Liturgia católica – Anos A, B e C

Liturgia

Janeiro 2023

01 – Dia Mundial da Paz / Santa Maria, Mãe de Deus
08 – Epifania do Senhor
09 – Batismo do Senhor
25 – Conversão de S. Paulo, Apóstolo

Todas as datas

9 de dezembro: 2º Domingo do Advento

TEMPO DE CRESCER NO AMOR

Esta liturgia nos ajude a viver este tempo de esperança, preparando-nos para acolher Jesus, a salvação de Deus para a humanidade. Por meio da voz de João Batista, o Senhor nos guiará por caminhos de misericórdia, justiça e paz. Simbolizando a progressiva proximidade do Natal, acenderemos hoje a segunda vela da coroa do Advento.

LIÇÃO DE VIDA
Jesus nos acompanha e nos encoraja em nosso esforço de viver a conversão.

Desde pequeninos, ouvimos dizer que devemos crescer na vida. Geralmente o crescer, nesse sentido, tem que ver com sucesso, fama e outros atributos que nos situariam numa espécie de categoria privilegiada. Ocorre que a vida nos pede muito mais que isso. Seria muito triste uma existência baseada tão somente na frieza do status e na superficialidade dos cargos. A vida pede mesmo é afeto.

É claro que o intuito aqui não é desfazer da importância de uma boa carreira profissional e de um trabalho digno. Evidentemente a questão não é essa. Mas seria um desperdício grande gastarmos as energias de nossa curta travessia neste mundo numa espécie de luta para galgarmos o lugar de destaque e, depois, fazemos de tudo para mantê-lo.

A segunda leitura da liturgia de hoje é um bom exemplo para crescermos naquilo que vale a pena. O apóstolo Paulo, quando escreveu à comunidade dos filipenses, encontrava-se preso. A prisão se deu porque Paulo era um homem comprometido com a causa do evangelho, isto é, com a boa notícia. Os poderosos daquele tempo o encarceraram como forma de lhe calar a voz. Paulo estava se tornando uma ameaça aos homens do poder. Foi preso porque o mundo dos que detêm o poder da força odeia quem leva em seu coração o poder do amor. Amor que escolhe o lado dos que são desprezados e humilhados, feridos na carne e na alma.

Paulo, porém, sabia em quem acreditava. Ele tinha os olhos fixos naquele que dá sentido à vida: Jesus, o Filho de Deus que se fez menino. O apóstolo tinha no coração a mesma compaixão que Jesus sentia pelos sofredores do mundo. Embora tivesse capacidade de ocupar os melhores cargos profissionais, porque tinha formação para isso (uma vez que estudara nas mais renomadas escolas de seu tempo), Paulo preferiu fazer uso de sua sabedoria para ajudar os desprezados a encontrar um lugar no mundo.

Este tempo do Advento é momento oportuno para nos deixarmos inundar por bons sentimentos. Assim como Paulo apóstolo se derrama em ação de graças para a comunidade dos filipenses, também nós hoje somos chamados a sentir a alegria da boa notícia, que é Jesus. Ele quer nascer em nossa vida. Embora fosse Deus, fez-se pequeno, fez-se menino. Isso é revolucionário. Isso muda tudo. As grandezas do mundo são passageiras. O amor de verdade é eterno e enche nossos olhos de luz. Quem ama jamais se deixa cegar diante dos desafios do tempo presente. Jesus é o tempo perfeito que transforma nossa vida.

Pe. Antonio Iraildo Alves de Brito, ssp

2 de dezembro: 1º Domingo do Advento

TEMPO DE ESPERA E ESPERANÇA

Cheios de esperança, iniciamos o Advento, tempo favorável para ajustarmos nossos passos em direção à alegre celebração do Natal do Senhor. A liturgia nos ajude a viver intensamente este tempo, voltando nosso coração para o grande acontecimento do nascimento de Jesus entre nós. Queremos entrar neste novo ano litúrgico vigilantes e firmes na oração, a fim de acolher com fé a salvação de Deus, que vem ao nosso encontro.

LIÇÃO DE VIDA
O propósito de nossa preparação para o Natal é acolher Jesus, que se revela, de forma especial

No evangelho proposto para hoje, Jesus não pretende assustar ninguém. Aliás, em geral ele fala da bondade do Pai, da consolação do Espírito Santo e da vida gloriosa para os que fazem a vontade de Deus. Por outro lado, Jesus conhece a realidade que o envolve. Ele vê e sente que no mundo há maldade, injustiça, opressão dos poderosos sobre os mais fracos, conflitos, guerras entre nações. Percebe também que sua mensagem de amor não é acolhida por todos; que muitos o criticam porque ele tem boa convivência com doentes e pecadores; que os chefes do povo, incluindo os dirigentes das instituições religiosas, querem matá-lo como se fosse um malfeitor perigoso. Essa é uma parte do panorama nos dias terrenos de Jesus.

