Citações da sagrada escritura para trabalhar a CF 2020

Citações da sagrada escritura para trabalhar a CF 2020

Gn 1,2-15; 2,1-25: Criação do mundo e do homem.
Jó 42, 3: A criação está repleta de maravilhas que ultrapassa o conhecimento.
Dn 3, 57: A simples existência de cada ser é sinal da grandeza e convite a louvar a Deus.
Sl 8: Contemplar a grandeza das mãos de Deus.
Sl 23: A Ele pertence a terra e o que ela encerra.
Jó 5, 25; Sl 36,37; Gn 33,22: Somente Deus concede vida e posteridade.
Jó 2,4: Para salvar a vida, o homem dá tudo que tem.
Jo 15,13: Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a própria vida por seus amigos.
Sl 36,10: Pois em ti está a fonte da vida, e na tua luz veremos a luz.
Ez 18,23; Jr 21,8; Mt 7,13-14: O mandamento de Deus é caminho de vida.
Ecle 11,5: Deus é o autor soberano da vida.
Mt 22,37-39: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.
Hb 05,01-10: Acima de tudo Jesus continua fiel e obediente a vontade do Pai.
Ap 01,18: O Pai o liberta das consequências da morte.
Ap 21,04: Toda humanidade e a criação são chamados à participar desse mesmo processo de morte e ressureição.
1Cor 4,10: Trazemos em nós o sinal da vida e da morte de Cristo.
Rm 05,12-15: O inimigo pode destruir a vida nova em Cristo e a vida plena trazida por Cristo.
Mc 10,17-30: Somente Ele pode responder a pergunta do que se deve fazer para ganhar a vida eterna.
Lc 10,25-37: Proximidade e auxílio aos que sofrem.
At: Dimensão social do cuidado com os mais frágeis.
1Cor: Hino sobre a caridade.
Tg; 1Pd: O chamado a atenção dos mais frágeis que estão próximo.

Magistério

– Patrística: Ireneu de Leão “A glória de Deus é o homem vivo e a vida do homem é o olhar de Deus: A compreensão de Deus aprofunda a dignidade do homem.”
– Exemplos de vida de santos: São Maximiliano Kolbe, Madre Tereza de Calcutá, Irmã Dulce.
–  Carta Encíclica Evangelium Vitae – Papa João Paulo II

– Oração do Papa João Paulo II no final da Carta Encíclica Evangelium Vitae:

Ó Maria,
aurora do mundo novo,
Mãe dos viventes,
confiamo-Vos a causa da vida:
olhai, Mãe,
para o número sem fim
de crianças a quem é impedido nascer,
de pobres para quem se torna difícil viver,
de homens e mulheres
vítimas de inumana violência,
de idosos e doentes assassinados
pela indiferença
ou por uma presunta compaixão.
Fazei com que todos aqueles que crêem
no vosso Filho
saibam anunciar com desassombro e amor
aos homens do nosso tempo
o Evangelho da vida.
Alcançai-lhes a graça de o acolher
como um dom sempre novo,
a alegria de o celebrar com gratidão
em toda a sua existência,
e a coragem para o testemunhar
com laboriosa tenacidade,
para construírem,
juntamente com todos os homens
de boa vontade,
a civilização da verdade e do amor,
para louvor e glória de Deus Criador
e amante da vida igreja.

 

CNBB / Portal Kairós

Objetivos da Campanha da Fraternidade de 2020

A Campanha da Fraternidade tem hoje os seguintes objetivos permanentes

01 – Despertar o espírito comunitário e cristão no povo de Deus, comprometendo, em particular, os cristãos na busca do bem comum;
02 – Educar para a vida em fraternidade, a partir da justiça e do amor, exigência central do Evangelho;
03 – Renovar a consciência da responsabilidade de todos pela ação da Igreja na evangelização, na promoção humana, em vista de uma sociedade justa e solidária (todos devem evangelizar e todos devem sustentar a ação evangelizadora e libertadora da Igreja).

A coleta da Campanha realizada como um dos gestos concretos de conversão quaresmal tem realizado um bem imenso no cuidado para com os pobres.

Ao percorrermos o itinerário da Campanha que nossos irmãos nos prepararam, possamos continuar seguindo Cristo, caminho, verdade e vida (Cf. Jo 14,6).

