Notícias católicas – Sempre notícias atualizadas

Quem são os 5 novos Santos e Santas de 2019?

Santos e Santas de 2019

Foram apresentadas, na manhã deste sábado dia 11 de outubro, na Sala de Imprensa da Santa Sé, pelos seus respectivos Postuladores, as biografias dos cinco novos Santos, que serão canonizados pelo Papa, no próximo domingo, na Praça São Pedro.

Os novos Santos e Santas de 2019

01 – João Henrique Newman, convertido do Anglicanismo, fundador do Oratório de São Felipe Neri, na Inglaterra; e quatro mulheres:

02 – Irmã Dulce Lopes Pontes, no civil Maria Rita, primeira santa brasileira, da Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus;

03 – Margarida Bays, virgem, Terciária da Ordem de São Francisco de Assis;

04 – Josefina Vannini, no civil Judite Adelaide Águeda, fundadora das Filhas de São Camilo; e

05 – Maria Teresa Chiramel Mankidiyan, Fundadora da Congregação das Irmãs da Sagrada Família.

Eis alguns breves dados biográficos dos novos Santos

Cardeal João Henrique Newman

João nasceu em Londres, em 1801. Foi ordenado sacerdote pela Igreja Anglicana tornando-se pároco de São Clemente, em Oxford.

Em 1845, Newman converteu-se ao catolicismo e, alguns anos depois, foi ordenado sacerdote da Igreja Católica. Fundou o Oratório de São Felipe Neri e foi criado Cardeal em 1879, com o lema “O coração fala ao coração”.

Joao Newman faleceu em 11 de agosto de 1880 e foi beatificado por Bento XVI em 19 de setembro de 2010.

Irmã Dulce Lopes Pontes

Maria Rita nasceu, em Salvador, Bahia, em 1914. Tinha 6 anos quando sua mãe faleceu. Aos 18, entrou para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, onde recebeu o nome de Dulce. Fundou a União dos Trabalhadores de São Francisco, um movimento operário cristão, e o hospital Santo Antônio.

Irmã Dulce faleceu na capital baiana em 1992. Foi beatificada em 2011, durante o Pontificado de Bento XVI.

O milagre que a levou à canonização é a cura milagrosa de José Maurício Bragança Moreira, que ficou cego por causa de um glaucoma grave. Ao sofrer de conjuntivite, colocou uma pequena imagem da Irmã Dulce sobre os olhos, pedindo a sua intercessão. Quando acordou, voltou a ver de novo.

Josefina Vannini

Josefina Vannini nasceu em Roma, em 1859. Aos quatro anos de idade, perdeu o pai e, três anos depois, a mãe. Durante os exercícios espirituais, conheceu o sacerdote camiliano, Padre Luigi Tezza, que reconheceu nela a pessoa indicada para iniciar uma nova Congregação, fundada em 1892, com o nome de Filhas de São Camilo.

Madre Josefina faleceu em 1911 e, em 1994, foi beatificada por São João Paulo II.

O milagre que a levou à canonização, refere-se a Arno Klauck, mestre de obras de Sinop (MT), que caiu do terceiro andar enquanto colocava vigas de madeira. Enquanto caía, invocou a intercessão da religiosa, salvando-se, milagrosamente, com apenas alguns hematomas.

Maria Teresa Chiramel Manki-diyan

Maria Teresa nasceu em 1876, em Puthenchira, estado indiano de Kérala. Recebeu muitas graças místicas de Deus, como visões de Nossa Senhora e de Santos, além dos estigmas de Cristo, em 1909, que sempre manteve em segredo.

Em 1914, Maria Teresa fundou a Congregação das Irmãs da Sagrada Família. Sofrendo de diabetes, faleceu em 1926.

Madre Maria Teresa Chiramel foi beatificada por São João Paulo II, em 9 de abril de 2000.

Margarida Bays

Margarida nasceu em Friburgo, na Suíça, em 1815. Filha de agricultores, trabalhou toda a sua vida como costureira. Acometida por um câncer, com a idade de 40 anos, ficou, inexplicavelmente, curada, em 8 de dezembro de 1854, dia em que Pio IX proclamou o Dogma da Imaculada Conceição.

