CF 2017: Uma nova concepção de vida fraterna

Nicolau João Bakker, SVD

Introdução:

Surpreendeu-me o tema da CF de 2017: “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida“. O que a fraternidade tem a ver com os biomas brasileiros? Tradicionalmente nossos biomas são seis: a Amazônia, o Cerrado, a Caatinga, a Mata Atlântica, o Pantanal, e os Pampas do Sul. Ultimamente se acrescenta a eles a Zona Costeira e Marinha. Não é um pouco artificial ligar estes biomas ao conceito de fraternidade?

icone_cf2017_bioma A fim de encontrar uma resposta mergulhei na minha infância. Lembrei-me do lugar onde nasci: quase dois metros abaixo do nível do mar, num dos famosos “pôlderes” holandeses, uma grande e rica extensão de terra cercada pelos não menos famosos “diques” da Holanda. Tudo fruto de uma luta mais do que secular contra a temível bravura do mar. Chamavam-nos de “frísios do Oeste”, isto em oposição aos frísios “de verdade” que moravam do outro lado de um grande braço do mar, a 25 km. de distância. Lá se falava uma outra língua que nem sequer entendia. Aliás, mesmo do nosso lado, em cada aldeia, de 3 em 3 km, o linguajar do povo – e também o modo de brincar, caçoar, torcer e opinar – era um pouco diferente. Em seu conjunto, nós, frísios do Oeste, constituíamos claramente uma “tribo” bem diferente das demais tribos holandesas. Depois de adulto me dei conta que até na religião éramos diferentes. Tínhamos, sem dúvida, um modo bem próprio de encarar as nossas obrigações religiosas.

Quando minha família, na década de 1950, emigrou para o Brasil, estabelecendo-se numa pequena cooperativa agrícola na área metropolitana de Campinas (Holambra), eu, com 21 anos de idade, enfrentei um mundo totalmente novo. Juntamente com meu pai e meus três irmãos, era preciso aprender a tirar o sustento para uma família de 11, não mais a partir de um único alqueire do bioma pôlder, mas agora a partir de um bioma inteiramente diferente. Os muitos cupinzeiros esparramados pelo velho pasto à nossa frente não deixavam dúvida. Estávamos diante de um “latifúndio” de 14 alqueires de cerrado paulista. Trabalhando na roça com paulistas, mineiros e cearenses, goianos, baianos e paranaenses, fui logo percebendo que cada um/a trazia do seu bioma de origem – evidentemente com variedades regionais – um mundo próprio, não apenas no sotaque, nos costumes e nas tradições, mas também em todo um jeito particular de encarar a vida.

CF 2017: Uma nova concepção de vida fraterna

Animais dos biomas brasileiros, ilustração por Digerson Araújo

De fato, mais do que nosso estado ou região de origem, é o bioma que define o viver, conviver e sobreviver do ser humano. A modernidade, com sua fortíssima tendência de criar o “homo globalis” – fruto de uma mídia homogeneizadora e um novo estilo de vida, urbano, escolarizado, e industrializado – tende a aniquilar o efeito bioma, mas não há como. Cada bioma é o resultado de forças cósmicas que mudam apenas a longuíssimo prazo e que ultrapassam em muito a capacidade humana de, de alguma forma, dominá-los. Muito antes de o ser humano destruir o bioma, o bioma irá destruir o ser humano. Em muitos sentidos o bioma “gera” o ser humano, dando-lhe sua característica própria, não apenas nas feições do corpo, mas também nas da alma. A não ser que algum imperialismo religioso a tenha modificado, em cada canto do planeta encontraremos uma população originária dirigindo ao mundo do além uma oração particular e muito própria.

O objetivo deste artigo é demonstrar que, das ciências da vida, surge uma nova concepção de “vida fraterna”. Se queremos realmente “defender a Vida”, como pede a Campanha da Fraternidade, vamos ter que “educar o nosso olhar” – como dizia Teilhard de Chardin (†1955) – e perceber que, de fato, somos irmãos e irmãs não apenas dos nossos semelhantes, os seres humanos, mas também, como já intuía São Francisco de Assis (†1226), de todos os demais seres vivos do planeta. Faremos isto, em primeiro lugar, observando “a Vida como ela é”. Em seguida veremos que também o bioma, como a própria “Vida”, é sempre uma “teia partilhada”. E, finalmente, tiraremos algumas conclusões pastorais “em defesa da Vida”.

I –  “A Vida como ela é”

Leia mais

Repertório para Missa do 14º domingo do Tempo Comum

Listamos algumas sugestões de músicas para serem cantadas na Santa Missa

Preparamos para o 14º domingo do Tempo Comum, 3 de julho, uma sugestão de repertório para os ministérios de música das comunidades e paróquias.

 

Repertório para a Missa do 14º domingo do Tempo Comum

Repertório para a Missa do 14º domingo do Tempo Comum

Canto de entrada: Acima de todo nome (Ana Lúcia)/Partitura

Penitencial: Senhor que vieste salvar (Coral CN)/Partitura

Glória: Amor e Adoração/Partitura

Aclamação: Aleluia (Coral CN)/Partitura

Ofertório: Nossa oferta de amor (Shalom)/Partitura

Santo: Amor e Adoração/Partitura

Comunhão: Vem ao meu encontro (Fraternidade Toca de Assis)/Partitura

Final: Ou santos ou nada/Partitura

 

+ Mais músicas

 

cancaonova.com

O milagre é aberto pela canção e oração

Ironi Spuldaro, em seu artigo, destaca a importância da canção antes da pregação da Palavra de Deus

A música é algo sobrenatural, é o próprio Deus abrindo os corações e as mentes das pessoas. Como pregador da Palavra e missionário de Deus, posso dizer que fica muito difícil e quase impossível pregar sem a canção, sem a força do ministro da música e da oração, pois elas fazem com que a Palavra de Deus seja aceita pelas pessoas.

o-milagre-e-aberto-pela-cancao-e-oracao.jpg

Ironi Spuldaro

Agora, uma música ministrada na unção, uma canção não apenas cantada, mas ministrada e orada no Espírito é a própria Palavra de Deus já abrindo todos os caminhos para que o milagre aconteça.
Eu não tenho dúvida de que o milagre é aberto pela canção e a oração. O ministro de música é o soldado da linha de frente, é o batalhão principal, pois ele vai abrindo os corações e a palavra vem construindo, curando e libertando. Em seguida, a música nos coroa com a graça da alegria e do louvor, que nos leva para o Céu.

Deus abençoe todos os músicos e ministérios de música da face da terra pelo bem que fazem à Igreja e pela salvação das almas. Continuem firmes e sigam em frente, porque Deus quer pela canção encantar e alegrar o mundo que está triste. Ele quer levantar os abatidos, curar os enfermos e anunciar o tempo da graça de Deus.

Ironi Spuldaro

Cadastre no Portal Kairós para conteúdo exclusivo

Paz completa de Espírito só em Deus

Paz completa de Espírito só em Deus

Paz completa de Espírito só em Deus

A imperturbabilidade, a isenção de agitações, a serenidade diante dos naturais problemas de um exílio terreno apenas se encontram junto de Deus através de Jesus. Foi Ele quem afirmou: “Vinde a mim, vós todos que estais afadigados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração, e assim encontrareis repouso para as vossas almas!” (Mt 11,28-29). Nenhum outro personagem da história ousou fazer tal assertiva. Ele pôde assim se expressar porque era Deus e muito nos amou.

Não colocou restrições a sua promessa, uma vez que nesta sua declaração estão incluídos os sofrimentos da alma, do coração e de todo o corpo, todas as amarguras psicossomáticas. Psicólogos, psiquiatras, outros notáveis especialistas oferecem processos científicos que visam serenar os que se acham atormentados, inseguros, prisioneiros da fobia, e de outros males. Por vezes, suas orientações e medicamentos não produzem efeito, porque muitos pacientes se esquecem de que a paz interior é condição para que as técnicas humanas possam atingir plenamente seu objetivo.

Esta paz necessária só se encontra junto do coração daquele que verdadeiramente tem poder absoluto de oferecer uma total estabilização interior aos que se acham atormentados. Aliás, não apenas para as doenças psíquicas, mas também para as enfermidades corporais esta paz ajuda para a recuperação da saúde e os remédios com mais rapidez fazem seus efeitos. Adite-se que ocorre com muitos que se sentem infelizes o fato deles buscarem a satisfação de seus mais recrescentes anelos nos bens materiais, nos prazeres pecaminosos ou nos louvores dos homens.

