20 de janeiro: 2º Domingo do Tempo Comum

“EIS AQUI A SERVA DO SENHOR”

A liturgia deste domingo nos convida a reconhecer a presença de Jesus em todos os momentos da nossa vida; e também a presença de Maria, que intercede por nós e nos convida a fazer o que Jesus nos pede: sermos no mundo sinais de alegria, esperança e salvação. Celebremos em comunhão com os participantes da Jornada Mundial da Juventude, que se inicia nesta semana no Panamá.

LIÇÃO DE VIDA
Maria, nossa mãe do céu, sempre intercede a seu Filho, Jesus, por nós, por nossas famílias, por nossa comunidade e especialmente pelos que passam por dificuldades.

Nesta semana, a juventude do mundo inteiro estará vivendo a Jornada Mundial da Juventude, no Panamá.

A milhões de jovens falta alegria, esperança, oportunidades: “Eles não têm mais vinho” (Jo 2,3). O encontro com Jesus muda a vida das pessoas, dos jovens: “‘Mestre, onde moras?’ ‘Vinde e vede.’ Foram e permaneceram com ele” (Jo 1,38-39).

O Sínodo dos Bispos teve como tema: “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”. O papa Francisco disse na abertura da reunião pré-sinodal, em Roma, no ano passado: “Os jovens devem ser levados a sério”. E disse mais: “Queridos jovens, o coração da Igreja é jovem precisamente porque o evangelho é como uma linfa vital que a regenera continuamente”.

Com Maria, queremos estar atentos às necessidades das juventudes, aos seus clamores, escutar suas angústias, seus desejos, suas críticas, suas ideias e alimentar seus sonhos e ideais. Lembrava são Bento: “Muitas vezes, é aos mais jovens que o Senhor revela a melhor solução”.

Com a jovem Maria, queremos dizer: “Eis aqui a serva do Senhor”. Um sim que faz a diferença, que nos move, que transforma nossa vida e nos dá coragem de empenhar nossas forças pela vida da juventude.

É preciso ter a ousadia de dizer: “Eles não têm mais vinho”. As juventudes não têm mais vinho. Na fé, confiando e contando com Deus, e no compromisso pessoal, em grupo e comunitário, abrindo espaços, dando oportunidades, “enchendo jarras”.

A JMJ 2019 quer ser esse lugar, espaço, oportunidade de encontro com Jesus, de reflexão, oração, consciência e decisão, recarregando as baterias e assumindo a missão de levar o vinho da alegria e da esperança a todas as juventudes.

Por isso, com Maria, queremos dizer: “Eis aqui a serva do Senhor”. Eis-me aqui! Estamos decididos. Envia-nos, Senhor!

“Queridos jovens, o Senhor, a Igreja, o mundo esperam também a vossa resposta à vocação única que cada um tem nesta vida!” (papa Francisco).

 

Vilsom Basso, scj
Bispo de Imperatriz-MA, presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da CNBB

13 de janeiro: Batismo do Senhor

O BATISMO DE JESUS E O NOSSO BATISMO

“A festa do Batismo do Senhor, que hoje celebramos, nos recorda que todos somos filhos e filhas amados de Deus. O Pai do céu hoje nos chama a ouvir a sua voz e participar da missão de Jesus de anunciar ao mundo o amor, a fraternidade, a paz e a alegria da salvação”

LIÇÃO DE VIDA:
Pelo batismo nos tornamos todos irmãos e irmãs na fé, chamados a viver no amor a Deus e ao próximo.

Revestido do Espírito Santo e confirmado como Filho de Deus, Jesus inicia, de modo solene, a missão para a qual o Pai o enviou. No seu batismo, sentimos fortemente a presença da Santíssima Trindade: o Pai apresenta o Filho Jesus, e o Espírito Santo o consagra para a implantação do reino de Deus no mundo.

Ao juntar-se à multidão que João batizava, Jesus se mostra como aquele que assume os pecados da humanidade. Coloca-se no mesmo nível dos pecadores, os quais ele veio redimir e salvar. A esse respeito, o apóstolo Paulo escrevia aos coríntios: “Aquele que não conheceu pecado, por nós Deus o tratou como pecador, para que nós, por seu intermédio, fôssemos justos diante de Deus” (2Cor 5,21).

O batismo de Jesus é, na verdade, o grande momento da manifestação solidária da Santíssima Trindade. A voz do Pai celeste ecoa e esclarece: “Tu és o meu Filho amado, em ti ponho o meu benquerer”. Esse amor do Pai sustenta toda a vida de Jesus, incluindo a hora de sua morte na cruz: “Pai, em tuas mãos entrego meu espírito” (Lc 23,46). Quanto ao Espírito Santo, ele paira sobre Jesus, em forma corpórea de pomba, símbolo da criação (cf. Gn 1,2) e da nova criação (cf. Gn 8,8-12). Movido pelo Espírito de Deus, Jesus realiza nova criação. São Paulo afirma: “Se alguém está em Cristo, é nova criatura. As coisas antigas passaram…” (2Cor 5,17).

Pois bem, toda a realidade que envolve o batismo de Jesus é o que acontece quando uma pessoa é batizada em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Existe, porém, um perigo: que a catequese oferecida hoje a pais e padrinhos de batismo acentue aspectos secundários (roupa, horário, fotografia, certidão) e trate de modo superficial os aspectos fundamentais (implicações do batismo, compromissos com a Igreja).

