Notícias católicas – Sempre notícias atualizadas

Quem são os 5 novos Santos e Santas de 2019?

Santos e Santas de 2019

Foram apresentadas, na manhã deste sábado dia 11 de outubro, na Sala de Imprensa da Santa Sé, pelos seus respectivos Postuladores, as biografias dos cinco novos Santos, que serão canonizados pelo Papa, no próximo domingo, na Praça São Pedro.

Os novos Santos e Santas de 2019

01 – João Henrique Newman, convertido do Anglicanismo, fundador do Oratório de São Felipe Neri, na Inglaterra; e quatro mulheres:

02 – Irmã Dulce Lopes Pontes, no civil Maria Rita, primeira santa brasileira, da Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus;

03 – Margarida Bays, virgem, Terciária da Ordem de São Francisco de Assis;

04 – Josefina Vannini, no civil Judite Adelaide Águeda, fundadora das Filhas de São Camilo; e

05 – Maria Teresa Chiramel Mankidiyan, Fundadora da Congregação das Irmãs da Sagrada Família.

Eis alguns breves dados biográficos dos novos Santos

Cardeal João Henrique Newman

João nasceu em Londres, em 1801. Foi ordenado sacerdote pela Igreja Anglicana tornando-se pároco de São Clemente, em Oxford.

Em 1845, Newman converteu-se ao catolicismo e, alguns anos depois, foi ordenado sacerdote da Igreja Católica. Fundou o Oratório de São Felipe Neri e foi criado Cardeal em 1879, com o lema “O coração fala ao coração”.

Joao Newman faleceu em 11 de agosto de 1880 e foi beatificado por Bento XVI em 19 de setembro de 2010.

Irmã Dulce Lopes Pontes

Maria Rita nasceu, em Salvador, Bahia, em 1914. Tinha 6 anos quando sua mãe faleceu. Aos 18, entrou para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, onde recebeu o nome de Dulce. Fundou a União dos Trabalhadores de São Francisco, um movimento operário cristão, e o hospital Santo Antônio.

Irmã Dulce faleceu na capital baiana em 1992. Foi beatificada em 2011, durante o Pontificado de Bento XVI.

O milagre que a levou à canonização é a cura milagrosa de José Maurício Bragança Moreira, que ficou cego por causa de um glaucoma grave. Ao sofrer de conjuntivite, colocou uma pequena imagem da Irmã Dulce sobre os olhos, pedindo a sua intercessão. Quando acordou, voltou a ver de novo.

Josefina Vannini

Josefina Vannini nasceu em Roma, em 1859. Aos quatro anos de idade, perdeu o pai e, três anos depois, a mãe. Durante os exercícios espirituais, conheceu o sacerdote camiliano, Padre Luigi Tezza, que reconheceu nela a pessoa indicada para iniciar uma nova Congregação, fundada em 1892, com o nome de Filhas de São Camilo.

Madre Josefina faleceu em 1911 e, em 1994, foi beatificada por São João Paulo II.

O milagre que a levou à canonização, refere-se a Arno Klauck, mestre de obras de Sinop (MT), que caiu do terceiro andar enquanto colocava vigas de madeira. Enquanto caía, invocou a intercessão da religiosa, salvando-se, milagrosamente, com apenas alguns hematomas.

Maria Teresa Chiramel Manki-diyan

Maria Teresa nasceu em 1876, em Puthenchira, estado indiano de Kérala. Recebeu muitas graças místicas de Deus, como visões de Nossa Senhora e de Santos, além dos estigmas de Cristo, em 1909, que sempre manteve em segredo.

Em 1914, Maria Teresa fundou a Congregação das Irmãs da Sagrada Família. Sofrendo de diabetes, faleceu em 1926.

Madre Maria Teresa Chiramel foi beatificada por São João Paulo II, em 9 de abril de 2000.

Margarida Bays

Margarida nasceu em Friburgo, na Suíça, em 1815. Filha de agricultores, trabalhou toda a sua vida como costureira. Acometida por um câncer, com a idade de 40 anos, ficou, inexplicavelmente, curada, em 8 de dezembro de 1854, dia em que Pio IX proclamou o Dogma da Imaculada Conceição.

Margarida teve muitas experiências místicas e experimentou os estigmas. Faleceu em 27 de junho de 1879 e foi beatificada por São João Paulo II, em 29 de outubro de 1995.

Músicas e subsídios da Irmã Dulce para baixar

Vatican News / Portal Kairós

Músico católico, seja o promotor do dom do outro

Todos os artistas que se relacionam com a música, sejam compositores, cantores ou músico, ou seja, toquem algum instrumento, obrigatoriamente exercem a sua função para o bem da música. Em uma orquestra com vários músicos, todos (sem exceção) estão lendo sua partitura e seguindo a regência do maestro. Isso resulta numa grande apresentação!

Com o trabalho de todos, a música mostra-se em sua total e plena beleza. Já aqueles que estão na plateia, desfrutam do resultado desse trabalho. Se falta um músico, se alguém se “perde” ou comete um erro, ficará um vazio, uma pausa indesejada ou, ainda, a apresentação toda se perde. 

