Apresentando o Mês da Bíblia 2020

Tema: Livro do Deuteronômio
Lema: “Abre tua mão para o teu irmão” (Dt 15,11)

Estão ante seus olhos, caríssimos leitores e leitoras, as páginas dedicadas ao Mês da Bíblia 2020 (setembro). Desta vez, as atenções se voltam para o Livro do Deuteronômio. Embora não muito conhecido, é um livro muito importante para conhecer a história e a maturação teológica do Antigo Testamento. E um livro precioso para que se possa compreender o processo de revelação de Deus: de um Deus severo (tempos mais antigos) para um Deus misericordioso (tempos mais tardios).

Mês da Bíblia 2020

Nós já temos o Livro do Deuteronômio pronto. Os pensamentos estão já formados, as mentes e mentalidades já alcançaram suas linguagens, as experiências de fé em Deus, os descaminhos do povo e os caminhos reencontrados já receberam sua formulação, os tradutores já concluíram seu trabalho, enfim, ele está já impresso e presente em nossas Bíblias. Mas, para chegar às nossas mãos, foi longo o percurso. A forma escrita foi a última de um longo tempo de encontros e desencontros do povo com seu Deus. Um povo que tropeçava, que se deixava tentar por formas de poder e domínio sobre os outros. Da parte de Deus, o tema da Aliança, de sua renovação, com todos os desdobramentos de justiça e de fraternidade, todas essas idas e vindas estão na base histórica do livro. E a parte que não se vê, caso não seja explicada.

Na realidade, o Deuteronômio é a expressão, em forma de letra e redação, de buscas e encontros entre Deus e seu povo. E o presente Texto-Base para o Mês da Bíblia 2020 quer oferecer ao leitor atual a experiência de fé daqueles que primeiramente acederam ao que Deus queria revelar de si mesmo. Seus autores querem aproximar os leitores de hoje aos protagonistas de ontem. É como se os de outrora e os de agora se reunissem para conversar sobre aquele Deus que se revelou, que se deixou conhecer. Naturalmente, foi preciso escolher páginas e temas. Não é possível abordar em um escrito para fins pastorais um livro bíblico de 34 capítulos, e é fácil observar que as opções recaíram sobre aquelas temáticas que se avizinham com as palavras, ensinamentos e vivências de Jesus Cristo.

Mês da Bíblia 2020

Cartaz do Mês da Bíblia 2020

Poderá o leitor observar que os autores, embora professores especializados, não pretendem apresentar o Deuteronômio segundo um saber reservado aos doutos. A equipe, além de estudar e ensinar em cursos de teologia, também se deixou ensinar pelo testemunho de comunidades que acreditam na força da Palavra de Deus. Nestas páginas, não há apenas competência e sensibilidade pedagógica, há também amor a Jesus Cristo e aos que o seguem. Estes são parágrafos que trazem a marca da paixão pastoral.

Cabe, então, uma palavra de penhorada gratidão ao grupo liderado pelo Frei lido Perondi e aos demais membros que colaboraram: Fabrízio Zandonadi Catenassi, Izabel Patuzzo, Luiz Alexandre Solano Rossi, Maria Aparecida Barboza e Vicente Artuso. O tempo da edição pressionava e os apressava, mas eles ofereceram seu tempo e até postergaram compromissos para que outro tempo, o do Mês da Bíblia 2020, não passasse vazio no tempo do calendário. Que o Espírito de Deus, que inspirou a Palavra, continue a lhes ser a grande inspiração. E Deus, que nunca se deixa vencer em generosidade, os cumule sempre com as melhores bênçãos.

 

Baixe o Cartaz do Mês da Bíblia 2020 em pdf:

 

Dom José Antônio Peruzzo
Arcebispo de Curitiba -PR
Comissão Episcopal Pastoral
para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB

Quais são os versículos mais conhecidos da Bíblia?

