Posts

Pe. Zezinho: romeiros de pés inchados

Romeiros de Aparecida, de Belém, Fátima, de Santiago de Compostela e de outros lugares de peregrinação ao redor do mundo, em geral terminam a peregrinação com os pés inchados e feridos.

Então, porque fazem isso? Em 85% a 90% dos casos, segundo enquete, caminham para agradecer por graça alcançada. Prometeram e agora cumprem. Acreditam que Jesus vê e que os santos a quem pediram intercessão junto a Jesus estão vendo.

Mas o mais bonito é que mais de 80% dos romeiros de pés inchados e joelhos esfolados fazem isso por pai, mãe, irmão, filhos e até por amigos. Os médicos não acharam a cura, mas Nossa Senhora ou o santo intercederam junto a Jesus e caminharam dois ou três dias, uma semana, 100 a 300 km para agradecer ou pedir.

Católico crê em prece solidária. Ora e se sacrifica pelo outro que não pode. Faz parte da nossa ascese e da nossa Teologia.

E como cremos que o céu está apinhado de Santos que já se salvaram, nada mais justo que peçamos que intercedam junto a Jesus por nós. Jesus leva a gente para o Pai onde faz trindade com o Espírito Santo. É a nossa ascende: amar como Jesus e levar um pedaço da Cruz dos outros. MARIA estava lá, aos pés da Cruz do Filho.

Cristão que não leva a própria Cruz e não carrega ao menos um pedaço da Cruz dos outros não entendeu Jesus. A recomendação foi dele.

Admiro romeiros de pés inchados e joelhos esfolados. Quando passam do limite os padres aconselham a levar a Cruz de outro jeito para que sua penitência não acabe num hospital. Mas que é bonito orar e ajudar os outros, isto é!

Romeiros saem de casa e caminham longe, mais para agradecer e pedir graças para os outros do que para si mesmos. E Deus vê tudo isso.

Fico em Aparecida onde me escondo e, de lá, vejo o povo católico orando mais pelos outros do que para si mesmos.

Entre eles há muita gente santa! É uma das minhas alegrias de padre e de católico!

A Catedral Basílica de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, também conhecida como Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, é um templo religioso católico localizado no município brasileiro de Aparecida, no interior do estado de São Paulo. É o maior templo católico do Brasil, segundo maior do mundo, menor apenas que a Basílica de São Pedro no Vaticano.

Romarias de súplica e de gratidão!

No grande dia dos 300 anos do resgate da imagem com sinais de que não foi por acaso, penso nos romeiros que caminham para os santuários de Aparecida e de Belém do Pará.

E minha experiência com eles é que caminham para suplicar a intercessão de Maria junto ao seu Filho Jesus. E caminham para agradecer as graças recebidas. E a maioria ora mais pelos outros do que por si mesma.

É uma das catequeses mais sólidas da nossa Igreja. Orar mais pelos outros do que em proveito de si mesmo.

Gosto desses romeiros. Tudo termina no sacrário porque 99% são corações solidários!

 

Pe. Zezinho, scj

Como superar momentos difíceis da vida?

A vida é muito boa. Essa é a verdade original que em certos momentos parece ficar tão ofuscada que corremos o risco de cair na falta de esperança. Esse ofuscamento provém da nossa natureza caída que, depois do pecado original e de cada pecado pessoal, tem dificuldade de ver a Deus e o seu Plano de Amor. Dessa situação nascem todas as dificuldades da nossa existência. Jesus veio para nos salvar e é nele que precisamos nos aferrar para continuar caminhando pelo Bom caminho nos momentos mais difíceis da vida.

Quando o povo de Israel caminhava pelo deserto, Deus lhes concedeu as tábuas dos dez mandamentos. Mas já no profeta Jeremias vemos que as tábuas da Lei não eram a palavra final de Deus. “Eis, no entanto, a Aliança que celebrarei com a comunidade de Israel passados aqueles dias”, afirma o SENHOR: “Registrarei o conteúdo da minha Torá, Lei, na mente deles e a escreverei no mais íntimo dos seus sentimentos: seus corações. Assim, serei de fato o Deus deles e eles serão o meu povo”! .