Por volta do ano 70, o exército romano invade Jerusalém, destrói a cidade e profana o Templo. O cruel massacre se dá no meio de lamentos, correrias, fugas para outros lugares e mortos; muitos mortos. Essa é uma página dolorosa que o povo de Israel escreveu com o próprio sangue. Jesus tinha previsto que assim aconteceria. Outro dado a considerar é o início da Igreja, com violentas perseguições aos cristãos e tribulações de todo tipo. Tempos difíceis para os seguidores de Cristo, mas também hora oportuna para darem testemunho a favor dele.

Em linguagem figurada, Jesus está nos dizendo que o império do mal vai acabar, o bem e a verdade vão triunfar – também com o empenho dos cristãos. Ao mesmo tempo, está apresentando à comunidade cristã a situação desconfortável que é ser cristão no mundo e as consequências inevitáveis para quem é coerente seguidor seu. Por isso, de modo solene, ele diz a seus discípulos de todos os tempos: “Ergam a cabeça, porque a libertação de vocês está próxima”. E aponta para todos nós um caminho cheio de esperança: “Vigiem, portanto, rezando a todo momento, a fim de terem forças para escapar de tudo o que deve acontecer e para ficar de pé diante do Filho do homem”. A comunidade precisa estar sempre de prontidão, praticando a justiça do reino de Deus.

Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp

25 de novembro: Cristo Rei

LEIGAS E LEIGOS NOS PASSOS DE CRISTO REI

Neste domingo, o último do ano litúrgico, reconhecemos Jesus como Rei e Senhor do universo. Ele nos dá testemunho da verdade de Deus e nos revela que seu reinado se fundamenta no amor, na justiça e na paz. Hoje concluímos também o Ano do Laicato, recordando todos os leigos e leigas que se põem a serviço do reino inaugurado por Cristo.

LIÇÃO DE VIDA
No reino de Jesus, todas as pessoas são acolhidas com amor e misericórdia.

No evangelho de hoje, Jesus é interrogado sobre se seria Rei e onde estaria seu reinado. Ele, no entanto, faz ver que seu reinado não se identifica com este modelo de mundo. O reino de Jesus é baseado na verdade, no amor ao próximo, no cuidado para com os mais fragilizados, para com todos aqueles que vivem à margem da sociedade.

Esse reino nos é apresentado como sinal do compromisso assumido por meio de nosso batismo, que dá um sentido à nossa existência: o serviço, no cuidado pela vida plena para todos e todas.

Nos reinados deste mundo, os governantes são soberanos, põem-se acima dos outros, usando de sua autoridade. A proposta de Jesus é diferente: convida-nos a ser servos. Quem quiser ser grande é chamado a tornar-se servo do próximo, assim como ele fez. Pondo-se a servir, Cristo nos dá o exemplo de como agir com olhar misericordioso para com o próximo.

Por meio de gestos de generosidade, atenção, carinho e misericórdia, vamos transformando nossas ações e a própria sociedade, que, em muitos momentos, chegou perto de perder a esperança de encontrar um caminho para acabar com tanta injustiça, intolerância e exclusão. Jesus é rei; ele é amor; ele é a plenificação do amor de Deus pela humanidade.

De modo especial ao longo do Ano do Laicato, fomos convidados a ser “sal da terra e luz do mundo” na Igreja e na sociedade. Como cristãos, vivemos muitos momentos dessa inserção nos espaços da sociedade. Fomos convidados a amar o próximo mais com ações do que com palavras, exercendo um cuidado mais relevante para com o negro, o índio, o migrante, a mulher, a criança e o adolescente. O evangelho nos chama a estar atentos aos clamores dos pobres e marginalizados. Nossa missão é ser uma Igreja de leigos e leigas comprometidos com a justiça e a verdade; ser sinais vivos de Cristo no mundo.

Patrícia Cabral
Conselho de Leigos e Leigas – Arquidiocese de Manaus

9º dia da Novena da Padroeira do Brasil 2018

Novena de Nossa Senhora Aparecida 2018

Com Maria e Jesus, restaurar o rosto fiel e samaritano da Igreja!

Padre Reinaldo Beijamim, prefeito de Igreja do Santuário de Aparecida reflete o tema do 9º dia da Novena preparatória para a Festa de Nossa Senhora Aparecida.

Baixe o texto do 9º dia da Novena

11/10/2018 – 9º dia da Novena

Rezamos o último dia da novena: “Com Maria e Jesus, restaurar o rosto fiel e samaritano da Igreja!”

Neste último dia da novena, vamos rezar pela Igreja. Estamos vivendo o Ano do Laicato, e o tema de hoje nos conduz a refletir sobre o nosso discipulado e sobre a nossa missão como comunidade dos continuadores da Redenção de Cristo no mundo.

Maria, a leiga por excelência, santa e escolhida do Pai, nos desperta e nos ajuda a ser Igreja samaritana, servidora dos humildes, viva e restauradora, capaz de transformar a realidade que nos cerca.

