Posts

Pe. Zezinho: romeiros de pés inchados

Romeiros de Aparecida, de Belém, Fátima, de Santiago de Compostela e de outros lugares de peregrinação ao redor do mundo, em geral terminam a peregrinação com os pés inchados e feridos.

Então, porque fazem isso? Em 85% a 90% dos casos, segundo enquete, caminham para agradecer por graça alcançada. Prometeram e agora cumprem. Acreditam que Jesus vê e que os santos a quem pediram intercessão junto a Jesus estão vendo.

Mas o mais bonito é que mais de 80% dos romeiros de pés inchados e joelhos esfolados fazem isso por pai, mãe, irmão, filhos e até por amigos. Os médicos não acharam a cura, mas Nossa Senhora ou o santo intercederam junto a Jesus e caminharam dois ou três dias, uma semana, 100 a 300 km para agradecer ou pedir.

Católico crê em prece solidária. Ora e se sacrifica pelo outro que não pode. Faz parte da nossa ascese e da nossa Teologia.

E como cremos que o céu está apinhado de Santos que já se salvaram, nada mais justo que peçamos que intercedam junto a Jesus por nós. Jesus leva a gente para o Pai onde faz trindade com o Espírito Santo. É a nossa ascende: amar como Jesus e levar um pedaço da Cruz dos outros. MARIA estava lá, aos pés da Cruz do Filho.

Cristão que não leva a própria Cruz e não carrega ao menos um pedaço da Cruz dos outros não entendeu Jesus. A recomendação foi dele.

Admiro romeiros de pés inchados e joelhos esfolados. Quando passam do limite os padres aconselham a levar a Cruz de outro jeito para que sua penitência não acabe num hospital. Mas que é bonito orar e ajudar os outros, isto é!

Romeiros saem de casa e caminham longe, mais para agradecer e pedir graças para os outros do que para si mesmos. E Deus vê tudo isso.

Fico em Aparecida onde me escondo e, de lá, vejo o povo católico orando mais pelos outros do que para si mesmos.

Entre eles há muita gente santa! É uma das minhas alegrias de padre e de católico!

A Catedral Basílica de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, também conhecida como Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, é um templo religioso católico localizado no município brasileiro de Aparecida, no interior do estado de São Paulo. É o maior templo católico do Brasil, segundo maior do mundo, menor apenas que a Basílica de São Pedro no Vaticano.

 Romarias de súplica e de gratidão!

No grande dia dos 300 anos do resgate da imagem com sinais de que não foi por acaso, penso nos romeiros que caminham para os santuários de Aparecida e de Belém do Pará.

E minha experiência com eles é que caminham para suplicar a intercessão de Maria junto ao seu Filho Jesus. E caminham para agradecer as graças recebidas. E a maioria ora mais pelos outros do que por si mesma.

É uma das catequeses mais sólidas da nossa Igreja. Orar mais pelos outros do que em proveito de si mesmo.

Gosto desses romeiros. Tudo termina no sacrário porque 99% são corações solidários!

 

Pe. Zezinho, scj 

Como superar momentos difíceis da vida?

A vida é muito boa. Essa é a verdade original que em certos momentos parece ficar tão ofuscada que corremos o risco de cair na falta de esperança. Esse ofuscamento provém da nossa natureza caída que, depois do pecado original e de cada pecado pessoal, tem dificuldade de ver a Deus e o seu Plano de Amor. Dessa situação nascem todas as dificuldades da nossa existência. Jesus veio para nos salvar e é nele que precisamos nos aferrar para continuar caminhando pelo Bom caminho nos momentos mais difíceis da vida.

Quando o povo de Israel caminhava pelo deserto, Deus lhes concedeu as tábuas dos dez mandamentos. Mas já no profeta Jeremias vemos que as tábuas da Lei não eram a palavra final de Deus. “Eis, no entanto, a Aliança que celebrarei com a comunidade de Israel passados aqueles dias”, afirma o SENHOR: “Registrarei o conteúdo da minha Torá, Lei, na mente deles e a escreverei no mais íntimo dos seus sentimentos: seus corações. Assim, serei de fato o Deus deles e eles serão o meu povo”! .

 

A realização dessa profecia se dá justamente em Jesus, que é o Verbo que se fez carne. De maneira especial se realiza na Eucaristia, quando comungamos do próprio Cristo que se faz alimento por nós. A carta aos hebreus retoma a profecia e diz que o Senhor colocará suas leis no âmago dos nossos corações, as inscreverá profundamente em nossas mentes. Ou seja, seguir o Senhor não é um simples cumprir regras externas, mas um descobrir que essas leis estão gravadas em nosso interior e que ao cumpri-las, nos realizamos como pessoas, como filhos e filhas de Deus.