Margarida teve muitas experiências místicas e experimentou os estigmas. Faleceu em 27 de junho de 1879 e foi beatificada por São João Paulo II, em 29 de outubro de 1995.

Músicas e subsídios da Irmã Dulce para baixar

Vatican News / Portal Kairós

Fotógrafo remove celulares para mostrar nosso mundo estranho e solitário

Fotógrafo remove celulares para mostrar nosso mundo estranho

A hora de sair da internet (Abre numa nova aba do navegador)

Você está lendo isso em um dispositivo portátil? Há uma boa chance de você estar. Agora imagine como você ficaria se esse dispositivo desaparecesse repentinamente. Solitário? Ligeiramente louco? Talvez ao lado de uma pessoa que está sendo ignorada? À medida que somos cada vez mais atraídos pelas telas que carregamos, mesmo na companhia de amigos e familiares, a pose curvada do telefone absorvido parece cada vez mais normal.

O fotógrafo americano Eric Pickersgill criou “Removed“, uma série de fotos para nos lembrar de como essa pose é estranha. Em cada retrato, os dispositivos eletrônicos foram “editados” (removidos antes da foto ser tirada das pessoas que os usavam) para que as pessoas olhem para as mãos ou para o espaço vazio entre as mãos, ignorando frequentemente belos cenários ou oportunidades para a conexão humana.

Os resultados são um pouco tristes e assustadores – e talvez um lembrete para guardar nossos telefones um pouquinho.

Veja as fotos

Portal Kairós

Abertas inscrições para o encontro dos editores de folhetos de missa

Editores de Folhetos e Subsídios Litúrgicos

O próximo encontro dos Editores de Folhetos e Subsídios Litúrgicos acontecerá na cidade de São Paulo de 30 de julho a 01º de agosto, no Centro de Formação Sagrada Família. O evento é uma iniciativa da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia e recebe editores de todo o Brasil.

Este ano, a proposta central do encontro gira em torno do Documento 108 da CNBB, intitulado “Ministério e Celebração da Palavra”, à luz das novas Diretrizes para Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, aprovadas durante a última Assembleia Geral da entidade.

Dom Edmar Peron, novo presidente da Comissão para a Liturgia convida a todos os interessados a participarem do encontro. “Sua participação é indispensável para favorecer e enriquecer a troca de experiências, estudos, aprofundamentos, atualizações e outros encaminhamentos que estes momentos proporcionam”, assegura.

As inscrições estão abertas e podem ser feitas entre os dias 01º e 30 de junho, através do link: servico.cnbb.org.br/evento/inscricao. O interessado deverá pagar uma taxa de participação e o valor referente às diárias onde ficará hospedado, mesmo lugar onde o encontro será realizado.

O padre Leonardo Pinheiro, assessor da Comissão para a Liturgia da CNBB é o responsável pela organização. Mais informações em: (61) 2103-8300 ou (32) 98426-4826. “Contamos com a sua tão importante presença”, finaliza dom Edmar Peron.

Confira a carta-convite do encontro:

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL
Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia SE/Sul Quadra 801 Conj. B / CEP 70200-014 -Brasília -DF –Brasil
Fone:(61) 2103 8300 / 2103 8200 / 98173 5967 / 98173 5958e-mail: liturgia@cnbb.org.brSite: cnbb.org.br

Brasília, 22 de maio de 2019 LIT–Nº.0212/19

Prezados Irmãos e Irmãs, Responsáveis por Folhetos e Subsídios Litúrgicos: graça e paz lhes sejam concedidas em abundância!

Sou Edmar Peron, Bispo da Diocese de Paranaguá (PR), eleito na última Assembleia Geral do episcopado brasileiro para presidir a Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da CNBB, sucedendo o querido irmão Dom Armando Bucciol, que realizou um rico serviço à Igreja do Brasil à frente da mesma Comissão, durante oito anos.

Escrevo-lhes para saudá-los cordialmente e, ao mesmo tempo,convidá-los a participaremdo Encontro de Editores (as) Responsáveis por Folhetos e Subsídios Litúrgicos, promovido anualmente pela já mencionada Comissão da CNBB. Sua participação é indispensávelpara favorecer e enriquecer a troca de experiências, estudos, aprofundamentos, atualizações e outros encaminhamentos que estes momentos possibilitam.

