Posts

Dicas para viver melhor a Campanha da Fraternidade 2018

Durante o ano litúrgico, a Igreja nos convida, por meio da Campanha da Fraternidade (CF), a refletir sobre um problema da sociedade. Em 2018, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que coordena as campanhas, põe em evidência o assunto violência e nos convida a refletir maneiras de combatê-la. O tema da CF 2018 é “Fraternidade e superação da violência”, e o lema: “Vós sois todos irmãos” (Mt 23,8).

São muitas as formas de violência que enfrentamos dentro de casa, na rua, na sociedade. Mas o cristão não pode se acostumar com elas.

O que podemos fazer para mudar esse cenário caótico de desamor? De que maneira as comunidades podem viver melhor a Campanha da Fraternidade neste ano de 2018?

Confira as dicas para viver melhor a Campanha da Fraternidade 2018:

01 – Conversão pessoal: Para mudar os que estão à minha volta, primeiramente eu devo me mudar, ou seja, se vivo em um ambiente de violência doméstica (agressividade, impaciência etc.) devo combatê-la com amabilidade e paciência por amor e por misericórdia.

02 – A comunidade precisa promover a cultura da empatia, onde os paroquianos em suas diversas funções pastorais não se tenham como adversários, mas como irmãos que juntos lutam pelo bem daquela paróquia.

03 – Fortalecer a Pastoral Familiar para que identifique os principais problemas de violência que assolam a comunidade local e buscar exemplos de outras localidades que conseguiram superar os mesmos problemas.

04 – Reunir a comunidade, as pastorais e os movimentos para discutir os problemas identificados e traçar um plano de ação para combater os problemas da violência.

05 – Promover palestras para os paroquianos sobre a temática da violência em suas diversas formas (violência doméstica, psicológica, física, no trânsito, racial, religiosa, no campo, sexual etc.) e como combatê-la.

06 – Estimular a espiritualidade como o antídoto para nos fortalecer contra o mal e para promover a cultura da paz.

07 – Discutir o tema da superação da violência dentro da catequese com as crianças e os jovens. É possível ainda estimular a prática esportiva entre os jovens a fim de afastá-los da violência física e das drogas.

08 – Visitar as famílias que estão afastadas da Igreja a fim de acolhê-las na comunidade, ajudando-as a superarem seus problemas.

09 – A comunidade deve utilizar de todos os momentos oportunos, como homilia, encontros, cursos etc., para falar sobre a superação da violência e a promoção da paz.

 

Portal Kairós / CNBB

O que você precisa saber sobre as Campanhas da Fraternidade?

Com o início da Quaresma, entramos também na Campanha da Fraternidade (CF), uma ação organizada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Muitos não sabem que a CNBB é uma organização oficial da Igreja Católica.

Selecionamos algumas informações importantes sobre o histórico das campanhas da Fraternidade, os objetivos, ações concretas, que nos faz perceber como os temas estão sempre ligados ao que o povo de Deus vive no Brasil.

A inspiração dos temas da Campanha da Fraternidade está sempre ligada a problemas concretos pelos quais a sociedade passa

A ideia começou no início da década de 1960, quando padres da Cáritas Brasileira idealizaram um fundo para realizar, como Igreja, atividades assistenciais. O embrião da Campanha que temos hoje ocorreu, pela primeira vez, na Quaresma de 1962 em Natal (RN). Cresceu aos poucos e ganhou o apoio de organismos nacionais e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

Foi sob a atmosfera do Concílio Vaticano II que a ideia da Campanha da Fraternidade amadureceu e ganhou forma

“Ainda que, na Igreja, nem todos sigam pelo mesmo caminho, todos são, contudo, chamados à santidade” (Lumen Gentium, n. 32). A grande novidade do Concílio (convocado em 1961 e finalizado em 1965) foi fundamental para que a CF tivesse seu formato definido e amparado teologicamente. Havia ali, naquela época, uma urgência de unidade e missionariedade na vida da Igreja. A Campanha da Fraternidade, no modelo que conhecemos hoje, aconteceu pela primeira vez em 1964 e teve o tema: “Campanha da Fraternidade” e o lema: “Lembre-se: você também é Igreja”. A ideia central era colocar os fiéis em uma posição protagonista diante das obras sociais mantidas pela Igreja.

Ao longo dos mais de 50 anos de história, percebe-se uma intensa ligação entre os temas da CF e a realidade contemporânea

Ao observarmos as fases, fica evidente essa comunhão: nos primeiros anos (1964 a 1972), um caminho de renovação interna, das estruturas e também da mentalidade do povo de Deus. Com início em um ano marcado por revoluções políticas e sociais, os temas seguiram um ritmo de “responsabilidade com o outro”, “reconciliação” e “ser Igreja”. Já na segunda fase, até 1984, a direção vivida foi de denúncia de injustiças como o trabalho escravo, assistência à saúde e o chamado à liberdade do amor. De 1985 até hoje, os temas têm se voltado às realidades existenciais do Brasil: fome, desemprego, a importância da família, drogas, aborto e os males da falta de cuidado com o meio ambiente.

