Bispo e jovem brasileiros comentam suas experiências no Sínodo

Dom Vilson Basso e Lucas Galhardo falaram sobre a oportunidade de fala e escuta proporcionados pelos círculos menores do Sínodo

O Sínodo dos Bispos, dedicado à juventude, está nesta quarta-feira, 10, em seu oitavo dia. Com 14 grupos linguísticos, bispos e auditores se reúnem na primeira das três etapas dos círculos menores – cada uma com a duração de dois dias – para tratarem de temáticas voltadas para as vivências e desafios dos jovens. Segundo Dom Vilson Basso, presidente da Comissão Episcopal para a Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e bispo da diocese de Imperatriz (MA), os círculos menores enriquecem profundamente a XV Assembleia Ordinária.

15ª Assembleia Geral Ordinária dos Bispos, cujo tema é “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”

“No círculo menor todos podem falar e se manifestar com ainda mais tempo e liberdade”, contou Dom Vilson. Para valorizar o momento de diálogo, o bispo contou que é a primeira vez que um Sínodo teve seus círculos menores ampliados, totalizando 6 dias de trabalhos em grupo. “Dessa forma todo ele [Sínodo] é feito por uma grande participação de todos que aqui estão”, pontuou o bispo.

O coordenador da Pastoral Juvenil Nacional, Lucas Galhardo — que participou da reunião pré-sinodal em março deste ano, em Roma, e está presente no Sínodo como representante brasileiro —, falou sobre a experiência positiva vivida nestes dias da XV Assembleia Ordinária. “Estar aqui ouvindo a sabedoria de muitos vindo de distintas realidades, isso agrega muito”, comentou.

Para Galhardo, os círculos menores ajudam os participantes jovens a compreenderem que suas realidades não são únicas no mundo. “Temos distintas realidades e culturas, por isso precisamos pensar que estamos aqui por todos. É muito positiva essa experiência de escutar, estamos aprendendo muito, sem dúvida, mas também de sermos ouvidos, já que temos a oportunidade de falar”, comentou.
O representante brasileiro contou que as intervenções para os padres sinodais e para os auditores jovens são de quatro minutos, e que a juventude participante não tem o poder de voto, mas tem a oportunidade de se expressar. “Ter essa oportunidade de falar e transmitir nossos sonhos, desejos e desafios é muito gratificante. (…) São nos círculos menores que conseguimos trazer um pouco sobre os jovens que viemos representar neste Sínodo”, concluiu Lucas.

 

XV Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos
http://www.synod2018.va/content/synod2018/pt.html

Julia Beck
Colaboração de Lízia Costa e Huanna Mykaella

Canção Nova/ Portal Kairós