Conheça a letra do Hino da Campanha da Fraternidade 2022

E quem fala com sabedoria
É Aquele que ensina com amor,
Sua vida em total maestria
É pra nós luz, caminho, vigor.

Letra do Hino da Campanha da Fraternidade 2022

A Campanha da Fraternidade (CF) de 2022 vai tomando forma, rosto e poesia. Com o texto base em processo de finalização, o Conselho Episcopal Pastoral (Consep) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) escolheu o cartaz e a letra do refrão acima como o hino da próxima edição da CF, cujo tema é “Fraternidade e Educação” e o lema “Fala com sabedoria, ensina com amor” (Cf Pr 31,26).

Conheça a letra do Hino da Campanha da Fraternidade 2022

A letra do hino da Campanha da Fraternidade 2022 aborda a educação na formação integral da pessoa humana e destaca em seu refrão a imagem de Cristo que “fala com sabedoria e ensina com amor”, cuja vida em total maestria é pra nós luz, caminho, vigor”.

Confira a letra:

Letra da CF 2022

Hino da Campanha da Fraternidade 2022

(Ainda pode sofrer alterações)
Tema: Fraternidade e Educação
Lema: “Fala com sabedoria, ensina com amor” (cf Pr 31, 26)

01 – É tarefa e missão da Igreja
Boa Nova no amor proclamar,
No diálogo com a cultura
Para a vida florir, fecundar
O que em redes se vai construir
E a pessoa humana formar.

Quando o anseio do conhecimento
Ultrapassa barreiras, fronteiras,
Se destaca o ensinamento
Oriundo da fé verdadeira
Que nos faz nesta ação solidários
Para o bem, condição que é certeira.

Refrão:
E quem fala com sabedoria

É Aquele que ensina com amor,
Sua vida em total maestria
É pra nós luz, caminho, vigor.

02 – Educar é a atitude sublime
Que prepara a vida futura
Compreendendo o presente, pensamos:
Ensinar é proposta segura
Para, enfim, destacar-se a atitude
Dos que em Cristo são nova criatura.

O convívio em níveis fraternos
Traz em nós o sentido discreto:
Na harmonia com os seres viventes
E no agir o equilíbrio completo
Consigamos também aprender
E educar para o amor e o afeto.

03 – O caminho nos quer convertidos:
Mergulhar no mistério profundo
Para que em sua Páscoa busquemos
Compaixão no cuidado com o mundo.
Conformados em Cristo seremos
Aprendizes do dom tão fecundo.

Quando a plena mudança atingir
Relações tão humanas, libertas,
Novos rumos em redes seremos
Gerações solidárias e abertas
Na esperança de rostos surgirem
Assumindo missões tão concretas.

04 – E na casa comum que sonhamos
Onde habitam cuidado e respeito
Educar é o verbo preciso
A cumprir neste chão grandes feitos
Para o mundo poder imitar
Quem na vida é o Mestre Perfeito.

Pedagogicamente é preciso
Escutar, meditar, compreender
Para que aprendamos com o Cristo
O caminho da cruz percorrer
E na escola da sua existência
O Evangelho seguir e viver

Sobre o autor da letra do Hino da Campanha da Fraternidade 2022

Eurivaldo Ferreira, “leigo que procura viver o espírito de batizado na Igreja que lhe deu a fé”, é graduado em Teologia pela PUC-SP, especialista em Liturgia pelo Instituto de Filosofia e Teologia de Goiânia (Ifiteg) e mestre em Teologia, com concentração em Liturgia pela PUC-SP. É agente pastoral do canto e da música na arquidiocese de São Paulo (SP). É membro da Rede Celebra de Animação Litúrgica; da Equipe de Reflexão do Setor de Música Litúrgica da CNBB; do Universa Laus, grupo internacional de pesquisadores e especialistas em canto e música litúrgica que se reúnem anualmente desde 1966. Participou, desde 2006, dos Encontros de Compositores da CNBB promovido pelo Setor de Música da CNBB (ocasião em que aprofundou a arte de compor canto e música litúrgica). Foi assessor do Setor Música Litúrgica da CNBB, em 2016.

O autor, da letra do Hino da Campanha da Fraternidade 2022, contou que acolheu “com grande alegria” a notícia de que seu “humilde texto poético foi escolhido para ser o Hino da CF 2022”. E ainda: “Agradeci a Deus por ter me dado forças e inspiração para continuar servindo a Igreja em meio a tantas dificuldades que estamos passando, mas que se torna como oferta para um serviço eclesial ainda maior”.