O gesto concreto da Campanha é realizado na coleta da solidariedade

Esta coleta acontece no Domingo de Ramos. Todas as comunidades cristãs católicas e ecumênicas do Brasil se unem neste esforço e arrecadam para o Fundo Nacional de Solidariedade e os Fundos Diocesanos de Solidariedade. 60% dos recursos são destinados ao apoio de projetos sociais da própria comunidade e 40% dos recursos são revertidos para o fortalecimento da solidariedade entre as diferentes regiões do país.

 

Portal Kairós / CNBB

Literatura para trabalhar a Campanha da Fraternidade 2018

A Campanha da Fraternidade 2018 reúne um material focado na literatura como forma de superar a violência. É uma oportunidade para educadores desenvolverem a consciência de mundo e das relações sociais dos alunos. Comece a usar o materiais agora! Faça o download abaixo.

Texto do catálogo da Editora do Brasil para a Campanha da Fraternidade 2018 – Fraternidade e superação da violência.
O valentão da rua está disposto a arranjar mais uma briga. O preguiçoso, por sua vez, não quer ter muito trabalho com nada. Valter Valente e Pedro Preguiça se encontram e a confusão está pronta pra começar. Com um texto divertido e inteligente, Tânia Alexandre Martinelli conta a história desses dois meninos e de como pessoas aparentemente tão diferentes podem, no fim das contas, ter muita coisa em comum.
Para crianças de 8, 9 anos.

Baixe mais sugestões de livros sobre a temática da CF 2018
Link de download:

SM fornece material para professores trabalharem a Campanha da Fraternidade 2018 em sala de aula

Material pretende fazer com que educadores e educandos trilhem caminhos para uma cultura da paz com a superação da violência

Começa em março a Campanha da Fraternidade 2018 com o tema “fraternidade e superação da violência”, definido pela Conferência Nacional dos Bispos (CNBB). E a SM preparou um material especial para os professores trabalharem nas escolas durante o ano letivo.

Disponibilizado para download, o material traz planos de aula baseados no tema da Campanha da Fraternidade que auxiliarão o professor a trabalhar o assunto em sala de aula. Trata-se de um caderno de atividades com sequência didática para os alunos do Ensino Fundamental I e II e Ensino Médio.

O material é dividido em três partes. Na primeira, são discutidas as diversas formas de violência, considerando suas causas e consequências para a sociedade brasileira. Na segunda, o tema da violência é trabalhado por meio da literatura, buscando na fruição artística uma possibilidade de fortalecimento da personalidade e de conscientização dos alunos. Assim, ampliam-se as oportunidades de participação social, anunciando a bondade e denunciando toda forma de violência.

Já na última etapa, os alunos são convidados a refletir sobre o pensar, o sentir e o agir cotidianos, optando por uma cultura de paz que supere todas as formas de violência.

Atividades didáticas para refletir a problemática da violência

A Campanha da Fraternidade 2018 reúne um material focado na literatura como forma de superar a violência. É uma oportunidade para educadores desenvolverem a consciência de mundo e das relações sociais dos alunos.

Cada etapa apresenta cinco proposições de atividades que o professor poderá adaptar para as turmas em que leciona. Para favorecer os diferentes tempos e ritmos de aprendizagem, conforme as fases da educação escolar, essa organização permite realizar uma ou várias atividades por etapa, não comprometendo a coesão entre elas.

Além disso, os materiais da campanha buscam relação com obras da literatura brasileira. As janelas literárias são propostas em cada uma das atividades. Assim, todas podem ser vistas, iniciadas ou concluídas com uma obra literária. Para conferir as obras que abordam o tema da CF2018 é só clicar no link de download acima. Que também tem sugestões de outras editoras.

Sobre a editora: Fundada em 1937, a SM não se intitula uma empresa mas, sim, um projeto cultural e educativo com duas áreas de atuação plenamente integradas: em primeiro lugar, na elaboração e oferta de conteúdos e serviços educativos de prima excelência, sobretudo didáticos e de literatura infanto-juvenil, e, em segundo, no trabalho social realizado pela Fundação SM, que destina todos os recursos provenientes da atividade comercial da SM para melhorar a qualidade da educação e levar a docência e cultura aos setores menos favorecidos da sociedade. Focada no âmbito ibero-americano, a SM está presente em 10 países e são mais de 2.300 profissionais e voluntários se dedicando a este projeto. No Brasil, atua desde 2004.

 

Portal Kairós

Formação CF-2018: Violência contra população em situação de rua

Violência contra população em situação de rua no Brasil é denunciada à ONU

Dados de Centro Nacional de Defesa de Direitos Humanos aponta Estado como principal violador de direitos dessa população

Um conjunto de entidades e de movimentos sociais enviou uma denúncia sobre o cenário de violência enfrentado pelas pessoas em situação de rua no Brasil.

O documento foi construído por seis entidades – entre elas o Movimento Nacional da População em Situação de Rua e a Terra de Direitos – e foi enviado para relatores especiais da ONU de Moradia Adequada, de Defensores de Direitos Humanos, e de Extrema Pobreza e Direitos Humanos, e ao Alto Comissariado de Direitos Humanos. A denúncia já havia sido entregue, em português, durante atividade em Genebra (Suíça).

