Liturgia católica – Anos A, B e C

Liturgia

Dezembro 2019 a Novembro de 2020 – Liturgia católica: ANO A

Lançado o livreto da Novena da Padroeira 2021

Tema: ‘Com Maria, somos povo de Deus, unido pela aliança’

A Novena e Festa da Padroeira de 2021 traz o tema ‘Com Maria, somos povo de Deus, unido pela aliança’, um convite para redescobrir a Bíblia na companhia de Maria.

A Novena e Festa da Padroeira do Brasil 2021 foi preparada para ajudar os devotos de Nossa Senhora Aparecida a participarem presencialmente em suas comunidades ou pelos meios de comunicação. Neste ano o tema da novena, “Com Maria, somos Povo de Deus, unido pela aliança”, convida-nos a refletir sobre a Aliança de Deus com seu Povo, desde os grandes patriarcas até chegar a Jesus, que é plenitude do projeto de Deus.

A cada dia seremos motivados a rezar e meditar os temas que nortearão todas as celebrações em honra à Rainha e Padroeira do Brasil, em outubro.

1º dia: Com Maria, em êxodo para a libertação e aliança!

2º dia: Com Maria, ser Igreja, povo de Deus!

3º dia: Com Maria, unidos pela Aliança dos mandamentos!

4º dia: Com Maria, unidos pela Aliança das Bem-aventuranças!

5º dia: Com Maria, unidos pela misericórdia samaritana!

6º dia: Com Maria e José, viver a Aliança em Família, Igreja doméstica!

7º dia: Com Maria, uma Aliança pela defesa da vida e do meio ambiente!

8º dia: Com Maria, celebrar a Eucaristia como Aliança redentora!

9º dia: Com Maria, na Aliança de unidade com o papa Francisco!

Para auxiliar nessas reflexões, o Santuário Nacional, em parceria com a Editora Santuário, lançou o Livro da Novena.

Como adquirir

O livreto da Novena pode ser adquirido na livraria de sua cidade ou na internet.

A dica é se organizar para fazer uma compra coletiva, ou seja, adquirir o livreto para mais membros de sua família ou comunidade para a divisão do valor do frete. Desta forma você economiza e ainda evangeliza.

Santuário Nacional / Portal Kairós

Reflexão e sugestão para o 2º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

Para o dia: 28/02/2021

Missa do 2º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

Gn 22,1-2.9-13.15-18; SI 115; Rm 8,31b-34;Mc 9,2-10

2º Domingo da Quaresma 2021 - Ano B

BRUGES, BÉLGICA – 12 DE JUNHO DE 2014: A Transfiguração do Senhor por D. Nollet (1694) em st. Igreja de Jacobs (Jakobskerk).

O início da Quaresma 2021, entramos em clima de reflexão, a partir da triste realidade da tentação e da necessidade de conversão permanente. Quaresma não tem um sentido em si, se não for a meta que a justifica: a Páscoa do Senhor. A meditação sobre o pecado, a tentação e o sofrimento de Jesus devem nos provocar uma conversão para chegarmos renovados à Ressurreição do Senhor.

Deus faz aliança com Abraão, depois de exigir uma obediência total: o sacrifício de seu filho Isaac, que ele tanto amava. Como sabemos, Deus acolhe sua obediência, mesmo sem ter chegado ao extremo da prova. O Filho amado de Deus, contudo, vai ao extremo, sendo sacrificado. Isaac carrega a lenha, Jesus carrega a cruz. Isaac não recusa ser morto. O Filho, mesmo sofrendo, quer fazer a vontade do Pai. A aliança do homem com Deus está no acolhimento de sua vontade. A promessa de Deus a Abraão é a descendência. O Pai dá ao Filho a Ressurreição e, com ela, todos os que nele creem.

Antes de subir o monte Calvário, Jesus sobe o monte Tabor. Isaac sobe o monte com a lenha; Jesus sobe o Monte Calvário com a cruz às costas. Sobe o Monte do Tabor com o brilho da divindade. Qual a razão de se colocar a Transfiguração durante a Quaresma? Isso ocorre todos os anos, como ocorre também narrativa da tentação de Jesus no deserto no primeiro domingo da Quaresma. Essa imagem glorificada mostra que a Paixão chega à Ressurreição dos mortos.