Eurivaldo quis oferecer uma reflexão aprofundada sobre o processo de criação do hino e sobre os elementos do contexto quaresmal relacionados à música da Campanha da Fraternidade:

Sou convicto da força de uma letra e de uma melodia numa campanha como é a Campanha da Fraternidade, que, desde 1964 vem contribuindo para um projeto de Igreja no Brasil pelo qual se faz necessário uma boa reflexão. De fato, os temas refletivos pelas CFs, a cada ano, contribuem para preencher lacunas que a sociedade ainda não conseguiu alcançar.

Como em toda campanha, uma música nos motiva a vivermos seu sentido e a ampliarmos sua forma de alcance. É um elemento de fácil assimilação e que condensa, com linguagem poética, aqueles elementos que mais podem expressar seu objetivo.

A música é uma forma de arte. Dentre todas as artes, é ela a que expressa com mais beleza os motivos e as razões da nossa fé e enobrece a palavra, dando destaque àquilo que, por sua vez, a palavra sozinha não pudesse fazer.

Quando falamos em música não podemos deixar de falar da poesia. Por isso importam vários elementos principais que podem soar como “combustíveis” da poesia: a palavra, o texto e a língua, a inspiração, o ritmo, a voz falada e a voz cantada. Quando nos propomos a fazer uma poesia para um hino de uma campanha, pensamos na função que possui o texto para chamar a atenção para o que está sendo exposto. Na letra de um hino há uma força motivadora própria, caraterizada pela expressão de seu texto poético e pela beleza de sua melodia (que em breve será escolhida também por meio de um concurso).

Para o Hino da CF não se trata de dizer que é um hino litúrgico, trata-se sobretudo de um texto pastoral, cujas realidades presentes em sua letra retratam e refletem aquela solidariedade que caracteriza os discípulos de Cristo na sua relação com toda a humanidade, pois, “as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens e mulheres de hoje, sobretudo dos pobres e de todos e todas que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos e das discípulas de Cristo. Não se encontra nada de verdadeiramente humano que não lhes ressoe no coração. (…) Portanto a comunidade cristã se sente verdadeiramente solidária com o gênero humano e com sua história”[1].

Tendo em vista essas considerações preliminares, elenco então algumas possibilidades e reflexões que encontrei como elementos motivadores e inspiradores para a construção do texto poético do Hino da CF 2022. São formulações que eu mesmo construí através de meus estudos poéticos:

a) deve ser um texto pedagógico que tenha se inspirado ou no Manual da CF de cada ano ou no Edital do concurso do hino daquele ano, lançado pelo Setor de Música da CNBB e pela Equipe da CF;

b) deve ter um conteúdo pedagógico-espiritual cuja vivência quaresmal nos encaminhe segundo o qual o princípio da caridade constitui elemento de um tripé para seguirmos confiantes o caminho até a Páscoa;

c) deve ter um argumento e um fundamento teológicos, pois a cada ano a Igreja se une ao mistério de Jesus no deserto durante quarenta dias, vivendo um tempo de penitência e austeridade, de conversão pessoal e social, especialmente pelo jejum, a caridade e a oração;

d) deve estar dentro de um contexto pedagógico-social, já que estamos num tempo forte e privilegiado, em que, percorrendo o caminho da Páscoa (cume), a fim de renovarmos nossa fé e nossos compromissos batismais, cultivamos com mais amplitude o amor a Deus e ao próximo desdobrando-se numa atitude de solidariedade com e entre os irmãos e as irmãs (fonte). Podemos falar de uma mística que conduz o caminho espiritual.

e) deve partir do sentimento particular para o pedagógico-universal, já que essa solidariedade não se restringe ao âmbito ou ao espaço religioso, ao templo, por exemplo, mas atinge camadas mais universais (o país, a região, a cidade, o município, a comunidade, o bairro, a vila, a vizinhança etc.) como que em graus, a fim de que a Páscoa de Jesus possa atingir também essas realidades.

A título de exemplo, a reconciliação é um elemento próprio do tempo da Quaresma, mas que deve sempre ser antecedida de um anseio caritativo e de uma força comunitária, também eclesial, até atingir o universo, por isso, cada pessoa é responsável em se juntar ao desejo da Igreja, em forma de uma campanha, para poder atingir, de maneira gradual as realidades que ela deseja e tem por meta ou tarefa: a de evangelizar, cuja educação – como nos propõem o tema e lema deste ano – está incluída como parte integrante de sua missão no mundo. Aliás, a reconciliação, se não for vivida na sua plenitude cósmica, não será válida. Afinal, todo o cosmos será atingido pela Páscoa de Cristo.