 

A realização dessa profecia se dá justamente em Jesus, que é o Verbo que se fez carne. De maneira especial se realiza na Eucaristia, quando comungamos do próprio Cristo que se faz alimento por nós. A carta aos hebreus retoma a profecia e diz que o Senhor colocará suas leis no âmago dos nossos corações, as inscreverá profundamente em nossas mentes. Ou seja, seguir o Senhor não é um simples cumprir regras externas, mas um descobrir que essas leis estão gravadas em nosso interior e que ao cumpri-las, nos realizamos como pessoas, como filhos e filhas de Deus.

E isso é fundamental para os momentos difíceis que atravessamos na vida. Porque nesses momentos o último que queremos é que nos digam regras que cumprir, preceitos que realizar para que Deus nos ajude a atravessar a dificuldade. Mas se nesses momentos difíceis se descobre renovadamente que lá no fundo do nosso mesmo ser existe um desejo de estar mais próximos ainda de Deus, não afundaremos nas ondas agitadas da vida, mas alçaremos nossa voz a Deus como o fez São Pedro quando começou a afundar enquanto caminhava sobre as águas: “Senhor ajuda-me pois estou perecendo”. Esse grito só pode vir de alguém que, mesmo atordoado pelas tribulações da vida, possui essa Lei de Deus inscrita no coração.

É evidente, então, que para não sucumbir nesses momentos difíceis é preciso ter uma vida espiritual forte. Dessa forma, não daremos às costas a Deus, pelo contrário, nos aproximaremos ainda mais dele em cada dificuldade que passarmos. E, no fundo, esse é o intuito de Deus quando permite alguma provação. Ele quer que purifiquemos nossa fé de todas as falsas seguranças que nós todos temos. Essas dificuldades fazem parte da pedagogia divina porque Ele quer que, pouco a pouco, aprendamos a confiar cada vez mais nele e menos em todas as outras coisas nas quais nos agarramos porque nossa fé ainda é pequena.

Vale a pena ter um pequeno “arsenal” de passagens Bíblicas para que nesses momentos possamos rezar e não sucumbir. Nesse sentido alguns salmos podem ajudar bastante porque eles mostram a Deus que em nosso coração está a sua Lei e a Ela queremos ser fiéis.

Alguns exemplos de Salmos:

Sal 119, 11: No meu coração atesourei tua palavra, para não pecar contra ti.

Sal 40, 8: Meu prazer é fazer a tua vontade, meu Deus; tua lei está dentro do meu coração.

Sal 17, 5: Meus passos ficaram firmes pelos teus caminhos. Meus pés não vacilaram.

Sal 25, 3: Certamente nenhum dos que esperam em ti será defraudado…

 

Irmão João Antônio
A12

Baixe materiais especiais para seu grupo

A missão do pai hoje em dia

Em um de seus momentos de maior aflição, Jesus reza a Deus e o chama de Abbá. Com isso nosso Senhor nos revela uma intimidade profunda entre ele e o Pai que está nos céus. Essa relação de Jesus com seu Pai certamente pode nos revelar algo sobre como os pais humanos estão chamados a se relacionarem com seus filhos, buscando fazer de suas famílias um reflexo da Santíssima Trindade.

Um pai responsável quer sempre o que é melhor para os seus filhos. Nesse sentido, uma das primeiras responsabilidades que o pai tem é a de transmitir o maior tesouro que ele mesmo recebeu um dia: A filiação divina. E recebe-se essa filiação de modo muito concreto no batismo. O Catecismo nos ensina que os pais cristãos precisam reconhecer que a prática de batizar os filhos ainda bebês corresponde “à sua função de alimentar a vida que Deus” lhes confiou. Não fazer isso, pelo motivo que seja, é privar a criança da graça inestimável de tornar-se Filho de Deus.

Talvez possamos dizer que todas as outras responsabilidades paternas derivem dessa e podem ser vistas como uma continuação da mesma. Isso porque talvez possamos resumir a missão paterna em uma intima colaboração com Deus para que o fruto dessa união matrimonial possa chegar a ser uma pessoa plena, santa, um verdadeiro filho de Deus, como Cristo. Essa filiação começa no batismo mas precisa ser cuidada e acrescentada durante toda a vida.