Músico católico, seja o promotor do dom do outro

É sábio sair de cena para deixar o outro “aparecer”

Analisando um outro ponto: naturalmente, quando se toca em conjunto, acontece a promoção do dom do outro. Como é bonita a dinâmica da música acontecendo. Instrumento que aparece faz sua parte e novamente retorna para o meio do todo. Um bom exemplo disso é visto no final de um grande show, quando acontece a apresentação dos músicos. Já percebeu que para o guitarrista tocar, a banda toda, diminui sua dinâmica e deixa o guitarrista ser o “músico do momento”? Até o cantor se coloca de lado para que o baixista, o baterista, o tecladista etc., possam ter esse momento de demonstração da sua música em particular. É sábio sair de cena para deixar o outro “aparecer”, principalmente quando se é mestre de alguém. Mas é também estratégico para a evangelização.

Abaixo descrevo 5 pontos que naturalmente acontecem na música como um todo:

– Todos trabalham em unidade seguindo o mesmo mestre;

– Naturalmente promove-se o dom do outro;

– Cada um tem o seu valor;

– Se não fizer o que é preciso, ficará um vazio na canção ou a tragédia do espetáculo;

– Cada um precisa fazer o seu trabalho, ter espaço e incentivo para isso.

Todos os músicos da Igreja trabalham pelo bem não só da música como também da evangelização

Sem falar de religião, já temos uma lição só em refletir um pouco sobre a música em si. Vamos trazer esse pensamento para dentro da nossa realidade de ministério de música, que tem como missão a evangelização.
Em primeiro lugar, todos os músicos da Igreja trabalham pelo bem não só da música como também da evangelização. Trabalhando para que a evangelização aconteça, trabalho para a salvação da alma daquele que me ouve. Esta é a meta: o bem da alma do fiel.

Eu tenho comigo que: todos os músicos que trabalham hoje pela evangelização, um dia, se assim merecerem, cantarão juntos ao coro dos anjos no Céu. Se é assim, porque então não antecipamos isso na terra? Sabe como? Simples: aprendendo com a música!
Infelizmente, hoje, parece que existe um medo de promover o dom do outro. Talvez, lá no fundo, a pergunta seja: “E se o outro crescer mais do que eu?”. Então, encontramos músicos fazendo, muitas vezes, a política da “boa vizinhança”, falam bem da pessoa na frente, mas pelas costas a despreza ou até fala mal dela. Questiono-me o porquê disso.

Será medo de promover o outro e aquele que o promoveu ficar esquecido? Ou, será receio em ouvir a canção do outro e constatar que ela é melhor? Ou ainda, perder o prestígio, espaço e por aí vai…

Você já parou para pensar quantas pessoas no mundo não são batizadas nem evangelizadas?

LEIA MAIS

A música inspirada pelo Espírito Santo

Consagre sua voz, seu instrumento e sua interpretação ao Senhor, pois tudo precisa ser inspirados pelo Espírito Santo de Deus.
O Salmo 95/96 anuncia a vida nova no Senhor; Ele virá para governar a Terra e, até que venha, precisamos cantar um cântico novo.

Nós, povo de Deus, fomos criados para ser sal e fermento. Não podemos perder nossa essência. Ser uma canção nova e cantar uma canção nova não é só para nós. O Senhor não quis que apenas nós fizéssemos isso, Ele quis um cântico novo cantado por todos.

A música nunca é neutra: ou ela leva para o Céu ou leva para o inferno

Pelo amor de Deus, não queira ficar na situação limítrofe, adentre no canto novo e avance nele. Fique o mais longe possível da canção velha que nos leva para o inferno! Você sempre será músico, tocando, regendo, cantando ou gravando. Aqueles que gravam, também estão no campo da música.

Você não pode ficar na posição limítrofe pulando de um lado para outro, pois há muita gente saltitando como passarinho nos dois galhos da fogueira. Você não pode tocar nos barezinhos e no grupo de oração ao mesmo tempo. Não dá para misturar!

O cântico novo cria o Céu em nós

A música não é só letra, ela é principalmente ritmo e “mexe” conosco. Ela pega todo o nosso sistema nervoso e afeta todas as áreas da sexualidade, todas as regiões do corpo, tanto o masculino quanto o feminino. Nós não podemos ter músicas que mexam com nossas fragilidades. Até mesmo o surdo sente a música no seu sistema nervoso e tem os afetos alterados por ela.

O gregoriano é o canto mais autêntico de Deus. A música do Céu ressoa no templo, que quer dizer “pedaço do Céu”. Quando se canta o cântico novo, ali se torna um pedaço, um recorte do Céu. O cântico novo cria o Céu em nós.

A música mexe com nossas glândulas, com nossos hormônios da parte da sensualidade e faz de nós pessoas sedutoras. Depende de nós se queremos jogar constantemente em nossa corrente sanguínea o que nos constrói humanos ou o que nos desumaniza, criando em nós ódio, sexualidade desvirtuada e desejo de corrupção. Não fique escutando música popular brasileira para cantar da mesma forma, para fazer o mesmo arranjo. Você não precisa disso, você tem a inspiração do Céu!