E, para finalizar, é no tempo quaresmal que essas possibilidades que julgo como elementos inspiradores e motivadores se fazem mais latentes pelo chamamento da Igreja e de outras comunidades de fé que compartilham desse mesmo propósito. Esse é o grau maior de nossa compreensão como aprendizes do Mestre Jesus que nos impulsiona, a partir de pequenas atitudes do dia a dia a atingirmos gradualmente aquilo que ele mesmo fez e continua fazendo continuamente nas nossas vidas, na comunidade, no mundo, no universo: tecer relações humanas e abertas, educando o presente e transformando-o a partir do anúncio do Reino, do seu Evangelho, para recriarmos e conservarmos para as novas gerações a obra da criação que tem por autor o próprio Deus.

Espero que esta pequena contribuição de um poeta aprendiz possa servir como impulso para marcar os principais anseios que a CF 2022 vem nos trazer como reflexão.

 

[1] CNBB. Princípios da música litúrgica. Do ponto de vista pastoral. In: Canto e música litúrgica. Princípios teológicos, litúrgicos, pastorais e estéticos. Brasília-DF: 2006. Edições CNBB, p. 13

 

CNBB / Portal Kairós

Divulgado o cartaz da Campanha da Fraternidade 2022

Em março deste ano, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lançou o edital para a escolha da identidade visual da Campanha da Fraternidade (CF) 2022 cujo tema é “Fraternidade e Educação” e o lema “Fala com sabedoria, ensina com amor” (Cf Pr 31,26).

O edital oferecia elementos teóricos que ajudavam na elaboração da arte além de estimular a criatividade dos artistas. O certame (concurso) informava, dentre outras coisas, que o cartaz deveria conter os dizeres do tema e lema da CF 2022, dando ênfase à passagem bíblica. Explicava também que sua elaboração deveria primar pela técnica e criatividade, mas acima de tudo pela inspiração e meditação que o lema e o tema podem trazer. Além disso, o candidato ao concurso deveria pensar uma arte viável para ser aplicada além do Cartaz da Campanha da Fraternidade 2022, como por exemplo: adesivo, camiseta, bonés, mochilas.

Mais de 11 000 cifras e partituras

Passado o período de recebimento das propostas, que era até o dia 17 de maio, o padre Patriky Samuel Batista, secretário executivo de Campanhas da CNBB, anunciou que a comissão organizadora fez uma avaliação técnica e o Conselho Episcopal Pastoral (Consep) da CNBB procedeu a escolha da obra vencedora.

“Foi com alegria que na última reunião do CONSEP os bispos escolheram o Hino e o cartaz da CF 2022. É a terceira vez que a Educação figura como tema da Campanha da Fraternidade, agora sobre o horizonte do Pacto Educativo Global proposto pelo Papa Francisco.

Creio que a realidade da educação nos interpela e exige profunda conversão de todos, verdadeira mudança de mentalidade, orientação de vida, revisão das atitudes e busca de uma educação que promova o desenvolvimento pessoal, integral e formação para a vida fraterna e para o compromisso com o bem comum. Refletir e atuar a favor da educação é uma forma de viver o caminho quaresmal. É reconhecer que algo pode e deve mudar neste cenário e, principalmente, em nossas relações. É permitir que a Palavra de vida e salvação nos eduque a fim de que possamos refletir sobre este tema tão importante, ainda mais impactado pela pandemia. É tempo de cuidar da educação”, disse o padre.

Cartaz da Campanha da Fraternidade 2022

Cartaz oficial da Campanha da Fraternidade 2022

Explicação do cartaz da Campanha da Fraternidade 2022

Pensando a educação em todos os âmbitos da vida, a identidade visual da Campanha da Fraternidade de 2022, feita pelo leigo Antonio Batista de Souza Júnior, tem como inspiração o capítulo oitavo do Evangelho segundo João, eco do lema que é proposto.

No cartaz , diante da mulher, surpreendida em flagrante adultério, e que está prestes a ser apedrejada, Cristo, Divino Mestre e Educador, apresenta um novo ensinamento que se revela como um verdadeiro ato de esperança no ser humano. Jesus educa de maneira pedagógica, integral e a partir de uma ação repleta de sabedoria e amor. Este é o único momento em que o Evangelho mostra Jesus escrevendo. Não se sabe o que Ele escreveu. Sob a luz da espiritualidade quaresmal, o autor apresenta uma releitura da cena com uma possível escrita sobre o chão: AMOR E SABEDORIA palavras retiradas do lema: “Fala com sabedoria, ensina com amor” (Pr 31, 26).

