Tatuagem e piercings

tatuagem_catolica

O uso das tatuagens é muito antigo. Fazem parte da identidade, única e exclusiva de aborígenes e ancestrais da Polinésia e da América do Sul. O processo de introduzir sob a epiderme substâncias corantes para apresentar desenhos e pinturas era um sinal de proteção contra os maus espíritos segundo aquela mentalidade primitiva.

Hoje a tatuagem e os piercings estão associados a outras realidades. Psicólogos apresentam várias explicações sobre quem usa estas marcas corporais. Sob o ponto de vista religioso cada caso deve ser examinado, observando-se as intenções de cada um. Cabe aos sacerdotes examinar os motivos que levam um cristão a usar esta arte de gravar na pele, por meio de pigmentos coloridos, ícones indeléveis e qual a finalidade com que isto é feito. Eles terão discernimento para dar um parecer.

Antes de se fazer uma tatuagem ou piercings seria de bom alvitre que, sobretudo, um jovem cristão lesse uma passagem no Antigo Testamento que diz: “Não fareis incisões no corpo em sinal de luto, nem usareis tatuagem alguma no corpo” (Levítico 19,28). No Novo Testamento São Paulo dizia aos Coríntios: “Ou não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo, que habita em vós, que vos foi dado por Deus, e que vós não sois senhores de vós mesmos? Na verdade fostes comprados por elevado preço. Glorificai, pois a Deus no vosso Corpo” (1 Cor 6,19-20).

Cumpre, portanto, medida e equilíbrio em tudo que se refere a este templo santo. Além de tudo isto é preciso verificar até onde tatuagem ou piercings vão prejudicar a saúde e, neste caso, não custa ouvir um bom dermatologista. Eles alertam: “Se não houver assepsia e técnica adequada, a pele pode ser machucada (principalmente no piercing) inflamar e se contaminar com bactérias, fungos e vírus. Pode haver abscesso, erisipela e até infecção generalizada. A pele também pode ter alergia às tintas ou ao material do piercing”. Todo cuidado é pouco.

 

Tatuagem e piercings
Côn. José Geraldo Vidigal de Carvalho
Professor no Seminário de Mariana durante 40 anos