E o pai faz isso em todos os momentos da sua vida. Primeiramente com o próprio testemunho de uma vida cristã, amando de verdade a esposa e os filhos, valorizando o que de verdade importa na vida e não se deixando levar pelas superficialidades que o mundo propõe como importante. Sendo solícito para com todos, participando ativamente da vida da Igreja local, como um discípulo de Jesus. Com esse testemunho em primeira pessoa, os filhos serão naturalmente levados a colocar a própria relação com Deus no centro de suas vidas e poderão, chegado a maturidade, optar livremente pela vida cristã.

Além do testemunho pessoal, os pais precisam se preocupar com a educação dos filhos na fé, para que eles possam, pouco a pouco, ir se aproximando do mistério de Deus com mais consciência. Por isso é importante velar para que os filhos cresçam em um ambiente que favoreça esse contato com o Senhor em casa, na Igreja, na escola, com os amigos, etc. Tudo isso sem se esquecer da única missão de fazer com que o filho vá se tornando cada vez mais como o Filho único, Jesus Cristo.

Claramente não podemos tocar aqui todos os aspectos do que implica na vida de uma pessoa a paternidade. No fundo precisamos sempre ter presentes que a paternidade é uma missão que vai além das forças de qualquer pessoa se a entendemos como essa missão cristã. E por isso é preciso contar com aquela paternidade primeira, a Paternidade de Deus, que ama o pais e filhos de tal forma que os auxilia com sua Graça para que possam chegar a viver um dia a plenitude dessa filiação no Céu. Afinal somos todos, pais, filhos, mães, irmãs, antes de mais nada, filhos queridos de Deus.

 

Irmão João Antônio
A12

Baixe materiais especiais para seu grupo

Casal se prepara para romaria a pé de Vila Velha até Aparecida

Um casal de Vila Velha, no Estado de Espírito Santo, vai fazer uma longa peregrinação de aproximadamente 700 km a pé do Convento da Penha até o Santuário Nacional de Aparecida entre os dias 02 e 30 de setembro.

Ismael e Maria Braggio, de 70 e 66 anos, respectivamente, estão com a missão especial de percorrer 29 localidades diferentes até chegar ao destino final. Eles passarão por comunidades, paróquias e igrejas do Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo até chegar a Casa da Mãe Aparecida. “Pretendo cada noite ir numa comunidade ou paróquia da cidade em que me encontrar. O objetivo é rezar agradecendo e pedindo ao Senhor e Nossa Senhora a proteção para esta peregrinação”, explica Ismael.

Em todos os lugares por onde os dois passarão, já está tudo programado para se ter uma missa, um momento de oração ou a reza do terço e quem programou e agendou tudo foi “Dona Mariinha”, como é mais conhecida a esposa de Ismael.

O itinerário não vai ser feito de qualquer modo, pois eles estão equipados com muitos suprimentos para emergências e uma Kombi temática que irá escoltá-los durante o caminho. Quem vai dirigir o veículo é um sobrinho do casal.

Eles também doarão para os anfitriões, pequenas imagens de Aparecida, como forma de agradecimento. As imagens foram todas compradas no Santuário Nacional.

A ideia é andar entre 15 Km e 45 km , diariamente:

Fé gratuita

Mariinha conta que o idealizador da peregrinação foi Ismael. Ela diz que irá apenas dar um apoio moral e necessário, mas quem vai percorrer todo o caminho a pé será ele. “A minha esposa, Mariinha, vai caminhar também, só que será de 8 a 10km por dia. Depois ela entrará na Kombi e irá somente como apoio a minha caminhada”, conta.

Ao perguntar se é alguma forma de agradecer algum milagre, pedido ou graça, a reposta é o amor gratuito por Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil. “Estamos no Ano Mariano, são 300 anos da Aparição de Nossa Senhora Aparecida. Então, tomei a decisão de caminhar e assim me programei e estou me preparando”, diz Ismael.