Como foi combinado no encontro do ano passado, ocorrido em Vitória –ES, este ano nossas atividades acontecerão na cidade de São Paulo –SP. Contando com sua preciosa participação, pedimos que confirme sua inscrição, seguindo as indicações abaixo:

Data: 30 de julho a 01 de agosto de 2019(iniciando com o almoço às 12hs do dia 30 e encerramento com o almoço do dia 01).

Local: Centro de Formação Sagrada Família.Rua Padre Marchetti, 237, Ipiranga – São Paulo-SP, tel.: (11) 2271-0070.
centrosagradafamilia.com.br

Diárias e taxas a serem pagas ao Centro de Formação Sagrada Família. O valor total das diárias será de R$ 350,00 por pessoa,incluindo:café da manhã e lanches, almoço e jantar, hospedagem com uso de roupa de cama e de banho. Trata-se, portanto, de duas diárias que serão acertadas diretamente com a casa de encontro no dia de chegada ao evento. Além desse valor, está prevista ainda uma taxa de R$ 600,00 pelo uso de sala multimídia, a qual será rateada entre os participantes do encontro.

Taxa de Inscrição e participação: R$ 30,00 (trinta reais). Esse valor deverá ser pago através de boleto bancário gerado no momento da inscrição no link abaixo.

Inscrições: solicitamos que façam antecipadamente sua inscrição, entre os dias 01 e 30 de junho, através do link: servico.cnbb.org.br/evento/inscricao

Nossa proposta central será o estudo do tão esperado Documento 108 da CNBB “Ministério e Celebração da Palavra”, à luz das novas Diretrizes para Ação Evangelizadora da  CNBB (2019-2023).

Peço-lhes que adquiram antecipadamente o referido documento através das Edições CNBB. O responsável pelo encontro será o Padre Leonardo José de Souza Pinheiro, assessor nacional da Comissão Episcopal para Liturgia da CNBB.

Contato: (61) 2103-8300 ou (32) 98426-4826. Desde já, agradecidos, contamos com sua tão importante presença.

Dom Edmar Peron
Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia

CNBB / Portal Kairós

27 de janeiro: 3º Domingo do Tempo Comum

O ESPÍRITO DO SENHOR ESTÁ SOBRE NÓS

Jesus foi ungido pelo Pai para anunciar o evangelho da vida e da salvação. Esta liturgia nos ajude a tomar consciência de que também nós, no batismo, fomos consagrados pelo Espírito para sermos continuadores da missão de Jesus. A exemplo dele, somos chamados a promover no mundo a justiça, a paz e a libertação dos males que afligem nossos irmãos e irmãs. Recordemos que se encerra no dia 27/01/2019, no Panamá, a Jornada Mundial da Juventude.

LIÇÃO DE VIDA
Jesus deseja que todos o ajudemos a anunciar o seu amor e a construir um mundo de justiça, fraternidade e paz.

Lucas inicia seu evangelho manifestando o desejo de também deixar por escrito os acontecimentos relacionados a Jesus de Nazaré. Ele dedica a obra a Teófilo, nome que significa “amigo de Deus”. Portanto, essa obra é também destinada a todos aqueles que se consideram amigos de Deus.

A seguir, apresenta Jesus entrando e ensinando nas sinagogas, particularmente na da vila onde se criou. É aí em Nazaré, região da Galileia, que o Senhor inicia sua missão: anunciar uma boa notícia aos pobres, a liberdade aos cativos e oprimidos, recuperar a vista aos cegos, proclamar o
tempo da graça. O Mestre estabeleceu para si verdadeiro programa de vida.

A Palavra de Deus não é palavra morta. Cada página do evangelho traz uma palavra viva, que deve se realizar no hoje da história. Na vida de Jesus está a vida de cada um de seus seguidores. E na missão dele está também a missão de todo batizado.