Toda a Bíblia é importante mas alguns versículos são mais conhecidos que outros. Mas quais são os versículos mais populares da Bíblia? Para essa lista, buscamos os versículos mais acessados em sites de bíblia online e procuramos explicar seu significado. Veja esses versículos conhecidos e desperte seu desejo de ler mais da Bíblia!

01 – 1 Coríntios 13,4-7

O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. (1 Coríntios 13,4-7)

Essa passagem descreve o maior dom de todos: o amor. De acordo com a Bíblia, amar não é apenas um sentimento, é toda uma atitude de vida. O perfeito amor vem de Deus e transforma a maneira como nos relacionamos com as pessoas. Com a ajuda de Jesus, precisamos cultivar o amor, procurando agir da forma descrita em 1 Coríntios 13,4-7, porque nada do que fazemos tem valor sem amor. Esse é o ideal do amor que devemos buscar refletir em nossas vidas.

02 – Josué 1,9

Não fui eu que ordenei a você? Seja forte e corajoso! Não se apavore nem desanime, pois o Senhor, o seu Deus, estará com você por onde você andar. (Josué 1,9)

Quando Moisés morreu, a liderança do povo de Israel foi passada para Josué. Além disso, Josué tinha a missão de conquistar a terra prometida, depois de 40 anos no deserto. Ter tanta responsabilidade não é fácil! Mas Deus falou com Josué e lhe lembrou que ele não estava sozinho. Se ele fosse fiel a Deus, seguindo seus mandamentos, Deus iria estar com ele a cada passo, dando-lhe a vitória. Da mesma forma, Deus está sempre presente na vida de quem é fiel a ele. Quando pomos nossa confiança nele, ele não falha!

03 – Mateus 18,21-22

Então Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “senhor, quantas vezes deverei perdoar a meu irmão quando ele pecar contra mim? Até sete vezes?” Jesus respondeu: “eu digo a você: não até sete, mas até setenta vezes sete. (Mateus 18,21-22)

Perdoar não é fácil mas é muito importante. Depois de dizer que devemos perdoar inúmeras vezes, Jesus explicou que nosso perdão deve ser fruto do perdão que recebemos de Deus. Se Deus nos perdoou todas as nossas ofensas, então nós não temos o direito de guardar rancor contra ninguém. Quando perdoamos, mostramos o poder do amor de Deus e deixamos a justiça nas mãos dele.

04 – Jeremias 29,11

Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês, diz o Senhor, planos de fazê-los prosperar e não de causar dano, planos de dar a vocês esperança e um futuro. (Jeremias 29,11)

No tempo de Jeremias os israelitas estavam em uma situação difícil. Seu país tinha sido conquistado pelo rei Nabucodonosor e o povo tinha sido exilado para a Babilônia. Será que havia esperança para eles? Sim! Através de Jeremias, Deus prometeu que iria levar os israelitas de volta para Israel e restaurar seu povo. Deus castiga os pecados e por vezes permite o sofrimento, mas seus planos são sempre para nos abençoar e restaurar.

05 – João 16,33

“Eu disse essas coisas para que em mim vocês tenham paz. Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo”. (João 16,33)

Na sua última noite antes de ser crucificado, Jesus explicou muitas coisas importantes aos seus discípulos. Ele os preparou para sua morte e para o sofrimento que iriam enfrentar, mas também lhes deu esperança. Os discípulos não ficariam sozinhos. Através do Espírito Santo, Jesus está sempre conosco e ele venceu todas as dificuldades do mundo. Jesus é nosso motivo para não desanimarmos quando passamos por aflições.

06 – Números 6,24-26

O Senhor te abençoe e te guarde; o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti e te conceda graça; o Senhor volte para ti o seu rosto e te dê paz. (Números 6,24-26)

Uma das funções dos sacerdotes no Antigo Testamento era abençoar o povo de Israel, no nome de Deus. Essas eram as palavras de bênção que eles deveriam proclamar sobre os israelitas, quando eles vinham para adorar a Deus. A maior bênção que podemos receber é a presença, a paz e a graça de Deus em nossas vidas.

