Cartaz Oficial da CF 2018

Conheça o Cartaz da Campanha da Fraternidade 2018

Em 2018, a Campanha da Fraternidade chamará atenção para um problema que se apresenta de diferentes formas em vários ambientes e situações: a violência.

Apresentamos o Cartaz Oficial da Campanha da Fraternidade 2018

Personalize esse cartaz para sua paróquia

Cartaz Oficial da CF 2018

Cartaz Oficial da CF-2018

 

Cartaz Alternativo da Campanha da Fraternidade 2018
Cartaz Alternativo da CF-2018

Cartaz Alternativo da CF 2018

Baixe o Cartaz Alternativo para impressão:
Personalize esse cartaz para sua paróquia

Baixe o Cartaz Alternativo Catequese para impressão:
Personalize esse cartaz para sua paróquia

Formação CF-2018: Crescer sem Violência, parte 02

Que Exploração é Essa?

Que exploração é essa? – Episódio 01: A denúncia ajuda o próximo
Que exploração é essa? – Episódio 02: Redes hoteleiras
Que exploração é essa? – Episódio 03: Turismo
Que exploração é essa? – Episódio 04: Perigo virtual
Que exploração é essa? – Episódio 05: Quebrando rótulos

Que Exploração é Essa? O Projeto Crescer sem Violência apresenta a série “Que exploração é essa?”, resultado da parceria da Childhood Brasil com o Canal Futura e apoio Unicef Brasil.

Que exploração é essa? – Episódio 01: A denúncia ajuda o próximo
No primeiro episódio, um caminhoneiro viaja com seu filho e eles conhecem uma menina vítima da rede de exploração sexual de crianças e adolescentes.

Que exploração é essa? – Episódio 02: Redes hoteleiras
No segundo episódio da série “Que exploração é essa?”, o caminhoneiro Milton e o seu filho Diego decidem parar para descansar. Quando chegam ao hotel, se deparam com mais uma situação de exploração sexual de crianças e adolescentes, vitimas de uma rede de aliciadores.

LEIA MAIS

Formação CF-2018: Crescer sem Violência, parte 01

Crescer sem Violência

Em parceria com a Childhood Brasil, que entra com o apoio técnico ao conteúdo, Fundação Vale e Unicef Brasil. O Canal Futura criou as séries “Que exploração é essa?” e “Que abuso é esse?” para abordar o tema: violência sexual praticada contra crianças e adolescentes.

As narrativas fazem uso da linguagem lúdica para tratar de uma das mais graves violações de direitos humanos de crianças e adolescentes, previstas no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), Lei nº 8.069, de 1990, e aprofundar os debates sobre o tema.

Que Abuso é Esse?

Que abuso é esse? – Episódio 01: Desmascarando o abuso
Que abuso é esse? – Episódio 02: É só carinho?
Que abuso é esse? – Episódio 03: Perigo no lar
Que abuso é esse? – Episódio 04: Onde há fumaça
Que abuso é esse? – Episódio 05: É preciso ouvir
Que abuso é esse? – Episódio 06: A união faz a proteção
Que abuso é esse? – Episódio 07: Lobos em pele de cordeiro
Que abuso é esse? – Episódio 08: O caminho da denúncia

Que abuso é esse? – Episódio 01: Desmascarando o abuso
Dando continuidade ao Projeto Crescer Sem Violência, apresentamos a série “Que abuso é esse?”, parceria entre Childhood Brasil, Canal Futura, Fundação Vale e Unicef Brasil. O primeiro vídeo da série tem como tema “Desmascarando o abuso” e informa como diferenciar exploração, pedofilia, assédio e estupro. Tudo com uma linguagem lúdica e de fácil entendimento.

Que abuso é esse? – Episódio 02: É só carinho?
O segundo vídeo da série “Que Abuso é Esse?” mostra que, muitas vezes, o abuso sexual de crianças e adolescentes pode ter o “disfarce” de carinho. Nesse sentido, a escola tem papel fundamental em preparar a criança para que ela identifique os diferentes tipos de toque e peça ajuda ao se sentir ameaçada.

LEIA MAIS

Pe. Zezinho: romeiros de pés inchados

Romeiros de Aparecida, de Belém, Fátima, de Santiago de Compostela e de outros lugares de peregrinação ao redor do mundo, em geral terminam a peregrinação com os pés inchados e feridos.

Então, porque fazem isso? Em 85% a 90% dos casos, segundo enquete, caminham para agradecer por graça alcançada. Prometeram e agora cumprem. Acreditam que Jesus vê e que os santos a quem pediram intercessão junto a Jesus estão vendo.

Mas o mais bonito é que mais de 80% dos romeiros de pés inchados e joelhos esfolados fazem isso por pai, mãe, irmão, filhos e até por amigos. Os médicos não acharam a cura, mas Nossa Senhora ou o santo intercederam junto a Jesus e caminharam dois ou três dias, uma semana, 100 a 300 km para agradecer ou pedir.

Católico crê em prece solidária. Ora e se sacrifica pelo outro que não pode. Faz parte da nossa ascese e da nossa Teologia.

E como cremos que o céu está apinhado de Santos que já se salvaram, nada mais justo que peçamos que intercedam junto a Jesus por nós. Jesus leva a gente para o Pai onde faz trindade com o Espírito Santo. É a nossa ascende: amar como Jesus e levar um pedaço da Cruz dos outros. MARIA estava lá, aos pés da Cruz do Filho.

Cristão que não leva a própria Cruz e não carrega ao menos um pedaço da Cruz dos outros não entendeu Jesus. A recomendação foi dele.

Admiro romeiros de pés inchados e joelhos esfolados. Quando passam do limite os padres aconselham a levar a Cruz de outro jeito para que sua penitência não acabe num hospital. Mas que é bonito orar e ajudar os outros, isto é!

