16 de agosto – Solenidade da Assunção de Nossa Senhora 2020

Solenidade da Assunção de Nossa Senhora

Nossa Senhora foi elevada ao céu para viver para sempre junto de Deus. Acolhamos, nesta liturgia, as bênçãos do Pai do céu que ela pede para nós e para todas as pessoas do mundo, a fim de perseverarmos no seguimento de Jesus. Hoje também recordamos todas as pessoas que se consagram totalmente a Deus para servir os irmãos e irmãs.

O exemplo de Maria nos inspira a amar e servir a Jesus e aos irmãos e irmãs.

Mulheres solidárias

O Evangelho da solenidade da Assunção de Maria apresenta duas mulheres que se solidarizam e se auxiliam. Ambas estão grávidas: Isabel está grávida de João Batista, o anunciador do Messias; Maria, a nova arca da Aliança, carrega dentro de si Jesus, o Filho de Deus. Dessas duas mulheres – uma idosa e estéril e outra jovem não casada – não se esperaria que pudessem engravidar, mas possuem dois ventres cheios de vida. São mulheres que reconhecem o agir do Espírito de Deus em seus corpos, um estéril e outro virginal. Além das mulheres, temos o encontro de duas crianças ainda no útero de suas mães.

Isabel, cheia do Espírito Santo e de alegria, saúda e acolhe Maria com belo hino, que a proclama bendita entre as mulheres e a identifica como a Mãe do Senhor. Até o fruto do seu ventre exulta de alegria.

Por sua vez, em resposta à Isabel, Maria proclama o cântico do Magnificat (= “engrandece”). Nesse hino, ela exalta a ação de Deus em favor dos pobres e humilhados e reconhece que sua misericórdia se estende sobre os que o temem. Maria é mulher forte que luta pela igualdade e pela superação das injustiças, e seu cântico exprime como que o caminho a ser trilhado pelo seu Filho.

O final do Evangelho diz que Maria ficou três meses com Isabel. Isso lembra a história da arca da Aliança, que permaneceu três meses na casa de Obed-Edom (2Sm 6,11). Maria, portanto, é a nova arca da Aliança, porque carrega dentro de si o Deus encarnado. A misericórdia de Deus sinalizada pela Antiga Aliança realiza-se plenamente na pessoa de Jesus. João reconhece isso, o que explica seus pulos de alegria ao acolher a novidade.

A solenidade da Assunção nos leva a refletir sobre o encontro dessas duas mulheres. Encontro possível graças à sua intimidade profunda com o Deus da vida. Como diz o papa Francisco, “a pessoa humana cresce, amadurece e santifica-se tanto mais, quanto mais se relaciona, sai de si mesma para viver em comunhão com Deus, com os outros e com todas as criaturas” (LS 240). Maria, antes de “subir ao céu”, desceu ao encontro dos pobres e marginalizados, os preferidos do Pai.

 

Pe. Nilo Luza, ssp / Portal Kairós

Leituras de Domingo: Solenidade da Assunção de Nossa Senhora 2020

Leituras de Domingo

Assunção de Nossa Senhora 2020

(branco, glória, creio, prefácio próprio – ofício da solenidade)

Grande sinal apareceu no céu: uma mulher que tem o sol por manto, a lua sob os pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça (Ap 12,1).

Com Maria cantemos as maravilhas que Deus continua a realizar em favor do seu povo. Assunta ao céu, ela atingiu a plenitude da salvação e nos espera a todos, fazendo-se nossa intercessora. Celebramos esta solenidade em comunhão com os vocacionados à vida consagrada: mulheres e homens que dão seu sim ao projeto de Jesus.

