CNBB publica edital da letra do Hino da CF 2023

Edital letra Hino 2023

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) deu início ao processo de escolha do hino da próxima Campanha da Fraternidade (CF 2023). Foi publicado nesta terça-feira, 17 de maio de 2022, o edital para escolha da letra do hino da CF 2023, cujo tema é “Fraternidade e fome” e o lema “Dai-lhes vós mesmos de comer”.

Por decisão dos bispos do Conselho Episcopal Pastoral (Consep), o concurso será realizado em dois editais: um para a letra do Hino, e outro, posteriormente, em data ainda não definida, para a música.

O edital estabelece características que a letra deve conter, bem como os critérios que serão utilizados para a análise da qualidade literária do texto.

Entre as características desejadas está a tradução “em linguagem poética” dos conteúdos do tema, lema e objetivos da CF 2023, “evitando explicitações desnecessárias, moralismos ou chavões”.

O texto também deve ter inspiração na Sagrada Escritura e no Magistério da Igreja. São indicadas algumas citações bíblicas que podem iluminar os compositores na elaboração do texto. Outra característica desejada é que a obra apresente “um caráter convocativo”, uma vez que os fiéis serão convocados para a adesão ao que se propõe a Campanha da Fraternidade.

Sobre os critérios, serão analisados, por exemplo, o emprego da função da linguagem mais adequada ao momento litúrgico; as qualidades do estilo e a expressividade poética.

As composições deverão ser enviadas à CNBB até o dia 20 de junho de 2022, conforme as orientações contidas no edital (baixe aqui).

Como criar a Letra para um Hino da Campanha da Fraternidade?

Há algumas habilidades que são imperativas para a construção de um texto poético, principalmente quando ele tem a tarefa de ser um hino para uma campanha que repercute na Igreja em nível nacional. Essa poesia ultrapassa as barreiras do além-templo e se coloca à disposição da reflexão junto a outros textos produzidos e publicados no Manual da Campanha da Fraternidade.

Os poetas devem ter grande habilidade com as palavras, pois o sentido das palavras postas de maneira harmônica e num contexto poético surte grande efeito especialmente na composição de um hino.

Os hinos nascem no mundo cívico e os cristãos e cristãs viram nele uma força de persuasão que logo criaram para seus cultos muitos hinos. O hino tem por função inserir o indivíduo numa sociedade em que o comunitário se destaca, por isso possui uma força de condução, de motivação, de adesão, de engajamento. Desperta no indivíduo uma moção tal que o coloca em prontidão, uma atitude comum. Muitos grupos possuem seus hinos próprios: times de futebol, militares, associações, países e nações.

Quais são as ferramentas para a composição de um hino? Ora, para compor um hino não é só necessário talento, mas também uma dose de inspiração, aproveitar as crises para o nascimento do novo, mergulho nas leituras, frequentar as palavras, usá-las de modo harmonioso e adequado ao público ao qual se quer atingir, dar cor às metáforas e figuras de linguagem, evitar as cacofonias e longas explicações teóricas. Com esses ingredientes, atrelados a um razoável conhecimento da língua nacional (gramática), fluidez das ideias e a composição das imagens sugeridas e as sugestões de textos Bíblicos, fica lançado o desafio.

 

CNBB / Portal Kairós

Reflexão e sugestão para o 6º Domingo da Páscoa 2022 – Ano C

Para o dia: 22/05/2022

6º Domingo da Páscoa 2022 – Ano C

At 15,1-2.22-29; Sl 66; Ap 21,10-14.22-23; Jo 14,23-29

6º Domingo da Páscoa 2022 - Ano C

Faliraki, Rodes, Grécia – 23 de setembro de 2021, pequena capela cristã de St Apostolos no porto de Faliraki.

Caminhando para o final do Tempo da Páscoa, acompanhamos Jesus em seus discursos de despedida, carregados de amor e de misericórdia. Neles, Ele “conversa” com o Pai sobre os continuadores de sua missão, os Apóstolos.

Neste domingo, sobressai a promessa de Jesus de estar junto na caminhada dos Apóstolos, no itinerário da História da Salvação. É formidável saber que o Senhor não nos abandona e que caminha conosco. Ele é amigo verdadeiro, pois não nos desampara em nenhum momento. O Ressuscitado está sempre a nosso lado.