Em todos os lugares por onde passarem, um caderno de mensagens será assinado pelas pessoas que irão receber o casal em casas ou comunidades. Depois o caderno será entregue como ex-voto na Sala das Promessas.

Ismael e Maria Braggio (Mariinha) em rumo ao Santuário Nacional de Aparecida

Atualização – Confira a chegada em Aparecida:

A12

Baixe materiais especiais para seu grupo

Dom Orlando faz convite especial para o Congresso Mariológico

O arcebispo de Aparecida e presidente da Academia Marial, Dom Orlando Brandes, convida todas as pessoas a participarem do XI Congresso Mariológico Internacional.

XI CONGRESSO MARIOLÓGICO INTERNACIONAL: 300 ANOS DE DEVOÇÃO E FÉ

Organização de um evento internacional, nos dias 9 a 12 de agosto de 2017, dedicado ao estudo interdisciplinar sobre a devoção a N. S. Aparecida no contexto das comemorações dos 300 anos de sua aparição no rio Paraíba.

A organização do Evento está a cargo do Programa de Pós Graduação em Ciência da Religião da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e da Academia Marial do Santuário de Aparecida. O evento conta com um Comitê Científico composto por especialistas que garantirá a qualidade acadêmica das comunicações e mesas redondas.

Programação:

Quarta-feira: 09 de agosto de 2017

19:30 – Abertura (Oração de abertura)
Composição da Mesa diretora
Execução do Hino Nacional pela Orquestra do Santuário
20:30 – Conferência da Abertura: as hermenêuticas de Aparecida – Maria Clara Bingemer
21:30 – Momento Mariano (Oração)

Quinta-feira: 10 de agosto de 2017

09:00 – Celebração eucarística (No Santuário Nacional e transmitido pela TV Aparecida)
09:30 – Coffee Break
10:30 – Conferência 1:
A história da devoção a Aparecida no contexto do catolicismo popular – Pe. Dilermando Ramos Vieira
12:00 – Almoço
14:00 – Mesa: O mito de origem da devoção
A imagem das águas: leitura junguiana – Denise Ramos
Análise comparada dos mitos de origem dos Santuários brasileiros – Edin Abumanssur
15:15 – Coffee Break
15:30 – Mesa Redonda
19:30 – Noite Cultural: Orquestra PEMSA
Lançamento de livros
Abertura da exposição iconográfica “Aparecida – 300 Anos” (A história da devoção a N.S. Aparecida)

Sexta-feira: 11 de agosto de 2017

8:00 – Laudes
8:30 – Conferência II:
A devoção a Aparecida e a identidade nacional brasileira – Rubem Cesar Fernandes
09:30 – Coffee Break
10:00 – Seminários
12:00 – Almoço
14:00 – Conferência III:
Ancoragens mariológicas – Afonso Murad
15:15 – Coffee Break
15:30 – Seminários
19:30 – Mesa 1:
A devoção mariana na América Latina entre o popular e o oficial – Lina Boff

Sábado: 12 de agosto de 2017

08:30 – Laudes
09:00 – Conferência de encerramento
18:00 – Celebração eucarística (Encerramento)

Local: Centro de Eventos Padre Vítor Coelho de Almeida – Santuário Nacional

Conheça um pouco sobre os palestrantes do evento:

Maria Clara Bingemer – tema: As hermenêuticas de Aparecida
Doutora em teologia pela Universidade Gregoriana de Roma, formada em Comunicação Social, é professora da PUC Rio de Janeiro no departamento de Teologia e diretora de conteúdo do site Amai-vos.

Dilermando Ramos Vieira – tema: A história da devoção a Aparecida no contexto do catolicismo popular
Docente e pesquisador da Pontifícia Faculdade Teológica Marianum de Roma. Estudou filosofia na Universidade Católica de Belo Horizonte e Teologia pela Universidade Católica de Santiago no Chile. Possui mestrado em Mariologia pela Universidade Marianum e doutorado em História Eclesiástica junto à Pontifícia Universidade Gregoriana, ambas de Roma.

Denise Ramos – tema: A imagem das águas: leitura junguiana
Doutora em Psicologia clínica pela PUC-SP, é professora titular e responsável pela implantação do Núcleo de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da mesma instituição.