De agora em diante, a Lei e os Profetas, representados por Moisés e Elias, só se entendem a partir de Jesus. Ele é a Divindade que se manifestou. Por isso a nuvem, que simboliza a presença de Deus, provoca o santo temor. A transfiguração de Jesus é uma demonstração aos discípulos e a nós/que preparamos a Páscoa, de que nós também seremos transfigurados pela conversão e graça da Ressurreição.

Celebrar uma aliança é sempre assumir um contrato. As palavras de Deus se unem à resposta do homem. Deus promete a Abraão uma descendência que será grande. Ao enviar seu Filho, para selar a aliança com seu sangue, propõe para nós o compromisso de ouvir sua Palavra, pois Ele é a Palavra viva. A Ele vamos ouvir. Se nos deu o Filho, não nos daria tudo com Ele? Ouvir o Filho é corresponder à aliança e chegar à transfiguração.

Ao iniciar seu ministério, Jesus insiste: “Convertei-vos e crede no Evangelho”. Crer é acolher a aliança que Deus faz conosco em seu Filho. Assim podemos celebrar a Páscoa com um pão puro.

Sugestões litúrgicas para a Missa do 2º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

2º Domingo da Quaresma 2021

Dinamizar o sentido da Escuta Cristã da Palavra de Deus.

– Entronização da Palavra: se possível, apagar as luzes da Igreja. Colocar uma música de fundo, pedir para um jovem vestir-se de branco e entronizar a Palavra, que pode estar ladeada por velas e três pessoas, representando Pedro, Tiago e João. Eles podem se colocar diante do ambão da Palavra em sentido de escuta. Após isso, podem-se acender as luzes e se proclamar as leituras. Após a proclamação do Evangelho, cantar um mantra, enquanto os três se retiram serenamente.

– Ofertório: pedir para um senhor e uma criança, ambos vestidos a caráter e simbolizando Abraão e Isaac, levarem ao altar algumas oferendas. Em seguida, pode-se também convidar outras famílias para fazerem o mesmo gesto de levar ofertas para o altar, simbolizando que a confiança em nos entregar ao Senhor contínua em nossa vida.

Sugestões de repertório para a Missa do 2º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B (O Domingo)

Abertura: João Batista
Aclamação: Louvor a vós
Oferendas: Recebe este canto
Comunhão: Então da nuvem

Cifras e partituras das sugestões CNBB

Semanário litúrgico – catequético – Cantos para a Celebração – 2º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

Áudios para a Missa do 2º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B CNBB:

Padre Anísio Tavares, C.Ss.R. / Portal Kairós

Reflexão e sugestão para o 1º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

Para o dia: 21/02/2021

Missa do 1º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

Gn 9,8-15; SI 24; lPd 3,18-22; Mc 1,12-15

1º Domingo da Quaresma 2021

Quaresma significa 40 dias (Quadragésima dies) de preparação para a Páscoa 2021. No primeiro domingo, abre-se a perspectiva da Vigília Pascal, que lhe deu origem. Temos então a promessa, a realização e o anúncio. Neste ano, vamos refletir sobre as alianças que Deus fez conosco.

O caminho quaresmal busca, nas Sagradas Escritura, ajudar a nos preparar para Páscoa. No ano B, temos a temática da aliança. Iniciamos pela aliança com Noé, chamada aliança da terra. A seguir vem a aliança com Abraão, na promessa de uma descendência. Depois a aliança com o povo no Sinai, por meio da qual Deus perdoa ao povo. Em seguida, a aliança no coração e, por fim, a nova aliança feita em Jesus.

Na aliança com Noé, Deus dá a certeza da paz sobre a terra devastada pelo Dilúvio. O arco-íris é lembrado como uma arma mortal, um arco de guerra, que se transformou em enfeite, isto é, não mais vai destruir a terra.