As pedras espalhadas pelo chão resumem parte do desfecho daquilo ensinado por Jesus. “Vai e não peques mais.” Palavra que inaugura um novo estilo de vida marcado pela conversão. O cartaz direciona o interlocutor ao Mestre Jesus, o centro da fé. Convertidos pela Palavra e comprometidos com a vida, dom e compromisso, nosso olhar se dirige a Jesus que é mostrado em perfil, em pé e com disposição corporal curva em direção a mulher posta a juízo. A cabeça de Jesus, emoldurada por um círculo, auréola, é o eixo do cartaz, lugar onde parte a inteligência, a sabedoria e por consequência, a “Palavra de vida eterna.” (Jo 6.68).

A disposição da mulher, também curva no cartaz, se coloca a ouvir, aprender e percorrer uma nova vida que brota da Cruz. Sua cabeça é aparelhada com os pés da Santa Cruz, esta que aparenta suave como marca d’água ao fundo do cartaz. Duas cores predominam no Cartaz, verde e Laranja. A cor verde a lembrar o que é vivo e a cor laranja a instigar a fidelidade criativa, própria do seguimento. Estas duas cores darão a qualidade visual de todo material da CF, a fim de induzir a lembrança ao tema e ao lema escolhidos para o ano de 2022. Tanto a mulher, quanto Jesus tem-se na área peitoral, o repouso da mão, gesto que reflete a interação pedagógica de quem ensinou e de quem aprendeu.

Sobre o peitoral de Jesus, um pequeno coração em cor vermelha, este, a comprimir o gesto misericordioso e educador refletido nesta arte. Inspirados por Ele, todos são convocados a pensar a integralidade da educação. Ela perpassa todos os aspectos da vida humana. “Com Cristo, aprendamos a falar com sabedoria e ensinar com o amor. Eis o tempo de conversão e compromisso!”.

O autor

Antonio Batista de Souza Júnior (foto) é natural de Angical (BA) e foi o vencedor do concurso. Ele elaborou o cartaz da CF 2022 cuja proposta, segundo ele, é o de responder “de forma sintética e ampla toda a temática da educação proposta pela CF 2022”.

Antonio contou que desde adolescente já produzia arte em sua comunidade. Em 1997, por exemplo, quando ainda tinha 13 anos foi convidado pelo padre de sua paróquia a reproduzir o cartaz da CF de 1997 cuja temática era ” A fraternidade e os encarcerados” e o lema “Cristo liberta de todas as prisões”.

“O padre da minha paróquia me fez o convite para reproduzir o cartaz da CF de 97, porque eu era o desenhista da minha cidade, já era conhecido por fazer desenhos e pinturas. Foi quando o padre levou um pedaço de TNT e duas tintas de bicicleta em esmalte sintético – uma preta e uma amarela – para eu poder pintar o lema da Campanha de 97, usando a fonte que tinha sido proposta no livro da CF, para ele colocar na fachada da igreja para poder anunciar a CF. Foi muito desafiador porque era uma tinta óleo, de pintar bicicleta. O padre não sabia que tinta usar, mas queria daquela maneira”, conta.

E foi a partir daí que a Igreja se tornou vitrine para o trabalho do Antonio, que naquela altura já tinha virado o artista da cidade. “Todos os trabalhos as pessoas me chamavam para fazer, pelo anúncio de que eu tinha feito a fachada. Dali em diante tudo que envolvia arte na cidade eu estava”, brinca.

Antonio também afirmou que foi a partir de sua história – com a reprodução do cartaz da Campanha de 97 -, que ele se interessou ainda mais pela Igreja. “Fui coroinha, líder da Pastoral da Juventude, líder do grupo de jovens, e tudo isso a partir dessa reprodução desse cartaz, porque até então eu não participava da Igreja. Isso fez eu me engajar e isso me levou até a ser seminarista da diocese de Barreiras, da Bahia, de onde eu continuei fazendo meu trabalho para as Igrejas de todo o Brasil”, contou.

Hoje, Antonio já não é mais seminarista, mas continua a desenvolver seu trabalho com o Espaço Litúrgico, no que compreende a arte sacra, para todo o Brasil.

A CF 2022

A proposta da CF 2022 é promover um diálogo sobre a realidade educativa no Brasil, à luz da fé cristã, propondo caminhos em favor do humanismo integral e solidário. Além disso, buscará refletir sobre o papel da família, da comunidade de fé e da sociedade no processo educativo com a colaboração das instituições de ensino; incentivar propostas educativas que, enraizadas no Evangelho, promovam a dignidade humana, a experiência do transcendente, a cultura do encontro e o cuidado com a Casa Comum.

