Bíblia – Leitura do textos bíblicos

Como viver: mês da Bíblia

Em setembro, recebemos um belo convite da Igreja no Brasil: olhar com mais carinho para a Bíblia, fonte de nossa fé

O mês de setembro foi escolhido fazendo memória a São Jerônimo (celebrado no dia 30), que traduziu os textos sagrados do hebraico e grego para o latim. O que acontece é que, para muitos, algumas partes da Bíblia são tão difíceis de interpretar, que parecem que ainda estão em grego.

Nem sempre é fácil mergulhar com profundidade na Sagrada Escritura. Por isso, nessa formação, vamos conhecer algumas dicas para viver bem seu mês da Bíblia.

Conheça S. Jerônimo

Foi no fim do quarto século, quando o elenco de livros inspirados nem tinha sido definido de maneira conclusiva na Igreja (pasmem!), que São Jerônimo recebeu a incumbência do Papa Dâmaso de presentear o cristianismo com uma versão da Bíblia em latim, que seria chamada, mais tarde, de Vulgata.

O trabalho foi duro! São Jerônimo teve de analisar muitos papiros e pergaminhos, para ver qual tinha o texto mais antigo, já que os originais, provavelmente, estavam perdidos.

A tradução também era – e ainda é – demorada. Nós, que pesquisamos a Sagrada Escritura e temos de traduzir as passagens que estudamos, às vezes, levamos horas ou dias de pesquisa para traduzir um só versículo!

A dedicação fiel de São Jerônimo mostra que ele foi um homem apaixonado pela Sagrada Escritura. Ele amava a Terra Santa e fez muitas viagens para lá, inclusive, terminando sua caminhada terrestre em Belém.

Jerônimo é a prova de que o estudo, feito junto com a vida de oração, nunca tiram a fé; do contrário, aumentam nosso amor por Deus. Tanto, que o Concílio Vaticano II, quando ensina sobre as Sagradas Escrituras na Constituição Dogmática Dei Verbum, retoma uma frase célebre do santo, tirada de um comentário de Isaías: “Desconhecer as escrituras é desconhecer Cristo” (Comm. in Is. Prol.: PL 24, 17). Por isso, vale a pena debruçar-se sobre a Palavra: amá-la significa amar o próprio Jesus, verdadeira Palavra de Deus.

Por que um mês da Bíblia?

O sopro do Espírito, no Vaticano II, abraçou um movimento bíblico, que trazia novos ares na leitura da Palavra de Deus na Igreja. Até, então, a Bíblia não era nem traduzida para outras línguas, a versão oficial era somente a Vulgata, em latim.

Como bom filho do Concílio, o mês da Bíblia foi inspirado na Igreja do Brasil, em 1971, na arquidiocese de Belo Horizonte (MG), amparado pelo Serviço de Animação Bíblica (das irmãs Paulinas). Logo, espalhou-se pelo Brasil e tornou-se oficial pela CNBB.

A cada ano, a Conferência Episcopal dos Bispos do Brasil apresenta um livro bíblico para ser meditado e aprofundado, mas a escolha do texto não é aleatória. Veja só:

Em 2016, conhecemos Miqueias, o profeta de Morasti, que prega a Palavra de Deus defendendo os camponeses pobres, ensinando sobre a vida em família.

Em 2017, o testemunho mais antigo de uma comunidade, a Primeira Carta aos Tessalonicenses, vai iluminar a vida em comunidade.

Em 2018, o livro da Sabedoria, com suas máximas de vida, ensinando a viver bem e em harmonia, apresentará a vida em sociedade.

Para 2019, está reservado o tema da vida eterna, iluminada pela Primeira Carta de João.

O que fazer para que o mês da Bíblia seja uma experiência bonita e cheia de frutos? Bom, podemos oferecer algumas pequenas dicas que podem ajudar a começar um processo de encanto com a Palavra:

Para o crescimento pessoal

Como em uma boa amizade, é preciso aproximar-se da Sagrada Escritura. Perguntar, conhecer, interessar-se, gastar tempo com os textos e dialogar com eles.

Um bom amigo também é aquele que “faz nada” junto com a gente. Então, o silêncio diante da Palavra é necessário. Não aquele para pensar no que vou cozinhar ou para dar um cochilo, mas o que representa saborear a palavra, como sentir o gosto de um chocolate da boca depois de comer.

Separe um espaço da sua casa para ser seu “cantinho da oração” (uma cômoda, um espaço na prateleira). Não precisa de muito! Coloque alguns objetos sagrados que o levam a Deus, para que, toda vez que você chegar ali, seu coração saiba que é hora de rezar com a Palavra.

Uma boa música ajuda, de preferência instrumental. E que ela não seja a notificação do Whatsapp! Vale a pena conhecer e usar o “modo avião”!

Leia o texto de 1 Tessalonicenses todo! Se terminá-lo, um bom caminho para escolher as passagens é seguir a liturgia diária.