Primeira Leitura: Apocalipse 11,19; 12,1.3-6.10

Leitura do livro do Apocalipse de São João – 19Abriu-se o templo de Deus que está no céu e apareceu no templo a arca da Aliança. 12,1Então apareceu no céu um grande sinal: uma mulher vestida de sol, tendo a lua debaixo dos pés e, sobre a cabeça, uma coroa de doze estrelas. 3Então apareceu outro sinal no céu: um grande dragão, cor de fogo. Tinha sete cabeças e dez chifres e, sobre as cabeças, sete coroas. 4Com a cauda, varria a terça parte das estrelas do céu, atirando-as sobre a terra. O dragão parou diante da mulher, que estava para dar à luz, pronto para devorar o seu Filho, logo que nascesse. 5E ela deu à luz um filho homem, que veio para governar todas as nações com cetro de ferro. Mas o Filho foi levado para junto de Deus e do seu trono. 6A mulher fugiu para o deserto, onde Deus lhe tinha preparado um lugar. 10Ouvi então uma voz forte no céu, proclamando: “Agora, realizou-se a salvação, a força e a realeza do nosso Deus e o poder do seu Cristo”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 44(45)

À vossa direita se encontra a rainha / com veste esplendente de ouro de Ofir.

1. As filhas de reis vêm ao vosso encontro, † e à vossa direita se encontra a rainha / com veste esplendente de ouro de Ofir. – R.

2. Escutai, minha filha, olhai, ouvi isto: / “Esquecei vosso povo e a casa paterna! / Que o rei se encante com vossa beleza! / Prestai-lhe homenagem: é vosso Senhor! – R.

3. Entre cantos de festa e com grande alegria, / ingressam, então, no palácio real”. – R.

Segunda Leitura: 1 Coríntios 15,20-27

Leitura da primeira carta de São Paulo aos Coríntios – Irmãos, 20Cristo ressuscitou dos mortos como primícias dos que morreram. 21Com efeito, por um homem veio a morte e é também por um homem que vem a ressurreição dos mortos. 22Como em Adão todos morrem, assim também em Cristo todos reviverão. 23Porém cada qual segundo uma ordem determinada: em primeiro lugar, Cristo, como primícias; depois, os que pertencem a Cristo, por ocasião da sua vinda. 24A seguir, será o fim, quando ele entregar a realeza a Deus Pai, depois de destruir todo principado e todo poder e força. 25Pois é preciso que ele reine até que todos os seus inimigos estejam debaixo de seus pés. 26O último inimigo a ser destruído é a morte. 27Com efeito, “Deus pôs tudo debaixo de seus pés”. – Palavra do Senhor.

Evangelho: Lucas 1,39-56

Aleluia, aleluia, aleluia.

Maria é elevada ao céu, / alegram-se os coros dos anjos. – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas – Naqueles dias, 39Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia. 40Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42Com um grande grito, exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! 43Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”.
46Então Maria disse: “A minha alma engrandece o Senhor, 47e o meu espírito se alegra em Deus, meu salvador, 48porque olhou para a humildade de sua serva. Doravante todas as gerações me chamarão bem-aventurada, 49porque o Todo-poderoso fez grandes coisas em meu favor. O seu nome é santo, 50e sua misericórdia se estende, de geração em geração, a todos os que o respeitam. 51Ele mostrou a força de seu braço: dispersou os soberbos de coração. 52Derrubou do trono os poderosos e elevou os humildes. 53Encheu de bens os famintos e despediu os ricos de mãos vazias. 54Socorreu Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, 55conforme prometera aos nossos pais, em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre”. 56Maria ficou três meses com Isabel; depois voltou para casa. – Palavra da salvação.

Reflexão

Maria tem pressa de se dirigir à região montanhosa de Judá para auxiliar Isabel, que está grávida e necessita da sua ajuda. Temos duas mulheres pobres, mas solidárias, que carregam dentro de si duas crianças. É a solidariedade entre duas mães que reconhecem a ação de Deus em seus corpos. Além das mulheres, temos também o encontro
de duas crianças ainda no ventre de suas mães: encontro do Precursor com o Salvador. Pelo cumprimento, percebemos a alegria que transborda das mulheres, a ponto de contagiar o fruto do ventre de cada uma. Impulsionada pelo Espírito Santo, Isabel se alegra por receber a mãe do Senhor, declarando-a abençoada e feliz. Representante dos pobres que têm esperança, Maria responde com belo hino que exalta os pobres e rebaixa os orgulhosos. Ela leva consigo paz, alegria e bênção de Deus. Felizes as famílias que têm mães que se solidarizam entre si, através da ajuda mútua. Felizes as comunidades que têm mulheres portadoras de vida e esperança, mulheres benditas que acolhem a Palavra, transmitem fé e otimismo e acreditam num mundo melhor.

