Posts

Entrevista CF 2020: caminhos que revelam o sentido da vida

Em diversas ocasiões, o Papa Francisco insiste para que sejamos uma Igreja em saída ao encontro das periferias geográficas e existenciais. Contemplando a realidade como discípulos e missionários, nota-se diversos sinais onde a vida não é valorizada como dom.

Pensando nisso, a Campanha da Fraternidade (CF) de 2020 traz o tema “Fraternidade e vida: dom e compromisso” e o lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10, 33-34), além de Santa Dulce dos Pobres no Cartaz Oficial.

“Falta um compromisso para com a vida dom de Deus a ser cultivado e compromisso a ser assumido. Vivemos em uma cultura marcada pelos traços de Caim onde já não se reconhece o outro como irmão. Neste cenário, os bispos do Brasil nos propõem uma bela e pertinente reflexão sobre a vida”, diz o Secretário Executivo de Campanhas da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Padre Patricky Samuel Batista, em entrevista sobre a CF 2020.

Entrevista CF 2020: caminhos que revelam o sentido da vida

Entrevista CF 2020

Qual o motivo e o que inspirou o tema deste ano?

Padre Patriky Samuel – Para lançar um olhar mais detalhado sobre a vida temos a inspiração bíblica do Bom Samaritano. Ele foi capaz de interromper sua rotinaadiar seus compromissos para cuidar da vida que estava abandonada a beira do caminho; Ele viu, sentiu compaixão e cuidou dele.

Eis a inspiração para vivermos o tempo quaresmal. Coração que se converte é coração disposto a cuidar da vida em todas as suas formas e expressões, desde a concepção, passando pelo término natural, rumo a plenitude. Foi uma feliz escolha o tema da CF 2020.

Creio que ajudará cada fiel e cada uma de nossas comunidades a redescobrir o valor e a beleza da vida. Não somente redescobrir, mas reencontrar os caminhos que revelem o sentido da vida; Vida que é um intercâmbio de cuidados; Vida que é Dom; Vida que é o próprio Cristo; Vida que grita hoje por sobrevivência.

Em tantos anos de CF o mundo mudou muito, mas algumas urgências ainda são muito parecidas com as mesmas do passado. Continuam existindo muitos pobres, a Igreja continua fazendo um trabalho social necessário e urgente em várias partes do Brasil. Na sua opinião, porque alguns aspectos persistem? Podemos dizer que a Evangelização hoje passa muito pelo cuidado com a vida em várias dimensões diferentes?

Padre Patriky Samuel – Evangelizar é cuidar. Um cuidado que brota da experiência pessoal e comunitária que fazemos com o Ressuscitado. Aquele que, vencedor da morte, nos chama a sermos sal da terra e luz do mundo. Compreendendo o anúncio do Evangelho como cuidado anunciamos com o testemunho de vida o amor de Cristo que gera continuamente vida nova.

Evangelizar é cooperar com aquele que diz: “Eu vim para que todos tenham vida e vida em plenitude”. Sobre a persistência de vários aspectos que ainda hoje nos desafiam, penso que há uma série de fatores que contribuem para isso: desde as opções econômicas e sociais que os governos fazem, passando pela indiferença que reina entre as pessoas, chegando até a forma com a qual vivemos a fé cristã. Não basta sermos especialistas em diagnósticos, simplesmente apontar caminhos de superação se não somos capazes de trilhar este caminho.

Como o Bom Samaritano precisamos colocar nossa vida a disposição do outro. Ver, aproximar, cuidar! Um cuidado que vai além dos necessários primeiros socorros. Um cuidar que supõe acompanhar as situações, ir às causas. Tudo isso só terá sentido se, partindo de Cristo, nossa motivação for a interpelação que o Evangelho nos faz. Servimos aquele que é o Senhor da vida. Enquanto houver alguma situação de descuido e indiferença em relação a vida, não podemos descansar.

O Cartaz com a Irmã Dulce quer dizer que ela é a grande inspiradora para esta Campanha?