07 – Isaías 41,10

Por isso não tema, pois estou com você; não tenha medo, pois sou o seu Deus. Eu o fortalecerei e o ajudarei; eu o segurarei com a minha mão direita vitoriosa. (Isaías 41,10)

Em Isaías 41, Deus lembrou à nação de Israel que ele tem todo poder e que ele estava cuidando de seu povo. Quando seguimos a Deus de todo coração, ele cuida de nós e nos protege. Não precisamos ter medo, porque Deus é poderoso para nos levar para a vitória.

08 – João 7,53

Então cada um foi para a sua casa. (João 7,53)

Não, esse versículo não é sobre a bênção de poder ir para casa depois de um longo dia de trabalho! No contexto dessa passagem, os líderes religiosos dos judeus estavam discutindo sobre Jesus. Muitos não acreditavam que ele era o enviado de Deus para salvar o mundo, e eles achavam que ele era um perigo para sua religião. Mas um homem entre eles chamado Nicodemos tentou defender Jesus. No fim, eles não chegaram a um consenso sobre o que fazer com Jesus, por isso terminaram a reunião e foram todos para casa. Só isso.

09 – Mateus 6,9-13

Vocês, orem assim, Pai nosso, que estás nos céus! Santificado seja o teu nome. Venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu. Dá-nos hoje o nosso pão de cada dia. Perdoa as nossas dívidas, assim como perdoamos aos nossos devedores. E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal, porque teu é o Reino, o poder e a glória para sempre. Amém. (Mateus 6,9-13)

Muitas vezes não sabemos como orar. Por isso, Jesus nos deu um modelo para nos orientar quando não temos ideia por onde começar. A oração do Pai Nosso toca em algumas áreas essenciais, como colocar nossa vida debaixo da vontade de Deus e pedir e oferecer perdão. Não precisa ser sempre repetido à letra mas é um bom guia na hora da oração.

10 – Levítico 19,28

Não façam cortes no corpo por causa dos mortos nem tatuagens em vocês mesmos. Eu sou o Senhor. (Levítico 19,28)

Esse é o único versículo da Bíblia que faz referência a “marcas no corpo ou tatuagens. Os israelitas não deveriam fazer marcas permanentes em seus corpos como parte de rituais pagãos ligados aos mortos. Isso era uma forma de idolatria que acontecia nos povos em redor de Israel. Por isso, antes de tomar uma decisão sobre fazer ou não uma tatuagem, o cristão deve pensar na razão e na mensagem da tatuagem.

Como viver: mês da Bíblia

11 – Mateus 19,6

Assim, eles já não são dois, mas sim uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, ninguém separe. (Mateus 19,6)

Em certa ocasião, Jesus foi questionado acerca do divórcio. Em resposta, Jesus explicou sobre a união entre marido e mulher, que é um laço especial, que recebe a bênção de Deus. O casamento não é brincadeira e o cônjuge não deve ser tratado como descartável. Sempre que possível, os dois devem se esforçar para manter o laço do casamento, deixando o divórcio apenas para situações graves, como o adultério.

12 – Êxodo 20,12

Honra teu pai e tua mãe, a fim de que tenhas vida longa na terra que o Senhor, o teu Deus, te dá. (Êxodo 20,12)

Dos 10 Mandamentos, esse é o primeiro que vem com uma promessa de bênção para quem cumpre! Os pais não são perfeitos mas geralmente têm muita informação e sabedoria para nos transmitir, porque são mais velhos que nós. A responsabilidade de cuidar de filhos é muito grande, porque vai ter grande influência no resto de suas vidas. Por isso, nossos pais merecem nossa honra. Quando seguimos a orientação de pais que amam a Deus, evitamos muitos erros.

