Artigos católicos – Fique por dentro dos assuntos da igreja

Como superar momentos difíceis da vida?

A vida é muito boa. Essa é a verdade original que em certos momentos parece ficar tão ofuscada que corremos o risco de cair na falta de esperança. Esse ofuscamento provém da nossa natureza caída que, depois do pecado original e de cada pecado pessoal, tem dificuldade de ver a Deus e o seu Plano de Amor. Dessa situação nascem todas as dificuldades da nossa existência. Jesus veio para nos salvar e é nele que precisamos nos aferrar para continuar caminhando pelo Bom caminho nos momentos mais difíceis da vida.

Quando o povo de Israel caminhava pelo deserto, Deus lhes concedeu as tábuas dos dez mandamentos. Mas já no profeta Jeremias vemos que as tábuas da Lei não eram a palavra final de Deus. “Eis, no entanto, a Aliança que celebrarei com a comunidade de Israel passados aqueles dias”, afirma o SENHOR: “Registrarei o conteúdo da minha Torá, Lei, na mente deles e a escreverei no mais íntimo dos seus sentimentos: seus corações. Assim, serei de fato o Deus deles e eles serão o meu povo”! .

A realização dessa profecia se dá justamente em Jesus, que é o Verbo que se fez carne. De maneira especial se realiza na Eucaristia, quando comungamos do próprio Cristo que se faz alimento por nós. A carta aos hebreus retoma a profecia e diz que o Senhor colocará suas leis no âmago dos nossos corações, as inscreverá profundamente em nossas mentes. Ou seja, seguir o Senhor não é um simples cumprir regras externas, mas um descobrir que essas leis estão gravadas em nosso interior e que ao cumpri-las, nos realizamos como pessoas, como filhos e filhas de Deus.

E isso é fundamental para os momentos difíceis que atravessamos na vida. Porque nesses momentos o último que queremos é que nos digam regras que cumprir, preceitos que realizar para que Deus nos ajude a atravessar a dificuldade. Mas se nesses momentos difíceis se descobre renovadamente que lá no fundo do nosso mesmo ser existe um desejo de estar mais próximos ainda de Deus, não afundaremos nas ondas agitadas da vida, mas alçaremos nossa voz a Deus como o fez São Pedro quando começou a afundar enquanto caminhava sobre as águas: “Senhor ajuda-me pois estou perecendo”. Esse grito só pode vir de alguém que, mesmo atordoado pelas tribulações da vida, possui essa Lei de Deus inscrita no coração.

É evidente, então, que para não sucumbir nesses momentos difíceis é preciso ter uma vida espiritual forte. Dessa forma, não daremos às costas a Deus, pelo contrário, nos aproximaremos ainda mais dele em cada dificuldade que passarmos. E, no fundo, esse é o intuito de Deus quando permite alguma provação. Ele quer que purifiquemos nossa fé de todas as falsas seguranças que nós todos temos. Essas dificuldades fazem parte da pedagogia divina porque Ele quer que, pouco a pouco, aprendamos a confiar cada vez mais nele e menos em todas as outras coisas nas quais nos agarramos porque nossa fé ainda é pequena.

Vale a pena ter um pequeno “arsenal” de passagens Bíblicas para que nesses momentos possamos rezar e não sucumbir. Nesse sentido alguns salmos podem ajudar bastante porque eles mostram a Deus que em nosso coração está a sua Lei e a Ela queremos ser fiéis.

Alguns exemplos de Salmos

Sal 119, 11: No meu coração atesourei tua palavra, para não pecar contra ti.

Sal 40, 8: Meu prazer é fazer a tua vontade, meu Deus; tua lei está dentro do meu coração.

Sal 17, 5: Meus passos ficaram firmes pelos teus caminhos. Meus pés não vacilaram.

Sal 25, 3: Certamente nenhum dos que esperam em ti será defraudado…

Irmão João Antônio – A12 / Portal Kairós

Baixe materiais especiais para seu grupo

Tema de reflexão: “Os falsos missionários”

“Eu devo anunciar a Boa Nova do reino de Deus” (Lc 4,46).
“Anunciar o Evangelho não é título de glória para mim; é, antes uma necessidade que se me impõe.
Ai de mim, se eu não anunciar o evangelho” (1Cor 9,16-17).

