Posts

Hora da Família 2020: Eu e minha família serviremos ao Senhor

“Eu e minha família serviremos ao Senhor”

Esse título é uma frase do livro de Josué (cap. 24) e se constitui como tema da Semana da Família, a ser celebrada entre 9 e 15 de agosto. O objetivo é levar-nos a refletir sobre a vocação da família cristã, que é servir ao Senhor e à sua Igreja. Humanamente, falar em servir, tem uma conotação de submissão. Porém, servir a Deus tem uma dimensão de libertação. Quanto mais formos submissos a Deus, mais livres seremos. Deus nos concedeu o Espírito de seu Filho, que, em nós, clama Abbá, Pai. Se nos guiarmos por esse mesmo Espírito, serviremos a Deus como filhos e não como escravos. “Já não és escravo, mas filho” (Gl 4,7). Quando Jesus, o Filho por excelência (que tem a mesma natureza divina do Pai celeste) foi tentado pelo diabo, que lhe ofereceu a posse de todos os reinos do mundo se o adorasse, Jesus respondeu dizendo: “Ao Senhor teu Deus adorarás e somente a Ele servirás” (Mt.4,10). O serviço a Deus é um ato de amor filial e libertador.

No Antigo Testamento, servir a Deus tinha dupla conotação: servir no culto, ou seja, nos sacrifícios oferecidos e na manutenção do templo e, o segundo aspecto, servir a Deus por uma conduta conforme a sua vontade. Ainda no A.T. afirma-se que servir a Deus pela obediência se antepõe ao culto. No primeiro livro de Samuel (15,22), lemos: “O que o Senhor prefere? Que lhe ofereçam holocaustos e sacrifícios, ou que obedeçam à sua palavra? Obedecer vale mais do que oferecer sacrifícios. Ser dócil é mais importante do que a gordura de carneiros oferecida nos sacrifícios”. Jesus é o Filho obediente; Ele veio para fazer a vontade do Pai (cf. Lc.2,49). Essa fiel obediência de Jesus ao Pai o levou à cruz. Jesus foi obediente até à morte. Sua obediência nos salvou. A cruz é expressão de sua obediência até às últimas consequências. Assim Jesus serviu ao Pai fazendo-lhe a vontade, e a nós reparando nossa recusa em obedecer. Jesus expressa isso ao dizer: “O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por muitos” (Mc.10,45).

O único culto agradável a Deus, que prestamos como cristãos, é oferecer o sacrifício de Jesus Cristo que, pela obediência, entregou a vida por nós. Cada vez que celebramos a Eucaristia (a missa) é esse sacrifício de Jesus que é atualizado pelo Sacramento. No contexto da última ceia, ao instituir a Eucaristia, Jesus ensinou: “Eu vos dei o exemplo para que como eu fiz vós façais também” (Jo.13,15). Portanto, obedecer ao Pai e viver ou entregar a vida pelos outros é o que o Senhor espera de nós, seus discípulos.

Aqui temos uma importante indicação às famílias cristãs: devemos servir a Deus pela obediência, por uma vida que seja conforme à Sua vontade, seguindo assim o exemplo de Jesus, que foi obediente ao Pai e dedicou a vida pelos irmãos. Nas famílias cristãs, ainda no colo dos pais, os filhos devem aprender a fazer a vontade de Deus. Só poderemos fazer o que o outro quer se nos dispusermos a ouvir e a dar atenção ao que o outro tem a nos dizer. Assim também só poderemos fazer a vontade de Deus dando atenção e procurando conhecer, por meio de sua Palavra, o que Ele quer de nós. É no seio da família cristã que temos que aprender a amar e servir a Deus.

Como haverá quem escute e aprenda se não houver quem anuncie e ensine? Foi em função disso que Jesus incumbiu seus discípulos de ensinarem a todos tudo o que dEle aprendemos. “Ide, fazei discípulos … ensinai-lhes a observar tudo o que eu vos ensinei” (Mt.28,19). Serviremos ao Senhor atendendo ao que Ele nos pediu. Portanto, anunciar a Palavra, ensinar o que aprendemos do Senhor, ministrar catequese, realizar a leitura orante da Bíblia, transmitir a fé aos filhos, etc., constitui-se como serviço ao Senhor. Na carta aos Filipenses (cap. 2), o apóstolo Paulo diz: “Os outros buscaram seus próprios interesses e não os de Jesus Cristo. Mas ele (Timóteo), vós sabeis que prova deu: como um filho junto do pai, ele se pôs comigo ao serviço do evangelho”.