Restaurai ó Jesus, ó Mãe Aparecida, em nosso coração o sentido de pertença à Igreja e nos dê coragem e ousadia no serviço e testemunho aos irmãos.

Baixe as músicas da novena da Padroeira 2018

Baixe outros materiais sobre a novena da Padroeira do Brasil

Novena Nossa Senhora Aparecida – Eliana Ribeiro

Assine o canal da Eliana Ribeiro

A12

Baixe o cartaz do Círio de Nazaré 2018

Cartaz do Círio 2018

Baixe o cartaz do Círio de Nazaré 2018 em pdf:

O cartaz alusivo a 226ª edição do Círio de Nazaré que este ano traz como tema: “Uma jovem chamada Maria”, apresenta-se mais uma vez como importante ícone representativo da grande festa que homenageia a Rainha da Amazônia. O cartaz é também um meio de evangelização, seguindo o preceito principal do Círio como momento especial de levar a Palavra de Deus aos irmãos. Os elementos que compõem a peça foram pensados de forma a traduzir por meio da linguagem visual as mensagens propostas, tendo tradicionalmente a Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Nazaré como destaque principal, uma forma de demonstrar a realeza da Mãe de Jesus, motivo pelo qual a festa acontece desde 1793.

As ondas

As ondas marrons que aparecem no rodapé da peça representam as águas dos nossos rios, que identificam nossa origem, proporcionando vida e movimento. Os rios representam, ainda, o caminho por onde passa a cortejo de fé, na Romaria Fluvial.

A água é fonte de vida. O Brasil tem 12% da reserva de água doce do mundo e mais de 70% dessa reserva hídrica se encontra na Amazônia. Eis então a responsabilidade que temos em preservar esse bem natural insubstituível para o ser humano! Um dom de Deus a nós confiado. O cuidado com o meio ambiente é dever e responsabilidade de todo cristão e faz parte da sua missão.

As borboletas

Presentes nas laterais do Cartaz, sinalizam a transformação de Maria jovem em Maria mulher, mãe. A Virgem Maria era uma moça judia, que esperava com todo o coração a redenção do seu povo. Mas naquele coração de jovem filha de Israel havia um segredo que ela mesma ainda não conhecia: o desígnio do amor de Deus estava destinada a tornar-se a Mãe do Redentor. Na Anunciação, o Mensageiro de Deus chama-a “cheia de graça” e lhe revela este projeto. Maria responde “sim” e daquele momento a fé de Maria recebe uma luz nova: concentra-se em Jesus, o Filho de Deus que dela se fez carne e no qual se cumprem as promessas de toda a história da Salvação.

O lírio é Maria

No hino mais cantado e mais emocionante em homenagem a Virgem de Nazaré, dizemos: “Vós sois o lírio mimoso, do mais suave perfume…”. Maria é reconhecida como “O Lírio Branco da Trindade”, pois participou mais do que ninguém das virtudes divinas, as quais jamais manchou com menor resquício de pecado. Em uma aparição, particular Nossa Senhora revelou-se na forma de um magnifico lírio de grande brancura. A folha erguida representava a onipotência do Pai e as duas inclinadas significavam a sabedoria do Filho e a bondade do Espírito Santo, virtudes as que a Santíssima Virgem possui em grau eminente.

As rosas

As rosas ao redor da Imagem Peregrina representam todos nós que em torno dela vivemos e com ela nos unimos. Maria é a Mãe da Igreja! Em torno dela nos reunimos como filhos. “Como na família humana, a igreja-família é gerada ao redor de uma mãe, que confere a ‘alma’ e ternura a convivência familiar” (Documento de Aparecida, 268). Maria nos ensina um jeito de sermos comunidade. Ela nos congrega e aponta para o seu Filho: “Fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 2,5). Uma comunidade cristã será sempre uma comunidade que celebra a Eucaristia, portanto, uma comunidade Eucarística e Mariana.

Silhueta da Catedral

A silhueta estilizada da Catedral de Belém (em amarelo) lembra o encontro de Maria com seus fiéis. “Maria nos ensina a estar sempre unidos a Jesus! Ela sempre foi uma mulher comum no meio de seu povo: rezava, trabalhava, ia à sinagoga. Porém, todas as suas ações eram realizadas sempre em união perfeita com Jesus e com a vontade do Pai” (Papa Francisco).

Maria é imagem e modelo da Igreja, como ensina o Documento do Concílio do Vaticano II que diz “Como Santo Ambrósio ensinava, a Mãe de Deus é a figura da Igreja na ordem da fé, da caridade e da perfeita união com Cristo”. (Lumen Gentium/Luz dos Povos)

Padre Luiz Carlos Nunes Gonçalves,
Reitor da Basílica Santuário e Presidente da Diretoria da Festa de Nazaré

Palavra oficial do Papa