Oração

Divino Mestre, terminada sua vida terrena, Maria Santíssima foi acolhida no céu em corpo e alma para viver feliz contigo para sempre. Senhor, faze que sejamos teus fiéis seguidores, sem desviar-nos do caminho que nos une a ti e onde se encontra Nossa Senhora, tua e nossa bondosa mãe. Amém.

 

Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp / Pe. Nilo Luza, ssp / Portal Kairós

Reflexão e sugestão para a Solenidade da Assunção de Nossa Senhora 2020 – Ano A

Assunção de Nossa Senhora 2020 – Ano A

Ap 11,19a; 12,1-6a.10ab; SI 44; ICor 15,20-27a; Lc 1,39-56

Assunção de Nossa Senhora 2020 - Ano A

RIVA DEL GARDA, ITÁLIA – 13 DE JUNHO DE 2019: A parte da Assunção da pintura na igreja Chiesa di Santa Maria Assunta por Giuseppe Craffonara (1830) .ra 2020

Baixe a imagem acima e mais 4 sobre a Assunção de Nossa Senhora 2020:

O Sol da Justiça nos reveste

A assunção de Maria ao céu convida-nos à celebração da festa da vida em Deus. As maravilhas que o Senhor realizou na pessoa da Virgem de Nazaré encontraram eco em seu coração humilde e totalmente aberto à vontade divina. A semente boa do amor floriu e frutificou em seu coração porque ela teve consciência de sua missão diante de Deus. Ela disse seu sim, colocou sua liberdade em relação com a Liberdade por excelência, que é Deus. Assim, participou ativamente na salvação do mundo juntamente com seu Filho.

A comunidade cristã sempre acreditou que Maria, pela entrega total e livre aos desígnios de Deus, foi levada em corpo e alma à pátria celeste, onde a suprema Liberdade nos espera. Nela se cumpre a oração ensinada pelo Senhor: “seja feita vossa vontade assim na terra como no céu”. Ao dizer seu sim, ela não se desliga da realidade sofrida de seu povo. Antes, ela canta as maravilhas de Deus, que se expressam na justiça em favor dos pobres e oprimidos. Aos ricos egoístas mostra que não basta estarem cheios de bens e cheios de si mesmos, pois as mãos e o coração estarão vazios de sentido, vazios de amor.

Ela é mulher vestida interna e externamente pelo Sol da Justiça, pois é Cristo que brilha em seu Sim. Ao aproximar-nos da Virgem Maria, somos iluminados pela reluzente chama do Espírito Santo, a força de Deus, que nos faz superar o mal com o bem, o vazio de sentido com a abundância da redenção.

…e nos conduz a sua Luz

São Paulo nos ajuda a compreender a vida ressuscitada de Cristo e a de todos nós como frutos que o Pai colhe em seu amor. Cristo é o fruto primeiro colhido por Deus. Quem a ele pertence também é fruto bom nos celeiros eternos do Pai misericordioso. É nesse grande mistério de amor que entendemos a liturgia de hoje. Deus não glorifica somente Maria, ao levá-la para junto de si, mas glorifica a humanidade inteira, que é capaz de dizer sim a seu amor. O sim de Maria está em perfeita sintonia com o sim de Jesus. Na medida em que entramos nessa dinâmica de abertura à vontade de Deus, Cristo vai se tornando tudo em todos. É a vida nova que transborda, é o amor que irradia e nos conduz à Luz verdadeira.

Ao festejarmos a assunção de Maria, nossa Mãe, peçamos que ela nos ajude a caminhar com os pés firmes no chão da história e sempre abertos ao Deus da vida, que nos quer sempre em comunhão com ele. Rezemos hoje, de modo especial, por todos os religiosos e todas as religiosas, pessoas que se consagraram a Deus para servir a Igreja a partir dos múltiplos carismas de cada Instituto.
Maria, Mãe de Deus, assunta ao céu, rogai pelos consagrados, pelas consagradas e por todos nós!