Edin Abumanssur – tema: Análise comparada dos mitos de origem dos Santuários brasileiros
Doutor em Ciências Sociais pela PUC-SP e professor associado da mesma instituição.

Rubem Cesar Fernandes – tema: A devoção a Aparecida e a identidade nacional brasileira
Doutor em Ciências Sociais e professor associado pela PUC-SP, é também diretor do Viva Rio e assessor do ISER (Instituo de Estudos da Religião).

Zenilda Cunha – tema: A composição do espaço sagrado do Santuário Nacional de Aparecida
Historiadora com ênfase em Turismo Cultural

Jorge Sampaio – tema: Aparecida em números
Missionário redentorista é pós-graduado em gestão empresarial e marketing na Fundação Getúlio Vargas.

Cecília Domezi – tema: Maria e as mulheres
Doutora em Ciências da Religião pela PUC-SP é professora do Instituto São Paulo de Estudos

Haidi Jarschel – tema: Maria e as mulheres
Mestre em Bíblia pela Universidade Metodista de São Paulo é professora do Instituto São Paulo de Estudos Superiores.

Ir. Afonso Murad, FMS – tema: Ancoragens mariológicas
Doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma é Professor na Faculdade Jesuíta de Belo Horizonte (MG).

João Manuel Duque – tema: Devoção mariana entre Portugal e Brasil
Doutor em Teologia pela Universidade de Frankfurt é professor de Teologia Sistemática na Universidade Católica Portuguesa, na cidade de Braga.

Vitor Hugo – tema: A pastoral do Santuário: um balanço histórico
Missionário redentorista e psicólogo

Agenor Brighenti – tema: Aspecto teológico-pastorais da devoção a Maria
Doutor em Ciências Teológicas e Religiosas e mestre em Teologia Pastoral pela Universidade Católica de Louvaina na Bélgica, especialista em Pastoral Social pelo Instituto Teológico Pastoral do CELAM, graduado em Teologia pelo Instituto Teológico de Santa Catarina e em Filosofia pela Universidade do Sul de Santa Catarina. Professor visitante na Universidade Católica do México, no ITESC e no ITEPAL do CELAM. Presidente do Instituto Nacional de Pastoral da CNBB. Atua nos temas: Método Teológico, Teologia e Ação Pastoral, Teologia e Modernidade, História da Igreja, Teologia e Ciência. Foi perito do Celam na Conferência de Santo Domingo e da CNBB em Aparecida.

Lina Boff – tema: A devoção mariana na América Latina entre o popular e o oficial
Doutora em Teologia pela PUC-RJ, Ir. Lina Boff é professora emérita da Pontifícia Universidade Católica do Rio; professora de Mariologia na Faculdade dos Franciscanos em Petrópolis e professora convidada para bancas de admissão de professores ordinários pelo Antonianum de Roma.

Material de estudo:
Academia Marial e PUC São Paulo organizam livro sobre o XI Congresso Mariológico

Os conteúdos das palestras e seminário do XI Congresso Mariológico Internacional farão parte de um livro, que será entregue a todos os participantes inscritos no evento.

A publicação traz o tema do XI Congresso, ‘Aparecida: 300 anos de fé e devoção’ reunindo textos que oferecem reflexões diversas, tendo como base abordagens próprias da ciência da religião, assim como da teologia. Além de ser uma homenagem a Nossa Senhora Aparecida, trazendo vários aspectos desta devoção.

O material foi organizado pela Academia Marial, através do missionário redentorista e jornalista, padre César Moreira, e da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) por meio do professor em teologia, João Décio Passos.

A obra está estruturada em três partes que concentram os aspectos históricos, as dinâmicas da devoção e as relações entre a devoção e a vida de fé do povo, contado com textos de oito autores.

O livro ‘Aparecida: 300 anos de fé e devoção’ será lançado na Noite Cultural, realizada durante o XI Congresso Mariológico no dia 10 de agosto, a partir das 19h, no Centro de Eventos Padre Vítor Coelho de Almeida.

O livro estará disponível para venda pela Editora Santuário.

 

A12

Baixe materiais especiais para seu grupo