Romeiros saem de casa e caminham longe, mais para agradecer e pedir graças para os outros do que para si mesmos. E Deus vê tudo isso.

Fico em Aparecida onde me escondo e, de lá, vejo o povo católico orando mais pelos outros do que para si mesmos.

Entre eles há muita gente santa! É uma das minhas alegrias de padre e de católico!

A Catedral Basílica de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, também conhecida como Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, é um templo religioso católico localizado no município brasileiro de Aparecida, no interior do estado de São Paulo. É o maior templo católico do Brasil, segundo maior do mundo, menor apenas que a Basílica de São Pedro no Vaticano.

Romarias de súplica e de gratidão!

No grande dia dos 300 anos do resgate da imagem com sinais de que não foi por acaso, penso nos romeiros que caminham para os santuários de Aparecida e de Belém do Pará.

E minha experiência com eles é que caminham para suplicar a intercessão de Maria junto ao seu Filho Jesus. E caminham para agradecer as graças recebidas. E a maioria ora mais pelos outros do que por si mesma.

É uma das catequeses mais sólidas da nossa Igreja. Orar mais pelos outros do que em proveito de si mesmo.

Gosto desses romeiros. Tudo termina no sacrário porque 99% são corações solidários!

 

Pe. Zezinho, scj

Meu grande louvor e amor a Maria

Sei que alguns ateus e até cristãos de outras correntes de fé, põem objeções a nosso culto à mãe Jesus.

E não faço parte dos que desmerecem um ateu ou um evangélico que estudou a Bíblia e conhece a História do Cristianismo.

Eu também li e estudei centenas de livros e até me deram um título de doutor. Uma grande universidade, a PUC de Curitiba, achou que sei o bastante para defender a teologia que prego.

E na teologia que prego por escrito e por canções, MARIA, a mãe de Jesus está viva e está no céu junto ao seu Filho.

Seria um fracasso um cristão duvidar que Jesus não está no céu e não nos ame!

E seria estranho demais se, depois de 2 mil anos, Jesus ainda não tivesse levado sua mãe para o céu.

Mais estranho ainda se bispos, padres e pastores e pregadores da Bíblia pudessem interceder pelos fiéis pedindo curas a Jesus; e a mãe de Jesus não pudesse, porque ela está morta e não pode fazer nada pelos cristãos de agora. Eu penso diferente! .

Eu creio que Jesus levou bilhões de almas para o céu porque “ o sangue de Jesus tem poder”. E o céu está repleto de Santos que Jesus salvou. E a mãe dele está lá ao lado dele, como esteve sempre ao seu lado, desde Belém até à Cruz.

E é por isso que não adoro Maria, porque ela não é deusa.

Mas também é exatamente por isso que eu a venero porque, depois de Jesus nenhuma pessoa foi mais privilegiada do que a mulher que o gerou e viveu com ele até seu último instante neste mundo.

Eu sou padre e, se eu posso abençoar quem me pede uma bênção, tenho certeza de que a oração da mãe de Jesus vale mais do que as minhas pobres preces.

Jesus tem o poder. Mas nós temos o pedir. E o pedir de Maria é mais profundo porque vem com o conhecimento que ela teve e tem sobre Jesus.

Entre a sabedoria dos doutores laureados em teologia em tantas igrejas e a sabedoria de Maria, eu fico com a sabedoria dela. Para mim, Maria está viva e no céu. Para mim ela não está dormindo o sono de quem espera o soar da última trombeta. Jesus já disse que viria buscar os seus discípulos. É só conferir outras passagens da Bíblia! Jesus realmente salva!

Se alguém pensa diferente será respeitado. Mas, sendo padre católico que estudou Bíblia e HISTÓRIA DO CRISTIANISMO, esta é a minha convicção.

Não adoro Maria. Ela não é minha salvadora. Quem salva é Jesus. Mas o filho dela chamou Deus de MEU PAI e VOSSO PAI. E ele a chamou de Senhora e de Mãe e a confiou aos cuidados de João, o mais jovem dos apóstolos. Sinal de que Jesus não teve outros irmãos.

Mas creio que ela nos adotou e nós a vemos como nossa mãe.

É isso que prego e é isto que me leva a fazer centenas de páginas e centenas de canções para homenageá-la.

Isto! Eu amo a mãe de Jesus. E proclamo: “Quem está perto de Maria, nunca está longe de Jesus “. Até porque ela nunca ficou longe dele, nem aqui nem lá no céu! E creio que é para lá que um dia iremos!

E quando chegar a minha hora, espero ver os dois na glória eterna, como eles estão agora!

Dois tipos de evangélicos

Recebi no meu Facebook e em outras páginas que escrevo, muitas mensagens de amizade e de orações conosco, católicos, pela nossa alegria de nestes 300 anos festejarmos nosso amor por Maria. Eles sabem que não adoramos Maria porque eles também amam a mãe de Jesus, embora a cultuem da outra maneira.

Mas também recebi muitas agressões dizendo que sou um padre herege e inimigo de Jesus e ignorante de Bíblia.

Um deles enviou quase cem textos contra mim e nossa Igreja. Ele é agressivo e desafiador. E está na minha página que ele invadiu e deu um jeito de permanecer me provocando.

Sabem o que faço? Respondo a tudo dizendo a mesma coisa:

“Severino, você está na minha página. Eu não invadi a sua. Se quer debate procure outro evangélico como vc. Sou obrigado a deletar você porque você não quer diálogo. Quer provar que é sabe mais Bíblia do que eu! Procure seu pastor. Não invado o púlpito do seu pastor e você não invada o meu! ”

 

Pe. Zezinho, scj