Objetivos da Campanha da Fraternidade de 2020

CAMPANHA DA FRATERNIDADE 2020
Tema: Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso
Lema: “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (cf. Lc 10,33-34,8)

Objetivo Geral

Despertar para o sentido da vida como dom e compromisso, recriando relações fecundas
na família, na comunidade e na sociedade, à luz da palavra de Deus.

Objetivos específicos

01 – Apresentar o sentido da vida proposta por Jesus nos Evangelhos;
02 – Despertar as famílias para a beleza do amor que gera continuamente vida nova;
03 – Preparar os cristãos e as comunidades para anunciarem a vida plena, a vida do Reino;
04 – Criar espaços nas comunidades para que todos se sintam parte da vida recebida no batismo e o dom do Espírito Santo na Crisma;
05 – Despertar os jovens para o dom e beleza da vida;
06 – Propor a ética como fundamento das relações sociais;
07 – Suscitar cristãos católicos comprometidos como testemunho concreto da fé

 

CNBB / Portal Kairós

Lançado o concurso da letra do hino da CF 2020

Na sexta-feira, 07 de junho de 2019, a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) lançou o edital para o concurso da letra do hino da CF 2020 (Campanha da Fraternidade 2020). Por decisão dos bispos do Conselho Episcopal de Pastoral, o Consep, o concurso será realizado em dois editais: um para a letra do hino, e outro, posteriormente, em data ainda não definida, para a música.

Com o tema “Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso” e o lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (cf. Lc 10,33-34), a Campanha da Fraternidade 2020 tem como objetivo despertar para o sentido da vida como dom e compromisso, recriando relações fecundas na família, na comunidade e na sociedade, à luz da palavra de Deus.

Neste sentido, o edital para a letra do hino da CF 2020 traz algumas características que devem ser observadas pelos compositores. A letra do hino deverá traduzir em linguagem poética os conteúdos do tema, lema, objetivos evitando explicitações desnecessárias, moralismos ou chavões. Além disso, deve buscar inspiração na Sagrada Escritura e no Magistério da Igreja.

A força do texto deverá reavivar a esperança, a criatividade, o compromisso cristão. O compositor deve observar também o uso do emprego da função da linguagem mais adequada ao momento litúrgico: evocativa, exortativa, invocativa, narrativo-descritiva, experiencial, penitencial, informativa, laudativa, votiva, reflexivo-meditativa.

Em relação aos critérios para a análise da qualidade literária do texto, tratando-se de forma poética, serão observados em especial, o emprego da função da linguagem mais adequada ao momento litúrgico: evocativa, exortativa, invocativa, narrativo-descritiva, experiencial, penitencial, informativa, laudativa, votiva, reflexivo-meditativa.  As qualidades do estilo, em especial quanto aos princípios a correção, da originalidade e da harmonia também serão levados em consideração.

O prazo

As composições deverão ser enviadas à CNBB até o dia 21 de junho de 2019, VIA SEDEX, trazendo apenas o pseudônimo (nome de fantasia) do (a) autor (a), no remetente. Dentro da correspondência, em um envelope fechado, deve ter o nome verdadeiro do (a) compositor (a), junto com o termo de Cessão de Direitos Autorais (Cf. ANEXO I), preenchido e assinado, no endereço mencionado no edital.

Baixe o edital completo

Confira abaixo o edital

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL
CONCURSO PARA A LETRA DO HINO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE – 2020

Brasília-DF, 06 de junho de 2019 – LIT – C-N°.0231/19

Prezado(a) compositor(a),
Com alegria e expectativa, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, está lançando o Concurso para a Letra do Hino da Campanha da Fraternidade de 2020. Por decisão dos bispos do Conselho Episcopal de Pastoral (CONSEP), o concurso será realizado em dois editais: um para a letra do Hino, e outro, posteriormente, em data ainda não definida, para a música.