Atualmente, as ocupações da vida, o desejo de conquistar objetivos pessoais, a busca em saciar nossas necessidades materiais, facilmente, podem nos levar a viver movidos pelos nossos próprios interesses e a menosprezar o serviço ao Senhor. Por isso, Jesus faz um sério alerta aos seus discípulos (Mt.6, 24): “Ninguém pode servir a Deus e ao dinheiro”, ou seja, servir a Deus e aos seus próprios interesses. Não permitamos que esse “rival” se interponha entre Deus e nós, distanciando-nos de servi-Lo como convém.

Tudo sobre a Semana Nacional da Família 2020

Em síntese, SERVIR A DEUS significa: participar e manter o culto, obedecer ao que o Senhor nos pede, sobretudo no amor a Deus e ao próximo, anunciar e ensinar a outros tudo o que do Senhor nós aprendemos. Assim agindo, cada cristão, consciente e decididamente, poderá reafirmar: EU E MINHA FAMÍLIA SERVIREMOS AO SENHOR.

Por que alguns “artistas” estão contra a família?

 

Dom Wilson Angotti – Bispo de Taubaté / Portal Kairós

Apresentação do Hora da Família 2020, eu e minha casa serviremos ao Senhor

Tema “Eu e minha casa serviremos ao Senhor” (Josué 24, 15)
De 9 a 15 de agosto

Apresentação do Hora da Família 2020

Hora da Família – Semana Nacional das Famílias 2020

Apresentação do Hora da Família 2020

A Igreja celebra no mês de agosto as diversas vocações. O Hora da Família 2020, Edição Especial, em comunhão com a Igreja, celebra a vocação comum: ser família. Na família todas as vocações nascem e se encontram.
Nesta edição chamo a atenção para alguns aspectos que ajudarão a celebrar bem a Semana Nacional da Família 2020.

O primeiro Encontro traz sugestões de preces e uma oração que as finaliza, que poderão ser rezadas nas missas no dia dos pais, aproveitando para destacar a abertura da Semana Nacional da Família 2020. Em seguida, nas casas, quem sabe antes do almoço ou da janta, possa-se celebrar com o roteiro anexo.

Na quinta-feira, o 5° Encontro é uma Adoração. Se for possível, realizá-la nas paróquias, com exposição do Santíssimo Sacramento, mas como muitas comunidades e grupos talvez não tenham essa possibilidade, sugiro que faça um momento com a Palavra de Deus. Poder-se-ia dizer: fazer uma Adoração da Palavra? Sim! João diz claramente que a Palavra se fez Carne, a Palavra é Jesus, adoramos Jesus. O Papa Francisco, no Domingo da Palavra fez um belo gesto nessa direção. O roteiro ajudará a realizar a celebração de modo sóbrio e bonito!

Os demais encontros vão na mesma direção, aprofundando a vocação da Igreja Doméstica: a família. É oportuno que as crianças participem através de atividades próprias.

Outra preocupação da Comissão Episcopal para a Vida e Família é trabalhar em conjunto com a Igreja. Por isso, sendo o mês de agosto dedicado às vocações, agradeço a colaboração generosa da Comissão para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada.

Um obrigado especial às famílias que fazem parte do grupo de produção e estudo, que belamente têm contribuído com nosso trabalho.

Baixe materiais para o Hora da Família 2020

Boa e Santa Semana Nacional da Família!
Pe. Crispim Guimarães dos Santos
Assessor Nacional da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da
CNBB e Secretário Executivo da Comissão Nacional da Pastoral Familiar

Livrinho Hora da Família 2020 em pdf:

 

Pastoral Familiar – cnpf.org.br / Portal Kairós

Subsídio Hora da Família 2020 terá encontros mensais

O subsídio Hora da Família 2020, utilizado em todo o Brasil durante a Semana Nacional da Família, no mês de agosto, agora terá encontros mensais. A partir de 2020, a Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF) irá oferecer um material com encontros para cada mês, além do que é proposto tradicionalmente.