A denúncia aponta para o aumento dos casos de violação de direitos humanos desse grupo, e indica a necessidade de criação de políticas públicas voltadas às pessoas que enfrentam esse tipo de vulnerabilidade social e econômica.

Segundo dados do Centro Nacional de Defesa de Direitos Humanos da População em Situação de Rua e Catadores de Material Reciclável (CNDDH), apenas entre março e agosto de 2017 foram registradas 419 denúncias de violência e 69 assassinatos de pessoas em situação de rua no país. Além desse número, foram registradas outras 25 mortes apenas em São Paulo, que resultaram da negligência e omissão do poder público – foram ao menos 10 pessoas mortas pela exposição ao frio.

Violência do Estado

O Estado aparece como principal agente violador de direitos dessa população, segundo os dados trazidos pelo CNDDH. A maior parte das denúncias encaminhadas ao Centro – 65% – foram cometidas por agentes públicos.

A denúncia encaminhada à ONU também aponta para as práticas higienistas das gestões municipais. Em maio deste ano, em São Paulo, uma ação promovida pelo prefeito João Dória e pelo governador Geraldo Alckmin retirou, à força, pessoas em situação de rua que estavam no bairro Santa Efigênia, conhecida como Cracolândia, para dar continuidade a um projeto de “revitalização da área”. As pessoas também foram internadas à força. “Esse tipo de prática fere a dignidade da pessoa humana e o direito de ir, vir e permanecer, provocando, ainda que indiretamente, a saída das pessoas em situação de rua dos logradouros públicos sem o seu consentimento expresso”, apontam as entidades na denúncia.

Em Curitiba, duas pessoas em situação de rua também foram brutalmente assassinadas em um intervalo de dois dias, na última semana. Os casos são registrados em um cenário de retrocessos na política municipal voltada a esse grupo da capital paranaense. Já em sua primeira semana de gestão, o prefeito Rafael Greca (PMN) fechou um dos espaços que servia de guarda-volumes dos pertences de pessoas em situação de rua, e protagonizou um episódio de “lavagem das ruas” no centro da cidade. Durante a campanha para prefeito, Greca também se envolveu em uma polêmica relacionada a essa população. Durante um dos debates, falou: “A primeira vez que tentei carregar um pobre e pôr dentro do meu carro, eu vomitei, por causa do cheiro”.

Moradia como necessidade

Na denúncia encaminhada à ONU as entidades também apontam que, apesar de ser um grupo muito diverso, a falta de habitação é uma das características comuns dessa população. Para isso, as entidades reivindicam a moradia como política central de acesso a rede de assistência social, mas apontam a necessidade de que tal política seja desenvolvida de forma intersetorial, que o modelo “etapista” de acolhimento seja superado, e que sejam desenvolvidos programas que respeitem o direito à cidade e evitem que essas pessoas sejam enviadas para as periferias.

Entre as sugestões criadas pelo coletivo, está a possibilidade de diversificação de programas como Bolsa Moradia, Aluguel e Locação Social. Uma proposta de locação social também foi criada pelo Grupo de Trabalho Interdisciplinar de Moradia e População em Situação de Rua do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Justiça (Caop) de Habitação e Urbanismo do Ministério Público do Paraná. O programa, lançado no fim de agosto, sugere que sejam ofertados espaços de propriedade do poder público (como parques) ou outros imóveis privados para que seja feita a locação a partir de um valor pago de acordo com a renda das pessoas. Em breve, o programa deve ser encaminhado para as gestões municipais.

 

Franciele Petry Schramm

Cartaz Oficial da CF 2018

Coordenação se reúne para preparar o encontro regional da CF 2018

Coordenação se reúne em SP para preparar o encontro regional da Campanha da Fraternidade 2018

A sede do Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), recebeu em reunião, a coordenação da CF, na sexta-feira (01). Na ocasião, foi discutida a próxima Campanha da Fraternidade 2018.

A Coordenação da Campanha da Fraternidade do Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que compreende as dioceses do estado de São Paulo, reuniu-se em São Paulo, no dia 1 de setembro, na sede do episcopado paulista, com o objetivo de preparar o próximo Encontro Estadual de Formação para a Campanha da Fraternidade 2018, com o tema “Fraternidade e superação da violência”, e lema “Vós sois todos irmãos” (Mt 23,8), que será realizado em Itaici, SP, de 27 a 29 de outubro de 2017.

“Esse encontro pretende reunir pessoas engajadas na Campanha da Fraternidade e nos trabalhos pastorais das dioceses do estado de São Paulo e representantes de diversos segmentos da sociedade civil que trabalham diretamente com a temática da violência”, salientou o padre Antonio Carlos Frizzo, coordenador estadual da CF.

A coordenação é formada por coordenadores das sub-regiões pastorais e é coordenada por Dom Eduardo Vieira dos Santos, bispo referencial da CF do Regional Sul 1 da CNBB, padre Antonio Carlos Frizzo, coordenador estadual da CF e Toninho Evangelista, secretário executivo estadual.

Veja o vídeo sobre o anúncio do Tema da CF-2018: