Liturgia Diária – 25 Janeiro de 2021

JANEIRO

25 – SEGUNDA-FEIRA
CONVERSÃO DE SÃO PAULO
Branco/festa
At 22,3-16 ou At 9,1-22 • Sl 116(117) • Mc 16,15-18

Naquele tempo, Jesus se manifestou aos onze discípulos, 15e lhes disse: “Vão pelo
mundo todo, proclamem o Evangelho a toda criatura. 16Quem acreditar e for batizado,
será salvo. Quem não acreditar, será condenado. 17São estes os sinais que hão de
acompanhar os que tiverem acreditado: em meu nome expulsarão demônios; falarão
novas línguas; 18pegarão em serpentes; ainda que bebam algum veneno mortal, nenhum
mal sofrerão; imporão as mãos sobre os enfermos, e estes ficarão curados”.

Paulo vinha sendo preparado por Deus para ser uma grande força na compreensão e
expansão do cristianismo. Formado nas Sagradas Escrituras, nutria grande zelo pela
religião dos seus antepassados. Era tão aplicado na consolidação do judaísmo, que se
tornou feroz perseguidor dos cristãos. Foi com esse homem que Jesus teve encontro
histórico na estrada de Damasco. Paulo não viu Jesus, mas foi atingido por ofuscante luz,
enquanto uma voz lhe perguntava: “Por que me persegues?”. Uma pergunta espera
resposta, explicação, decisão. Paulo também indaga: “Quem és tu?”. “Eu sou Jesus”,
esclarece a voz. A partir desse diálogo, Paulo assume novo modo de vida (conversão) e
passa a dedicar-se sem reservas a Jesus Cristo. Por seu testemunho de vida e suas cartas,
sua palavra continua a ressoar no mundo inteiro.

Ó Jesus, divino Mestre, enviaste teus discípulos ao mundo todo, tornando-os portavozes dos teus ensinamentos e prometendo-lhes tua assistência até o final dos tempos.
Senhor, te bendizemos porque escolheste São Paulo, que se fez teu ardoroso seguidor, e
o constituíste como apóstolo das nações. Amém.10

 

 Nova Bíblia Pastoral / Portal Kairós

Liturgia Diária – 24 Janeiro de 2021

JANEIRO

24 – DOMINGO
3º DO TEMPO COMUM
DOMINGO DA PALAVRA DE DEUS
Verde/3ª semana do saltério
Jn 3,1-5.10 • Sl 24(25) • 1Cor 7,29-31 • Mc 1,14-20

14Depois que João foi preso, Jesus se dirigiu para a Galileia, pregando o Evangelho de
Deus. 15Ele dizia: “O tempo se cumpriu, e o Reino de Deus está perto. Arrependam-se e
acreditem no Evangelho”. 16Enquanto caminhava na beira do mar da Galileia, Jesus viu
Simão e André, o irmão de Simão. Eles estavam lançando a rede ao mar, porque eram
pescadores. 17Jesus lhes disse: “Venham após mim, e farei de vocês pescadores de
gente”. 18E, deixando as redes, eles imediatamente o seguiram. 19Caminhando um pouco
mais, viu Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João, que também estavam no barco,
consertando as redes. 20Jesus logo os chamou. E eles, abandonando o pai Zebedeu no
barco com os empregados, foram atrás de Jesus.

Até este ponto do Evangelho de Marcos, foi João Batista que ocupou o centro das
atenções. João, porém, ao ser preso, sai de cena e abre espaço para o ingresso do
Messias. Jesus surge consciente do que lhe compete realizar: implantar o Reino de Deus.
E, nas suas primeiras palavras, deixa entrever em que consiste buscar o Reino:
“Arrependam-se e acreditem no Evangelho”. Converter-se é abandonar o passado com
vista a assumir vida nova, tendo à frente uma referência indispensável e digna de total
confiança, Jesus. Quatro homens, em pleno exercício de sua profissão, são abordados por
Jesus e dele recebem uma desafiadora proposta: ser pescadores de gente para o Reino de
Deus. Trata-se de um projeto revolucionário, esperado durante séculos pelos
antepassados.

Ó Jesus, incansável pregador do Evangelho, caminhas entre pescadores de peixes,
convidando-os a ser pescadores de gente. Chamas Pedro e seu irmão, André; depois,
dois filhos de Zebedeu, Tiago e João. Exiges que deixem a profissão e a família, a fim de
ajudar-te na implantação do Reino. Amém.

 

 Nova Bíblia Pastoral / Portal Kairós

Liturgia Diária – 23 Janeiro de 2021

JANEIRO

23 – SÁBADO
Verde
Hb 9,2-3.11-14 / Sl 46(47) / Mc 3,20-21

Naquele tempo, 20Jesus foi para casa. E de novo a multidão se aglomerou, de modo que eles não conseguiam nem comer. 21Quando souberam disso, os parentes de Jesus foram detê-lo, porque diziam: “Ele ficou louco!”

