Notícias católicas – Sempre notícias atualizadas

A restauração da imagem de Nossa Senhora Aparecida

No Domingo, 19 de agosto, foram lembrados os 40 anos da restauração da imagem original de Nossa Senhora Aparecida, depois de ela ter sido atacada, profanada e quebrada em mais de 200 pedaços, no dia 16 de maio de 1978. Uma artista habilidosa, Maria Helena Chartuni, fez o trabalho primoroso de restauro, devolvendo novamente à pequena e simples imagem de Nossa Senhora Aparecida o seu aspecto original.

O fato foi recordado numa Santa Missa celebrada na Catedral Metropolitana de São Paulo, antes que a imagem seguisse para a Basílica Nacional, acompanhada por festiva carreata de São Paulo até Aparecida (SP), exatamente como foi há 40 anos, após o restauro. Os Missionários Redentoristas organizaram o evento, contando com sua experiência de evangelização popular.

Antes da partida do cortejo, à frente da Catedral da Sé, foi apresentada a simbologia do restauro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, a começar pela experiência da própria artista que executou o trabalho. Ela conta em seu livro “A história de dois restauros” (2018) como o processo da recuperação da pequena imagem significou para a sua própria vida um processo de recuperação de sua fé e do sentido de sua vida.  Escreve ela: “espero que este depoimento ajude, de alguma forma, muitas pessoas perdidas, sem esperança, como fui um dia, e que a fé em algo maior que nós mesmos as ajude a encontrar paz e o equilíbrio necessários para caminhar com mais alegria e confiança neste mundo conturbado em que vivemos todos, no mesmo barco que ameaça naufragar, diante dos graves problemas atuais”.

A restauração da imagem da Padroeira do Brasil acaba sendo uma mensagem para os nossos tempos. A destruição dessa imagem simples e pequena, embora de imenso valor simbólico para nós e para nossa fé, causou enorme comoção entre católicos e não católicos. Sua restauração trouxe igualmente grande alegria ao coração dos milhões de devotos da Virgem Mãe Aparecida. Mas não devemos esquecer que existe uma imagem infinitamente mais preciosa em nós mesmos, que não deve ser descuidada, nem destruída. Cada pessoa traz em si a imagem e semelhança de Deus!

Essa imagem viva de Deus nos dá uma dignidade imensa e inimaginável. Quantas vezes esquecemos isso e desrespeitamos essa imagem em nós e no próximo! Quanta imagem de Deus profanada pelo pecado, aviltada pela discriminação e o desprezo, humilhada pela miséria e a violência! Imagens manchadas pelo pecado, pelos vícios, aviltadas pela degradação moral… Quanta imagem preciosa por aí necessitada de restauro para recuperar a sua beleza e dignidade originária!

Nossa Senhora Aparecida nos faz pensar em nossa Pátria, cuja imagem não anda boa por esses tempos. Muita violência, corrupção e injustiças sociais, perda dos valores morais, degradação social, humores agressivos e até ódio de grupos antagônicos, como nunca antes se viu no meio deste povo pacífico! Uns perdendo a paciência, outros a compostura, outros a fé e a esperança em dias melhores! Ficamos quebrados, não apenas política e economicamente, mas também moralmente! É preciso restaurar a imagem do Brasil! Todos nós podemos ser os artistas, que colocam mãos à obra para juntar os cacos dessa imagem quebrada e recuperar a autoestima perdida.

O Brasil tem urgente necessidade de recuperar a confiança em si mesmo, contando, para isso, com a participação generosa de todos os seus filhos. Vale parafrasear o conselho de um grande político: “não perguntes o que o Brasil pode fazer por ti. Pensa naquilo que tu podes fazer pelo Brasil!” O tempo da campanha eleitoral pode ser bem mais do que a busca de argumentos para superar um partido ou um candidato concorrente: este deveria ser um tempo de reflexão e de busca de convergência sobre aquilo que será útil para o Brasil e ajuda a construir a cidadania.

Que a imagem restaurada de Nossa Senhora Aparecida nos ensine a fazer a nossa parte na recuperação da imagem do nosso Brasil! Que a “Mãe de Deus e nossa, nos ajude a cuidar bem da nossa dignidade de filhos e filhas de Deus e a promover o reconhecimento e respeito pela dignidade dos irmãos”. Que a Senhora Aparecida interceda por nós e pelo povo brasileiro!

Cardeal Odilo Pedro Scherer
Arcebispo de São Paulo

CNBB / Portal Kairós

Para os desafios familiares, padre reafirma importância da fé

Sacerdote falou também sobre a importância do papel do pai, da mãe e dos filhos dentro da família

“Este é o momento que nós temos para rezar pelas famílias”. A frase do padre Anderson Marçal, membro da comunidade Canção Nova, faz alusão ao 9º Encontro Mundial das Famílias que começou nesta terça-feira, 21, em Dublin, na Irlanda. O sacerdote afirmou que o evento será uma oportunidade para as famílias rezarem juntas, discutirem seus dilemas, desafios familiares e preocupações.

O encontro é, segundo padre Anderson, momento de mostrar ao mundo que a Igreja é um organismo vivo integrado ao povo e suas realidades familiares. Sobre as dificuldades enfrentadas pelas famílias, o sacerdote comenta: “São tantas e tantas bombas lançadas contra a família, que na verdade querem destruir a sociedade. Se você destrói a célula primeira da sociedade, você não terá sociedade. (…) Quando se destrói a família o que acontece é a autodestruição do ser humano”.

“Vale a pena ser família”,exortou o sacerdote, que se diz empolgado quanto ao início do encontro. “É um momento para rezar muito e ser visto. (…) Fico empolgado com esses encontros porque me traz uma paz muito grande, já que muitas famílias estarão lá. Quer dizer que nem tudo está perdido”. Padre Anderson falou também sobre a importância do papel do pai, da mãe e dos filhos dentro da família, a necessidade de promoção familiar e como a fé pode ser um instrumento de mudança na família.

Confira

Hino da Campanha da Fraternidade 2019

Julia Beck
Canção Nova / Portal Kairós

Peregrinos do Brasil participam do Encontro Mundial das Famílias

IX Encontro Mundial das Famílias acontece em Dublin, na Irlanda

A cidade de Dublin, na Irlanda, recebe nesta semana o IX Encontro Mundial das Famílias com o Papa Francisco. O evento tem como tema “O Evangelho da Família, alegria para o mundo” e conta com a presença de famílias dos 5 continentes.

O Brasil está representado por uma delegação que participará de toda a programação.

O bispo de Osasco (SP) e presidente da Comissão para a Vida e Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom João Bosco Barbosa de Sousa, o assessor nacional da comissão, padre Jorge Alves Filho e o casal coordenador nacional da Pastoral Familiar, Luiz Zilfredo Stolf e Carmen Rodrigues Stolf estão na capital irlandesa para acompanhar todo o evento.

“Esperamos que esse encontro chame a atenção do mundo para a importância da família, construída segundo a vontade de Deus, pois só assim ela pode ser alegria para o mundo”, ressalta o bispo.

No vídeo que fez antes da cerimônia de abertura, Dom João Bosco pediu a intercessão dos fiéis brasileiros e convidou-os a acompanhar pelos meios de comunicação católicos.

“O Papa vai chegar aqui e encontrar um número imenso de famílias dispostas a ouvir sua palavra e nós queremos levar ao nosso país tudo aquilo que conseguirmos de mensagens a todo o povo brasileiro”.

Dom João Bosco declarou ao site da Comissão Episcopal esperar “que esse encontro reforce o trabalho de evangelização que vem sendo realizado pela Pastoral Familiar, esclareça questões, chame a atenção do mundo para a importância da família, construída segundo a vontade de Deus, pois só assim ela pode ser alegria para o mundo”.

O casal representante do movimento das Equipes de Nossa Senhora também participa do evento. Em entrevista à Canção Nova, Cristiane Marson de Brito e o esposo Luiz Antonio contam que na noite de ontem tiveram uma oração, e hoje começaram as palestras:

“Hoje ouvimos sobre a ‘Fé no dia a dia da família’ e sobre a ‘Escolha de vida: Papa Francisco e a Cultura do descartável’. Na parte da tarde, a palestra principal falou sobre o bem estar da família, que é decisivo para o futuro do mundo.”