 

CNBB / Portal Kairós

Primeira apresentação da Campanha da Fraternidade 2022 (CF 2022)

Tema “Fraternidade e Educação”
Lema “Fala com sabedoria, ensina com amor” (cf. Pr 31, 26)

Promover o diálogo sobre a realidade educativa no Brasil, à luz da fé cristã. Este é um dos objetivos da Campanha da Fraternidade 2022 (CF), que terá como tema “Fraternidade e Educação” e como lema “Fala com sabedoria, ensina com amor” (cf. Pr 31, 26). A proposta foi apresentada, na tarde do dia 13/04/2021, aos bispos que seguem reunidos durante a 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que pela primeira vez é realizada na modalidade online.

De acordo com o secretário executivo de Campanhas da CNBB, padre Patriky Samuel Batista, o caminho de construção da CF 2022 tem como uma das motivações a celebração dos 40 anos da Pastoral da Educação no Brasil, e o texto-base – documento que norteia as ações da Campanha da Fraternidade – e que segue em elaboração. “Quando nós falamos da realidade educativa, tal realidade não se restringe ao ensino científico e técnico, mas o desejo é lançar o olhar sobre a educação de forma integral”, afirmou.

Para que a Campanha da Fraternidade seja melhor desenvolvida, foram propostos sete objetivos específicos, que são: analisar o contexto da educação, bem como os desafios potencializados pela pandemia; verificar o impacto das políticas públicas na educação; identificar valores e referências da Palavra de Deus e da Tradição Cristã em vista de uma educação humanizadora; refletir sobre o papel da família, da comunidade de fé e da sociedade no processo educativo com a colaboração das instituições de ensino; incentivar propostas educativas que, enraizadas no Evangelho, promovam a dignidade humana, a experiência do transcendente, a cultura do encontro e o cuidado com a casa comum; estimular a organização do serviço pastoral junto às escolas, universidades, centros comunitários e outros espaços educativos; e promover uma educação comprometida com novas formas de economia, de política e de progresso verdadeiramente a serviço da vida humana, em especial, dos mais pobres.

Escutar, propor e discernir

Anualmente, os temas propostos pela Campanha da Fraternidade são trabalhados a partir do método “Ver, Julgar e Agir”. Em 2022 o “Ver” será na perspectiva de escutar; o “Agir” seguirá no caminho do propor; e o “Julgar” voltará o olhar para o discernimento. “O desejo da equipe executiva e do que foi proposto pelos bispos tem em vista o que o Papa Francisco propõe no Pacto Educativo Global”, disse o padre Patriky.

Família e educação

Além das ações próprias da Campanha da Fraternidade, os bispos deverão escrever uma carta aos educadores brasileiros. “O Texto-base é fundamental, mas não é um texto que chega às famílias como um texto integral. Nós pensamos que seria oportuno que um grupo de bispos pudesse escrever uma carta aos educadores e às famílias, de modo que possa ser amplamente divulgada. Não precisa ser um documento, mas uma carta que o Conselho Permanente, que será realizado em outubro, pudesse aprovar. A sugestão tem como pano de fundo a palavra do episcopado para a Quaresma de 2022 sobre a importância da educação”, afirmou o arcebispo de Montes Claros (MG) e presidente da Comissão Episcopal para a Cultura e Educação, dom João Justino.

O arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Pedro Scherer, destacou que é necessário dar espaço ao papel da família como base educacional. “A família tem um papel importante na educação, papel que não é suprido na escola. Eu acredito que seja muito importante dar este espaço, porque a família foi sendo muito alijada, a educação vem sendo terceirizada”, afirmou.

“Dentro da temática que foi proposta, eu vejo que é muito importante, porque hoje vemos uma educação bastante técnica e uma educação carente de valores. A Campanha da Fraternidade sempre foi bem aceita nas escolas e nas universidades, que sempre solicitam material. A educação está carente de valores humanitários e éticos que favoreçam os valores cristãos como nos pede o Papa Francisco”, destacou o arcebispo de Santarém (PA), dom Irineu Roman.

É importante destacar que, no contexto atual, a pandemia é abordada por um eixo transversal, que perpassa por todos os objetivos propostos. As contribuições apresentadas pelos arcebispos e bispos serão levadas, pelo padre Patrick Samuel, à equipe executiva da CF 2022.

 

CNBB / Portal Kairós