29 de dezembro: Sagrada Família: Jesus, Maria e José

Sagrada Família: Jesus, Maria e José

Jesus, Maria e José nos deixam o exemplo de família que vive o amor, a compreensão e o cuidado mútuo. Esta liturgia nos anime a defender nossas famílias e zelar por elas. Agradeçamos a Deus esse tão grande dom, pelo qual Ele se mostra presente em nosso meio, fazendo chegar até nós seu amor e sua proteção.

Todos somos responsáveis para que nossas famílias sejam ambientes de respeito, diálogo, fraternidade e amor.

A CASA DO INTERIOR

Quem nasceu e viveu no interior ou, ao menos, teve a infância ali, por onde quer que vá, leva, no coração e no corpo todo, o sentimento de pertença ao lugar de origem. E quanto mais longe tiver de ir, terá o cantinho dos primeiros afetos sempre mais perto de si. Não há como não se lembrar do cheiro da terra, do aroma do mato, da brisa, do excessivo colorido dos bichos, do sabor da comida e da beleza das coisas. Isso diz respeito aos afetos que marcam para sempre nossa existência. Um colega me disse, certa vez, que se lembra até das pedras.

Antes de o sol nascer, ouve-se o canto do galo, a euforia dos capotes e perus, o berro do gado, o canto dos pássaros. Sente-se o cheiro do curral. Ouvem-se os passos suaves de papai passando pelo corredor, indo abrir a porta da frente da casa. No alpendre, o esperto Jupi o cumprimenta com sua alegria vira-lata.

A filharada ainda ressona, enquanto da cozinha exala o cheiro do café de mamãe. Feito amor, o aroma do café se espalha por todos os cômodos. No rádio, a poesia matuta se faz ouvir no programa que vai ao ar ao raiar do dia como uma espécie de despertador do coração sertanejo. A voz do locutor é familiar.

Lá fora a natureza é uma festa. Antes árida e tostada, agora explode em vida. Após as primeiras chuvas, o sertão vira jardim. Borboletas de todas as cores e tamanhos fazem verdadeiro balé e se enamoram das flores, que desabrocham com fartura. Todas as criaturas fazem festa com o milagre da natureza. Até os sapos, outrora sumidos, como que se desencantam e fazem coral nos lagos e poças. O sol desponta com força no horizonte, e o rosto dos trabalhadores se banha logo cedo de suor redentor.

Nesse cenário telúrico, a família está no centro. Ela deveria ser como casa do interior: simples e aconchegante; o lugar dos afetos, o espaço alegre e feliz onde a vida tem poesia e encanto. E tem problemas também. Afinal, não há família perfeita. Todas têm dificuldades. Mas é lá o melhor lugar do mundo. É por essa condição de imperfeição que a família requer cuidados. Assim como a natureza, a família fica mais linda quando aprende a lidar com as diferenças e, em vez de cultivar intrigas, mesmo que haja brigas, sabe o valor do abraço.

Inspiradas na Família de Nazaré, longa vida às nossas famílias!

 

Pe. Antonio Iraildo Alves de Brito, ssp / Portal Kairós