22 de dezembro: 4º Domingo do Advento

4º Domingo do Advento

Aproximando-nos do Natal de Jesus, celebremos na certeza de que o Pai nos ama e por isso quer estar entre nós, fazer parte da nossa vida e conduzir a humanidade no amor e na paz. O exemplo de Maria e José nos ensine a viver nossa fé na obediência à vontade de Deus.

Maria e José são exemplos de confiança em Deus e de generosidade na acolhida e no cumprimento de sua vontade.

O ANÚNCIO DO ANJO A JOSÉ

José era esposo de Maria, porém, conforme o costume da época, ele ainda não morava junto com ela. Não tiveram relações conjugais. É natural que José achasse estranho ver Maria grávida, gestando um bebê que não era fruto de sua relação com ela. Como se explicaria isso? Certamente José, “homem justo”, rezou muito e pediu a Deus luzes, antes de tomar qualquer decisão.

Há um pensamento do bem-aventurado Tiago Alberione que apoia nossa intuição: “O Senhor vai acendendo as lâmpadas, diante de nós, à medida que caminhamos e precisamos delas”. Foi o que aconteceu com José: Deus se manifestou a ele, em sonho, e esclareceu: “José, filho de Davi, não tenha medo de receber Maria como sua esposa, pois o que nela foi gerado provém do Espírito Santo”. Então, a gravidez de Maria não é resultado de ações humanas; é uma obra de Deus. A maternidade de Maria não é obra de José, mas do Espírito Santo.

Uma vez que José compreende o mistério que se realiza em Maria, poderá assumir a missão que Deus lhe confia: “Ela dará à luz um filho, e você o chamará com o nome de Jesus”. O nome Jesus, que significa “Deus salva” ou “Salvador”, reflete sua missão: “Ele salvará seu povo dos seus pecados”. Pôr o nome em um recém-nascido era função própria do pai. Com isso, José é reconhecido como o pai legal do filho de Maria e dará sua contribuição para que o menino faça parte da descendência de Davi.

Passamos, então, das antigas promessas e profecias à realidade. Deus, feito homem, vem morar entre nós, assumindo em tudo, menos no pecado, a condição humana: “Eis que a virgem vai engravidar e dar à luz um filho, e o chamarão com o nome de Emanuel, que significa Deus conosco”.

Reconhecemos que foi uma prova difícil para a fé do homem reto, José. Ele, porém, com responsabilidade madura, entregou-se como colaborador de Deus na história da salvação. Em outras palavras: na pessoa de José, o plano de Deus se encontra com a vontade e a colaboração humana. Figura altamente estimada pelo povo, José é modelo não apenas de profunda fé e de íntima comunhão com Deus; distingue-se também pelo sincero amor e respeito para com sua esposa, Maria.

 

Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp / Portal Kairós