Sugestões litúrgicas para a Solenidade da Assunção de Nossa Senhora 2020 – Ano A

– Entrada: se houver religiosos, religiosas ou leigos consagrados, convidá-los para participar da entronização da imagem de Nossa Senhora no início, mostrando a importância do sim a Deus e aos irmãos. Na falta deles, os membros da comunidade podem participar dessa entrada, ressaltando a importância do sim de Maria para todos nós.
– Preces dos fiéis: momento de rezar pelos religiosos, pelas religiosas ou leigos consagrados que já passaram pela comunidade, a fim de rezar por suas vocações nos mais diversos carismas que o Senhor os chama.
– Oração Vocacional: antes da bênção final, fazer um momento vocacional, rezando pela vocação à vida consagrada e religiosa.

Sugestões de repertório para a Solenidade da Assunção de Nossa Senhora 2020 – Ano A (O Domingo)

Abertura: De Alegria ou Maria Concebida
Aclamação: Aleluia, Maria!
Oferendas: É grande
Comunhão: Povo de Deus ou A minh’alma

Cifras e partituras das sugestões CNBB

Semanário litúrgico – catequético – Cantos para a Celebração – Solenidade da Assunção de Nossa Senhora 2020

 

Áudios para a Solenidade da Assunção de Nossa Senhora 2020 – Ano A CNBB:

 

Padre Anísio Tavares, C.Ss.R. / Portal Kairós

9 de agosto – Missa do 19° Domingo do Tempo Comum 2020

Missa do 19° Domingo do Tempo Comum 2020

A fé e a confiança em Jesus nos animam a superar nossos medos e dificuldades. O Senhor vem sempre ao nosso encontro de mãos estendidas, para nos conceder sua proteção e nos ajudar a atravessar as tempestades e incertezas da vida com coragem e esperança. Neste dia dos pais, nossa oração, homenagem e reconhecimento a eles pelo amor e dedicação aos filhos e à família.

O dom da fé nos ajuda a sentir a presença de Deus, que cuida de nós e está presente em todos os momentos de nossa vida.

A BARCA AGITADA PELAS ONDAS

Depois da partilha dos pães e dos peixes, Jesus convida os discípulos a entrar no barco e seguir à sua frente, atravessando para o outro lado do mar – o mundo pagão –, enquanto ele pessoalmente despede a multidão e se dirige ao monte para orar. De repente surgem ondas e ventos, pondo em risco a embarcação.

A travessia do mar pode simbolizar a travessia que a comunidade precisa fazer a fim de passar da mentalidade nacionalista para a universalista. Ou seja, não é somente Israel o povo eleito; em Cristo, todos os povos devem ser objeto de preocupação da missão cristã. Trata-se de ser uma comunidade em saída, que busca os “perdidos da vida” e não fica trancada em si própria; que anuncia a todos os povos a Boa-nova do Reino de Deus, mediante a vivência de novas relações em seu âmbito. Toda comunidade é convidada a fazer a travessia para a conversão ao evangelho.

A barca simboliza a comunidade que se sente ameaçada pelas forças adversas (o mar e o vento) e necessita de uma fé sólida para não ser tragada pelas ondas perigosas. Há grande contraste entre a serenidade de Jesus – no alto da montanha, em comunhão com o Pai – e o apavoramento dos discípulos em meio às ondas ameaçadoras, no mar revolto.

O medo dos discípulos revela a falta de fé, necessária para quem pretende ser autêntico seguidor do Mestre. A falta de fé pode levá-los a se sentirem perdidos no meio das turbulências. Eles necessitam sentir em seu meio a presença do Ressuscitado, o qual os tranquiliza com as palavras: “Coragem, não tenham medo, sou eu”. O medo paralisa, e o fantasma (Jesus) que assusta pode ser a própria solução – às vezes tão evidente e tão difícil de aceitar. As adversidades podem ser vencidas mais facilmente quando a comunidade tem a convicção de que Jesus é o companheiro de caminhada.

Toda comunidade, de ontem e de hoje, pode ser comparada a um barquinho navegando no mar da sociedade, a qual pode rejeitar os valores do Reino: paz, solidariedade, partilha e bem-querer. Sentindo a presença do Ressuscitado, a comunidade pode mais facilmente enfrentar os desafios do dia a dia.

