30 de dezembro: Sagrada Família

SAGRADA FAMÍLIA DE NAZARÉ

Nesta liturgia agradecemos a Deus pela Sagrada Família. O seu exemplo de amor e fé é inspiração para nós e para todas as famílias que se esforçam para progredir na união, na solidariedade e na paz. Enviando o seu Filho ao mundo para viver com Maria e José, Deus nos mostra que a família é um dom que ele nos oferece para ser cuidado por todos com amor.

LIÇÃO DE VIDA
Imitando Jesus no amor a Deus, à família e ao próximo, teremos um mundo de fraternidade e paz.

“No clima de alegria que é próprio do Natal, celebramos neste domingo a festa da Sagrada Família […].

O evangelho de hoje convida as famílias a descobrir a luz de esperança que provém da casa de Nazaré, na qual se desenvolveu com alegria a infância de Jesus, o qual – diz são Lucas – ‘crescia em estatura, em sabedoria e graça, diante de Deus e dos homens’ (2,52). O núcleo familiar de Jesus, Maria e José é, para cada crente, especialmente para as famílias, uma autêntica escola do evangelho. Aqui admiramos o cumprimento do desígnio divino de tornar a família uma especial comunidade de vida e de amor. Aqui aprendemos que cada núcleo familiar cristão é chamado a ser ‘igreja doméstica’, para fazer resplandecer as virtudes evangélicas e tornar-se fermento de bem na sociedade. Os traços típicos da Sagrada Família são: recolhimento e oração, compreensão mútua e respeito, espírito de sacrifício, trabalho e solidariedade.

[…] Nossa Senhora e são José ensinam a acolher os filhos como dons de Deus, a gerá-los e educá-los, cooperando de forma maravilhosa na obra do Criador e doando ao mundo, em cada criança, um novo sorriso. É na família unida que os filhos levam a sua existência ao amadurecimento, vivendo a experiência significativa e eficaz do amor gratuito, da ternura, do respeito recíproco, da compreensão mútua, do perdão e da alegria.

[…] A verdadeira alegria que se experimenta na família não é algo casual nem fortuito. É uma alegria fruto da harmonia profunda entre as pessoas, que faz apreciar a beleza de estar juntos, de nos apoiarmos reciprocamente no caminho da vida. Mas na base da alegria há sempre a esperança de Deus, o seu amor acolhedor, misericordioso e paciente para com todos. Se não abrirmos a porta da família à presença de Deus e ao seu amor, a família perde a harmonia […]. Ao contrário, a família que vive a alegria, a alegria da vida, a alegria da fé, comunicando-a espontaneamente, é sal da terra e luz do mundo, é fermento para toda a sociedade.

Jesus, Maria e José abençoem e protejam todas as famílias do mundo, para que nelas reinem a serenidade e a alegria, a justiça e a paz, que Cristo, nascendo, trouxe como dom à humanidade” (alocução antes do Ângelus em 27/12/2015).