E isso é fundamental para os momentos difíceis que atravessamos na vida. Porque nesses momentos o último que queremos é que nos digam regras que cumprir, preceitos que realizar para que Deus nos ajude a atravessar a dificuldade. Mas se nesses momentos difíceis se descobre renovadamente que lá no fundo do nosso mesmo ser existe um desejo de estar mais próximos ainda de Deus, não afundaremos nas ondas agitadas da vida, mas alçaremos nossa voz a Deus como o fez São Pedro quando começou a afundar enquanto caminhava sobre as águas: “Senhor ajuda-me pois estou perecendo”. Esse grito só pode vir de alguém que, mesmo atordoado pelas tribulações da vida, possui essa Lei de Deus inscrita no coração.

É evidente, então, que para não sucumbir nesses momentos difíceis é preciso ter uma vida espiritual forte. Dessa forma, não daremos às costas a Deus, pelo contrário, nos aproximaremos ainda mais dele em cada dificuldade que passarmos. E, no fundo, esse é o intuito de Deus quando permite alguma provação. Ele quer que purifiquemos nossa fé de todas as falsas seguranças que nós todos temos. Essas dificuldades fazem parte da pedagogia divina porque Ele quer que, pouco a pouco, aprendamos a confiar cada vez mais nele e menos em todas as outras coisas nas quais nos agarramos porque nossa fé ainda é pequena.

Vale a pena ter um pequeno “arsenal” de passagens Bíblicas para que nesses momentos possamos rezar e não sucumbir. Nesse sentido alguns salmos podem ajudar bastante porque eles mostram a Deus que em nosso coração está a sua Lei e a Ela queremos ser fiéis.

Alguns exemplos de Salmos:

Sal 119, 11: No meu coração atesourei tua palavra, para não pecar contra ti.

Sal 40, 8: Meu prazer é fazer a tua vontade, meu Deus; tua lei está dentro do meu coração.

Sal 17, 5: Meus passos ficaram firmes pelos teus caminhos. Meus pés não vacilaram.

Sal 25, 3: Certamente nenhum dos que esperam em ti será defraudado…

 

Irmão João Antônio
A12

Baixe materiais especiais para seu grupo

Você sabe a diferença entre Freira, Irmã e Madre?

Na vida religiosa existem muitos termos utilizados para qualificar as funções de cada pessoa.
Para a vida religiosa feminina (religiosa mulher ligada à religião por votos monásticos) existem três termos que são mais conhecidos, são eles:  Freira, Irmã e Madre

Para entender essa nomenclatura a Irmã Elza Maria Pianta, Franciscana do Coração de Maria escreveu quando e como se usam esses termos.

Freira:

“Freira” é o feminino da palavra “Frei” que vem do latim: “Frater” que significa: “Irmão”. Portanto, a palavra “freira” é o mesmo que “Irmã”.

Irmã:

“Irmã ou Freira”:é o título dado à mulher que se consagra totalmente a Deus na Vida Religiosa. A Freira ou Irmã, pertence a uma Congregação Religiosa e professa os Votos de Castidade, Pobreza e Obediência. Vivendo vida fraterna em Comunidade, dedica-se à Oração e ao serviço aos irmãos de acordo com o Carisma e a Missão de sua Congregação ou Instituto Religioso.

Madre:

“Madre”, do latim “mater”, em português: “Madre” que significa “Mãe”.

“Madre” é o título dado à Irmã Religiosa que exerce a função de Coordenadora de uma Comunidade de Irmãs ou de uma Congregação Religiosa. Cabe a ela a responsabilidade do cuidado em geral de suas Irmãs, principalmente no que se refere à fidelidade ao Carisma e Missão da Congregação.

 


A12

Baixe materiais especiais para seu grupo

A missão do pai hoje em dia

Em um de seus momentos de maior aflição, Jesus reza a Deus e o chama de Abbá. Com isso nosso Senhor nos revela uma intimidade profunda entre ele e o Pai que está nos céus. Essa relação de Jesus com seu Pai certamente pode nos revelar algo sobre como os pais humanos estão chamados a se relacionarem com seus filhos, buscando fazer de suas famílias um reflexo da Santíssima Trindade.

Um pai responsável quer sempre o que é melhor para os seus filhos. Nesse sentido, uma das primeiras responsabilidades que o pai tem é a de transmitir o maior tesouro que ele mesmo recebeu um dia: A filiação divina. E recebe-se essa filiação de modo muito concreto no batismo. O Catecismo nos ensina que os pais cristãos precisam reconhecer que a prática de batizar os filhos ainda bebês corresponde “à sua função de alimentar a vida que Deus” lhes confiou. Não fazer isso, pelo motivo que seja, é privar a criança da graça inestimável de tornar-se Filho de Deus.