Às vezes se confunde missão católica com serviço social e promoção humana. Numa homilia de domingo escutei um missionário dizer que trabalha com os índios, mas que “não está ali para cristianizar e dogmatizar ninguém”; achei muito estranho. Ora, evangelizar é levar a salvação de Jesus Cristo e as verdades (= dogmas da fé). Fiquei escutando o resto da homilia e percebi que o trabalho do missionário não se diferenciava das ONGs que estão entre os índios, ou talvez fosse apenas como o trabalho da FUNAI ; uma preocupação de levar o “bem estar social” aos índios: defesa, vacinas, preservação da cultura indígena, etc. Não ouvi falar de conversão, de batismo e de abraçar a fé católica.

Se não é para cristianizar os índios, então, não é verdadeira evangelização católica. O papel missionário da Igreja é levar a salvação de Jesus Cristo, como fizeram São Pedro, São Paulo e os demais Apóstolos, sem esquecer a caridade é claro, que sempre fizeram e fomentaram. Mas se faltar a catequese católica, não é verdadeira evangelização; é mera assistência social. Isso muitas instituições podem fazer, mas levar Jesus Cristo, o Batismo da salvação, a Confissão, a Eucaristia, o Matrimônio, etc… só a Igreja é capaz de fazer.

São Paulo VI disse na “Evangelli Nuntiandi” que “não há verdadeira evangelização se não se falar do nome de Jesus, de seus milagres, de sua doutrina, de sua paixão, morte e ressurreição redentoras da humanidade”.

LEIA MAIS

Santuário Nacional divulga tema da Festa da Padroeira 2020

Com Maria, em família, revestir-se da Palavra

Como estou me sentindo doente e Nossa Senhora pode me chamar a qualquer hora, entrego a você a nossa querida Congregação de Filhas de Maria Servas dos Pobres. Você [Irmã Josefa Dulce], mais do que ninguém, sabe do nosso ideal – servir: servir a Deus na pessoa dos nossos irmãos pobres, doentes, crianças e velhos. E através dessa missão de servir, conduzi-los a Deus.

“Fique firme, não esmoreça diante das dificuldades, diante dos problemas que possam surgir. Com fé, se vence tudo. Nas horas difíceis, diante do sacrário, fale com Jesus, diga-lhe que esse nosso trabalho é dele e, portanto, ele é quem vai cuidar dos nossos problemas e dificuldades. Sempre entreguei tudo a Jesus, e fui atendida.” Santa Dulce dos pobres

Encerrando mês da Padroeira do Brasil o reitor do Santuário de Aparecida divulga, em primeira mão, o tema da Novena e Festa da  Padroeira para 2020: ‘Com Maria, em família, revestir-se da Palavra’.

LEIA MAIS

Religiosos: ser capaz de dar a sua vida

Presidente da Conferência dos Religiosos do Brasil, Ir. Maria Inês Vieira Ribeiro, divulgou uma mensagem de felicitação a todos os religiosos no Brasil

Por ocasião da Solenidade da Assunção de Maria ao céu, celebra-se no Brasil o Dia do Religioso.

A presidente da Conferência dos Religiosos do Brasil, Ir. Maria Inês Vieira Ribeiro, divulgou uma mensagem de felicitação a todos os consagrados no país.

“Desejamos ser como os servos das Bodas de Caná, que confiam e atendem ao pedido de Maria: ‘Fazei tudo o que ele vos disser’ (Jo 2,5), pois seguir Jesus é uma opção, uma resposta diária!”, afirma Ir. Maria Inês, reeleita para o cargo na Assembleia de julho da CRB Nacional.

Capazes de dar a vida

A presidente cita ainda o Papa Francisco e sua homilia pronunciada no Dia da Vida Consagrada em 2 de fevereiro passado: “É importante voltar às fontes: percorrer com a memória os encontros decisivos que tivemos com Ele, reavivar o primeiro amor, talvez escrever a nossa história de amor com o Senhor. Fará bem à nossa vida consagrada, para que não se torne tempo que passa, mas seja tempo de encontro”.

“Que sejamos capazes de dar a vida no ordinário e oferecê-la livremente no extraordinário como servas e servos, testemunhas alegres do Reino de Deus que buscam ‘fazer tudo o que ele nos disser’. Pois a hora é agora!”, conclui a Ir. Maria Inês Ribeiro.