Padre Patriky Samuel – Foi uma feliz coincidência. Na verdade, um presente da Divina Providência. No fim de junho, em reunião com o secretário Geral da CNBB, Dom Joel Portela, estávamos uma equipe a pensar na identidade visual da CF 2020. Pensamos: quem seria o ícone do Bom Samaritano para os dias atuais? Vários nomes surgiram, na sua maioria mulheres dedicadas ao serviço do próximo.

Quando Dom Joel mencionou a Ir. Dulce a acolhida foi unanime. Isso antes mesmo de sair a data da canonização. Em Santa Dulce dos Pobres, ícone da compaixão e do cuidado, contemplamos o que o amor é capaz de fazer. A ousadia do amor que cuida nos recorda que vida doada é vida santificada. Sem sombras de dúvidas uma inspiração que ajudará muitas pessoas a darem um passo novo. Passos em sintonia com aquele que cuida de nós. (1Pd 5,7)

O que todos nós católicos poderíamos fazer para viver melhor o período da CF com ações concretas. Pode nos dar dicas?

Padre Patriky Samuel – Abrir a Palavra de Deus e com ela viver comprometido. Somos cristãos! Vivemos à Luz da Palavra que converte os corações e transforma a realidade. Costumo dizer que as mudanças que esperamos acontecer no mundo começarão a ser realidade quando começarem a se concretizar em nós. O que eu faço faz o mundo acontecer.

Talvez uma grande contribuição da CF 2020 seja cultivar a ousadia de, neste mundo tão acelerado e indiferente, interrompermos nossa rotina, fazer uma pausa para rever nossas opções de vida e começar, sem demora, a cuidar uns dos outros. Cuidado que supõe qualidade de nossa presença, olho no olho, mão a mão, corações compadecidos. A vida é um intercâmbio de cuidados.

No texto base, sobretudo na última parte, temos uma série de iniciativas para inspirar nossa ação em cada comunidade eclesial missionária. Muito mais ainda poderá ser feito. Mas aquilo que será realizado há de produzir frutos se, motivados pela fé em Cristo ressuscitados, iniciarmos processo de construção de uma nova identidade onde a capacidade de cuidar seja um estilo de vida. Ver, compadecer e cuidar! Sinais de uma vida Samaritana.

 

A12 / Portal Kairós

O bom Samaritano: tema da Campanha da Fraternidade 2020

O bom Samaritano

Em meio aos inúmeros e ricos textos bíblicos que podem iluminar a nossa Quaresma, um deles é destacado pela Campanha da Fraternidade deste ano, tornando-se referência para tudo o que viermos a rezar, refletir e agir: “Um doutor da Lei se levantou e, para experimentar Jesus, perguntou: “Mestre, que devo fazer para herdar a vida eterna?” Jesus lhe disse: “Que está escrito na Lei? Como lês?”

Ele respondeu: “Amarás o Senhor; teu Deus, de todo o teu coração, com toda a tua alma, com toda a tua força e com todo o teu entendimento; e a teu próximo como a ti mesmo!” Jesus lhe disse: “Respondeste corretamente. Faze isso e viverás”. Ele, porém, querendo justificar-se, disse a Jesus: “E quem é o meu próximo?” Jesus retomou: “Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos de assaltantes, que lhe arrancaram tudo, espancaram-no e foram embora, deixando-o meio morto.

Por acaso descia por aquele caminho um sacerdote, mas ao ver o homem, passou longe. Assim também um levita: chegou ao lugar, viu o homem e seguiu adiante pelo outro lado. Um samaritano*, porém, que estava viajando, chegou perto dele e, ao vê-lo, moveu-se de compaixão. Aproximou-se dele e tratou-lhe as feridas, derramando nelas azeite e vinho. Depois, colocou-o sobre seu próprio animal e o levou a uma hospedaria, onde cuidou dele. No dia seguinte, pegou dois denários e deu-os ao dono da hospedaria, recomendando: “Cuida dele, e o que gastares a mais, eu o pagarei quando eu voltar”.