Em comunidade

Procure, com a pastoral litúrgica de sua paróquia, fazer uma celebração da Palavra, bem preparada, cheia de encanto. Fale com o padre da sua comunidade, para convidar um bom palestrante para estudar o livro de 1 Tessalonicenses. E ajude-o a motivar a paróquia para participar.

Leia o texto em comunidade e ore com seus irmãos de caminho. Quando estamos juntos, Deus está no meio de nós e fala conosco.

Fabrizio Zandonadi Catenassi
Mestre e doutorando em Teologia (PUCPR); professor de Sagrada Escritura (Católica SC); membro da diretoria da Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica; assessora cursos bíblicos e retiros no Brasil e na América Latina.

Participe do Mês da Bíblia 2018

Setembro é o mês da Bíblia

Durante estes trinta dias, nós católicos somos convidados a intensificarmos a nossa escuta, meditação e reflexão sobre a Palavra de Deus, a fim de torná-la mais viva e eficaz em nossas vidas. Pois, conforme nos ensina São Jerônimo, “desconhecer a Escritura é desconhecer a Cristo e se negar a anunciá-lo”.

Uma maneira de ampliar o contato com a Sagrada Escritura, utilizada desde o início do cristianismo e sempre novamente recomendada pela Igreja, é a leitura orante da Bíblia (Lectio Divina). Essa metodologia pode ser aplicada de várias maneiras. Normalmente, as pessoas dividem essa experiência de oração em quatro momentos: leitura, meditação, oração, contemplação. Contudo, ao nos debruçarmos sobre os Escritos de Santa Clara, aproveitando a alegria de estarmos celebrando os 800 anos de consagração de Santa Clara, percebemos que a proposta mística de oração desta santa é composta de três vias que podem, muito bem, serem aplicadas a nossa oração diária com a Bíblia.

A Santa fundadora da segunda Ordem Franciscana no desejo de ensinar a Santa Inês de Praga um caminho de perfeição para o crescimento na imitação de Jesus escreve: “Com o desejo de imitá-lo, mui nobre rainha, olhe, considere, contemple o seu esposo, o mais belo entre os filhos dos homens (Sl 44,3) feito por sua salvação o mais vil de todos, desprezado, ferido e tão flagelado em todo o corpo, morrendo no meio das angústias próprias da cruz”.

Esse exercício de olhar, considerar e contemplar pode ser também realizado diante do “espelho da Palavra de Deus” no qual está contido o rosto do homem por excelência revelado a nós na Pessoa de Jesus Cristo, o Verbo de Deus feito homem. Sendo assim, a lectio divina clariana é composta dos já mencionados três passos.

No primeiro passo somos convidados a tomar um primeiro contato com a Palavra simplesmente olhando-a. Em outros termos, somos chamados a ler a Palavra e com os ouvidos atentos ouvir o que ela tem a nos dizer. Neste passo não há nenhum julgamento, somente a constatação. A nossa preocupação não é outra, senão entender o que está escrito no texto. Diante da Bíblia apenas nos perguntamos: o que está escrito aqui? Sobre o que o texto está falando? Quais são os personagens que aparecem no texto? Existe alguma palavra que não conheço? O que ela significa?

O segundo passo ensinado por Santa Clara é o da consideração. Neste momento, somos convidados a nos deter diante da Palavra e a procurar algo que nos chame a atenção. Considerar, para Santa Clara é o mesmo que meditar. Considerar é ruminar aquilo que se vê. É se deter com um olhar mais atento e questionador. É colocar-se as seguintes questões: O que isto que estou vendo me revela acerca de Deus e acerca da minha vida? Por que essa Palavra me chama atenção? Neste ponto, é importante que se escolha ao menos um versículo ou mensagem para se demorar com ele e pensá-lo ao longo do dia.

O último passo é o da contemplação. A contemplação é um convite a transformar-se no contemplado. Neste momento da leitura orante somos chamados a ficar em silêncio diante da Palavra para que possamos ouvir a voz de Deus e atender ao convite de amor que ele nos faz. Nesta hora, não se fala, apenas se experimenta a força transformadora e renovadora da Palavra. O trabalho nesta etapa é para acolher a voz de Deus e deixar-se moldar-se pela Sua Palavra tornando-se um com o que foi lido. Desse passo brotará o compromisso prático de tornar concreta a Palavra orada, fazendo com que ela se torne realidade na minha própria vida.

Todos esses passos são realizados em oração. E são eles que fazem com que cresçamos no seguimento de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Que possamos ser como São Francisco e Santa Clara que não foram ouvintes distraídos da Palavra, mas construíram as suas vidas sobre a rocha firme dos ensinamentos do Santo Evangelho o qual se tornou Vida e Regra para eles.

Pela intercessão de Santa Clara possamos crescer no conhecimento de Deus por meio da Sagrada Escritura.

Paz e Bem!

Frei Michel Alves dos Santos, OFM