Para o próximo ano, o tema proposto é “Família, casa da Palavra”, em sintonia com as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023), as quais propõem como pilares das “comunidades eclesiais missionárias” a palavra, o pão, a caridade e a missão.

“As comunidades, as casas, serão agraciadas com as DGAE e chamadas a ser Comunidades Eclesiais Missionárias. Desta forma, o subsídio Hora da Família continuará a oferecer às famílias do Brasil a oportunidade de colocar em prática, pela meditação da Palavra de Deus e gestos fraternos, a misericórdia do Pai, na Casa que se abre para acolher e a anunciar os benefícios da vivência da Palavra, assim como, na comunidade que carece da Alegria do Evangelho”, explica o assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB e secretário executivo da CNPF, padre Crispim Guimarães dos Santos.

A proposta de um subsídio mensal nasce do desejo de aumentar os benefícios colhidos pelas famílias na segunda semana de agosto para o ano inteiro. Também há o desejo de contribuir para com aqueles grupos que já usavam o Hora da Família por sete meses, aproveitando para realizar os encontros mensais nos grupos paroquiais porque não tinham materiais adequados às famílias.

O intuito, desta forma, é colaborar com as famílias de modo efetivo e ajudar a fazer conhecidos os documentos da Igreja, realmente na base. “A CNBB perguntou às Comissões: ‘como faríamos para tornar as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora parte efetiva do nosso trabalho?’ Acreditamos que existem muitas formas, mas nenhuma será mais eficaz que todo mês entrar na casa e no coração de cada família, falando da Palavra de Deus e daquilo que as DGAE propõem, numa linguagem compreensível”, afirma padre Crispim.

Os encontros disponíveis

Já estão disponíveis para baixar dois encontros do Hora da Família 2020. O primeiro foi preparado para o dia 31 de dezembro, uma celebração da Sagrada Família com o título “A Santidade na Sagrada Família de Nazaré”. O outro é o encontro do mês de janeiro, com o tema “A Festa”.

Baixe dois dos encontros do Hora da Família 2020:

 

CNPF / Portal Kairós

Encerrando a Semana da Vida com o Dia do Nascituro

Esperamos você na Semana Nacional da Família 2020 (Hora da Família 2020) e na Semana Nacional da Vida 2020 (Hora da Vida 2020)

No dia 8 de outubro, no enceramento da Semana da Vida 2019, celebrada pela Igreja no Brasil, celebra-se também o dia do Nascituro. Segundo o arcebispo de Belo Horizonte (MG) e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, “muito além de um mero jargão, a vida é dom de Deus, inviolável. Deve ser cuidada e defendida, desde o momento primeiro, na concepção, até o último, na morte natural”.

Para a professora aposentada da Faculdade de Direito da UFMG e membro do Conselho Arquidiocesano Pró-Vida, Silma Mendes Berti, “nascituro é o ser concebido que se encontra no ventre da mulher e se prepara para nascer, seguindo uma trajetória porque passaram, passam e passarão todos os seres humanos”.

Em artigo publicado no site da Arquidiocese de Belo Horizonte, a professora destaca três áreas de conhecimento – religião, ciências médicas e ciências jurídicas – que buscam jogar luzes sobre o fenômeno da formação físico e psíquica do bebê que se desenvolve no ventre materno. Confira abaixo o que a professora destaca sobre as três áreas de saber e o que dizem sobre o Nascituro (que ou aquele que vai nascer).

Vozes das Ciências

Nos dias atuais, a tecnologia da Medicina moderna e avançadíssima revela que não existe mais qualquer segredo no útero da mulher. Fala-se até que o século XX descobriu o feto, graças ao diagnóstico pré-natal, conjunto de atos médicos que observam e trabalham o estado de saúde, atual ou futuro, do ser cujo nascimento é esperado, visando, sobretudo, a não prejudicar primum non nocere.