A arca de Noé é assumida com um modelo para o tempo da Quaresma porque lembra que a salvação veio pelas águas do Batismo, que purificam e dão vida nova. O Mistério Pascal de Cristo é nossa purificação. Jesus, em sua morte e ressurreição, não só realiza fatos, como também concretiza o projeto redentor de Deus. As águas do mal não o afogam, porque Deus está com Ele.

Nossa participação no mistério de Cristo nos faz viver o mesmo momento de ondas do pecado. Participamos com Ele da tentação e com Ele vencemos pela conversão.

“O tempo se completou, e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho” (Mc 1,15). A vitória de Jesus sobre Satanás marca o início do novo tempo. Toda a preparação do povo de Israel e, mais ainda, de todos os tempos da História chega a seu ponto maior. Completa-se o tempo. Com Jesus começa um novo tempo, o tempo de Deus agir para acolher todos.

O dinamismo dessa vida nova se inicia na conversão, na mudança radical de nosso viver, para uma nova orientação baseada no Reino de Deus.

Sugestões litúrgicas para a Missa do 1º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

1º Domingo da Quaresma 2021

– Antes da procissão de entrada: introduzir cada símbolo da Campanha da Fraternidade 2021 com uma pequena mensagem, ajudando a Comunidade a tomar consciência da realidade do país. Com cada símbolo, pode-se levar ao altar a toalha, as velas, a toalha do ambão da Palavra, enfatizando que a preparação do altar está em comunhão com a vida concreta do povo que sofre.

– Ofertório: apresentar, por meio de imagens e/ou cartazes, a realidade concreta da Comunidade dentro da proposta da CF. Essas imagens podem ser colocadas no conjunto de símbolos da CF, deixando como memória da proposta geral e particular para a comunidade.

– Antes da bênção final: entronizar a imagem de Nossa Senhora das Dores, com uma música e dança, preparadas pelos jovens e pelas crianças, destacando a importância da Maternidade de Nossa Senhora das Dores, que nos acompanhará no tempo quaresmal. Após a entronização da imagem, convidar os fiéis a fazerem, em silêncio, o propósito de conversão para o tempo quaresmal.

Sugestões de repertório para a Missa do 1º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B (O Domingo)

Abertura: João Batista
Aclamação: Louvor a vós
Oferendas: Recebe este canto
Comunhão: Quando invocar

Cifras e partituras das sugestões CNBB

Semanário litúrgico – catequético – Cantos para a Celebração – 1º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

Áudios para a Missa do 1º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B CNBB:

Padre Anísio Tavares, C.Ss.R. / Portal Kairós

Reflexão e sugestão para a Missa 6° Domingo do Tempo Comum 2021 – Ano B

Para o dia: 14/02/2021

Missa 6° Domingo do Tempo Comum 2021 – Ano B

Lv 13,1-2.44-46; SI 31; ICor 10,31-11,1; Mc 1,40-45

As leituras deste domingo nos colocam diante da grande novidade trazida por Jesus: todos nós temos o poder de purificar. Naquela época, não havia os conhecimentos que temos hoje a respeito da saúde, da higiene e da transmissão das doenças. Como nos diz a primeira leitura, todo doente se transformava em uma ameaça para as pessoas das casas e das aldeias. Eles não sabiam da existência de vírus nem de bactérias. Uma pessoa doente era um foco de contaminação. Assim, quem tinha qualquer doença devia ser afastado da convivência e passar um período de quarentena até ficar bom. Essas pessoas eram consideradas “impuras”. Todo impuro era excluído, marginalizado. Esse processo de exclusão era feito em nome da Lei de Deus. Dessa forma, a religião misturava doença com pecado, e castigo, com possessão do demónio e maldição. Assim, a pessoa, além de toda angústia causada pela doença, ainda era excluída pela religião como uma pecadora castigada por Deus. A doutrina oficial ensinava que, em nome da Lei de Deus, os impuros deviam ser afastados da comunidade porque os impuros contaminavam os puros.