O fato é que, a partir do batismo, passamos a pertencer à comunidade de Jesus Cristo. Nosso distintivo é a prática do amor a Deus e ao próximo. Assumimos responsabilidades com a Igreja e adquirimos o direito de participar da sua vida litúrgica e sacramental. Na qualidade de discípulos e discípulas de Jesus, decidimos caminhar no ritmo dele, observar o que ele nos ordena, certos de que ele é o único Caminho que nos leva ao Pai.

 

Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp

6 de janeiro: Epifania do Senhor

SOLENIDADE DA EPIFANIA

“Jesus é a manifestação de Deus ao mundo”

COMPROMISSO DE VIDA:
Vou me esforçar para demonstrar às pessoas com quem convivo o amor que tenho por elas.

O ano civil se inicia justamente na fase final do tempo do Natal, quando celebramos a Epifania e o Batismo do Senhor. Jesus manifesta-se ao mundo na visita dos sábios do Oriente, e, quando cumpre o rito do batismo no rio Jordão pelas mãos de João Batista, revela-se o Deus Trindade.

Que essas “epifanias” marquem nosso início de ano, para que o encontro com o Senhor transforme nossa vida, fazendo-a mudar de rumo. Temos certeza de que sempre haverá “uma luz em nosso caminho” para nos conduzir Àquele que é a Luz do mundo e que veio para iluminar a todos.

Somos chamados a refletir o rosto de Deus para os irmãos e irmãs. Assim como os sábios do Oriente voltaram para a sua terra iluminados pela verdadeira luz que é Cristo, também devemos resplandecer para os irmãos um brilho que não tem sua origem em nós, mas é obra do Senhor. E isso se manifesta por meio do nosso próprio testemunho cotidiano.

“Deus é vizinho, o seu Reino está próximo (cf. Mc 1,15): o Senhor não quer ser temido como um soberano poderoso e distante, não quer permanecer num trono celeste ou nos livros da história, mas gosta de mergulhar nas nossas vicissitudes de cada dia, para caminhar conosco” (papa Francisco, homilia na santa missa pelos 1.050 anos de batismo da Polônia).

Muitas vezes, somos estranhos para aqueles que moram perto de nós ou até dentro de nossa casa! Assim como Deus se fez vizinho a nós, aprendamos a ver no outro o nosso próximo. Conforta-nos saber que do pequeno e do anônimo Deus se serve com predileção. Em cada pequeno gesto fraterno, há uma epifania do amor de Deus.

Neste ano civil que se inicia, que possamos ser espelhos da luz divina de que o mundo de hoje tanto necessita, para que ela penetre as trevas do nosso tempo e nos aponte a esperança no futuro.

Estamos unidos aos jovens que se reúnem no Panamá, entre os dias 22 e 27 deste mês, para a Jornada Mundial da Juventude. Após termos celebrado, em outubro passado, o Sínodo dos Bispos sobre a juventude, agora o tema da “vocação e discernimento” se aprofunda com a resposta de Maria: “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua Palavra” (Lc 1,38). Que a luz do Senhor permeie, de modo muito especial, a nossa juventude neste novo ano e nos aponte a esperança para o futuro.

 

Orani João Tempesta, O. Cist.
Cardeal Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro

Feliz Ano Novo!

1º de janeiro: Maria, Mãe de Deus

IR AO ENCONTRO DO MENINO JESUS

O evangelho deste primeiro dia do ano, em que celebramos Maria, a Mãe de Deus, traz-nos a visita dos pastores ao menino Jesus, recém-nascido. Pessoas simples, os pastores eram desprezados pelo fato de não terem condições de cumprir as leis mosaicas.

Vão às pressas a Belém e encontram o menino Jesus deitado numa manjedoura, ao lado de Maria e José. Sim, eles têm pressa, pois os aguarda uma grande notícia. Estão curiosos para ver o que o anjo lhes anunciou. As boas notícias deveriam correr velozes! Entretanto, são as más notícias que costumam se espalhar mais rapidamente e sufocar as boas.

Quanto a Maria, discreta e silenciosa, guardava e meditava no coração o que ouvia falar do filho, o qual é o centro de todo o relato. Ela é imagem da comunidade que acolhe a palavra de Deus, a medita em seu coração e a vive no cotidiano da vida.

Além de serem os primeiros a receber a notícia e visitar o menino, os pastores são os primeiros a divulgar a boa-nova do nascimento do Messias. Seguindo o exemplo deles, corramos ao encontro do recém-nascido e proclamemos, ao longo de todo o ano, essa Boa-Nova aos quatro cantos do mundo.

Deixemos que essa movimentação positiva em torno do acontecimento contagie também a nossa vida, para podermos caminhar, durante o ano, com maior otimismo e esperança. Valorizemos, de forma realista, os pequenos gestos positivos, que são os fundamentos do reino de Deus.

Como o assombro pelo nascimento de Jesus passa de boca em boca, espalhemos essa boa notícia com nossas palavras, gestos e vivência. O anúncio alegre da chegada do recém-nascido suscite, também hoje, festa e alegria entre os pobres e humildes.

Neste dia mundial da paz, lembremos que ela é fruto da justiça (cf. Is 32,17). Enquanto não houver justiça na sociedade, dificilmente se viverá de forma serena e pacífica. Lembremos também que a violência não se combate com mais violência. A paz se constrói com atitudes pacíficas e tolerantes. Somos chamados a construir pontes, em vez de levantar muros.

 

Pe. Nilo Luza, ssp