13 – Mateus 6,34

Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã trará as suas próprias preocupações. Basta a cada dia o seu próprio mal. (Mateus 6,34)

É natural se sentir preocupado com o futuro. Ninguém sabe o que vai acontecer amanhã e essa incerteza dificulta nossas vidas. Mas existe uma pessoa que conhece todas as coisas do passado, do presente e do futuro: Deus! Ele está no controle de todas as coisas, por isso não precisamos ter medo do futuro. Cada dia tem suas próprias preocupações mas Deus não abandona quem o ama.

14 – Filipenses 4,13

Tudo posso naquele que me fortalece. (Filipenses 4,13)

Esse versículo é usado muitas vezes como motivação para atingir grandes objetivos mas tem um significado muito mais profundo. Nos versículos anteriores, o apóstolo Paulo fala sobre como aprendeu a viver contente em Deus em todas as circunstâncias. Na alegria e na tristeza, na força e na fraqueza, no conforto e na dor, sua força para continuar estava em Deus. Em todos os momentos da vida, sejam bons ou ruins, Jesus é nossa força.

O mês da Bíblia, conheça a história

15 – João 3,16

Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. (João 3,16)

João 3,16 é provavelmente o versículo mais conhecido da Bíblia! Nele temos um resumo brilhante do plano de salvação. Deus nos ama tanto que enviou Jesus para levar o castigo de nossos pecados em nosso lugar. Agora, tudo que precisamos fazer para receber o perdão de Deus é crer em Jesus, arrependendo-nos de nossos pecados. Através de Jesus, ficamos livres da condenação e temos acesso a Deus e à vida eterna. O amor de Deus é maravilhoso!

 

Portal Kairós

Três coisas pra gente aprender com a Santa Dulce

No dia 13 de março de 1992, às 16h45, o Anjo Bom da Bahia, como era chamada, falecia aos 77 anos, no Convento Santo Antônio, em Salvador (BA), após 16 meses de sofrimento e fragilidades respiratórias.

Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, a eterna Irmã Dulce, dos pobres, dos doentes, a força entre os mais necessitados, era considerada um ser capaz de romper barreiras que nem mesmo ela imaginava; uma empreendedora muito à frente do tempo em que viveu. Uma mulher profundamente crédula e devota da Divina Providência, possuidora de uma fé infinita, estritamente religiosa e comprometida com a verdade e que, desde muito jovem, conseguiu aliar fé e ação; uma religiosa que nunca questionou o poder de Deus, por pior que fosse a situação.

Resumo da vida da Irmã Dulce

Com ela, cada um de nós pode aprender sobre a vida. Destacamos três pontos:

01 – Perseverança

De todas as virtudes e qualidades, a perseverança e o compromisso que tinha com a verdade marcaram sua trajetória. Dulce ensina, com o seu exemplo, a sempre perseverar naquilo que acreditamos, sem deixar de lado a esperança e a prudência.

02 – Amor ao próximo

Dulce enxergava no outro o próprio Cristo. Não necessariamente aquele mais necessitado do ponto de vista material, mas até na pobreza espiritual extrema. Possuía a capacidade de ter profunda tolerância ao que era diferente, um profundo respeito.

03 – Princípios

Um terceiro aspecto a aprender é que Irmã Dulce nunca abria mão dos seus princípios. Estava disposta, inclusive, a radicalizar.

Ela foi um ser que sempre procurou, inspirada em Cristo e em Maria, ser profundamente fiel aos seus objetivos. Por isso sofreu, foi injustiçada, tomou cusparadas, portas batidas na cara, foi expulsa e sofreu violência física.

As melhores frases da Santa Dulce dos pobres

 

A12 / Portal Kairós

Mês Vocacional 2020: rezemos por todas as vocações!

Assumido em âmbito nacional, em 1981, por dioceses e regionais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o mês vocacional, celebrado em agosto, tem o intuito de ser um tempo especial de reflexão e oração pelas vocações e ministérios.

Este ano, em específico, a inspiração principal do mês vocacional está em sintonia com a Exortação Pós-Sinodal do Papa Francisco, a Christus Vivit, apresentada aos jovens e que traz orientações pastorais para toda a Igreja.

