Posts

Reflexão e sugestão para a Missa do 18° Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A

18° Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A

Is 55,1-3; SI 144; Rm 8,35.37-39; Mt 14,13-21

18° Domingo do Tempo Comum 2020

MECHELEN, BÉLGICA – 4 DE NOVEMBRO DE 2016: Vitral que descreve o milagre de Jesus que alimenta a multidão com pães e peixes na catedral de Saint Rumbold em Mechelen, Bélgica.

O pouco com Deus é muito!

iniciamos hoje o mês dedicado às vocações. Jesus, o vocacionado do Pai por excelência, demonstra que a compaixão faz parte de seu agir missionário. Após a morte de João Batista, vai ao deserto para retirar-se. Mas seu olhar, cheio de compaixão, leva-o a acolher as pessoas e a anunciar-lhes a boa nova do evangelho. O momento é também propício para instruir os discípulos no caminho da compaixão, o qual os leva a se comprometer com a necessidade do povo. É mais fácil e confortável despedir a multidão, mas Jesus exorta seus discípulos a encarar o desafio em modo novo, ou seja, com compaixão. É preciso sentir-se responsável pelo rebanho a eles confiado. Sem esse comprometimento, o amor de Deus não se multiplica e o povo continua abandonado à própria sorte.

Os cinco pães e os dois peixes são insuficientes se considerados em si mesmos. Mas, no momento em que são entregues nas mãos de Jesus e são elevados em agradecimentos como dons divinos, tornam-se mais que suficientes para saciar toda a multidão. Basta abrir o coração para a partilha, reconhecendo que o que temos, por pouco que seja, não nos pertence. A partir daí se entende o famoso dito: “o pouco com Deus é muito, o muito sem Deus é nada”.

Viver a compaixão que compromete, o compromisso que faz crescer na solidariedade, sem jamais perder a confiança no Deus sempre providente. Eis o caminho proposto para o discípulo-missionário de Jesus.

O milagre da multiplicação começa no coração

A passagem do Evangelho de hoje coloca a ação dos discípulos em conjunto com a ação de Deus. O “dai-lhes vós mesmos de comer” alerta que a atitude da partilha deve começar com os discípulos. Jesus não multiplica pães e peixes do nada, mas do fruto da partilha a Ele oferecido.

A lição vale para nós, discípulos-missionários de hoje. Não são raras as vezes em que nos deparamos com as múltiplas situações de necessidade e miséria e continuamos a pensar que nossos cinco pães e dois peixes não são suficientes. Falta-nos uma união maior com o amor de Cristo, como nos exorta Paulo na segunda leitura. Reconheçamos, na força da fé, que nada pode nos separar do amor de Cristo, que se mostra faminto no próximo. Nada poderá nos levar ao desânimo e ao descompromisso com o irmão que passa necessidade.

Unidos ao amor de Cristo, vamos nos convencendo de que o milagre da multiplicação começa, de fato, no coração que se abre para partilhar a vida abundante que Deus oferece a todos. Rezemos hoje por todos os sacerdotes e vocacionados a essa vida de entrega total de si mesmo a Deus e ao povo. Que todos os padres de nossas comunidades sejam abençoados na missão de serem bons pastores comprometidos com os fiéis a eles confiados.

Sugestões litúrgicas para a missa do 18° Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A

– Procissão de Entrada: procurar alguns dados da história vocacional do padre da comunidade para compor uma mensagem simples, reconhecendo sua presença e atuação ministerial junto do povo. À frente da procissão de entrada podem entrar uma estola e um cesto de pão, ressaltando que sua missão é partilhar a vida com os irmãos.
– Liturgia da Palavra: membros da Pastoral Vocacional (ou catequistas) podem dinamizar este momento. Convidar uma pessoa para entrar com um cesto de pão, com a palavra de Deus dentro. Pode passar pelo meio do povo, convidando as pessoas com esta frase: “Vamos! O mundo está com fome! Cristo nos chama para alimentá-lo com seu amor!” Ao chegar ao altar, pedir para que outras 11 pessoas saiam com cestos menores com pães, lembrando os doze cestos que sobraram. Tirar a Bíblia do meio dos pães para ser aclamada!
– Oferendas: os familiares do padre da comunidade (ou os paroquianos) podem ofertar alguns símbolos que marcam a caminhada ministerial dele. Pode-se, também, escrever em cartazes o nome dos lugares por onde passou e introduzi-los com as oferendas, como gratidão por sua doação de vida.
– Antes da Bênção: rezar a oração vocacional com todo o povo, pedindo mais santas vocações para a Igreja.

Sugestões de repertório para a missa do 18° Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A  (O Domingo)

Abertura: Acolhe os oprimidos
Aclamação: Aleluia, o homem não vive
Oferendas: A mesa Santa
Comunhão: É bom estarmos

Cifras e partituras das sugestões CNBB

Semanário litúrgico – catequético – Cantos para a Celebração – 18° Domingo do Tempo Comum 2020

 

Áudios para a Missa do 18° Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A CNBB:

 

Padre Anísio Tavares, C.Ss.R. / Portal Kairós

Leituras de Domingo: 18° Domingo do Tempo Comum 2020

Leituras de Domingo

18° Domingo do Tempo Comum 2020

(Verde, glória, creio – 2ª semana do saltério)

Meu Deus, vinde libertar-me, apressai-vos, Senhor, em socorrer-me. Vós sois o meu socorro e o meu libertador; Senhor, não tardeis mais (Sl 69,2.6).

