Liturgia católica – Anos A, B e C

Liturgia

Dezembro 2019 a Novembro de 2020 – Liturgia católica: ANO A

23 de fevereiro: Missa do 7° Domingo do Tempo Comum 2020

Missa do 7° Domingo do Tempo Comum

Jesus nos convida à santidade, que se revela na vivência do amor a Deus e ao próximo. Esse amor é sinal da nossa pertença a Cristo e do nosso compromisso em viver como irmãos e irmãs. A liturgia de hoje nos ajude em nosso esforço de sermos construtores da paz e da concórdia e de fazermos o bem a todas as pessoas, sem distinção.

Viver a santidade requer a firme decisão de seguir Jesus, amando nosso próximo do jeito que o Senhor nos pede.

ALGO A MAIS PELA PAZ

A lei do talião, “olho por olho, dente por dente”, ainda impera impiedosa acima das leis da compaixão e do amor. O que, porém, nos diferencia na sociedade, se simplesmente devolvemos agressividade a quem nos agride? Ou se simplesmente revidamos a ofensa? Ou se nos aprisionamos na mentalidade segundo a qual é preciso receber antes para dar depois? O que fazemos de mais?

O Mestre, que amou sem impor condições, ensinou que acolher o pecador não significa aceitar o pecado dele. Daí o desafio de estar abertos à justiça do Reino com um modo diferente de ser e agir, desarmando o agressor com uma atitude de resistência pacífica, que quebre o círculo vicioso da agressão, da violência e do mal.

Todos somos, de algum modo, vítimas da maldade humana. E, mesmo sem querer ou perceber, podemos também agir mal. Não é fácil desejar o bem a quem não nos ama ou nos maltrata, amar os inimigos e rezar por eles, deixar de ter pessoas em quem despejar nossos ódios, dissabores e frustrações.

Somos, porém, filhos de um mesmo Pai, o Deus que é bondoso para com todos. Deus é íntegro, completo, e por isso não faz injustiça. Sua perfeição é sua integridade. Sua justiça é seu amor, que não exclui os que erram. Daí a integridade a que Deus nos chama: ter um coração completo para amar a todos, não um coração que ama pela metade, dividindo as pessoas em boas e más.

É fundamental, então, nos perguntarmos: o que estamos fazendo de mais, sobretudo nestes tempos em que ondas de intolerância, ódio e violência invadem até os ambientes religiosos?

Deus não nos trata segundo nossas falhas, mas segundo sua própria bondade. Por isso mesmo, enquanto rezamos por nossos inimigos e não cedemos à lógica de retribuir o mal com o mal, continuamos a descobrir a bondade que se encontra dentro de nós mesmos e nos outros. E então, com atitudes concretas, podemos dar ao mundo o testemunho de que a justiça do Reino é a resposta transformadora, criativa e pacífica contra toda maldade e violência.

Pe. Paulo Bazaglia, ssp / Portal Kairós

Reflexão e sugestão para a missa do 6º Domingo do Tempo Comum 2020

6º Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A

Eclo 15,16-21; SI 118; ICor 2,6-10; Mt 5,17-37

A liberdade que compromete verdadeiramente a vida

O valor da liberdade autêntica, e por isso responsável, é apresentado na primeira leitura de hoje. Deus é o Senhor da história, mas antes é Pai amoroso de todos nós. Para estabelecer conosco uma relação de amor, coloca seus mandamentos não como imposições a serem cumpridas cegamente, mas como valores a serem assumidos na liberdade. Vida e morte e os demais binómios presentes na leitura querem explicitar a opção que precisamos fazer entre o bem e o mal. Trata-se de uma opção fundamental que nos coloca inteiramente dispostos para entrar na dinâmica do Deus, que é sumo bem. Cada opção tem suas consequências, que não podem ser desconsideradas pela pessoa que a escolhe.

As palavras de Jesus reforçam a importância da maturidade da pessoa de fé em relação aos andamentos. Ao vir completar a Lei, Jesus convida cada pessoa a assumir a Lei na vida, a dialogar com ela e retirar seu sentido mais profundo. Os mandamentos não são imposições, mas explicitam o valor primordial da dignidade humana. Não se trata de observações rituais, mas sim de colocar a pessoa humana como referência primeira de todos os valores.

Por isso, não matar não é suficiente, pois também é preciso respeitar o outro e promovê-lo; não é suficiente que não se cometa adultério, é preciso que se respeite a fidelidade do amor e as relações que dele deriva; não basta não jurar, escondendo-se debaixo da autoridade de Deus, é preciso ser sincero consigo mesmo dizendo sim, sim-não, não.

Maduros na fé, anunciadores dos valores da vida

A falsa segurança, buscada nas normas estabelecidas, limita a compreensão da realidade de fé. A dinamicidade da vida exige obviamente as normas. Porém, é fundamental que se coloque ao centro o valor que ela comporta. Caso contrário, a vida é massacrada e excluí-da sob o pretexto da fidelidade. São Paulo faz referência à sabedoria do Pai, a qual se revela por meio da ação dinâmica do Espírito Santo de modo pleno em Jesus. Cheios desse mesmo Espírito, cada cristão precisa anunciar valores sem apegar-se excessivamente aos invólucros das normas. A sociedade relativista, na qual vivemos, carece desse testemunho cristão profundo, para quebrar o conservadorismo e o laxismo, que prejudicam a conduta daqueles que procuram uma orientação fecunda para sua vida. A sabedoria divina proporciona o são equilíbrio, colocando a dignidade humana em relação estreita com a palavra de Deus. Assim se colocam os mandamentos a serviço dos filhos e das filhas de Deus, e não o contrário.

SUGESTÕES LITÚRGICAS

Ornamentação: diante do ambão da Palavra, representar as Tábuas da Lei de um lado e o Mandamento Novo de outro lado, não em sentido de oposição, mas de complementação. Podem ser introduzidos na procissão de entrada.
Ato penitenciai: centrar o ato penitenciai na força salvadora da Lei de Deus, levando libertação e não aprisionamentos, a força da vida e não a morte.
Entrada da Palavra: representar os dois caminhos, o da vida e da morte, como sugere a primeira leitura, mostrando que Deus está ao centro, convidando cada filho à vida plena em seu Filho Jesus.
Preces dos fiéis: as preces dos fiéis podem fazer referência à importância de a comunidade crescer na dedicação livre e fiel às coisas de Deus no cotidiano da história.

SUGESTÕES DE REPERTÓRIO

Abertura: Sê a rocha
Aclamação: Aleluia! Pois o verbo
Oferendas: A vós, Senhor
Comunhão: Felizes os pobres

Padre Anísio Tavares, C.Ss.R. / Portal Kairós

16 de fevereiro: Missa do 6º Domingo do Tempo Comum 2020

Missa do 6º Domingo do Tempo Comum 2020

Jesus se alegra quando vê que nos esforçamos para viver, todos os dias, o que ele nos ensinou.

O JEITO DE JESUS INTERPRETAR A LEI

O texto do evangelho de hoje é a continuação do Sermão da Montanha. A Lei foi dada a Israel para ensinar-lhe o caminho da justiça. Jesus nunca pretendeu aboli-la, como muitos pensavam. Ele, novo legislador, não deseja anular a Escritura (Leis e Profetas), e sim ensinar como reinterpretá-la, propondo o pleno cumprimento dessas normas. Seu intento é nos libertar do legalismo doentio que não nos torna santos diante de Deus nem nos garante o acesso ao Reino. Além disso, destacam-se outros três aspectos importantes.

Compromisso com a vida. O mandamento “não matar” vai além do derramamento de sangue, pois exprime compromisso radical com a vida, recomendando atitude de respeito à dignidade de todos. Toda discriminação é uma forma de violência. Toda palavra ofensiva é uma forma de diminuir o ser humano. O culto que agrada a Deus exige a vivência da reconciliação; sem ela, a oferenda se torna inútil.