Escute as palavras de um pai: não se deixe enganar

LEIA MAIS

Confira dinâmica para sua turma de perseverança

Dinâmica: Jogo dos desafios / problemas x pessoas x ajuda de amigo

Em vários papéis preparados pela catequista, estarão escrito problemas, dificuldades ou desafios. A catequista escolhe uma pessoa e lê o papel, ele escolhe dentre todas da sala para quem ele quer desejar isso. Depois que desejar pergunta-se quem pode ajudar – discussão.

Conclusão:
porque não desejou o desafio/problema para você mesmo? Foi ruim jogar isso pra outra pessoa cara a cara ou não? Quem ajudou foi proativo/amigo de verdade/preocupado O ajudado deve ser grato.

01 – Durante os encontros anteriores viemos conversando sobre relacionamentos… Relacionamento com Deus, relacionamento com família, relacionamento com nós mesmo… e hoje vamos falar do relacionamento da amizade, relacionamento com nossos irmãos, com as pessoas que estão dentro da nossa vida, que são nosso próximo.

02 – Quantas vezes você já ouviu falar sobre o próximo na bíblia?
– Relembrar encontro relacionamento com Deus: O ATO DE FALAR COM DEUS MUDA SEU JEITO DE FALAR COM AS PESSOAS!
– Relembrar encontro com família: dar valor, dar amor, carinho… o que somos em casa refletimos lá fora!
– Relembrar encontro do amor próprio. “Antes de olhar pro outro, olhe para você!”. Você tem sido amigo? Você tem sido lega, divertido, companheiro, fiel?

03- Temos que colocar Deus em primeiro lugar na nossa vida! Deus quer nos preencher e nos aperfeiçoar a cada dia! Quem tem Deus tem tudo! Foi ele que nos criou, que nos matem, que nos ama, que nos cuida, que nos ensina. Não basta dizer que sim com a cabeça, os cristãos têm que assumir o estilo de vida de Jesus (como um time de futebol).

04 – Deus é tão perfeito que nos fez um diferente do outro, vou fazer algumas perguntas, quem tem determinadas características abaixo?
Exemplos: Ajudar os outros, comunicativo, fechado, otimista, bravo, tímido, animado, irritado/estressado, diálogo, fidelidade, perdoar, sinceridade, amizade, cantar, ser insistente, sorrir, brincar muito, paciente, compreensivo, ter medo, ser estudioso, companheiro, alegre, carismático, música, rir, honestidade, timidez, perfeccionismo, tranquilo, hiper ativo,inteligência, conselho, fortaleza…
– Viu como somos diferentes? Deus da a cada um seu dom. Porém não quer dizer que alguns são melhores que os outros, e sim que temos que ensinar o outro. A amizade é um dom? A amizade tem a ver com carisma?

LEIA MAIS

São Pio de Pietrelcina, alívio para os sofrimentos dos fiéis

São Pio de Pietrelcina

REGGIO EMILIA, ITÁLIA – 12 DE ABRIL DE 2018: A pintura moderna de Pater Pio com o Jesus na cruz, na igreja Chiesa dei Cappuchini por Erico Verona 2001.

Este digníssimo seguidor de São Francisco de Assis nasceu no dia 25 de maio de 1887 em Pietrelcina (Itália). Seu nome verdadeiro era Francesco Forgione. Ainda criança era muito assíduo com as coisas de Deus, tendo uma inigualável admiração por Nossa Senhora e o seu Filho Jesus, os quais via constantemente devido à grande familiaridade. Ainda pequenino havia se tornado amigo do seu Anjo da Guarda, a quem recorria muitas vezes para auxiliá-lo no seu trajeto nos caminhos do Evangelho.

Conta a história que ele recomendava muitas vezes as pessoas a recorrerem ao seu Anjo da Guarda estreitando assim a intimidade dos fiéis para com aquele que viria a ser o primeiro sacerdote da história da Igreja a receber os estigmas do Cristo do Calvário. Com quinze anos de idade entrou no Noviciado da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos em Morcone, adotando o nome de “Frei Pio” e foi ordenado sacerdote em 10 de agosto de 1910 na Arquidiocese de Benevento. Após a ordenação, Padre Pio precisou ficar com sua família até 1916, por motivos de saúde e, em setembro desse mesmo ano, foi enviado para o convento de São Giovanni Rotondo, onde permaneceu até o dia de sua morte.

Abrasado pelo amor de Deus, marcado pelo sofrimento e profundamente imerso nas realidades sobrenaturais, Padre Pio recebeu os estigmas, sinais da Paixão de Jesus Cristo, em seu próprio corpo. Entregando-se inteiramente ao Ministério da Confissão, buscava por meio desse sacramento aliviar os sofrimentos atrozes do coração de seus fiéis e libertá-los das garras do demônio, conhecido por ele como “barba azul”.

LEIA MAIS