Esta Eucaristia nos convida a revigorar nossa fé com a experiência da graça e do amor de Deus, do qual nada nos pode separar. Deixando-nos alimentar pelo Senhor, aprendamos dele o espírito de compaixão e de partilha. Neste início do mês vocacional, comungamos com os vocacionados para o ministério ordenado: diáconos, padres e bispos.

Primeira Leitura: Isaías 55,1-3

Leitura do livro do profeta Isaías – Assim diz o Senhor: 1“Ó vós todos que estais com sede, vinde às águas; vós que não tendes dinheiro, apressai-vos, vinde e comei, vinde comprar sem dinheiro, tomar vinho e leite sem nenhuma paga. 2Por que gastar dinheiro com outra coisa que não o pão, desperdiçar o salário senão com satisfação completa? Ouvi-me com atenção e alimentai-vos bem, para deleite e revigoramento do vosso corpo. 3Inclinai vosso ouvido e vinde a mim, ouvi e tereis vida; farei convosco um pacto eterno, manterei fielmente as graças concedidas a Davi”. – Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial: 144(145)

Vós abris a vossa mão e saciais os vossos filhos.

1. Misericórdia e piedade é o Senhor, / ele é amor, é paciência, é compaixão. / O Senhor é muito bom para com todos, / sua ternura abraça toda criatura. – R.

2. Todos os olhos, ó Senhor, em vós esperam / e vós lhes dais no tempo certo o alimento; / vós abris a vossa mão prodigamente / e saciais todo ser vivo com fartura. – R.

3. É justo o Senhor em seus caminhos, / é santo em toda obra que ele faz. / Ele está perto da pessoa que o invoca, / de todo aquele que o invoca lealmente. – R.

Segunda Leitura: Romanos 8,35.37-39

Leitura da carta de São Paulo aos Romanos – Irmãos, 35quem nos separará do amor de Cristo? Tribulação? Angústia? Perseguição? Fome? Nudez? Perigo? Espada? 37Em tudo isso, somos mais que vencedores, graças àquele que nos amou! 38Tenho a certeza de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os poderes celestiais, nem o presente, nem o futuro, nem as forças cósmicas, 39nem a altura, nem a profundeza, nem outra criatura qualquer será capaz de nos separar do amor de Deus por nós, manifestado em Cristo Jesus, nosso Senhor. – Palavra do Senhor.

Evangelho: Mateus 14,13-21

Aleluia, aleluia, aleluia.

O homem não vive somente de pão, / mas vive de toda palavra que sai / da boca de Deus, e não só de pão. / Amém. Aleluia, aleluia! (Mt 4,4) – R.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus – Naquele tempo, 13quando soube da morte de João Batista, Jesus partiu e foi de barco para um lugar deserto e afastado. Mas, quando as multidões souberam disso, saíram das cidades e o seguiram a pé. 14Ao sair do barco, Jesus viu uma grande multidão. Encheu-se de compaixão por eles e curou os que estavam doentes. 15Ao entardecer, os discípulos aproximaram-se de Jesus e disseram: “Este lugar é deserto e a hora já está adiantada. Despede as multidões, para que possam ir aos povoados comprar comida!” 16Jesus, porém, lhes disse: “Eles não precisam ir embora. Dai-lhes vós mesmos de comer!” 17Os discípulos responderam: “Só temos aqui cinco pães e dois peixes”. 18Jesus disse: “Trazei-os aqui”. 19Jesus mandou que as multidões se sentassem na grama. Então pegou os cinco pães e os dois peixes, ergueu os olhos para o céu e pronunciou a bênção. Em seguida partiu os pães e os deu aos discípulos. Os discípulos os distribuíram às multidões. 20Todos comeram e ficaram satisfeitos, e, dos pedaços que sobraram, recolheram ainda doze cestos cheios. 21E os que haviam comido eram mais ou menos cinco mil homens, sem contar mulheres e crianças. – Palavra da salvação.

Reflexão

Não adianta Jesus tentar se afastar do povo, pois este corre a ele aonde quer que vá. Podem ser várias as razões pelas quais a multidão o procura; para o Mestre não importa o motivo. Diante da realidade dessa multidão, Jesus enche-se de compaixão, sofre a mesma dor desse povo. Se houvesse mais compaixão por parte de todos, muitos males e sofrimentos seriam resolvidos, incluindo o da fome. Ela existe não por falta de alimento, mas por falta de partilha e de compaixão. Jesus convidou a multidão a cear com seu grupo, repartindo os pães e peixes que levavam consigo. Trata-se de gesto muito comum para os orientais. A cultura ocidental normalmente partilha a mesa com a
família, parentes e amigos convidados. O “novo mundo”, anunciado pelos profetas e iniciado por Jesus, vai se concretizar quando trilharmos o duplo caminho: o caminho da justiça e da denúncia e o caminho da fraternidade e da solidariedade. Só assim superaremos a tendência maléfica do “cada um por si”.

Oração

Senhor Jesus, em vez de despedir as multidões famintas, desafiaste teus discípulos a alimentá-las, sem recorrer ao comércio. Foi assim que, recolhendo o alimento que traziam, saciaste a fome de todos, e ainda sobrou muita comida. Ensina-nos a partilhar generosamente os bens que possuímos. Amém.

 

Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp / Pe. Nilo Luza, ssp / Portal Kairós

Downloads