Compromisso com a fidelidade. O adultério se inicia antes do ato em si, começa com o olhar. O Mestre propõe cortar o mal pela raiz (arrancar o olho e cortar a mão). Ele condena não apenas o adultério, mas também pensamentos e desejos perversos, que levam a praticar injustiças e maldades. A justiça do Reino exige profundo respeito no trato com as pessoas, principalmente com as mais fragilizadas.

Compromisso com a palavra. Aqui Jesus se dirige principalmente aos homens – os que podiam decretar o divórcio. O cristão esforça-se para superar os conflitos, evitando apontar defeitos no cônjuge para justificar a separação. Quando se tem compromisso com a palavra dada, não há necessidade de juramento. Os juramentos não combinam com relações humanas baseadas na confiança. A palavra do cristão deveria ser sempre digna de crédito, e os problemas contornados mediante o diálogo e o perdão.

Por meio desses exemplos, percebemos o jeito novo de Jesus ver e interpretar as leis, sem querer aboli-las.

Pe. Nilo Luza, ssp / Portal Kairós

Reflexão e sugestão para a missa do 5º Domingo do Tempo Comum 2020

 5º Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A

Is 58,7-10; SI 111; ICor 2,1-5; Mt 5,13-16

A luz da vocação resplandece no serviço aos necessitados

O tema da luz retorna na liturgia da palavra deste domingo. A metáfora da luz está relacionada com a manifestação da fé por meio do testemunho concreto da comunidade como um todo e de cada fiel em particular. A primeira leitura atesta claramente que a fé se torna luz e se irradia quando é traduzida em solidariedade com os famintos e desabrigados, com os que estão despidos de sua dignidade humana e se veem desamparados quando mais carecem de ajuda. É preciso destacar que, neste caminho de atenção aos necessitados, está a via direta de chegar ao Senhor. Com isso, o profeta quer dizer que a fé não pode jamais estar desvinculada das realidades concretas da vida, pois são nelas que se encontra Deus. E vice-versa: a busca sincera de Deus levará, necessariamente, a abrir os olhos à realidade sofrida dos irmãos.

Jesus, além de usar a metáfora da luz, usa também a do sal. Naquela época, o sal era usado para preservar os alimentos da corrupção natural, o que dá força à metáfora. A fé cristã, enquanto sal da terra, precisa conservar o frescor do evangelho na vida das pessoas, evitando que o egoísmo corrompa os relacionamentos e os leve a “apodrecer”. A missão do cristão, enquanto sal e luz, é indispensável para a vida do mundo, não podendo dela fugir. Sal que não dá sabor e não preserva trai sua missão. Luz que fica escondida igualmente tem sua finalidade frustrada. A conclusão é óbvia: ser discípulo sem se comprometer com os sofrimentos dos irmãos é trair a si mesmo, caindo em uma total frustração vocacional.

Ser sal e luz: uma questão de fidelidade vocacional

Constata-se, em nosso tempo, a crise do sentido, que acaba comprometendo todo o projeto de vida das comunidades e de seus membros. Se a falta de bens materiais manifesta a pobreza das periferias, a falta de sentido atinge todas as classes sociais, manifestando uma pobreza muito mais crítica e preocupante. Qual o sentido da vida? Qual o sentido de se fazer o bem? Qual o sentido da fé para a vida concreta? Essas perguntas não serão respondidas sem que se reconheça que todos nós e toda a criação temos um fundamento vocacional profundo e comum: temos todos a origem no sumo bem, que nos chama para o bem. Viver fora dessa dinâmica é fugir do essencial de nós mesmos, é perder o norte de sentido existencial. Para nós, cristãos, o fundamento está em Jesus Cristo Crucificado, o qual nos deu o dom maior de sua vida para que tivéssemos vida nele. Compreendendo essa dinâmica do dom de Cristo por nós, certamente seremos fiéis a nossa vocação de ser sal e luz para as realidades concretas que encontramos em nossa vida. Há muita treva e muita falta de sabor no mundo que pode muito bem ser revertida com uma porção de fidelidade vocacional.