No tumulto das paixões surgem as maiores decepções, dado que elas oferecem algo enganador. Santo Agostinhos que arduamente procurou soluções para seus conflitos interiores não as deparou no mundo exterior, conforme ele mesmo afirmou no livro “Confissões”, uma de suas obras mais lidas através dos tempos, Suas inquietações foram dissipadas, quando ele se converteu e se tornou epígono de Jesus. No citado livro, que é considerado um clássico tanto da literatura mundial, quanto da teologia e da filosofia cristãs, assim se dirigiu ao Ser Supremo: “Vós nos haveis feito para vós, ó meu Deus, e nosso coração está sempre agitado, até que repouse em Vós” (Conf 1,1). É que o Criador é a fonte da quietude absoluta.

Para que se atinja a paz integral é preciso, portanto, como fizeram tantos outros santos, a entrega total, irrestrita e confiante a Ele. Isto de tal forma que nada mais possa abalar os alicerces do ânimo que então se torna impassível diante das tormentas que assaltam o ser humano tão vulnerável às mesmas. Nem todos os cristãos usufruem de uma quietação plena, constante que os torna inalteráveis, porque deixam eles de estar totalmente sintonizados com o Pai e o Espírito Santo através de Cristo, o verdadeiro médico que sana todas as mazelas. Aí está o motivo pelo qual os santos usufruíram admirável serenidade em todos os momentos e situações adversas, enfrentando as mais árduas tarefas e humilhações com uma quietude singular.

“Eu tudo posso naquele que é a minha fortaleza”

Repetiram sempre com São Paulo: “Eu tudo posso naquele que é a minha fortaleza”. (Fl 4,13), De fato, quem se apoia em Deus jamais sucumbirá por maiores que sejam as aflições. O cristão que possui a graça santificante e tem consciência de sua participação na vida divina possui a força suficiente para repousar nas mãos do Todo-Poderoso Senhor. Sente-se imerso na luz celestial e não entrevê trevas, mas luminosidade em torno de si.

Com santo temor de perder esta iluminação espiritual tudo faz para não desprezar a amizade de Deus com qualquer pecado grave. Encontra, deste modo, o mais perfeito equilíbrio emocional. Unido a Cristo, caminho para o Pai, recebe o influxo do Espírito Santo que o faz cultivar e colher os seus frutos, entre os quais a paz., a alegria a longanimidade (Gl 5,22-23). Deste modo o repouso em Deus nesta vida se torna o sinal seguro da felicidade eterna junto dele na Jerusalém celeste. Portanto, a paz, ausência de qualquer perturbação, plenitude da felicidade, íntima tranquilidade é consequência da comunhão com Deus no tempo e na eternidade.

Cônego José Geraldo Vidigal

Autor: Cônego José Geraldo Vidigal Professor no Seminário de Mariana durante 40 anos

Lucy Alves canta Ave Maria Sertaneja na Festa do Terço dos Homens

Lucy Alves canta Ave Maria Sertaneja na Festa dos 10 anos do Terço dos Homens, na Igreja Santa Júlia.

Ave Maria Sertaneja
Luiz Gonzaga

Quando batem as seis horas
De joelhos sobre o chão
O sertanejo reza a sua oração

Ave Maria
Mãe de Deus Jesus
Nos dê força e coragem
Pra carregar a nossa cruz

Nesta hora bendita e santa
Devemos suplicar
A Virgem Imaculada
Os enfermos vir curar

Ave Maria
Mãe de Deus Jesus
Nos dê força e coragem
Pra carregar a nossa cruz (2x)

Lucyane Pereira Alves (João Pessoa, 6 de março), é uma atriz, cantora, compositora e multi-instrumentista brasileira.
Em 2013, participou da segunda temporada do programa The Voice Brasil, sendo finalista. Depois de sua participação no programa, Lucy assinou contrato com a gravadora Universal Music lançando seu primeiro álbum solo.

Lucy começou sua vida artística aos quatro anos de idade, ingressou no mundo da música pelo Projeto Formiguinhas e depois sendo violinista na Orquestra Infantil da Paraíba e da Camerata Izabel Burity. Participou como solista das Orquestras Sinfônicas da Paraíba e de Recife e da Orquestra da Câmara de João Pessoa.

Tocou violino no Conservatório Musical da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).
Foi também na UFPB que ela se graduou em música. Desde de 2002, ela está entre as integrantes do grupo nordestino Clã Brasil, no qual lançou oito álbuns, sendo dois álbuns ao vivo e dois DVDs.