Com o tema “Amados e Chamados por Deus” e o lema “És precioso aos meus olhos. Eu te amo” (Is 43,1-5), o mês vocacional este ano será celebrado de uma forma especial, principalmente por conta da pandemia.

Conversamos com o bispo auxiliar de Manaus, dom José Albuquerque, e referencial da Pastoral Vocacional, para entender como se dará as celebrações, escolha do tema e lema e o significado do cartaz que representa o mês vocacional. Confira a entrevista completa:

Como será a animação do Mês Vocacional em 2020, em tempos de pandemia ou pós-pandemia?

Nós estamos conversando com os coordenadores regionais da Pastoral Vocacional e, consequentemente, esses estão em contato com os coordenadores diocesanos e já percebemos que o trabalho de animação vocacional não parou. Eles estão sendo criativos, usando principalmente as redes sociais para continuar as reuniões, realizar momentos celebrativos de oração, de adoração ao Santíssimo, de oração pelas vocações, então nós sabemos que, de modo especial, os jovens são muito criativos nesse momento de pandemia, onde todos estamos zelando pelo distanciamento social, mesmo assim o trabalho continua.

É claro que tudo vai ser adaptado, então no mês de agosto nós já estamos recebendo diversas notícias de que vão acontecer momentos celebrativos, diversas entrevistas, lives sobre testemunhos vocacionais, então assim como nos anos anteriores este também não vai ser diferente. O pessoal vai se mobilizar de outras formas e nós estaremos disponibilizando um subsídio para que de algum modo possa ajudar a fazer com que aconteça esses encontros virtuais.

No subsídio nós temos propostas de terço vocacional, momentos de leituras orantes da Palavra de Deus, celebrações com os jovens, com as famílias. Esse subsídio estará sendo disponibilizado já nos próximos dias e a nossa proposta é que ele chegue nas famílias, nas comunidades, nos grupos, não só da Pastoral vocacional, mas também em todos os grupos da paróquia.

Nós temos a esperança de que o mês de agosto continue sendo o mês onde todo mundo se reúne para rezar pelas vocações. Lembrando que nesse subsídio nós também teremos a divulgação da mensagem do Papa para o Dia Mundial das Vocações.

Como se deu a escolha do tema e lema?

Nós temos a inspiração vinda da Exortação Apostólica Pós-Sinodal Christus Vivit, do Papa Francisco. Foi resultado do Sínodo dos Jovens e nesta Exortação o Papa destaca que três verdades precisam ser anunciadas e nós vamos seguir a partir deste ano a proclamação de uma verdade.

Neste ano de 2020, a primeira verdade é que Deus nos ama, então isso está muito presente no tema e no lema. O tema “Amados e chamados por Deus” e o lema inspirado em Isaías “És precioso aos meus olhos. Eu te amo”, é uma citação bíblica que consta no documento do Papa, na Exortação Apostólica, então a primeira verdade é que Deus nos ama e que nunca deveremos duvidar disso, apesar de que possa nos acontecer na vida momentos difíceis. Em qualquer circunstância somos amados infinitamente, então o mês vocacional quer de algum modo enfatizar esta vocação: fomos chamados a amar, porque fomos antes de tudo amados.

Amados e chamados por Deus. É esse o sentido do tema e do lema. No próximo ano vamos seguir “A verdade nos salva” e, em 2022, a terceira verdade que o Papa proclamou na sua Exortação “Ele vive”.

Como se deu a escolha do cartaz?

 

Mês Vocacional 2020: explicação do cartaz

É de criação do padre Reinaldo Leitão, diretor da revista Rogate. No cartaz, nós encontramos o tema e o lema e como símbolo nós temos o coração em vermelho, que é o sinal do amor, lembra o amor de Deus no qual nós somos escolhidos e chamados. Nesse coração nós temos no centro uma chaga e dessa chaga saindo um rio. A chaga é sinal da entrega e o rio nos faz lembrar do batismo, que é a origem de todas as vocações. Acima do coração nós temos uma semente, semente vocacional da trindade, porque a vocação é de fato uma semente que Deus planta no coração de cada pessoa e essa semente precisa germinar, crescer e florescer.