Talvez possamos dizer que todas as outras responsabilidades paternas derivem dessa e podem ser vistas como uma continuação da mesma. Isso porque talvez possamos resumir a missão paterna em uma intima colaboração com Deus para que o fruto dessa união matrimonial possa chegar a ser uma pessoa plena, santa, um verdadeiro filho de Deus, como Cristo. Essa filiação começa no batismo mas precisa ser cuidada e acrescentada durante toda a vida.

E o pai faz isso em todos os momentos da sua vida. Primeiramente com o próprio testemunho de uma vida cristã, amando de verdade a esposa e os filhos, valorizando o que de verdade importa na vida e não se deixando levar pelas superficialidades que o mundo propõe como importante. Sendo solícito para com todos, participando ativamente da vida da Igreja local, como um discípulo de Jesus. Com esse testemunho em primeira pessoa, os filhos serão naturalmente levados a colocar a própria relação com Deus no centro de suas vidas e poderão, chegado a maturidade, optar livremente pela vida cristã.

Além do testemunho pessoal, os pais precisam se preocupar com a educação dos filhos na fé, para que eles possam, pouco a pouco, ir se aproximando do mistério de Deus com mais consciência. Por isso é importante velar para que os filhos cresçam em um ambiente que favoreça esse contato com o Senhor em casa, na Igreja, na escola, com os amigos, etc. Tudo isso sem se esquecer da única missão de fazer com que o filho vá se tornando cada vez mais como o Filho único, Jesus Cristo.

Claramente não podemos tocar aqui todos os aspectos do que implica na vida de uma pessoa a paternidade. No fundo precisamos sempre ter presentes que a paternidade é uma missão que vai além das forças de qualquer pessoa se a entendemos como essa missão cristã. E por isso é preciso contar com aquela paternidade primeira, a Paternidade de Deus, que ama o pais e filhos de tal forma que os auxilia com sua Graça para que possam chegar a viver um dia a plenitude dessa filiação no Céu. Afinal somos todos, pais, filhos, mães, irmãs, antes de mais nada, filhos queridos de Deus.

 

Irmão João Antônio
A12

Baixe materiais especiais para seu grupo

Casal se prepara para romaria a pé de Vila Velha até Aparecida

Um casal de Vila Velha, no Estado de Espírito Santo, vai fazer uma longa peregrinação de aproximadamente 700 km a pé do Convento da Penha até o Santuário Nacional de Aparecida entre os dias 02 e 30 de setembro.

Ismael e Maria Braggio, de 70 e 66 anos, respectivamente, estão com a missão especial de percorrer 29 localidades diferentes até chegar ao destino final. Eles passarão por comunidades, paróquias e igrejas do Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo até chegar a Casa da Mãe Aparecida. “Pretendo cada noite ir numa comunidade ou paróquia da cidade em que me encontrar. O objetivo é rezar agradecendo e pedindo ao Senhor e Nossa Senhora a proteção para esta peregrinação”, explica Ismael.

Em todos os lugares por onde os dois passarão, já está tudo programado para se ter uma missa, um momento de oração ou a reza do terço e quem programou e agendou tudo foi “Dona Mariinha”, como é mais conhecida a esposa de Ismael.

O itinerário não vai ser feito de qualquer modo, pois eles estão equipados com muitos suprimentos para emergências e uma Kombi temática que irá escoltá-los durante o caminho. Quem vai dirigir o veículo é um sobrinho do casal.

Eles também doarão para os anfitriões, pequenas imagens de Aparecida, como forma de agradecimento. As imagens foram todas compradas no Santuário Nacional.

A ideia é andar entre 15 Km e 45 km , diariamente:

Fé gratuita

Mariinha conta que o idealizador da peregrinação foi Ismael. Ela diz que irá apenas dar um apoio moral e necessário, mas quem vai percorrer todo o caminho a pé será ele. “A minha esposa, Mariinha, vai caminhar também, só que será de 8 a 10km por dia. Depois ela entrará na Kombi e irá somente como apoio a minha caminhada”, conta.

Ao perguntar se é alguma forma de agradecer algum milagre, pedido ou graça, a reposta é o amor gratuito por Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil. “Estamos no Ano Mariano, são 300 anos da Aparição de Nossa Senhora Aparecida. Então, tomei a decisão de caminhar e assim me programei e estou me preparando”, diz Ismael.

Em todos os lugares por onde passarem, um caderno de mensagens será assinado pelas pessoas que irão receber o casal em casas ou comunidades. Depois o caderno será entregue como ex-voto na Sala das Promessas.

Ismael e Maria Braggio (Mariinha) em rumo ao Santuário Nacional de Aparecida

Atualização – Confira a chegada em Aparecida:

A12

Baixe materiais especiais para seu grupo