O Evangelho nos deixa claro o desejo de Jesus: estar em comunhão com os Apóstolos, que também deverão estar em comunhão com Jesus. Ele dará a assistência do Paráclito, o Advogado de junto do Pai: o Espírito Santo, que é vida sempre e em abundância.

Novena de Pentecostes 2022

Leia mais

Qual o lema da Campanha da Fraternidade 2023?

Lema da Campanha da Fraternidade 2023

O lema da Campanha da Fraternidade 2023

Lema da CF 2023: “Dai-lhes vós mesmos de comer” (Mt 14,16). Esta realidade jamais passaria despercebida para Jesus e jamais deveria passar despercebida aos seus discípulos. O coração do pastor não pode ser indiferente à fome da multidão que o acompanha. Ele – compassivo – sofre com ela, mas não passivamente. Jesus mobiliza seus discípulos e, pedagogicamente, os desafia a encontrar uma solução, que não passa prioritariamente pela lógica do dinheiro, mas pela lógica da partilha. A sensibilidade profética que age para suprir as necessidades do outro é o fundamento da ação ensinada por Jesus. Mas quem age com passividade diante da fome constatada une sua voz à de Caim: “Acaso sou o guarda do meu irmão?” (Gn 4,9).

O texto que ilumina a CF-2023 é Mt 14,13-21. E mais especificamente a ordem de Jesus aos seus discípulos, portanto a nós: “Dai-lhes vós mesmos de comer” (Mt 14,16).

Esta narrativa, como outras em Mateus, apresenta uma clara referência a textos do Antigo Testamento, sem deixar de lhes impor um novo significado a partir de Jesus. Ela faz uma sutil referência à conhecida narrativa do deserto, em que o povo é alimentado pelo próprio Deus com o Maná (Ex 16). Como novo Moisés, Jesus se mostra à multidão como aquele que, nos desertos mais terríveis, pode prover o sustento mesmo diante da aparente impossibilidade. Deus continua a alimentar seus filhos e o faz não mais com o Maná que cai dos céus, mas por intermédio da responsabilidade fraterna daqueles que se fazem discípulos. Assim como João, que associa à Eucaristia o serviço aos irmãos – o que ele representa no gesto do lava-pés e no mandamento do amor – Mateus associa à Eucaristia a responsabilidade pela necessidade do outro. De fato, a fraternidade cristã se alcança com profecia e compaixão. A comunhão no Corpo e no Sangue do Senhor nos faz viver de acordo com seus paradigmas, faz nossas as suas prioridades. Não participa efetivamente da comunhão que a Eucaristia constrói aquele que não está disposto a assumir para si a compaixão com a qual Jesus se comprometeu ou a entrega de si que Ele realizou, ou mesmo a profecia que Ele assumiu, na radicalidade de suas palavras e de sua indignação diante da injustiça. Leia mais

Qual o tema da Campanha da Fraternidade 2023?

Tema da Campanha da Fraternidade 2023

O tema da CF 2023: “Fraternidade e Fome”.

Pela terceira vez a fome é tratada pela Igreja no Brasil, na Campanha da Fraternidade. A primeira foi em 1975, com o tema ‘Fraternidade é repartir’ e o lema ‘Repartir o pão’, no clima do Ano Eucarístico que precedeu o Congresso Eucarístico Nacional de Manaus, que trazia o mesmo tema e lema e desejava intensificar a vivência da Eucaristia em nosso povo. A segunda foi em 1985, outro Ano Eucarístico, desta vez em preparação para o Congresso Eucarístico de Aparecida, com o lema ‘Pão para quem tem fome’. Agora, em 2023, logo depois do 18º Congresso Eucarístico Nacional, que se realizará em Recife, de 11 a 15 de novembro de 2022, sob o tema ‘Pão em todas as mesas’, a Igreja no Brasil enfrenta pela terceira vez o flagelo da fome. Com o lema que é uma ordem de Jesus aos seus discípulos: “Dai-lhes vós mesmos de comer” (Mt 14,16). É vocação, graça e missão da Igreja responder ao chamado e cumprir a ordem de Jesus, afirmamos no contexto do 3º Ano Vocacional que viveremos a partir de novembro deste ano.