Do outro lado nós temos o símbolo da rede que, de fato, nos faz lembrar da animação vocacional. Somos chamados a sermos pescadores e nesta rede estão os peixes que representam toda a humanidade. Também no cartaz estão presentes duas mãos em referência àquele que chama e aquele que ama. As mãos que mostram todo o serviço, todo o trabalho, todo o comprometimento dos animadores vocacionais e, claro, inspirado no grande animador vocacional: Jesus Cristo.

O cartaz é bastante significativo, simbólico e catequético para que a gente possa entender que a proposta do mês vocacional é para que todos se unam para esse grande mutirão de oração. Nele também temos todos os organismos que fazem parte dessa grande obra.

 

CNBB / Portal Kairós

Mês Vocacional de 2020: Somos amados e chamados por Deus

A palavra “vocação” deriva do latim “vocare”, que significa “chamado” e está intimamente ligada ao nosso existir como pessoa e ao sentido que encontramos desse existir na vida. O Guia Pedagógico de Pastoral Vocacional da CNBB afirma que “na Igreja, ‘vocação’ é o apelo de Deus que chama uma pessoa para uma missão ou serviço”.

A partir dessa definição podemos concluir que vocação é “um inefável diálogo entre Deus e o homem, entre o amor de Deus que chama e a liberdade do homem que no amor responde a Deus” (PDV, n. 36). O chamado divino se manifesta em nosso dia a dia por meio de nossa livre e amorosa resposta e adesão ao projeto de Deus, por meio do seguimento de Jesus Cristo. Dessa forma, é importante ter presente que não somos nós que escolhemos seguir Jesus Cristo, mas somos escolhidos(as) pelo Pai e chamados(as) por seu Filho.

É possível, então, afirmar que a vocação está relacionada ao convite que Jesus Cristo dirige a cada pessoa indistintamente: “Vem e segue-me” (Mt 19,21); “Vinde após mim, e eu farei de vós pescadores de homens” (Mt 4,19); “Se alguém quer me servir, siga-me,” (Jo 12,26). No chamado de Jesus há dois aspectos: ir e seguir (Mt 9,9; Mc 8,34; Lc 18,22; Jo 8,12).

“Vem” é o chamado: o convite pessoal a estar/permanecer com Jesus e tornar-se discípulo e discípula do Mestre.
“Segue-me” é a missão: o seguimento da prática de Jesus.

Portanto, não é demais relembrar que a vocação nunca é finalizada na pessoa, mas é sempre em vista de uma missão (evangelizar) e para uma comunidade concreta. Porém, o aspecto da realização pessoal existe, fomos criados e chamados à vida para sermos felizes, mas essa realização não tem um fim em si mesma.

A missão decorrente de nossa resposta vocacional como prática do seguimento de Jesus se desenvolve no mundo, para o mundo, e tem um compromisso efetivo com o bem da pessoa humana. A resposta ao chamado de Jesus “exige entrar na dinâmica do Bom Samaritano (Lc 10,29-37), que nos dá o imperativo de nos fazer próximos, especialmente com quem sofre, e gerar uma sociedade sem excluídos, seguindo a prática de Jesus, que come com publicanos e pecadores (Lc 5,29-32), que acolhe os pequenos e as crianças (Mc 10,13-16), que cura os leprosos (Mc 1,40-45), que perdoa e liberta a mulher pecadora (Lc 7,36-49; Jo 8,1-11)” (DAp, n.135).

Vocação não é isolamento, busca de satisfações, realização pessoal ou de projetos pessoais. Vocação é dar a vida pela defesa da vida (Jo 10,11; 15,13), ou seja, vocação é amar. Um Deus que é amor, chama-nos justamente porque nos ama, e nos chama para amar: “Deus te ama. Nunca duvides, apesar do que te aconteça na vida. Em qualquer circunstância, és infinitamente amado” (ChV, n. 112). Deus vê nossa beleza, somos preciosos aos seus olhos (Is 43,4). “Seu amor é tão real, tão verdadeiro, tão concreto que nos oferece uma relação cheia de diálogo sincero e fecundo” (ChV, n. 117).