– 20 de Agosto: Dia do Religioso e da Religiosa
– 02 de Fevereiro: Dia da Vida Consagrada (Mundial)

Canção Nova / Portal Kairós

A hora de sair da internet

A rede (social) tornou-se um antro de espionagem, entretenimento vulgar e mentiras. Será?

“É hora de proclamar: a internet deixou de ser divertida.”

– É hora de proclamar: a internet deixou de ser divertida. Como todos os bons casos de amor, começou emocionante. Costumávamos ficar acordados até tarde e rir juntos. Agora, porém, apenas nos ajuda a discutir/brigar por mais tempo. Os longos verões ociosos de Albino Black Sheep [um site de animação interativo, famoso nos anos 2000] e Chris Crocker [um ator-celebridade na internet, nos EUA, a partir de 2007] transformaram-se num inverno sempre cinza de big data bilionários e torturas ao vivo. Vivemos sob espionagem, incapazes de concentração, não estamos presentes, não conseguimos dormir – não podemos sequer atravessar mais a rua. É a razão pela qual você não consegue terminar um livro e as lojas de departamento já sabem que está pensando em comprar um processador de alimentos. Muito embora – assim como em tantos relacionamentos abusivos –, ele suga nossa energia e nos exaure, mas não conseguimos largá-lo.

O pior é que sabemos disso tudo. Você provavelmente não precisa de outro livro, outra manchete inflamada, outro podcast para detalhar as várias formas como seu celular está arruinando a sua vida. Ainda assim, a despeito de tudo, parecemos capazes de seguir o tema somente até a metade. Já diagnosticamos o problema, mas para uma geração que se orgulha de ser “antenada”, estamos confusos para apresentar uma solução à questão mais universalmente disseminada de nosso tempo.

Fracassamos em solucionar o problema principalmente porque não sabemos por onde começar. Da forma como a vemos, a internet é como um sistema que dá suporte à vida. Decidir um dia arrancá-la de nossas veias nos deixaria freneticamente ofegantes, antes de mergulhar num abismo solitário. Não podemos voltar a um mundo sem ela. Poderíamos deletar todos os nossos contatos, mas como descobriríamos se fomos convidados para uma festa de aniversário?

A continuidade desta decadência não é inevitável. Afinal, os smartphones têm apenas uma década, e a rede mundial, apenas 25. O que consideramos como o início do declínio pode ser visto, no futuro, como um período de ingenuidade tecnológica – o período antes de descobrirmos o que estávamos preparados para sacrificar, e o que queríamos em troca. A tecnologia, é claro, molda o futuro, mas é também totalmente concebível que haja uma luta para redefinir o papel que ela desempenha em nossa vida.

Mudanças pequenas, porém significativas, já estão acontecendo. Os responsáveis por definir as políticas públicas estão discutindo se os smartphones têm ou não lugar na sala de aula; os restaurantes estão proibindo-os nas mesas de jantar e as empresas estão pedindo que sejam deixados fora das salas de reunião. A batalha entre casas de música e smartphones é longa e célebre – a empresa de tecnologia Yondr criou até mesmo estojos de celulares, para deixá-los mudos quando as pessoas entram em auditórios que são “zonas livres de telefone”. Desde março deste ano, digitar dirigindo custa ao motorista uma multa de quase R$ 1000 no Reino Unido. Em todos os aspectos da vida pública, a onipresença da tecnologia está sendo desafiada.

É hora de fazer um detox digital e sair da internet

Individualmente, também temos enfrentado o problema. A ideia de uma “detox digital” tem tanto tempo quanto o Blackberry. Em sua forma clássica, ela baseia-se em retiros idílicos, livres de telefone, mas a maioria das organizações também promovem modos de estabelecer, no mundo real, uma relação positiva com a tecnologia. Quanto contatei Tanya Goodin, fundadora da organização de detox digital “Tempo de desconectar” [Time To Log Off] , sobre seus retiros, ela disse que eram semelhantes a outros tipos de reabilitação: as pessoas sabem que têm um problema e pedem ajuda. “No fim, quando lhes damos os telefones de volta, sempre dizem que não querem”, conta, rindo.

LEIA MAIS