Posts

Planejando e organizando as equipes para a CF 2020

Além de um compromisso pessoal, o cuidado com a vida é uma tarefa a ser cumprida comunitariamente. A proposta de conversão quaresmal da Campanha da Fraternidade 2020 (CF-2020), cujo tema é “Fraternidade e Vida: dom e compromisso”, pode ser colocada em prática a partir da articulação de uma equipe de animação na comunidade, paróquia, diocese ou regional.

O objetivo geral da CF 2020 é conscientizar, à luz da Palavra de Deus, para o sentido da vida como Dom e Compromisso, que se traduz em relações de mútuo cuidado entre as pessoas, a família, na comunidade, na sociedade e no planeta, nossa Casa Comum.

Para promover estas relações de mútuo cuidado, o texto-base da Campanha da Fraternidade 2020 resgata das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023) o termo “comunidade-casa” e indica que este deve ser “o lugar do afeto, da ternura e do abraço, do encontro fraterno em torno da Palavra e da Eucaristia que geram vida”. Também indica que “a comunidade gera vida pela proclamação da Palavra e pela vivência da fraternidade”.

O texto fala do convite à construção de comunidades-casas – as comunidades eclesiais missionárias – que são enviadas a enfrentar “todo tipo de exclusão” e a promover ações concretas de solidariedade e de inclusão. “Essa comunidade é chamada a atuar no mundo como comunidade em saída rumo às periferias humanas e existenciais”.

Seja nestas comunidades ou num grupo específico de reflexão ou animação da Campanha da Fraternidade, alguns passos podem ser dados para esta articulação:

01 – Aprofundar o tema com a equipe

O primeiro passo é estudar o tema. As equipes podem aproveitar os vários materiais impressos e os encontrados aqui no Portal Kairós, com todo o aprofundamento da temática da Campanha da Fraternidade e as propostas de celebrações, retiros, círculos bíblicos. O texto-base é o principal material da Campanha. Nele estão elencados: a fundamentação bíblica do tema, as referências nos documentos da Igreja, o resgate da atuação da Igreja no Brasil na temática e as sugestões de iniciativas práticas a partir da CF.

Várias dioceses e regionais em todo o Brasil realizam, desde o ano passado, seminários para estudo do texto-base, oportunidade de maior articulação entre os diversos agentes de pastoral para a montagem de uma equipe de campanhas.

02 – Apresentar os materiais

A equipe de campanhas e as comunidades eclesiais missionárias, ao levarem a proposta da Campanha da Fraternidade para o seu local (bairro, comunidade, aldeia, condomínio, empresa, associação, etc), além de favorecerem o conhecimento acerca dos objetivos e iniciativas, também apresentam os materiais disponíveis para a vivência da CF nestes locais.

O Portal kairós é o mais completo local para encontrar materiais extras e subsídios gratuitos para a CF 2020.

03 – Conhecer ações práticas propostas no texto-base

Agir como o bom samaritano, que viu, sentiu compaixão e cuidou, é a principal motivação da Campanha da Fraternidade 2020. Neste sentido, o texto-base, em sua terceira parte, “Cuidou dele”, indica uma série de iniciativas que podem inspirar a ação das comunidades eclesiais missionárias em vista do cuidado com o próximo. Essas indicações, tomadas da exortação apostólica Evangelii Gaudium, estão no texto-base a partir dos verbos “Primeirar” – ter iniciativa; “Envolver” – intercâmbio de cuidado; “Acompanhar” – iniciar processos fundamentados no Evangelho; “Frutificar”; e “Festejar” com momentos de confraternização.

Ainda são indicados outros quatro verbos inspirados na relação com os migrantes proposta pelo Papa Francisco: acolher, proteger, promover e integrar.

Veja os infográficos sobre as ações práticas preparado na última edição da revista Bote Fé:

Ações práticas a partir do Texto-base da CF 2020

PRIMEIREAR

Ter iniciativa. São indicadas ações como: ser presença de vida onde não há uma comunidade eclesial missionária; criar espaços de partilha da vida e da experiência de fé; valorizar o protagonismo dos cristãos leigos e leigas por meio de serviços e ministérios; ofertar atendimentos e atividades evangelizadoras em dias, horários e locais acessíveis às pessoas; favorecer o diálogo entre gerações e com a sociedade.

ENVOLVER

No intercâmbio de ternura e cuidado, a CNBB propõe: formação para convivência a partir do resgate de valores humanos; promoção de rodas de conversa sobre a realidade local; promoção e valorização da agricultura familiar e das cooperativas; envolvimento em iniciativas voltadas para a ecologia integral; parcerias com organizações que cuidem da vida a partir dos valores do Reino de Deus.

ACOMPANHAR

Neste conjunto de ideias, são sugeridos processos fundamentados no Evangelho, como iniciativas na perspectiva da iniciação à vida cristã; redescoberta da importância da Liturgia; proximidade missionária com as famílias enlutadas; valorização das celebrações da Palavra de Deus e formação de ministros da Palavra, e programas de visitas missionárias.

FRUTIFICAR

Individualmente, é necessário fazer um exame de consciência tendo em vista o pecado da omissão. A comunidade é chamada a se tornar uma casa da acolhida, da amizade, do fraterno cuidado, com o desafio de chegar ao Domingo da Páscoa do Senhor com novas comunidades formadas. Para a sociedade, o chamado é para redescobrir a esperança como força agregadora do sentido à vida, com os leigos assumindo a participação social e política.

FESTEJAR

Aqui, a indicação é para que não se descuide dos momentos de confraternização na ação evangelizadora, como aniversários, nascimentos e conquistas. Todos são chamados a promover iniciativas que favoreçam a amizade entre as pessoas, como passeios, mutirões, ações caritativas e ecológicas.

4 verbos do Papa Francisco

04 – Planejamento

Para que tudo isso aconteça, a equipe de animação da Campanha da Fraternidade precisa olhar adiante e fazer um planejamento. Devem ser pensadas as ações antes da abertura da campanha, na Quarta-feira de Cinzas, durante o período quaresmal e depois. Algumas perguntas podem ajudar: O quê? Quem? Quando? Assim, são definidas as prioridades, os responsáveis e os prazos.

Antes da CF, o foco pode ser a preparação com estudo do texto-base. Durante a Quaresma, a articulação das iniciativas, a continuidade do estudo e as celebrações quaresmais em família, grupos e comunidades, além da sensibilização para a colaboração fraterna na Coleta Nacional de Solidariedade. Após a Quaresma, a campanha continua com as iniciativas projetadas pelos grupos locais e talvez a apresentação de projetos que podem ser contemplados com os recursos do Fundo Nacional de Solidariedade (FNS).

 

CNBB / Portal Kairós