Ao todo, há mais de 70 mil inscritos, provenientes de 116 países.

“Tem famílias de muitos lugares do mundo, mas a maioria é da Europa, pela proximidade. Já conversamos com famílias do Chile, do Paraguay e de Honduras. O evento está só começando, até domingo ainda teremos inúmeras oportunidades para encontrar e conversar com muitas famílias. Está sendo mais uma bela experiência participar deste encontro e refletir sobre a Família Cristã no mundo, muito rica e produtiva.”, ressalta Cristiane.

Conheça os subsídios feitos para celebrar a Vida e a Família 2018

Rede Vida / Canção Nova / CNBB / Portal Kairós

Brasileira conta como é ser uma voluntária no encontro das Famílias

Jovem que mora na Irlanda diz que o voluntariado no Encontro é também uma forma de evangelizar

O 9º Encontro Mundial das Famílias está sendo realizado em Dublin, na Irlanda, de 21 a 26 de agosto.  A correspondente da Canção Nova, Lizia Costa, conversou com uma jovem brasileira que é voluntária no evento.

Confira

Papa: família, fermento que ajuda a fazer crescer um mundo mais humano

Lizia Costa
Enviada a Dublin

Canção Nova / Portal Kairós

Papa alerta sobre invocar o nome de Deus em vão

Santo Padre se dedicou ao segundo Mandamento: “não pronunciarás o nome do Senhor, teu Deus, em vão”

As catequeses do Papa Francisco sobre os Mandamentos continuam. O Pontífice se dedicou ao tema “respeitar o nome do Senhor”, refletindo sobre a necessidade de aprofundar essas palavras e não usar o nome de Deus em vão, inoportunamente, com hipocrisia.

A expressão “em vão”, explicou o Papa, é clara e faz referência a uma forma privada de conteúdo. Nesse sentido, não pronunciar o nome de Deus em vão significa não se apropriar do nome Dele de forma superficial, vazia ou hipócrita.

Francisco recordou a importância que tem o nome, citando que, na Bíblia, o nome é a verdade íntima das coisas e sobretudo das pessoas. Para os cristãos, este mandamento – “Não pronunciarás o nome do Senhor, teu Deus, em vão” – é um chamado a lembrar-se do Batismo – em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo – como se afirma ao fazer o sinal da cruz, para viver as ações cotidianas em comunhão real com Deus. Nesse ponto, o Papa voltou a reiterar a necessidade de ensinar as crianças a fazer o sinal da cruz.

O Santo Padre alertou que, infelizmente, é possível tomar o nome de Deus de forma hipócrita, vazia. Trata-se, nesse caso, de viver uma relação falsa com Deus, como acontecia com os doutores da lei, que falavam de Deus, mas não faziam a vontade de Deus. “Esta Palavra do Decálogo é propriamente o convite a uma relação com Deus que não seja falsa, sem hipocrisia, a uma relação em que nos confiamos a Ele com tudo aquilo que somos”.

Uma vez que se multipliquem os cristãos que tomam sobre si o nome de Deus sem falsidade, então o anúncio da Igreja é mais ouvido e crível, observou Francisco. “Se a nossa vida concreta manifesta o nome de Deus, vê-se quão belo é o Batismo e que grande dom é a Eucaristia! (…) Cristo em nós e Nele! Unidos! Isso não é hipocrisia, isso é verdade. Isso não é falar ou rezar como um papagaio, isso é rezar com o coração, amar o Senhor”.

E a partir da cruz de Cristo, Francisco lembrou que ninguém pode desprezar a si mesmo e pensar mal da própria existência. “O nome de cada um de nós está nos ombros de Cristo. (…) Qualquer um pode invocar o santo nome do Senhor, que é Amor fiel e misericordioso, em qualquer situação que se encontre. Deus nunca dirá ‘não’ a um coração que O invoca sinceramente”.

Papa: a paz de Deus não se pode comprar, sem Cruz não é verdadeira paz

Vatican News / Portal Kairós