Posts

Letras da Campanha da Fraternidade 2015

Padre José Weber

Padre José Weber

Letras da Campanha da Fraternidade 2015

01 – HINO CF 2015
Letra: Pe. José Antonio de Oliveira
Música: Pe. José Weber

01 – Em meio às angústias, vitórias e lidas,
No palco do mundo, onde a história se faz,
Sonhei uma Igreja a serviço da vida.

Eu fiz do meu povo os atores da paz! (2x)

Refrão:
Quero uma Igreja solidária,
Servidora e missionária,
Que anuncia e saiba ouvir.
A lutar por dignidade,
Por justiça e igualdade,
Pois “EU VIM PARA SERVIR”.

02 – Os grandes oprimem, exploram o povo,
Mas entre vocês bem diverso há de ser.
Quem quer ser o grande se faça de servo:

Deus ama o pequeno e despreza o poder. (2x)

Refrão

03 – Preciso de gente que cure feridas,
Que saiba escutar, acolher, visitar.
Eu quero uma Igreja em constante saída,

De portas abertas, sem medo de amar! (2x)

Refrão

04 – O meu mandamento é antigo e tão novo:
Amar e servir como faço a vocês.
Sou mestre que escuta e cuida seu povo,

Um Deus que se inclina e que lava seus pés. (2x)

Refrão

05 – As chagas do ódio e da intolerância
Se curam com o óleo do amor-compaixão.
Na luz do Evangelho, acende a esperança.

Vem! Calça as sandálias, assume a missão! (2x)

Refrão

Músicas e subsídios para baixar

LEIA MAIS

Materiais / Subsídios para a Campanha da Fraternidade 2015

p_cartaz_materiais_portalkairos

Confira os materiais abaixo

O lançamento oficial da Campanha da Fraternidade 2015 será no dia 18 de fevereiro, às 10h30, na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília. Para auxiliar na vivência e divulgação da Campanha nas dioceses, paróquias e comunidades, a Comissão Executiva da CF 2015 disponibiliza materiais para serem baixados, entre eles o cartaz, textos formativos, hino e partitura, oração e apresentações. Confira abaixo.

Com o tema “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e lema “Eu vim para servir” (cf. Mc 10, 45), a Campanha da Fraternidade (CF) 2015 buscará recordar a vocação e missão de todo o cristão e das comunidades de fé, a partir do diálogo e colaboração entre Igreja e Sociedade, propostos pelo Concílio Ecumênico Vaticano II.

O texto-base utilizado para auxiliar nas atividades da CF 2015 está disponível nas Edições CNBB. O documento reflete sobre a dimensão da vida em sociedade que se baseia na convivência coletiva, com leis e normas de condutas, organizada por critérios e, principalmente, com entidades que “cuidam do bem-estar daqueles que convivem”.

Músicas e subsídios para baixar

A Campanha da Fraternidade de 2015

dom_odilo_scherer_em_roma

Dom Odilo P. Scherer

Em 2015 a Igreja Católica Apostólica Romana celebra o 50.º aniversário de encerramento do Concílio Vaticano II, realizado de outubro de 1962 a outubro de 1965. Tratou-se do evento mais marcante da Igreja no século 20.

A comemoração desse aniversário está sendo ocasião para recordar personalidades importantes do concílio, como os papas João XXIII e Paulo VI. Mas também para voltar às grandes intuições e orientações dessa “assembleia-geral” do episcopado católico de todo o mundo. De fato, os ensinamentos conciliares ainda estão longe de ser plenamente postos em prática, muito embora um caminho significativo já tenha sido percorrido nesses 50 anos.

No Brasil diversos eventos vêm sendo realizados em âmbitos acadêmicos e eclesiais, nos últimos três anos, para comemorar esse cinquentenário. Para 2015 a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) está promovendo uma reflexão mais ampla, em âmbito popular, sobre o concílio por meio da Campanha da Fraternidade. Com o tema “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e o lema “Eu Vim para Servir”, a campanha aborda a relação Igreja-sociedade à luz da fé cristã e das diretrizes do Concílio Vaticano II.

A Campanha da Fraternidade parte de dois pressupostos fundamentais para a vida cristã e centrais no concílio: a autocompreensão da própria Igreja e as implicações da fé cristã para o convívio social e para a presença da Igreja no mundo. Em outubro de 1963, na abertura da segunda sessão do concílio, o papa Paulo VI expressou isso nas duas perguntas feitas no seu discurso aos participantes: “Igreja, que dizes de ti mesma? Igreja, dize, qual é tua missão?” Os 16 documentos conciliares respondem a essa dupla interpelação.

De fato, o cristianismo, vivido pela Igreja Católica, é uma religião histórica e não apenas sapiencial, embora também tenha essa conotação. Além de transmitir ensinamentos a serem acolhidos pessoalmente, sua proposta também é levar a uma prática social e histórica, em que suas convicções e seus ensinamentos sejam traduzidos em expressões de cultura e formas de convívio social.