Tema da Campanha da Fraternidade 2023

A fome é um instinto natural de sobrevivência presente em todos os seres vivos. Contudo, na sociedade humana, a fome é uma tragédia, um escândalo, é a negação da própria existência.

“Para a humanidade, a fome não é só uma tragédia, mas também uma vergonha. Em grande parte, é provocada por uma distribuição desigual dos frutos da terra, à qual se acrescentam a falta de investimentos no setor agrícola, as consequências das mudanças climáticas e o aumento dos conflitos em várias regiões do planeta. Por outro lado, se descartam toneladas de alimentos. Diante desta realidade, não podemos permanecer insensíveis ou paralisados. Somos todos responsáveis” (Papa Francisco, Mensagem do para os 75 anos da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura – FAO, Roma, 16 de outubro de 2020).

“O objetivo ‘Fome Zero’1 no mundo ainda é um grande desafio, mesmo se devemos reconhecer que nos últimos decênios assistimos a um grande progresso. Para combater a falta de alimentos e de acesso à água potável é necessário agir sobre as causas que a provocam. Na origem deste drama estão, sobretudo, a falta de compaixão, o desinteresse de muitos e uma escassa vontade social e política de responder às obrigações internacionais. A falta de alimentos e de água potável não é uma questão interna e exclusiva dos países mais pobres e frágeis, mas diz respeito a cada um de nós, porque todos, com a nossa atitude, participamos de um modo ou doutro, favorecendo ou impedindo o sofrimento de muitos irmãos nossos. Todos estamos chamados a ouvir o brado desesperado dos nossos irmãos e a adotar todas as medidas para que possam viver vendo respeitados os seus direitos mais elementares” (Papa Francisco, Discurso aos participantes na 41ª sessão da conferência da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura – FAO, Roma, 27 de junho de 2019). Leia mais

CNBB lança edital para identidade visual da CF-2023

Tema da CF 2023: “Fraternidade e Fome”
Lema da CF 2023: “Dai-lhes vós mesmos de comer” (Mt 14,16)

Visual da CF-2023

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou na sexta-feira, 6 de maio de 2022, o edital para a escolha da identidade visual da CF-2023 (o cartaz) cuja temática é “Fraternidade e Fome” e o lema “Dai-lhes vós mesmos de comer” (Mt 14,16).

O edital pretende oferecer elementos teóricos que ajudem na elaboração da arte além de estimular a criatividade dos artistas católicos. O número de participantes é ilimitado e cada candidato(a) poderá apresentar uma proposta de criação tanto individual como coletiva.

O assessor do Setor Campanhas da CNBB, padre Jean Poul, salientou a importância da identidade visual, destacando que “é o que dá a cara da Campanha da Fraternidade”.

“É importante que essa arte expresse a vontade de Jesus de que a fome que chega ao coração do Bom Pastor chegue às mãos dos seus discípulos e eles operem no combate à fome, pois é isso que nós queremos”, disse o padre.

Padre Jean Poul comentou, ainda, que o Brasil possui hoje milhões de famintos e “ao colocar essa questão na mesa, a Campanha da Fraternidade espera uma bonita imagem que dê cara a essa reflexão tão necessária no Brasil de hoje”.

Critérios para elaboração da identidade visual da CF-2023

Segundo o edital, o Cartaz 2023 deverá conter, além da arte, os dizeres do tema e lema, dando ênfase à passagem bíblica. A elaboração do cartaz deve primar pela técnica e criatividade, mas acima de tudo pela inspiração e meditação que o lema e o tema podem trazer.

A identidade visual  da CF-2023 também deverá conter uma mensagem clara, possível de ser lida e entendida a uma razoável distância. A ideia do Tema e do Lema deve ser facilmente assimilada pelo público nas imagens elaboradas. Além disso, deverá apresentar uma mensagem que chame a atenção criando um significado no interlocutor e não sobrecarregar demais o Cartaz (dizeres, imagens/desenhos…).

O candidato deverá, ainda, pensar uma arte viável para ser aplicada além do Cartaz, como por exemplo: adesivo, camiseta, bonés, mochilas.

Leia mais