Nossa Senhora Aparecida ganha espetáculo de dança e teatro

    A história da Padroeira do Brasil teve interpretação singular na noite de domingo, 30 de abril, na cidade de Aparecida (SP). O auditório do Seminário Santo Afonso recebeu a Companhia de Dança e Teatro 'Dois Pontos', de Florianópolis (SC). A plateia, formada principalente por bispos que participam da 55ª Assembleia Geral da CNBB, pôde conferir o espetáculo '1717'. A obra cênica recebeu chancela do Pontifício Conselho para a Cultura do Vaticano e tem arrancado elogios por onde passa.

O diretor e coreógrafo Ricardo Koscialkowski Tetzner comenta que ao escolher a temática do espetáculo foi colocada a seguinte pergunta: “O que é ser brasileiro?”. Foi então que pensou-se em todas as riquezas e potencialidades existentes no tema. “Não queríamos ficar só no Samba, Felicidade ou Futebol. Exploramos então a fundo o que constitui a nossa Identidade, e acabamos por cair no primeiro símbolo verdadeiramente nacional que tivemos: Nossa Senhora da Conceição Aparecida”, comenta.
Durante o período de pesquisa foi descoberto que antes mesmo de termos o Hino Nacional, a Bandeira com as cores etc. A Identidade começou a ser formada pela Imagem encontrada no Rio Paraíba Sul. “Hoje o brasileiro tem o sincretismo como uma característica muito particular e todas as famílias, todas as cidades, todos os brasileiros conhecem nossa Padroeira, independente de credo”, afirma.
Leitura do espetáculo

Uma obra que não entrega ao público algo direto, algo “mastigado” como uma verdade, mas conta uma história e deixa elementos para que o público possa ter sua própria leitura, ou seja, não é um espetáculo que traz certezas, mas dúvidas e uma pluralidade de sensações. “Tem muita simbologia, tudo significa algo, desde as músicas até os figurinos, os passos, iluminação e cenário, tudo é pensado, mas nem tudo fica objetivo, as pessoas podem ter sua própria percepção. Cada vez que apresentamos o 1717 alguém vem dizer algo novo sobre o que sentiu do Espetáculo”, explica.
Em quatro atos; “Anunciação”, “Peregrinação”, “Pedidos e Agradecimentos” e “Destruição e Coroação”, “1717” se apropria da linha do tempo para poetizar a História: Primeiro a Imagem foi encontrada, depois começou a ter um movimento de peregrinação e comércio até o que viria a ser “Aparecida do Norte”, unificando o que seria então apenas uma colônia e começando a formar uma comunicação entre o povo brasileiro. “Logo falamos sobre uma das partes mais bonitas dessa história que é a Fé, os pedidos e agradecimentos que hoje formam o teto da Sala dos Milagres e passamos para a parte que destruíram a Imagem para depois ser reconstruída e no final a Coroação da mesma como Padroeira do Brasil”, conta.
Inspiração
Para criar as coreografia, Ricardo veio até Aparecida e observou por um tempo, todo o movimento de fé. “A força e movimento são o cerne da Dança. Observei as pessoas que chegavam na cidade e passavam pela Passarela da Fé, e como era forte a emoção das pessoas que viam a Imagem por detrás do vidro que mesmo sendo à prova de balas, não impedia a aproximação do povo com a Imagem. Conversei sobre os pedidos e agradecimentos com as pessoas que estavam naquele local, foi o momento de certeza que tínhamos um tema maravilhoso para trabalhar. Também durante os ensaios para a criação do espetáculo conversei com os bailarinos, extraía deles profundidades que me inspiravam a criar coreografias e cenas, usando jogos teatrais. Temos no espetáculo uma tradutora e intérprete de Libras que dança com a gente. Fizemos um trabalho de pesquisa para inserir a Libras no contexto do Espetáculo como parte fundamental, já que é uma parte importante do Brasil e tem tudo a ver com Dança; Foi a maneira que escolhemos para ter inclusão e acessibilidade no Espetáculo”, detalha.
:: 1717

a12.com

Baixe materiais especiais para seu grupo