Tema e lema da CF 2020
Tema: Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso
Lema:“Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (cf. Lc 10,33-34)

01 – Características da letra do hino

– Traduza em linguagem poética os conteúdos do tema, lema, objetivos (conferir ANEXO II) evitando explicitações desnecessárias, moralismos ou chavões;

– Buscar inspiração em: Sagrada Escritura e Magistério da Igreja, conforme Anexo II;

– Apresente um caráter convocativo: Os fiéis serão convocados para a adesão ao que se propõe a Campanha da Fraternidade. É Deus quem convoca sua Igreja, seu povo, para este engajamento concreto da fé;

– Um embasamento bíblico: A referência bíblica é fundamental, pois ela orienta a vida e a história do povo, e confere sólidos fundamentos para o texto poético;

– A coerência entre fé e vida: Contemplar a unidade fundamental entre fé e vida, evitando intimismos ou sentimentalismos exagerados;

– A esperança de um mundo novo, “um novo céu e uma nova terra … ” (cf. Ap 21,1-7). A força do texto deverá reavivar a esperança, a criatividade, o compromisso cristão. Uma mensagem que ajudará o povo de Deus a pôr-se em marcha;

– Tenha em todas as estrofes o mesmo número de sílabas e de acentos, ou seja, uma métrica regular e fluente;

– Tenha alguma forma de rima, embora possam ser usados versos livres. Contudo, a rima, quando bem utilizada, facilita a execução e a memorização do canto.

02 – Critérios para a análise da qualidade literária do texto

Tratando-se de forma poética, serão observados, em especial, os seguintes critérios:

– Emprego da função da linguagem mais adequada ao momento litúrgico: evocativa, exortativa, invocativa, narrativo-descritiva, experiencial, penitencial, informativa, laudativa, votiva, reflexivo-meditativa.

– As qualidades do estilo, em especial quanto aos princípios da correção, da originalidade e da harmonia

– Expressividade poética mediante o emprego pertinente de figuras de linguagem (a exemplo de textos bíblicos poéticos, observar o melhor emprego de metáforas e comparações);

– O desenvolvimento do texto quanto ao ordenamento das ideias. (início, meio e fim);

– Recomenda-se a leitura do subsídio técnico: “Canto e música litúrgica pós Concílio Vaticano II: Princípios teológicos, litúrgicos, pastorais e estéticos”.

03 – Prazo

As composições deverão ser enviadas à CNBB até o dia 21 de junho de 2019, VIA SEDEX, trazendo apenas o pseudônimo (nome de fantasia) do(a) autor(a), no remetente.

Dentro da correspondência, num envelope fechado, estejam o nome verdadeiro do(a) compositor(a), junto com o termo de Cessão de Direitos Autorais (Cf. ANEXO I), preenchido e assinado, para o seguinte endereço:

CNBB (Setor Música Litúrgica) SE/Sul, Q. 801, Conj. “B” 70200-014 -BRASÍLIA -DF

Dom Joel Portella Amado
Bispo Auxiliar de São Sebastião do Rio de Janeiro -RJ
Secretário-Geral da CNBB

Dom Edmar Peron
Bispo de Paranaguá –PR
Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia

Ir. Fernando Benedito Vieira, SJ
Assessor da CNBB para Música Litúrgica

 

CNBB / Portal Kairós

Abertas inscrições para o encontro dos editores de folhetos de missa

Editores de Folhetos e Subsídios Litúrgicos

O próximo encontro dos Editores de Folhetos e Subsídios Litúrgicos acontecerá na cidade de São Paulo de 30 de julho a 01º de agosto, no Centro de Formação Sagrada Família. O evento é uma iniciativa da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia e recebe editores de todo o Brasil.

Este ano, a proposta central do encontro gira em torno do Documento 108 da CNBB, intitulado “Ministério e Celebração da Palavra”, à luz das novas Diretrizes para Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, aprovadas durante a última Assembleia Geral da entidade.

Dom Edmar Peron, novo presidente da Comissão para a Liturgia convida a todos os interessados a participarem do encontro. “Sua participação é indispensável para favorecer e enriquecer a troca de experiências, estudos, aprofundamentos, atualizações e outros encaminhamentos que estes momentos proporcionam”, assegura.

As inscrições estão abertas e podem ser feitas entre os dias 01º e 30 de junho, através do link: servico.cnbb.org.br/evento/inscricao. O interessado deverá pagar uma taxa de participação e o valor referente às diárias onde ficará hospedado, mesmo lugar onde o encontro será realizado.

O padre Leonardo Pinheiro, assessor da Comissão para a Liturgia da CNBB é o responsável pela organização. Mais informações em: (61) 2103-8300 ou (32) 98426-4826. “Contamos com a sua tão importante presença”, finaliza dom Edmar Peron.

