Campanha da Fraternidade em 2016 será ecumênica

logo_conic

A Campanha da Fraternidade de 2016 será ecumênica, ou seja, reunirá outras igrejas cristãs além da católica. Tal como nas três versões anteriores, a ação será coordenada pelo CONIC – Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil. Uma das maiores novidades para esta IV edição é que ela deverá transpor fronteiras nacionais, já que contará com a participação da Misereor – Entidade Episcopal da Igreja Católica da Alemanha que trabalha na cooperação para o desenvolvimento na Ásia, África e América Latina.

O objetivo principal da iniciativa será chamar atenção para a questão do saneamento básico que, no Brasil, caminha a passos lentos – apesar da importância do mesmo para garantir desenvolvimento, saúde integral e qualidade de vida para todos. “Casa comum, nossa responsabilidade” será o tema da Campanha. O lema bíblico para apoiar esta escolha a baseia-se em Amós 5:24, que diz: “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca”.

Ambos, tema e lema, foram definidos em uma reunião realizada em São Paulo, entre os dias 4 e 6 de novembro, reunindo membros da Comissão da Campanha e representantes da Misereor.

Histórico – A primeira CFE foi organizada no ano 2000, e teve como tema “Dignidade humana e paz”, e o lema escolhido foi: “Novo milênio sem exclusões”. A segunda edição, em 2005, falou sobre “Solidariedade e paz”, com o lema: “Felizes os que promovem a paz”. Em 2010, o tema versou sobre “Economia e Vida”, com o lema “Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro”.

CF 2015 – Com o tema “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e lema “Eu vim para servir” (cf. Mc 10, 45), a Campanha da Fraternidade (CF) 2015 buscará recordar a vocação e missão de todo o cristão e das comunidades de fé, a partir do diálogo e colaboração entre Igreja e Sociedade, propostos pelo Concílio Ecumênico Vaticano II. O lançamento oficial será no dia 18 de fevereiro, às 10h30, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília.

 

CONIC

Materiais / Subsídios para a Campanha da Fraternidade 2015

p_cartaz_materiais_portalkairos

Confira os materiais abaixo

O lançamento oficial da Campanha da Fraternidade 2015 será no dia 18 de fevereiro, às 10h30, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília. Para auxiliar na vivência e divulgação da Campanha nas dioceses, paróquias e comunidades, a Comissão Executiva da CF 2015 disponibiliza materiais para serem baixados, entre eles o cartaz, textos formativos, hino e partitura, oração e apresentações. Confira abaixo.

Com o tema “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e lema “Eu vim para servir” (cf. Mc 10, 45), a Campanha da Fraternidade (CF) 2015 buscará recordar a vocação e missão de todo o cristão e das comunidades de fé, a partir do diálogo e colaboração entre Igreja e Sociedade, propostos pelo Concílio Ecumênico Vaticano II.

O texto-base utilizado para auxiliar nas atividades da CF 2015 está disponível nas Edições CNBB. O documento reflete sobre a dimensão da vida em sociedade que se baseia na convivência coletiva, com leis e normas de condutas, organizada por critérios e, principalmente, com entidades que “cuidam do bem-estar daqueles que convivem”.

Músicas e subsídios para baixar

A Campanha da Fraternidade de 2015

dom_odilo_scherer_em_roma

Dom Odilo P. Scherer

Em 2015 a Igreja Católica Apostólica Romana celebra o 50.º aniversário de encerramento do Concílio Vaticano II, realizado de outubro de 1962 a outubro de 1965. Tratou-se do evento mais marcante da Igreja no século 20.

A comemoração desse aniversário está sendo ocasião para recordar personalidades importantes do concílio, como os papas João XXIII e Paulo VI. Mas também para voltar às grandes intuições e orientações dessa “assembleia-geral” do episcopado católico de todo o mundo. De fato, os ensinamentos conciliares ainda estão longe de ser plenamente postos em prática, muito embora um caminho significativo já tenha sido percorrido nesses 50 anos.

No Brasil diversos eventos vêm sendo realizados em âmbitos acadêmicos e eclesiais, nos últimos três anos, para comemorar esse cinquentenário. Para 2015 a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) está promovendo uma reflexão mais ampla, em âmbito popular, sobre o concílio por meio da Campanha da Fraternidade. Com o tema “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e o lema “Eu Vim para Servir”, a campanha aborda a relação Igreja-sociedade à luz da fé cristã e das diretrizes do Concílio Vaticano II.

A Campanha da Fraternidade parte de dois pressupostos fundamentais para a vida cristã e centrais no concílio: a autocompreensão da própria Igreja e as implicações da fé cristã para o convívio social e para a presença da Igreja no mundo. Em outubro de 1963, na abertura da segunda sessão do concílio, o papa Paulo VI expressou isso nas duas perguntas feitas no seu discurso aos participantes: “Igreja, que dizes de ti mesma? Igreja, dize, qual é tua missão?” Os 16 documentos conciliares respondem a essa dupla interpelação.