Como, nos dias atuais, proclamar uma boa notícia aos pobres? Como fazer ressoar a mensagem libertadora do evangelho na vida de tantos presos, muitos dos quais submetidos a condições desumanas e, não raro, condenados por causa de um “pedaço de pão”, enquanto a maior parte dos grandes roubos continua impune? Como devolver a real visão dos fatos aos que vivem iludidos por ideologias divulgadas pelos grandes meios de comunicação e pelas redes sociais?

Ungido pelo Espírito, Jesus cumpriu a profecia de Isaías, restaurando a dignidade de todos aqueles nos quais esta foi lesada. Tal deve ser também nossa missão: restaurar a dignidade de todo ser humano, começando pelos pobres. A proposta de Jesus é libertar as pessoas de qualquer situação de opressão e miséria, promovendo integralmente a vida.

O cristão, ungido pelo Espírito, é alguém que não se conforma com a maldade, a esperteza oportunista, a violência e a injustiça reinantes na sociedade. Quem se acomoda diante de tanto sofrimento não entendeu ou não procura entender o que o Mestre viveu e ensinou. É possível ficarmos conformados quando, em nosso país, algumas poucas famílias têm, juntas,
uma fortuna equivalente à soma das riquezas de cem milhões de brasileiros? O Espírito do Senhor clama em nós!

Pe. Nilo Luza, ssp

20 de janeiro: 2º Domingo do Tempo Comum

“EIS AQUI A SERVA DO SENHOR”

A liturgia deste domingo nos convida a reconhecer a presença de Jesus em todos os momentos da nossa vida; e também a presença de Maria, que intercede por nós e nos convida a fazer o que Jesus nos pede: sermos no mundo sinais de alegria, esperança e salvação. Celebremos em comunhão com os participantes da Jornada Mundial da Juventude, que se inicia nesta semana no Panamá.

LIÇÃO DE VIDA
Maria, nossa mãe do céu, sempre intercede a seu Filho, Jesus, por nós, por nossas famílias, por nossa comunidade e especialmente pelos que passam por dificuldades.

Nesta semana, a juventude do mundo inteiro estará vivendo a Jornada Mundial da Juventude, no Panamá.

A milhões de jovens falta alegria, esperança, oportunidades: “Eles não têm mais vinho” (Jo 2,3). O encontro com Jesus muda a vida das pessoas, dos jovens: “‘Mestre, onde moras?’ ‘Vinde e vede.’ Foram e permaneceram com ele” (Jo 1,38-39).

O Sínodo dos Bispos teve como tema: “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”. O papa Francisco disse na abertura da reunião pré-sinodal, em Roma, no ano passado: “Os jovens devem ser levados a sério”. E disse mais: “Queridos jovens, o coração da Igreja é jovem precisamente porque o evangelho é como uma linfa vital que a regenera continuamente”.

Com Maria, queremos estar atentos às necessidades das juventudes, aos seus clamores, escutar suas angústias, seus desejos, suas críticas, suas ideias e alimentar seus sonhos e ideais. Lembrava são Bento: “Muitas vezes, é aos mais jovens que o Senhor revela a melhor solução”.

Com a jovem Maria, queremos dizer: “Eis aqui a serva do Senhor”. Um sim que faz a diferença, que nos move, que transforma nossa vida e nos dá coragem de empenhar nossas forças pela vida da juventude.

É preciso ter a ousadia de dizer: “Eles não têm mais vinho”. As juventudes não têm mais vinho. Na fé, confiando e contando com Deus, e no compromisso pessoal, em grupo e comunitário, abrindo espaços, dando oportunidades, “enchendo jarras”.

A JMJ 2019 quer ser esse lugar, espaço, oportunidade de encontro com Jesus, de reflexão, oração, consciência e decisão, recarregando as baterias e assumindo a missão de levar o vinho da alegria e da esperança a todas as juventudes.

Por isso, com Maria, queremos dizer: “Eis aqui a serva do Senhor”. Eis-me aqui! Estamos decididos. Envia-nos, Senhor!

“Queridos jovens, o Senhor, a Igreja, o mundo esperam também a vossa resposta à vocação única que cada um tem nesta vida!” (papa Francisco).

Vilsom Basso, scj
Bispo de Imperatriz-MA, presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da CNBB