Confira a carta-convite do encontro:

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL
Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia SE/Sul Quadra 801 Conj. B / CEP 70200-014 -Brasília -DF –Brasil
Fone:(61) 2103 8300 / 2103 8200 / 98173 5967 / 98173 5958e-mail: liturgia@cnbb.org.brSite: cnbb.org.br

Brasília, 22 de maio de 2019 LIT–Nº.0212/19

Prezados Irmãos e Irmãs, Responsáveis por Folhetos e Subsídios Litúrgicos: graça e paz lhes sejam concedidas em abundância!

Sou Edmar Peron, Bispo da Diocese de Paranaguá (PR), eleito na última Assembleia Geral do episcopado brasileiro para presidir a Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da CNBB, sucedendo o querido irmão Dom Armando Bucciol, que realizou um rico serviço à Igreja do Brasil à frente da mesma Comissão, durante oito anos.

Escrevo-lhes para saudá-los cordialmente e, ao mesmo tempo,convidá-los a participaremdo Encontro de Editores (as) Responsáveis por Folhetos e Subsídios Litúrgicos, promovido anualmente pela já mencionada Comissão da CNBB. Sua participação é indispensávelpara favorecer e enriquecer a troca de experiências, estudos, aprofundamentos, atualizações e outros encaminhamentos que estes momentos possibilitam.

Como foi combinado no encontro do ano passado, ocorrido em Vitória –ES, este ano nossas atividades acontecerão na cidade de São Paulo –SP. Contando com sua preciosa participação, pedimos que confirme sua inscrição, seguindo as indicações abaixo:

Data: 30 de julho a 01 de agosto de 2019(iniciando com o almoço às 12hs do dia 30 e encerramento com o almoço do dia 01).

Local: Centro de Formação Sagrada Família.Rua Padre Marchetti, 237, Ipiranga – São Paulo-SP, tel.: (11) 2271-0070.
centrosagradafamilia.com.br

Diárias e taxas a serem pagas ao Centro de Formação Sagrada Família. O valor total das diárias será de R$ 350,00 por pessoa,incluindo:café da manhã e lanches, almoço e jantar, hospedagem com uso de roupa de cama e de banho. Trata-se, portanto, de duas diárias que serão acertadas diretamente com a casa de encontro no dia de chegada ao evento. Além desse valor, está prevista ainda uma taxa de R$ 600,00 pelo uso de sala multimídia, a qual será rateada entre os participantes do encontro.

Taxa de Inscrição e participação: R$ 30,00 (trinta reais). Esse valor deverá ser pago através de boleto bancário gerado no momento da inscrição no link abaixo.

Inscrições: solicitamos que façam antecipadamente sua inscrição, entre os dias 01 e 30 de junho, através do link: servico.cnbb.org.br/evento/inscricao

Nossa proposta central será o estudo do tão esperado Documento 108 da CNBB “Ministério e Celebração da Palavra”, à luz das novas Diretrizes para Ação Evangelizadora da  CNBB (2019-2023).

Peço-lhes que adquiram antecipadamente o referido documento através das Edições CNBB. O responsável pelo encontro será o Padre Leonardo José de Souza Pinheiro, assessor nacional da Comissão Episcopal para Liturgia da CNBB.

Contato: (61) 2103-8300 ou (32) 98426-4826. Desde já, agradecidos, contamos com sua tão importante presença.

 

Dom Edmar Peron
Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia

CNBB

CF 2019: Mensagem do Papa Francisco ao povo brasileiro

Papa: “Os cristãos devem buscar uma participação mais ativa na sociedade como forma concreta de amor ao próximo, que permita a construção de uma cultura fraterna baseada no direito e na justiça”

Como já é tradição, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) abre oficialmente nesta quarta-feira de Cinzas, (06/03), a Campanha da Fraternidade (CF). Neste ano de 2019 o tema é “Fraternidade e Políticas Públicas” e o lema “Serás libertado pelo direito e pela justiça” (Is 1,27).

Nesta Campanha, que se desenvolve mais intensamente no período da Quaresma, a Igreja Católica busca chamar a atenção dos cristãos para o tema das políticas públicas, ações e programas desenvolvidos pelo Estado para garantir e colocar em prática direitos que são previstos na Constituição Federal e em outras leis.