Vozes da Religião

Lembremo-nos do episódio da Visitação de Maria a Isabel, narrada por Lucas, situação especialmente bela, considerada por alguns estudiosos como primeiro esboço do diagnóstico- pré-natal.

Evoquem-se dois aspectos originais que aí se entrelaçam

01 – A solidariedade de Maria que saiu apressada para visitar a prima Isabel que estava grávida, seguramente atendendo à inspiração do Espírito Santo. Mas a atitude de Maria envolve um mistério, e mistério a gente não questiona, apenas respeita. Em sequência, há o belo diálogo entre as duas mulheres grávidas!

02 – A criança pulou de alegria em meu ventre. A primeira e única comunicação de que se tem registro na história da humanidade entre dois nascituros de mães diversas: João, filho de Isabel e Jesus, filho de Maria, tudo dentro de muita beleza e de mistério.

Vozes das Ciências Jurídicas

Não é simples falar de direitos do nascituro. Aqueles que se aventurarem a fazê-lo, num sentido ou noutro, correm o risco de deixar de lado aspectos bem relevantes, especialmente no terreno jurídico. Registre-se que há situações, inúmeras, em que a paternidade do nascituro não é reconhecida de modo voluntário, dando origem às mães celibatárias e aos efeitos nocivos ao novo ser.

Falar de direitos é referir-se a direitos patrimoniais e direitos extrapatrimoniais, ou seja, direitos de conteúdo patrimonial e direitos de conteúdo não patrimonial.

Direitos patrimoniais são os direitos que comportam para o titular, nascituro, uma vantagem apreciável em dinheiro.

Exemplificando

– Direito de suceder… legitima o nascituro a receber herança ou legado [CCB arts.1798, 1799, I]

– Ser donatário … [ CCB, art 542 ]

– Direito a alimentos… A Lei nº 11.804 de 05/11/2008 disciplina os chamados alimentos gravídicos que compreendem valores suficientes para cobrir as despesas adicionais do período de gravidez e que sejam dela decorrentes, da concepção ao parto, cabendo à gestante promover a ação em nome próprio.

– Direito à saúde – pode ser paradoxal, mas ao mesmo tempo em que crescem os partidários de cultura de morte, desenvolvem-se técnicas altamente desenvolvidas de tratamentos ao ser in útero, via medicina fetal, fazendo dele um paciente especial.

– Direito à imagem – o direito à imagem da mãe grávida estende-se ao do filho concebido, mesmo se se tratar de filho natimorto. No entanto, fotos de embrião no ventre materno, em publicidade generalizada, é fato que já se tornou comum, constituindo total desrespeito ao direito à imagem do nascituro.

– Direito ao respeito à dignidade – a Convenção relativa aos Direitos da Criança, ratificada pelo Brasil em 1990, refere-se, no preâmbulo, à dignidade da criança, e a Declaração dos direitos da criança de 1959 dispõe sobre a proteção da criança tanto antes quanto depois do nascimento. Logo, deve-se respeitar a dignidade do nascituro.

– Direito à vida – A Constituição da República Federativa do Brasil, considerando ser inviolável o direito à vida, dispõe que todos, indistintamente, são dele titulares, e que o conceito de vida, em plenitude, deve abarcar não apenas a vida dos que nasceram, mas também a vida in utero. Acresce-se, por fim, o quinto mandamento das Leis de Deus: Não matarás.

 

CNBB / Portal Kairós

Downloads

Arte do texto do Hora da Família 2020 em png

Capa do Hora da Família 2020 pra baixar

O mês de agosto já se aproxima e nada melhor que preparar bem a celebração da Semana Nacional da Família 2020, que ocorre na segunda semana do mês que é dedicado às vocações pela Igreja.
Confira neste ano as propostas de cada um dos encontros do subsídio Hora da Família Especial para a Semana Nacional da Família e dicas para preparar cada momento, além de indicações para a participação das crianças, tão incentivada na edição deste ano.

Pastoral Familiar CNBB

Hora da Família 2020 – Celebrações Mensais

Hora da Família 2020 mensal – parte 01