Existem várias vocações?

Quando começamos a compreender o verdadeiro sentido da palavra vocação nos damos conta de que ela vai se desdobrando em vários aspectos. Para entendermos melhor, vamos comparar com uma flor: se quero presentear uma pessoa com uma rosa não posso dar uma pétala e dizer que dei uma rosa. A rosa é feita de várias pétalas que, juntas, formam o botão de rosa. Assim também acontece com a vocação. Existe uma única vocação: a vida. São Paulo VI na Populorum Progressio afirmou: “toda vida é vocação!” (PP, n. 15).15 Essa única vocação é “marcada” por uma grande vocação, a vocação cristã (cor da rosa) de onde brotam várias dimensões, as vocações específicas (pétalas).

Vocação Cristã ou vocação batismal

A vocação cristã é o chamado que recebemos pelo Batismo para assumir e, conscientemente, fazer parte da grande família dos filhos e filhas de Deus e a viver como “criatura nova” em Cristo Jesus. Dito de outra forma: a vocação cristã é o chamado a seguir Jesus Cristo, que é o Caminho, a Verdade e a Vida (Mc 1,17; Jo 14,6).

Pelos sacramentos de Iniciação Cristã (Batismo, Eucaristia, Crisma), dos quais o Batismo é a porta de entrada, recebemos essa vocação cristã comum. É por esse Sacramento que fazemos nossa opção fundamental como cristãos e nos comprometemos com a nossa comunidade. Com o Batismo, somos incorporados ao Povo de Deus, comunidade dos discípulos e discípulas de Jesus. Uma Igreja na qual todos, pelo Batismo, vivem a comum dignidade de filhos e filhas adotivos do Pai, chamados à santidade e à participarem, com seus diferentes carismas, da vida e da missão de Jesus Cristo, assumindo a dinâmica do discipulado.

Talvez, algumas pessoas se perguntem sobre a necessidade dessas afirmações que podem soar um pouco complicadas. Todavia, elas querem simplesmente dizer que na grande família dos filhos e filhas de Deus o que conta não é ser isso ou aquilo (bispo, padre, freira, diácono, cristão leigo), o que conta realmente é nossa condição de filhos e filhas de Deus, membros da Igreja (assembleia de chamados), seguidores e seguidoras de Jesus Cristo, chamados e chamadas a viver no caminho da santidade.

Vocações específicas

Anteriormente, comparamos a vocação batismal com a cor que dá vida e beleza à rosa; todas as pétalas se nutrem de uma única fonte de cor, e mesmo com diferentes tonalidades entre as pétalas não podemos dizer que uma se sobressai. As várias pétalas têm jeito e estilo próprios, mesmo sendo muito parecidas entre si, formam um conjunto diverso, mas tão harmonioso que vemos a rosa como uma coisa só, e não como um amontoado de pétalas.

Na questão vocacional é a mesma coisa. A partir da riqueza da diversidade – que a Igreja é continuamente chamada e impulsionada a viver pela ação do Espírito – é que nascem as vocações específicas como formas diferentes de responder e viver um único e mesmo Amor: o seguir Jesus e o assumir sua missão.

A partir dessa premissa, compreendemos que a vocação específica está relacionada às escolhas de vida que cada batizado e batizada assume na vivência desse único Amor. Elas são divididas em três grandes dimensões: Vocação do Cristão Leigo e Leiga, Vocação à Vida Consagrada, Vocação dos Ministros Ordenados. Em cada dimensão há diferentes aspectos, pois dentro de cada conjunto de vocação específica a pessoa é chamada a fazer escolha por uma, encontrar o seu jeito e sua forma/cor de viver a beleza de ser cristão e de amar.

 

Portal Kairós