SUGESTÕES LITÚRGICAS

– Dia propício para destacar as pastorais sociais da comunidade.

Ato Penitenciai: durante o Ato penitenciai, promover um momento mais intenso de revisão de consciência, levando os fiéis a perceberem as implicações sociais do evangelho.

Hino de louvor: no hino de louvor, agradecer a Deus as pastorais sociais, obras sociais realizadas pela comunidade, convidando as pessoas a se engajarem.

Oferendas: Sal e Luz podem ser dois símbolos fortes nesse momento, acompanhados do gesto de oferecer a Deusa própria vida, para que seja transformada em missão.

Envio da comunidade: um pouco de sal, juntamente com uma vela pequena, pode ser entregue às famílias, convidando-as ao compromisso de viver a vocação cristã com fidelidade, bem como de rezar pelas vocações. Uma oração vocacional pode acompanhar o sal e a vela que serão entregues.

SUGESTÕES DE REPERTÓRIO

Abertura: Toda a terra
Aclamação: Aleluia! Pois o verbo
Oferendas: De Mãos estendidas
Comunhão: Felizes os pobres

Padre Anísio Tavares, C.Ss.R. / Portal Kairós

09 de fevereiro: Missa do 5º Domingo do Tempo Comum 2020

5º Domingo do Tempo Comum 2020

Na liturgia de hoje Jesus nos chama a ser sal da terra e luz do mundo. Ele espera que iluminemos todos os lugares com nosso testemunho cristão e os tornemos mais alegres e bonitos por meio de palavras e ações que transmitam amor, fraternidade, esperança, misericórdia e paz. Esta Eucaristia forme em nós uma fé que se baseie não em nossas capacidades, mas no poder amoroso de Deus.

Se todos nós fizermos o bem ao próximo, nossa vida e a dos outros serão iluminadas e terão mais sabor.

SER CRISTÃO É SER SAL E LUZ

No evangelho de hoje, Jesus fala de sal e luz para traduzir o que significam as bem-aventuranças que havia acabado de apresentar. Os discípulos que aprendem do Mestre o espírito da felicidade do Reino são sal da terra, luz do mundo. Pois ser sal e luz é ser para os outros, não para si mesmos.

O sal tempera e, desaparecendo, dá gosto aos alimentos. Assim os cristãos, buscando a justiça, agindo com misericórdia, promovendo a paz, transformando as relações e, mesmo perseguidos e com a dor das injustiças, mantendo-se firmes no seguimento de Jesus, fazem a diferença no mundo.

Mas, afinal, o quanto nós, cristãos, estamos fazendo a diferença? Como estamos encontrando sentido para o sofrimento, vivendo a alegria cristã de nos doar pela mesma causa de Jesus e testemunhando ao mundo que isso dá sentido à nossa vida? Ao final das contas, como estamos deixando este mundo melhor para viver?

Os cristãos são também luz do mundo. No tempo de Jesus, não existia a comodidade da luz elétrica. A luz era proveniente do óleo consumindo-se no pavio. Os cristãos são luz não porque buscam aparecer, mas porque, com a prática das bem-aventuranças, iluminam as realidades escuras, ajudando as pessoas a orientar os próprios passos. Luz que brilha, portanto, é a doação concreta de cada dia, as boas obras que clareiam caminhos e mentes e levam as pessoas a glorificar a Deus, a Luz infinita.

Não se trata, portanto, de fazer o bem e fazer propaganda do bem feito. Trata-se, sim, de consumir-nos dia a dia para que a justiça do Reino continue brilhando e vencendo as trevas.

Todos juntos somos sal da terra, luz do mundo. Individualmente, somos apenas uma pitada de sal para uma situação concreta, somos apenas uma pequena lamparina ajudando o Mestre a iluminar a vida de alguém. O que já é bastante. Mas, juntos, todos nós que seguimos a Jesus podemos transformar o mundo todo para melhor, podemos ser um verdadeiro clarão do amor de Deus pela humanidade.

Pe. Paulo Bazaglia, ssp / Portal Kairós

Palavra oficial do Papa