Sombras ameaçadoras tiram a serenidade do missionário. Ao saber que Jesus “foi para casa”, podemos imaginar que pretendia descansar um pouco, antes de retomar a pregação e as obras. Não consegue, pois as multidões se aglomeram ao seu redor, de tal modo que não lhe sobra tempo nem para comer. Entretanto, Jesus não se indispõe contra o povo, mesmo ciente das energias que consome para atender tanta gente. O que realmente perturba o pregador do Reino são os que não compreendem o projeto de Deus que Jesus
veio realizar. Concretamente, aqui são seus parentes, que querem interromper sua missão. E o fazem com argumento impróprio e até ofensivo: considerá-lo louco é negar sua lucidez, anular suas palavras e, pior, exigir que o tirem de circulação.

Ó Jesus, fiel cumpridor da vontade do Pai, grandiosa é a obra que realizas em favor das multidões. São tantos atendimentos, que não te sobra tempo nem para comer. Entretanto, a missão acaba gerando e atraindo adversários, inclusive entre os próprios familiares. Lamentável constatação, mas real. Amém.

 

 Nova Bíblia Pastoral / Portal Kairós

Liturgia Diária – 22 Janeiro de 2021

JANEIRO

22 – SEXTA-FEIRA
SÃO VICENTE
Vermelho/memória facultativa
Hb 8,6-13  / Sl 84(85) / Mc 3,13-19

Naquele tempo, 13Jesus subiu ao monte e chamou a si os que quis, e esses foram para junto dele. 14E constituiu Doze, para que ficassem com ele, a fim de enviá-los a pregar, 15 e para que tivessem autoridade para expulsar demônios. 16E assim constituiu os Doze: a Simão deu o nome de Pedro; 17a Tiago, filho de Zebedeu, e a seu irmão João, deu o nome de Boanerges, que significa “Filhos do Trovão”; 18André, Filipe, Bartolomeu, Mateus e Tomé; Tiago, filho de Alfeu, e Tadeu; Simão, o zelota, 19e Judas Iscariotes, aquele que o entregou.

Já em plena missão, Jesus observa o imenso volume de trabalho. Mais do que auxiliares imediatos, Jesus quer junto a si um grupo de doze discípulos, aos quais dá o nome de apóstolos e que, doravante, serão seus companheiros inseparáveis. Receberão os ensinamentos do Mestre em duas modalidades: teoria e prática. Por um lado, o Mestre abrirá para eles um horizonte novo, revelando-lhes que ele, Jesus, é o Filho amado do Pai, cujos planos veio realizar; ao mesmo tempo, fincará os fundamentos do Reino de Deus. Por outro lado, os apóstolos serão testemunhas oculares das boas obras com que Jesus beneficia o povo. Tudo o que estão aprendendo nesta nova escola eles não guardarão para si, mas deverão comunicar aos outros, quando forem enviados. Para isso, Jesus lhes dá poder.

Ó Jesus, enviado do Pai, chamas os que queres para serem teus apóstolos. De origens e culturas diferentes, eles frequentarão tua escola, em que vão conhecer e viver a novidade do Reino de Deus. Depois, darão continuidade à tua obra libertadora. Aumenta, Senhor, o número dos teus eleitos. Amém.

 

 Nova Bíblia Pastoral / Portal Kairós

Liturgia Diária – 21 Janeiro de 2021

JANEIRO

21 – QUINTA-FEIRA
SANTA INÊS
Vermelho/memória
Hb 7,25-8,6 / Sl 39(40) / Mc 3,7-12

Naquele tempo, 7Jesus se retirou com seus discípulos para a beira do mar. E uma grande multidão vinda da Galileia o seguiu. E da Judeia, 8de Jerusalém, da Idumeia, da Transjordânia, dos arredores de Tiro e Sidônia, uma grande multidão foi até Jesus, ao saber de todas as coisas que ele fazia. 9Então Jesus pediu a seus discípulos que deixassem uma barca preparada para ele, a fim de que a multidão não o comprimisse. 10Porque Jesus tinha curado muita gente, e todos os que tinham alguma doença se jogavam sobre ele para tocá-lo. 11Os espíritos impuros, quando viam Jesus, caíam a seus pés e gritavam: “Tu és o Filho de Deus!” 12E Jesus os repreendia severamente, para que não divulgassem quem ele era.

Em Jesus, a misericórdia divina era oferecida a todos. Jesus não perde a ocasião de acudir os que dele se aproximam. Acolhe-os na sinagoga, nas casas e à beira do lago. O breve texto cita várias regiões de onde partiam multidões que iam à procura de Jesus. Ninguém fica excluído; também as cidades habitadas por não judeus recebem de Jesus a mesma benevolência. Vêm desejosos de tocar em Jesus, sobretudo os doentes, por constatarem que ele tinha curado muita gente. Os próprios adversários do Reino (espíritos impuros) rendem-se à evidência e proclamam: “Tu és o filho de Deus!”. Admirável é a resistência física de Jesus, porém ainda mais admirável é seu zelo pastoral e sua entrega total ao serviço dos necessitados. Sem sombras de egoísmo.

Jesus, Filho de Deus, provocas extraordinária movimentação ao teu redor. É que, de todas as partes, ao saber de todas as coisas que fazes, multidões vêm ao teu encontro. Só benefício oferecido ao povo sedento de tua palavra e de tuas curas! A todos atendes com total dedicação. Amém.

 

 Nova Bíblia Pastoral / Portal Kairós