 

Pe. Nilo Luza, ssp  / Portal Kairós

Reflexão e sugestão para a Missa do 19° Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A

19° Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A

lRs 19,9a.ll-13a; SI 84; Rm 9,1-5; Mt 14,22-33

19° Domingo do Tempo Comum 2020 - Ano A

Ao acalmar-se o vento, reconhecemos o Senhor

Continuamos vivendo o mês vocacional. O convite especial deste domingo é percebermos a presença de Deus nos momentos turbulentos da vida. Elias, ao fugir da perseguição atroz que sofria, corre ao encontro de Deus e se refugia em uma gruta, no monte Horeb. A grandeza de Deus vem manifestada no murmúrio de uma brisa leve, não no vento nem no fogo que tudo devora. Nas agitações, é preciso pedir o dom da serenidade, sem o qual não somos capazes de enxergar a presença divina.

No evangelho, os discípulos são apresentados na turbulência do mar, no agito dos ventos. Enquanto isso, Jesus reza ao Pai no silêncio da madrugada. Indo ao encontro deles, gera espanto, a ponto de o confundirem com um fantasma. Pedro faz a experiência de que realmente é Jesus não no momento em que pede para caminhar também ele sobre as águas, mas no momento em que é submergido pelas águas: “Senhor, salva-me!” Quando o vento se acalma e a brisa suave substitui o vento bravio, todos são capazes de reconhecer e confessar que Jesus é realmente o Filho de Deus.

Confiar em Deus a todo momento

Na multiplicação dos pães, Jesus já havia demonstrado aos discípulos que não basta confiar nas próprias forças e capacidades. É necessário lançar-se nas mãos do Pai providente e oferecer a ele o que temos. Hoje, as duas experiências de Deus, a de Elias e a dos discípulos, continuam a nos mostrar que facilmente nos atribulamos, mas é do Senhor que nos vêm a segurança e a tranquilidade de que precisamos para vencer as tempestades da vida. Sempre haverá uma brisa que nos fará recompor as forças e seguir em frente. Sempre haverá a mão de Jesus para nos reerguer.

Paulo provou turbulências em sua vida missionária ao não ser compreendido por seus, pois eram incapazes de acolher o Cristo Senhor. Ainda que Cristo descendesse deles, segundo a humanidade, não eram capazes de enxergar que o momento novo da salvação tinha chegado. Mas a fé que move seu coração permite que ele continue firme no anúncio da palavra a todos os povos.

A perseverança, que é graça divina em nossa vida, faz-nos olhar nossa missão sempre com o coração esperançoso. A confiança em Deus é a força principal que nos faz, a cada momento, superar as tribulações e caminhar em frente.
Rezando pelas vocações à vida familiar, nossa prece é por todos os pais que têm a grande missão de testemunhar aos filhos o amor paternal de Deus. Que eles encontrem na oração a força para superarem tantos obstáculos que a sociedade pós-moderna coloca diante da instituição familiar.

Sugestões litúrgicas para a missa do 19° Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A

– Antes do início da celebração: cantar um mantra sobre a luz, enquanto entrarem, lentamente, duas pessoas com velas acesas, para acenderem as velas do altar. Interromper o mantra algumas vezes para se fazer pequenas exortações de coragem e paz em meio aos conflitos da vida. Sugestão de mantra: “O Senhor vai acendendo luzes quando vamos precisando delas”.
– Entrada da Palavra: pedir para uma família introduzir a palavra de Deus. Ao chegar ao presbitério, o pai pode elevar bem alto a Bíblia, manifestado a alegria de sua vocação. Se possível, o pai poderia proclamar a primeira leitura, com sua família ao lado.
Preces dos fiéis: concluir a oração dos fiéis com uma prece vocacional, que pode também ser cantada.
– Consagração dos pais a Nossa Senhora: antes da bênção final, consagrar os pais a Nossa Senhora e oferecer a eles uma lembrança da comunidade. Pode-se cantar “Oração pela Família” para concluir este momento.

Sugestões de repertório para a missa do 19° Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A  (O Domingo)

Abertura: Acolhe os oprimidos
Aclamação: Aleluia, o homem não vive
Oferendas: A mesa Santa
Comunhão: É bom Estarmos

Cifras e partituras das sugestões CNBB

Semanário litúrgico – catequético – Cantos para a Celebração – 19° Domingo do Tempo Comum 2020

 

Áudios para a Missa do 19° Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A CNBB:

 

Padre Anísio Tavares, C.Ss.R. / Portal Kairós