Jesus trouxe um ensinamento novo. Ele dizia o contrário: os puros devem ir ao encontro dos impuros, tocá-los, conviver e comer com eles. Jesus ensinava que os puros é que purificam os impuros. Portanto, não há razão para marginalização e exclusão dos enfermos. Assim Jesus passou a conviver com os doentes, considerando-os livres e purificados. Esse poder de purificar causou muito impacto no povo, e a fé em Jesus levou muita gente a imitar sua atitude livre e libertadora. Agindo assim, ele estava enfrentando uma doutrina de mais de quatrocentos anos! Para um fariseu observante, aquilo que fazia era uma coisa muito perigosa. Ele estava tocando e falando com leprosos, comia publicamente com os doentes, deixava-se tocar pelos malditos e endemoninhados. Sentindo-se ameaçados em sua doutrina pelo comportamento e pela doutrina de Jesus, eles começaram a combater sua proposta. Por isso, quando o leproso se aproximou de Jesus com dúvidas a respeito do poder de curar, ele ficou “cheio de ira”. Por quê? Não se pode duvidar do poder de Deus dado a Jesus! Há necessidade de uma conversão. Purificado por sua fé em Jesus, o leproso tornou-se uma testemunha viva do poder de Deus, manifestado em Jesus. Ele pôde cantar como o salmista: feliz aquele que recebeu de Deus o perdão. Feliz o pecador que foi absolvido de suas faltas! A ação purificadora de Jesus trouxe uma nova vida para os fiéis.

Sugestões litúrgicas para a Missa do 6° Domingo do Tempo Comum 2021 – Ano B

Dinamizar o sentido de acolhida da Comunidade com os necessitados.

– Entronização da Palavra: enfatizar que a Palavra de Deus se faz realidade em nossa vida à medida que somos capazes de mudar nossas atitudes. Colocar várias pessoas caídas ao longo do corredor central, simbolizando os pobres, ricos, doentes, todos marcados pelo sofrimento. Pedir para que outra pessoa entre com uma mochila, contendo a Bíblia, passe por aqueles que estão caídos, faça um gesto de compaixão e acolhimento. Após isso, pedir para que convide alguns fiéis, para juntos conduzirem os que estão caídos até o altar, para escutarem a Palavra de Deus. Ao chegarem, orientar que todos façam expressão de alegria, enquanto a Palavra de Deus é apresentada pela pessoa que está com a mochila.

– Preces da comunidade: pedir para que cada uma das pessoas resgatadas na dinâmica anterior apresente uma prece , enfatizando o sentido de integração na comunidade.

– Ofertório: momento das pastorais dedicadas aos doentes, encarcerados, pobres, trabalhos sociais etc. apresentarem seus trabalhos, por meio de cartazes com nome da pastoral, fotos de pessoas atendidas. A coleta, que poderá incluir doação de alimentos, roupas, calçados etc., será direcionada a essas pastorais.

– Antes da bênção final: propor à Comunidade um compromisso concreto: visitar as pessoas em situações de sofrimento pelas mais diversas causas.

Sugestões de repertório para a Missa do 6° Domingo do Tempo Comum 2021 –  Ano B (O Domingo)

Abertura: Toda a terra
Aclamação: Aleluia! Que o Pai
Oferendas: De mãos estendidas
Comunhão: Eu sei quem tu és

Cifras e partituras das sugestões CNBB

Semanário litúrgico – catequético – Cantos para a Celebração – 6° Domingo do Tempo Comum 2021

Áudios para a Missa do 6° Domingo do Tempo Comum 2021 – Ano B CNBB:

Padre Anísio Tavares, C.Ss.R. / Portal Kairós

Reflexão e sugestão para a Missa 5° Domingo do Tempo Comum 2021 – Ano B

Para o dia: 07/02/2021

Missa 5° Domingo do Tempo Comum 2021 – Ano B

Jó 7,l-4.6-7; SI 146; ICor 9,16-19.22-23; Mc 1,29-39

Cristo está curando a sogra de Pedro, mosaico na Igreja de Cora, Istambul, 11 de outubro de 2013.

