenvolverem a consciência de mundo e das relações sociais dos alunos. Comece a usar o materiais agora! Faça o download abaixo.

Texto do catálogo da Editora do Brasil para a Campanha da Fraternidade 2018 – Fraternidade e superação da violência.
O valentão da rua está disposto a arranjar mais uma briga. O preguiçoso, por sua vez, não quer ter muito trabalho com nada. Valter Valente e Pedro Preguiça se encontram e a confusão está pronta pra começar. Com um texto divertido e inteligente, Tânia Alexandre Martinelli conta a história desses dois meninos e de como pessoas aparentemente tão diferentes podem, no fim das contas, ter muita coisa em comum.
Para crianças de 8, 9 anos.

Baixe mais sugestões de livros sobre a temática da CF 2018
Link de download:

SM fornece material para professores trabalharem a Campanha da Fraternidade 2018 em sala de aula

Material pretende fazer com que educadores e educandos trilhem caminhos para uma cultura da paz com a superação da violência

Começa em março a Campanha da Fraternidade 2018 com o tema “fraternidade e superação da violência”, definido pela Conferência Nacional dos Bispos (CNBB). E a SM preparou um material especial para os professores trabalharem nas escolas durante o ano letivo.

Disponibilizado para download, o material traz planos de aula baseados no tema da Campanha da Fraternidade que auxiliarão o professor a trabalhar o assunto em sala de aula. Trata-se de um caderno de atividades com sequência didática para os alunos do Ensino Fundamental I e II e Ensino Médio.

O material é dividido em três partes. Na primeira, são discutidas as diversas formas de violência, considerando suas causas e consequências para a sociedade brasileira. Na segunda, o tema da violência é trabalhado por meio da literatura, buscando na fruição artística uma possibilidade de fortalecimento da personalidade e de conscientização dos alunos. Assim, ampliam-se as oportunidades de participação social, anunciando a bondade e denunciando toda forma de violência.

Já na última etapa, os alunos são convidados a refletir sobre o pensar, o sentir e o agir cotidianos, optando por uma cultura de paz que supere todas as formas de violência.

Atividades didáticas para refletir a problemática da violência

A Campanha da Fraternidade 2018 reúne um material focado na literatura como forma de superar a violência. É uma oportunidade para educadores desenvolverem a consciência de mundo e das relações sociais dos alunos.

Cada etapa apresenta cinco proposições de atividades que o professor poderá adaptar para as turmas em que leciona. Para favorecer os diferentes tempos e ritmos de aprendizagem, conforme as fases da educação escolar, essa organização permite realizar uma ou várias atividades por etapa, não comprometendo a coesão entre elas.

Além disso, os materiais da campanha buscam relação com obras da literatura brasileira. As janelas literárias são propostas em cada uma das atividades. Assim, todas podem ser vistas, iniciadas ou concluídas com uma obra literária. Para conferir as obras que abordam o tema da CF2018 é só clicar no link de download acima. Que também tem sugestões de outras editoras.

Sobre a editora: Fundada em 1937, a SM não se intitula uma empresa mas, sim, um projeto cultural e educativo com duas áreas de atuação plenamente integradas: em primeiro lugar, na elaboração e oferta de conteúdos e serviços educativos de prima excelência, sobretudo didáticos e de literatura infanto-juvenil, e, em segundo, no trabalho social realizado pela Fundação SM, que destina todos os recursos provenientes da atividade comercial da SM para melhorar a qualidade da educação e levar a docência e cultura aos setores menos favorecidos da sociedade. Focada no âmbito ibero-americano, a SM está presente em 10 países e são mais de 2.300 profissionais e voluntários se dedicando a este projeto. No Brasil, atua desde 2004.

 

Portal Kairós

O Advento e a Campanha da Fraternidade 2018

Iniciamos essa semana, com o primeiro domingo do Advento um novo ano litúrgico. Tempo bonito, tempo de luz e de esperança, uma esperança difícil de ser mantida em um mundo em que a mídia faz com que atos violentos e terroristas sejam conhecidos em tempo real. Abundam também as estáticas e sabemos o ranking das cidades mais violentas, do número de jovens assassinados, das vítimas do trânsito. É uma realidade assustadora que se assemelha a uma guerra civil. A Igreja católica sentiu a necessidade de enfrentar este problema internamente e num diálogo sério com a sociedade não só para evidenciar o problema mas para buscar juntos formas de superá-lo. E o caminho já tradicional é dedicar ao tema uma Campanha da Fraternidade, que embora se realize na quaresma marca todo o tempo litúrgico devido a pertinência dos assuntos escolhidos.

A Campanha do ano que vem não é simplesmente sobre violência, mas sim sobre a sua superação. Ela quer lembrar que existe uma violência difusa, cultural que se manifesta até na linguagem e na forma como nos referimos a determinadas pessoas. Esta violência é mais difícil de ser detectada, mas é igualmente mortífera e destruidora. Mas o mais importante é descobrir caminhos de superação, que passam necessariamente pela conversão do coração, mas também por mudanças na legislação e na implementação de um sistema de restauração da justiça que supere a lógica da vingança. Isto tudo começa pela própria imagem que nós temos de Deus. É ele o Pai misericordioso ou é o Juiz implacável que pune os que o ofendem? Se for levada a sério será uma campanha exigente. Mas ela também nos fará conhecer experiências que tiveram resultado. Nos lembrará o óbvio.

A Campanha da Fraternidade do ano que vem não é simplesmente sobre violência, mas sim sobre a sua superação

É na família que tudo começa, pois ali a criança já antes do seu nascimento encontra acolhimento e carinho. Felizes os seres humanos que vem ao mundo num lar onde se é simplesmente normal. Infelizmente sabemos que as piores violências são as praticadas dentro das casas, porque vem de quem confiamos e mantém-se em segredo mais facilmente podendo perdurar mais tempo. Criar condições dignas de moradia, ter trabalho para todos, assegurar educação de qualidade, providenciar áreas de lazer, são políticas públicas que reduziriam bastante os índices de violência.

Temos razões para ter esperança, quando vemos pessoas que assumem suas responsabilidades sociais e exercem suas funções públicas em favor daqueles que não tem poder. Quando vemos jovens procuradores de justiça assumindo com empenho suas obrigações para reparar injustiças, sobretudo as provocadas pela corrupção que é uma forma perversa de violência além de ser covarde, voltamos a acreditar na possibilidade de um mundo sem agressões. René Girard, diz que a origem da violência está no desejo mimético. Eu quero aquilo que você tem e por isso eu o destruo. Assim foi o assassinato de Abel por Caim. O irmão que tira a vida do irmão por inveja e despeito. E este assassinato está na origem da história humana. Jesus inverteu esta lógica ao morrer para os irmãos. A não violência é o caminho de salvação e é preciso eliminá-la de dentro de nós.

 

Dom Sérgio Castriani