Posts

Reflexão e sugestão para a Missa do 3° Domingo do Advento 2020 – Ano B

Para: 13/12/2020

3° Domingo do Advento 2020 – Ano B

ls 61,l-2a.10-11; Ct Lc 1,46-54; lTs 5,16-24; Jo 1,6-8.19-28

3° Domingo do Advento 2020 - Ano B

A salvação, que alegra, envolve e compromete

É marca de nosso tempo o anúncio propagandístico da felicidade descomprometida, por isso egoísta. Trata-se da felicidade que advém dos bens materiais, do sucesso pessoal conseguido a qualquer custo, da beleza exterior comprada e bem paga. Ainda que esteja claro que essa proposta não funciona, pois quanto mais se tem, mais se quer, muitos ainda apostam nessa “felicidade”.

A primeira leitura do 3° Domingo do Advento 2020 – Ano B traz a oração de júbilo do profeta que agrade a bondade do Senhor, que o ungiu e o enviou para partilhar essa alegria com todos os necessitados. Alegria de verdade compartilha-se na promoção da justiça, na promoção da dignidade do outro,
possibilitando que a vida possa florir. A salvação, com a qual o profeta é revestido, não fica só para ele, como um bem individual, mas é anunciada. E quanto mais a salvação de Deus vai libertando o povo, mais o profeta se alegra.

Paulo, na segunda leitura de hoje, mostra que a alegria está na essência do ser cristão. Não se trata de uma alegria superficial ou baseada nos valores efémeros. A alegria, que nos faz enfrentar todos os desafios com fé, esperança e caridade, está alicerçada em Cristo Jesus. É nele que nos alegramos, é nele que buscamos a motivação profunda e o verdadeiro sentido da vida. Por isso é uma alegria que nos envolve por inteiro: espírito, alma e corpo.

O anúncio humilde e verdadeiro

Continuamos a meditar na fidelidade profética de João Batista. O evangelho mostra como sua humildade faz triunfar a verdade diante dos que o interrogam. Ele não é Elias, nem “O” profeta. Ele é a voz que grita no deserto. Seu batismo com água é prenúncio do batismo no Espírito, cuja fonte é o Cristo anunciado e esperado.

Em nenhum momento João chama atenção sobre si mesmo. É a missão que transparece em suas palavras, é o convite à conversão que faz dele um profeta procurado por todo o povo. É sua humildade que brilha em meio à arrogância dos que não querem compreender e muito menos acolher a chegada do Reino de Deus na pessoa de Jesus.

Estamos já no terceiro domingo do advento. O Salmo nos traz o cântico de Maria, a mulher humilde que se rejubila pelo Salvador que ela traz em seu ventre. Que esse canto de alegria nos ajude a celebrar a grande festa do nata! do Senhor, para assim anunciarmos
a verdade por meio de nosso testemunho humilde e cheio de Deus.

Sugestões litúrgicas para a Missa do 3° Domingo do Advento 2020 – Ano B

– Ato penitencial: levara reflexão sobre as falsas alegrias que não preenchem a sede de sentido que o ser humano traz no coração. Mostrar que o tempo do Advento é tempo de conversão para se acolher a alegria, que vem de Deus.

– Acendimento da terceira Vela do Advento: pedir para uma Jovem entrar com a vela acesa e para um jovem entrar com um cartaz com os dizeres: EXULTO DE ALEGRIA NO SENHOR. (Colocar o cartaz junto com os anteriores para ir formando o ternário do advento.)

– Oferendas: convidar jovens para participarem deste momento, indo até o altar com símbolos próprios da juventude, manifestando a alegria que brota da conversão. Apresentar, também, o pão e o vinho para serem consagrados.

Sugestões de repertório para a Missa do 3° Domingo do Advento 2020 – Ano B (O Domingo)

Abertura: Vigiai, eu vos digo
Aclamação: Aleluia! Vem mostrar-nos
Oferendas: A nossa oferta
Comunhão: Ouço uma voz

Cifras e partituras das sugestões CNBB

Semanário litúrgico – catequético – Cantos para a Celebração – 3° Domingo do Advento 2020

 

Áudios para a Missa do 3° Domingo do Advento 2020 – Ano B CNBB:

Cartazes para a Missa do 3° Domingo do Advento 2020 – Ano B:

 

Padre Anísio Tavares, C.Ss.R. / Portal Kairós

13 de dezembro – Missa do 3° Domingo do Advento 2020

3° Domingo do Advento 2020

A Eucaristia nos recorda que o Espírito do Senhor está sobre nós e nos faz anunciadores da Boa-nova da salvação. Somos animados pelo bonito e humilde testemunho de João Batista, que anuncia a todos a vinda de Jesus. Aproximando-nos do Natal, celebremos este “domingo da alegria” dispostos Com alegria esperamos Jesus, a luz que ilumina o mundo a acolher com fé, esperança e alegria a presença do Filho de Deus entre nós.

Jesus é a luz que ilumina nossa vida. Com nosso testemunho de fé, amor e fraternidade, também nos tornamos luz para o mundo.

A ALEGRIA DO EVANGELHO

O 3º domingo do Advento é conhecido como “domingo da alegria” e nos convida a alegrar-nos no Senhor, pois sua vinda se aproxima.

A alegria cristã tem um fundamento: a certeza de que Jesus é a Luz que ilumina os caminhos e as realidades, é o Messias e Profeta que batiza no Espírito Santo para recriar a humanidade segundo o projeto de Deus.

João Batista testemunhou, como ninguém, a vinda dessa Luz. Sua missão inspira cada cristão a viver como testemunha da Luz. Pois é Jesus o início, o fim e o centro; e nossa missão só tem sentido se fundamentada em Jesus e direcionada a ele.

O verdadeiro encontro com Jesus nos leva a reconhecê-lo como aquele que vem da parte de Deus na dignidade de Messias. É encontro que leva necessariamente ao encontro dos outros, sobretudo dos pequenos, a quem Jesus veio revelar a Boa-nova.

O Advento é tempo especial para preparar o caminho do Senhor. Preparamos sua vinda preparando nosso coração, com a conversão da mente, assumindo hoje os mesmos sentimentos de nosso Senhor. Podemos ser então, como João Batista, voz profética que, transformando o coração, ilumina e transforma as realidades. Pois nosso batismo é no Espírito, que transforma e santifica. E não pode haver maior alegria, para os cristãos, do que encontrar Jesus encontrando os menores do Reino.

O mundo está cansado de palavras e carente de testemunhos. Evangelizar é testemunhar a alegria de seguir Jesus, é expressar a certeza de que Deus vem caminhar conosco e nos ajuda a espalhar a luz do seu projeto de vida, vencendo as trevas da injustiça e da morte.

De fato, a alegria cristã é uma das mais autênticas expressões de nossa fé, e chegamos a ela assumindo atitudes fundamentais como a do Bom Pastor ou a do Bom Samaritano. Pois a verdadeira e duradoura alegria nós sentimos somente pela via dos pobres e mais necessitados, e isso só é possível se buscamos e incluímos tais pessoas em nossa vida.

 

Pe. Paulo Bazaglia, ssp / Portal Kairós

Downloads