Igreja quer estimular a participação em políticas públicas

Nesta CF 2019, a Igreja no Brasil pretende estimular a participação dos cristãos em políticas públicas, à luz da Palavra de Deus e da Doutrina Social da Igreja para fortalecer a cidadania e o bem comum, sinais da fraternidade. O texto-base da campanha descreve, entre outros tópicos, sobre o ciclo e etapas de uma política pública e faz a distinção entre as políticas de governo e as políticas de Estado, bem como apresenta os canais de participação social, como os conselhos previstos na Constituição Federal de 1988.

Todos os anos, a CNBB apresenta a CF como caminho de conversão quaresmal. É uma atividade ampla de evangelização que pretende ajudar os cristãos e pessoas de boa vontade a vivenciarem a fraternidade em compromissos concretos, provocando, ao mesmo tempo, a renovação da vida da Igreja e a transformação da sociedade, a partir de temas específicos. Em 2019, a Conferência convida todos a percorrer o caminho da participação na formulação, avaliação e controle social das políticas públicas em todos os níveis como forma de melhorar a qualidade dos serviços prestados ao povo brasileiro.

Mensagem do Papa Francisco

O Papa Francisco também este ano enviou uma mensagem por ocasião da abertura da Campanha da Fraternidade. Eis a íntegra da mensagem do Santo Padre:

Queridos irmãos e irmãs do Brasil!

“Com o início da Quaresma, somos convidados a preparar-nos, através das práticas penitenciais do jejum, da esmola e da oração, para a celebração da vitória do Senhor Jesus sobre o pecado e a morte. Para inspirar, iluminar e integrar tais práticas como componentes de um caminho pessoal e comunitário em direção à Páscoa de Cristo, a Campanha da Fraternidade propõe aos cristãos brasileiros o horizonte das “políticas públicas”.

Muito embora aquilo que se entende por política pública seja primordialmente uma responsabilidade do Estado cuja finalidade é garantir o bem comum dos cidadãos, todas as pessoas e instituições devem se sentir protagonistas das iniciativas e ações que promovam «o conjunto das condições de vida social que permitem aos indivíduos, famílias e associações alcançar mais plena e facilmente a própria perfeição» (Gaudium et spes, 74).

Cientes disso, os cristãos – inspirados pelo lema desta Campanha da Fraternidade «Serás libertado pelo direito e pela justiça» (Is 1,28) e seguindo o exemplo do divino Mestre que “não veio para ser servido, mas para servir” (Mt 20,28) – devem buscar uma participação mais ativa na sociedade como forma concreta de amor ao próximo, que permita a construção de uma cultura fraterna baseada no direito e na justiça. De fato, como lembra o Documento de Aparecida, «são os leigos de nosso continente, conscientes de sua chamada à santidade em virtude de sua vocação batismal, os que têm de atuar à maneira de um fermento na massa para construir uma cidade temporal que esteja de acordo com o projeto de Deus» (n. 505).

De modo especial, àqueles que se dedicam formalmente à política – à que os Pontífices, a partir de Pio XII, se referiram como uma «nobre forma de caridade» (cf. Papa Francisco, Mensagem ao Congresso organizado pela CAL-CELAM, 1/XII/2017) – requer-se que vivam «com paixão o seu serviço aos povos, vibrando com as fibras íntimas do seu etos e da sua cultura, solidários com os seus sofrimentos e esperanças; políticos que anteponham o bem comum aos seus interesses privados, que não se deixem intimidar pelos grandes poderes financeiros e mediáticos, sendo competentes e pacientes face a problemas complexos, sendo abertos a ouvir e a aprender no diálogo democrático, conjugando a busca da justiça com a misericórdia e a reconciliação» (ibid.).

Refletindo e rezando as políticas públicas com a graça do Espírito Santo, faço votos, queridos irmãos e irmãs, que o caminho quaresmal deste ano, à luz das propostas da Campanha da Fraternidade, ajude todos os cristãos a terem os olhos e o coração abertos para que possam ver nos irmãos mais necessitados a “carne de Cristo” que espera «ser reconhecido, tocado e assistido cuidadosamente por nós» (Bula Misericórdia vultus, 15). Assim a força renovadora e transformadora da Ressurreição poderá alcançar a todos fazendo do Brasil uma nação mais fraterna e justa. E para lhes confirmar nesses propósitos, confiados na intercessão de Nossa Senhora Aparecida, de coração envio a todos e cada um a Bênção Apostólica, pedindo que nunca deixem de rezar por mim.”

Vaticano, 11 de fevereiro de 2019.

[Franciscus PP.]

 

Vatican News / Portal Kairós