Coletiva de Imprensa da 55ª Assembleia da CNBB em 28 de abril

Assuntos como a Celebração da Palavra, os bispos eméritos e a mensagem da CNBB para o Dia do Trabalhador estiveram em pauta na entrevista coletiva desta sexta-feira, 28, na 55ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Atenderam a imprensa o Arcebispo emérito de Manaus (AM), Dom Luiz Soares Vieira, o Bispo de Paranavaí (PR), Dom Geremias Steinmetz e o Arcebispo de São Luiz do Maranhão (MA), Dom José Belisário da Silva.

Dom José Belisário destacou alguns dos trechos da mensagem dos bispos aos trabalhadores brasileiros, por ocasião do 1º de maio. A nota trata do momento político pelo qual passa o Brasil e envia uma mensagem de ânimo e esperança aos trabalhadores.

“De fato a CNBB tem estimulado a participação das pessoas nessas grandes questões que estão sendo discutidas no Brasil. Eu tenho impressão que esses dias de hoje pode influenciar nas decisões tomadas no Congresso Nacional nessas próximas semanas”.

Sobre a Reforma Trabalhista e da Previdência Social, Dom Belisário citou um trecho da mensagem da conferência: “É inaceitável que decisões de tamanha incidência na vida das pessoas e que retiram direitos já conquistados, sejam aprovadas no Congresso Nacional, sem um amplo diálogo com a sociedade”.

“Nós não discutirmos questões especificas, pontuais a respeito essa questão. Pode haver uma reforma da legislação do país, mas com consulta e discussão. A sociedade tem que ser consultada, especialmente nesses casos onde todos são envolvidos”, afirmou.

Dom Geremias Steinmetz, bispo de Paranavaí (PR)

O bispo de Paranavaí (PR), Dom Geremias Steinmetz falou aos jornalistas sobre os desafios das comunidades espalhas por todas as dioceses do Brasil que não tem celebração dominical, mas apenas uma vez ao mês ou ainda a cada seis meses. “Essas comunidades são convidadas a celebrar dominicalmente a Palavra de Deus. A discussão principal fazer referência à valorização do Domingo e como essas comunidades podem santificar o domingo”.

De acordo com Dom Geremias ainda não se sabe se as discussões se tornará um documento, ou uma publicação de apoio. O bispo destacou a formação dos ministros que presidem a celebração da Palavra. “A formação dos ministros é uma grande questão e é séria. Precisamos avançar em uma formação mais profunda dos que se dedicam a esse trabalho”.

Dom Luiz Soares, arcebispo emérito de Manaus (AM)

Dom Luiz Soares Vieira explicou como é o processo para que um bispo seja declarado emérito e que partir desse ponto ele não é mais membro da CNBB. “Quando um bispo completa 75 anos, ele entrega uma carta endereçada ao Papa e nessa carta ele entrega a sua diocese. Após o Santo Padre aceitar sua renúncia ele passa a não ter mais o governo da diocese, mas pode continuar administrando sacramentos”, explicou.

Aos jornalistas, Dom Luiz Soares disse que atualmente são 172 bispos eméritos, sendo aproximadamente um terço do episcopado brasileiro. Neste ano, 51 bispos eméritos participam da Assembleia em Aparecida.

Dom Luiz Soares explicou ainda que a CNBB criou um fundo que auxilia as dioceses na manutenção da vida dos bispos após sua renúncia. O bispo ainda destacou que atualmente três bispos eméritos foram chamados pela Santa Sé para governar dioceses em transição, mostrando toda a contribuição que os eméritos ainda podem dar para a vida da Igreja.

a12.com

Baixe materiais especiais para seu grupo