De fato, o cristianismo, vivido pela Igreja Católica, é uma religião histórica e não apenas sapiencial, embora também tenha essa conotação. Além de transmitir ensinamentos a serem acolhidos pessoalmente, sua proposta também é levar a uma prática social e histórica, em que suas convicções e seus ensinamentos sejam traduzidos em expressões de cultura e formas de convívio social.

A autocompreensão da Igreja aparece, sobretudo, no documento conciliar Lumen Gentium (A luz dos Povos): ela entende ser formada por todos os que aderem a Cristo pela fé no Evangelho e pelo batismo; assim, mais que uma instituição juridicamente estruturada, que não deixa de ser, ela é um imenso “povo de Deus”, presente entre os povos e as nações de todo o mundo, não se sobrepondo a eles, mas inserindo-se neles, como o sal na comida ou como o fermento na massa do pão. Portanto, a identificação pura e simples da Igreja com os membros da hierarquia é insuficiente e inadequada; ela é a comunidade de todos os batizados, feitos discípulos de Jesus Cristo e testemunhas do seu Evangelho.

A partir desse princípio se entende que uma das grandes questões assumidas pelo concílio tenha sido a superação da visão dicotômica “Igreja-mundo”. Isso se desdobra no esforço da Igreja de abrir-se ao diálogo com o mundo, de estabelecer uma relação fecunda com as realidades humanas, acolher o novo e o bem que há em toda parte, partilhar as próprias convicções, contribuindo para a edificação do bem comum, pondo-se ao serviço do mundo sem ser absorvida por ele.

O documento conciliar que melhor expressa essa postura é a constituição pastoral Gaudium et Spes (A Alegria e a Esperança), aprovada e promulgada por Paulo VI em 1965, às vésperas do encerramento do concílio. Esse denso texto começa com as palavras paradigmáticas: “A alegria e a esperança, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos os que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo”.

Nele aparece a visão cristã sobre o mundo e o homem, sua dignidade, sua existência e sua vocação; reflete-se sobre a comunidade humana e as relações sociais, o sentido do trabalho e da cultura e sobre a participação da Igreja, enquanto “povo de Deus” inserido na sociedade, na promoção do bem de toda a comunidade humana.

Os cristãos e suas organizações tomam parte da história dos povos e da grande família humana. E a Igreja, “povo de Deus”, fiel à missão recebida de Jesus Cristo, quer estar a serviço da comunidade humana, não zelando apenas por seus projetos internos e seu próprio bem. O papa Francisco vem recordando isso constantemente nos seus pronunciamentos: que ela precisa ser “uma Igreja em saída”, uma “comunidade samaritana”, ou como “um hospital de campo”, para socorrer e assistir os feridos… Mas também quando diz que a Igreja não pode omitir-se, nem abster-se de dar sua contribuição para a reta ordem ética, social, econômica e política da sociedade.

O pressuposto teológico e antropológico dessa preocupação do concílio é a convicção de que a humanidade constitui uma única grande família de filhos de Deus e de irmãos entre si. Por isso mesmo o empenho em favor da dignidade e dos direitos humanos fundamentais de cada ser humano, bem como na edificação da justiça social, da fraternidade entre todos e da assistência a toda pessoa necessitada, é parte integrante da sua missão, bem como da vida cristã coerente de cada membro da Igreja.

A Campanha da Fraternidade vai retomar essas intuições fecundas do concílio e propô-las novamente à reflexão no contexto brasileiro, durante o ano de 2015, especialmente no período da Quaresma, em que se prepara a celebração da Páscoa cristã. O lema “Eu vim para servir” retoma as palavras de Jesus: “Eu não vim para ser servido, mas para servir e para entregar a minha vida pela salvação de todos” (Mc 10,45). A promoção do verdadeiro espírito fraterno no convívio social é, sem dúvida, um importante serviço à sociedade.

 

Dom Odilo P. Scherer / Portal Kairós

No Brasil, vi que música e fé podem estar juntas, diz freira

Ela diz que passar dois anos no país lhe colocou em contato com igreja alegre, que usa música para entrar em contato com jovens

Reconhecida mundialmente depois de ter vencido a competição musical The Voice na TV italiana, a freira Cristina Scuccia, de 26 anos, acaba de se lançar como cantora com uma regravação do single Like a Virgin, de Madonna. Desta forma, transformou em realidade um sonho que tinha desde pequena, quando se apaixonou pela música. Mas ela conta que nada disso teria acontecido se não tivesse vivido por dois anos no Brasil.

“Antes de conhecer o país, não sabia que música e fé podiam estar juntas”, disse irmã Cristina à BBC Brasil. “Nunca havia visto uma banda de rock com canções cristãs ou freiras que fizessem música profissionalmente. Foi no Brasil que decidi utilizar o dom que Deus me deu. Foi como uma purificação para o meu canto.”

Nascida em Comiso, uma cidade siciliana com menos de 30 mil habitantes, no sul da Itália, ela havia abandonado a música e estava em conflito antes vir ao Brasil.