As leituras do domingo de hoje querem ser um alento para quem vive uma situação de angústia, de tristeza ou de doença. Na primeira leitura, o grito de Jó é o grito das pessoas que arrastam sua vida em dores e sofrimentos. O tempo não passa para os aflitos e desesperançados, para os enfermos e acamados. Onde está a esperança das pessoas angustiadas? No Salmo de Meditação, cantamos a certeza de que Deus é quem sustenta e fortalece o pobre e o aflito. Essa certeza de fé está na raiz das ações de Jesus. No Evangelho de hoje, vemos Jesus sair da sinagoga e entrar na casa de Simão Pedro, com seus discípulos. Eis a mensagem muito atual dessa passagem do Evangelho: sair do espaço da religião oficial e ir ao encontro de quem precisa, entrar em sua casa, participar de sua vida. A visita de Jesus revela a presença de Deus na casa e na vida das pessoas. Essa é a nossa missão. Temos de ser uma Igreja em saída, como pede o papa Francisco.

A sogra de Pedro está acamada, com febre. Jesus vai até onde ela está, isto é, vai aos locais mais íntimos da vida familiar, abaixa-se, segura-a pelas mãos e a ajuda a se levantar. Uma vez recuperada, a sogra de Pedro se coloca a serviço, não apenas de Jesus, mas de todos os discípulos. Essa maneira de Jesus acolher e atender os pobres faz com que muita gente o busque: “a cidade inteira se reunir na frente da sua casa”, levando os doentes e os possessos, pedindo a ele cura e consolo.

Jesus sabe que é instrumento da vontade do Pai. Por isso se retira para rezar no silêncio e na calma. Ele foge de qualquer tentação de uma popularidade que possa lhe trazer fama e fortuna. O serviço aos irmãos é gratuito, e, como diz Paulo aos coríntios, devemos abrir mão dos direitos que a pregação do Evangelho nos confere. A gratuidade é uma prova da autenticidade.

Muitas casas são como a de Pedro. Muitos de nossos irmãos não participam da comunidade por causa de doenças e enfermidades. Assim como Jesus entrou na casa de Simão, também nós devemos ir ao encontro das pessoas doentes, levando uma mensagem, um apoio, um carinho. Como Jesus, devemos ser um sinal da paz de Deus para as pessoas angustiadas.

5° Domingo do Tempo Comum 2021
Sugestões litúrgicas para a Missa do 5° Domingo do Tempo Comum 2021 – Ano B

Dinamizar a força curadora da Palavra de Deus na comunidade.

Convidar os doentes e seus cuidadores para participarem durante a celebração. Reservar um espaço especial para eles e também para os profissionais da saúde.

– Ato penitencial: os pedidos de perdão podem envolver a relação da Comunidade com os doentes: falta de atenção cristã para com os enfermos; falta de caridade com enfermos com dificuldades económicas; esquecimento dos que estão nos leitos dos hospitais. A cada pedido formulado, cantar o refrão penitencial litúrgico: (Senhor, piedade; Cristo, piedade; Senhor, piedade).

– Ofertório: Convidar os cuidadores e profissionais da saúde para oferecerem remédios e instrumentos de trabalho. Alguns doentes podem levar até o altar a âmbula com as hóstias e as galhetas com vinho e água.

– Antes da bênção final: fazer a bênção dos remédios ofertados e também dos doentes, cuidadores e profissionais da saúde.

Sugestões de repertório para a Missa do 5° Domingo do Tempo Comum 2021 –  Ano B (O Domingo)

Abertura: Toda a terra
Aclamação: Aleluia! Que o Pai
Oferendas: De mãos estendidas
Comunhão: O mal que sai

Cifras e partituras das sugestões CNBB

Semanário litúrgico – catequético – Cantos para a Celebração – 5° Domingo do Tempo Comum 2021

Áudios para a Missa do 5° Domingo do Tempo Comum 2021 – Ano B CNBB:

Padre Anísio Tavares, C.Ss.R. / Portal Kairós

Palavra oficial do Papa