A autocompreensão da Igreja aparece, sobretudo, no documento conciliar Lumen Gentium (A luz dos Povos): ela entende ser formada por todos os que aderem a Cristo pela fé no Evangelho e pelo batismo; assim, mais que uma instituição juridicamente estruturada, que não deixa de ser, ela é um imenso “povo de Deus”, presente entre os povos e as nações de todo o mundo, não se sobrepondo a eles, mas inserindo-se neles, como o sal na comida ou como o fermento na massa do pão. Portanto, a identificação pura e simples da Igreja com os membros da hierarquia é insuficiente e inadequada; ela é a comunidade de todos os batizados, feitos discípulos de Jesus Cristo e testemunhas do seu Evangelho.

A partir desse princípio se entende que uma das grandes questões assumidas pelo concílio tenha sido a superação da visão dicotômica “Igreja-mundo”. Isso se desdobra no esforço da Igreja de abrir-se ao diálogo com o mundo, de estabelecer uma relação fecunda com as realidades humanas, acolher o novo e o bem que há em toda parte, partilhar as próprias convicções, contribuindo para a edificação do bem comum, pondo-se ao serviço do mundo sem ser absorvida por ele.

O documento conciliar que melhor expressa essa postura é a constituição pastoral Gaudium et Spes (A Alegria e a Esperança), aprovada e promulgada por Paulo VI em 1965, às vésperas do encerramento do concílio. Esse denso texto começa com as palavras paradigmáticas: “A alegria e a esperança, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos os que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo”.

Nele aparece a visão cristã sobre o mundo e o homem, sua dignidade, sua existência e sua vocação; reflete-se sobre a comunidade humana e as relações sociais, o sentido do trabalho e da cultura e sobre a participação da Igreja, enquanto “povo de Deus” inserido na sociedade, na promoção do bem de toda a comunidade humana.

Os cristãos e suas organizações tomam parte da história dos povos e da grande família humana. E a Igreja, “povo de Deus”, fiel à missão recebida de Jesus Cristo, quer estar a serviço da comunidade humana, não zelando apenas por seus projetos internos e seu próprio bem. O papa Francisco vem recordando isso constantemente nos seus pronunciamentos: que ela precisa ser “uma Igreja em saída”, uma “comunidade samaritana”, ou como “um hospital de campo”, para socorrer e assistir os feridos… Mas também quando diz que a Igreja não pode omitir-se, nem abster-se de dar sua contribuição para a reta ordem ética, social, econômica e política da sociedade.

O pressuposto teológico e antropológico dessa preocupação do concílio é a convicção de que a humanidade constitui uma única grande família de filhos de Deus e de irmãos entre si. Por isso mesmo o empenho em favor da dignidade e dos direitos humanos fundamentais de cada ser humano, bem como na edificação da justiça social, da fraternidade entre todos e da assistência a toda pessoa necessitada, é parte integrante da sua missão, bem como da vida cristã coerente de cada membro da Igreja.

A Campanha da Fraternidade vai retomar essas intuições fecundas do concílio e propô-las novamente à reflexão no contexto brasileiro, durante o ano de 2015, especialmente no período da Quaresma, em que se prepara a celebração da Páscoa cristã. O lema “Eu vim para servir” retoma as palavras de Jesus: “Eu não vim para ser servido, mas para servir e para entregar a minha vida pela salvação de todos” (Mc 10,45). A promoção do verdadeiro espírito fraterno no convívio social é, sem dúvida, um importante serviço à sociedade.

 

Dom Odilo P. Scherer / Portal Kairós

Oração da Campanha da Fraternidade 2015

Músicas e subsídios para baixar

Dom Murilo anima participantes em Seminário da CF 2015

seminario_cf_2015_rne3

Durante o último final de semana, entre os dias 17 e 19 de outubro, dezenas de pessoas das mais variadas representações diocesanas do Regional Nordeste 3 participaram do Seminário Regional de formação e animação para Campanha da Fraternidade 2015 e da Evangelização 2014. Na atividade os participantes puderam ouvir do arcebispo de São Salvador e Primaz do Brasil, dom Murilo Krieger sobre a importância em se fortalecer o espírito de solidariedade e evangelização.

“É importante que haja uma percepção de que as pessoas necessitam viver uma solidariedade e também oferecê-la. A partir disto, a evangelização deve acontecer de forma comum a fim de que todos possam ser atingidos pela palavra de Deus”, ressaltou dom Murilo.

A atividade foi assessorada por Antônio Evangelista, um dos assessores que compõe a equipe nacional da Campanha da Fraternidade. Durante os dias do encontro o assessor apresentou propostas de incentivo e reforço durante as ações para a Campanha da Fraternidade nas Dioceses do RNE 3 e motivou aos líderes na propagação do tema 2015: “Eu vim para servir” e com o espírito de revitalizar a nossa colaboração com a sociedade pelas as palavras do Santo Padre e o documento 100 da CNBB.

Ao final do encontro os participantes definiram algumas pistas de ação como: promover a formação de Escolas de “Fé e Política” nas dioceses e Regionais e potencializar as ações de evangelização das Famílias a partir das aproximações e diálogos entre grupos, serviços e pastorais, fortalecendo o Setor Família, em sintonia com o que já está sendo proposto pelo Sínodo da Família, entre outras propostas.

 

Dom Murilo anima participantes em Seminário da CF 2015 – cnbbne3.org.br / Portal Kairós