Entre 2010 e 2012, durante seu período de formação religiosa, a freira morou com outras noviças da Congregação das Irmãs Ursulinas em Mogi das Cruzes, na periferia de São Paulo. “No Brasil conheci uma igreja jovem, que está crescendo e é vivida com mais dinamismo. Quero transmitir esta alegria aos jovens italianos.”

Além das músicas durantes as missas, dava aulas de canto e dança para as crianças. Não perdia nenhuma das oportunidades de cantar, e ajudou a montar o musical A Coragem de Amar. A apresentação foi sua despedida, pois logo depois ela foi à Itália para fazer os votos à Igreja.

“Voltei decidida a seguir meu amor pelo canto e, logo depois, fui incentivada pelas palavras do Papa Francisco, que pedia aos religiosos para levarem o próprio dom às perifeiras. Foi quando as madres da minha Congregação convenceram-me a participar do The Voice”, reconta irmã Cristina.

Surpresa

Em junho passado, vestida com o hábito completo e crucifixo no peito, a religiosa surpreendeu os jurados do programa, que a escolheram para seguir na competição após seu teste – sem saberem que se tratava de uma freira. Em poucos dias, o vídeo com a sua versão da música No One, de Alicia Keys, interpretada por ela em sua estreia na competição, já havia sido visto mais de 30 milhões de vezes no portal Youtube.

Depois de vencer o programa, ela assinou contrato para lançar um álbum. O disco Sister Cristina traz outras 9 regravações e três músicas inéditas. Gravado em Los Angeles, o álbum será lançado mundialmente no dia 11 de novembro pela Universal.

Irmã Cristina nega que tenha sido uma imposição da gravadora ter no álbum uma versão de Like a Virgin, como uma forma de atrair mais atenção ao disco. “Também não foi uma provocação. No período em que estávamos selecionando o repertório, ouvi por acaso a canção de Madonna. Quis dar um significado completamente diferente à música, com novos arranjos, instrumentos acústicos e um novo vídeo”, disse.

“A canção fala de uma pessoa em conflito, que é chamada por Deus e decide levar o seu amor adiante para o resto da vida. A minha versão tem uma linguagem nova e é justamente esta a capacidade cristã de enxergar tudo com novos olhos que pretendo transmitir aos jovens.”

A canção em português “Perto, Longe ou Depois”, presente no disco, é um agradecimento ao país que lhe “deu tanto” e a sua “vontade de continuar a falar” o idioma brasileiro.

Caridade

De acordo com irmã Cristina, o dinheiro arrecadado com as vendas dos discos será destinado aos projetos de caridade da Congregação das Irmãs Ursulinas, entre eles a casa onde viveu em Mogi das Cruzes. “Há pouco tempo fizemos a ampliação do edifício para podermos receber mais crianças e adolescentes e nossa prioridade é manter os projetos já iniciados”, disse.

A freira afirma ter boas recordações do período que esteve no Brasil, onde tem duas afilhadas, e diz ter dificuldades para encontrar algo de ruim para falar sobre o país.

“Penso sempre no afeto das pessoas, no acolhimento que encontrei quando vivia ali. O que me deixava mais triste era ver meninas muito pequenas que engravidavam, mesmo depois de conhecerem a difícil experiência de irmãs e amigas, que precisavam tomar conta dos filhos embora fossem elas mesmas muito jovens”, conta a freira.

Conseguir conscientizá-las para evitar a maternidade tão precoce era uma luta cotidiana. “Mas apesar da realidade difícil nas periferias, as crianças estão sempre felizes. Para elas basta um pouco de música, uma bola no pé ou um pipa na mão para ficar contentes, enquanto aqui temos tanto e estamos sempre insatisfeitos. Para a minha experiência de vida, foi fundamental testemunhar que mesmo na pobreza é possível cuidar do próximo e compartilhar o pouco que se tem”.

Embora não estejam previstas apresentações ao vivo, irmã Cristina disse que gostaria de fazer shows na Europa. “Seria fantástico conseguir encher os estádios com a minha música, como fazem muitos religiosos no Brasil.”

Celebridade religiosa

Mesmo com a fama, irmã Cristina afirma não ter dificuldades para conciliar a vida religiosa com a carreira musical. Em Milão, a congregação da qual ela faz parte administra uma escola infantil, um pensionato para universitárias e colabora com a paróquia local. Cristina dá aulas de catequismo, faz turnos na portaria da pensão e canta durante as missas de domingo.

“A minha prioridade é a oração, a eucaristia, mas dedicar um pouco do meu tempo ao disco e aos fãs não me distrai do meu objetivo. É apenas um meio a mais para evangelizar”, diz.

“Se o sucesso acabar, ou se for preciso escolher, com certeza vou optar pela vida religiosa. Mas vou continuar a animar a minha comunidade com minha voz e meu violão.”

Músicas e subsídios para baixar

 

BBC / Portal Kairós

Oração da Campanha da Fraternidade 2015

Músicas e subsídios para baixar