Lançado o vídeo da CF 2020 para as comunidades

No teu parecer, qual dos três fez-se o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes? Ele respondeu: “Aquele que usou de misericórdia para com ele” Então Jesus lhe disse: “Vai e faze* o mesmo” (Lc 10,25-37).

Essa parábola, proposta por Jesus em seu caminho de subida a Jerusalém (Lc 9,51-19,27), é parte da explicação do que seria necessário fazer para entrar na vida eterna. Esse tipo de questionamento era muito comum naquele tempo já que existiam mais de 613 leis e outras prescrições pontuais a serem cumpridas para se chegar a esse fim. Por essa razão, vendo a impossibilidade de cumprir fielmente todos os mandamentos, o doutor da lei questiona Jesus sobre o que realmente não poderia deixar de ser feito para herdar a vida eterna.

“Que devo fazer?” A busca pelo cumprimento exato das prescrições da lei deveria ser seguida do esforço pessoal para colocá-las em prática. Diante da questão, Jesus responde com uma nova pergunta com a qual indaga sobre o conteúdo das Escrituras. O que elas dizem sobre o que fazer para herdar a vida eterna?

A resposta oferecida pelo doutor da lei a Jesus conecta Dt 6,5 a Lv 19,18 criando um mandamento único composto de duas partes: “Amarás o Senhor; teu Deus, de todo o teu coração, com toda a tua alma, com toda a tua força e com todo o teu entendimento; e a teu próximo como a ti mesmo’’ (Lc 10,27).

A Jesus não interessava inserir um novo ensino teórico sobre os deveres em relação ao mandamento do amor a Deus e ao próximo. Diante da segunda pergunta do doutor da lei, “Quem é meu próximo?”, Jesus propõe uma nova perspectiva e uma nova possibilidade de realizar tal mandamento, divergindo do que havia sido proposto.

Os mestres fariseus já haviam ensaiado muitas vezes respostas sobre quem seria o próximo citado em Lv 19,18. No entanto, suas respostas oscilavam sempre entre as ligações nacionais, étnicas, afetivas, sociais e religiosas. No texto do Antigo Testamento, o próximo era o compatriota, membro do povo de Deus e também aquele que tinha sido inserido no povo na medida em que assumia sua religião e seus costumes (Lv 19,33-34).

A parábola do samaritano é composta por cinco personagens anônimos, indicados apenas por suas etnias ou funções, e ocorre em um local de fácil compreensão para alguém daquele tempo. Por isso, embora seja uma parábola, a história narrada possui grande possibilidade de ter sido, ao menos em parte, um fato que realmente aconteceu na estrada que ligava Jericó a Jerusalém. Um homem, vítima de salteadores, é deixado quase morto, à beira da estrada. O fato de ter sido agredido leva a pensar na possibilidade de ter resistido ao assalto, o que lhe teria ocasionado a agressão quase fatal e o abandono à beira da estrada, não sendo mais capaz de fazer algo por si mesmo.

Dois transeuntes oriundos do templo, o sacerdote, responsável pelos sacrifícios, e o levita, responsável pela animação da liturgia, retornam de Jerusalém após concluírem seus turnos de trabalho e agem com indiferença diante daquele que jaz sofrendo à beira da estrada. Não se descreve o motivo da indiferença. Poderia ser por motivos culturais, religiosos [se fossem contaminados com o sangue ou o homem viesse a morrer, ficariam impuros (Lvl5; 21,11)], ou simplesmente por não desejarem interromper a viagem, não mudarem seus planos, não terem seu trajeto e horário prejudicados por esse acontecimento. De qualquer forma, é dito que viram o homem e se distanciaram dele, seguindo o trajeto anteriormente proposto.

Um samaritano que passava, ao ver o homem, sentiu compaixão. Essa compaixão nasceu do seu modo diferente de olhar, do seu modo diferente de perceber aquela realidade. Essa compaixão o levou a se aproximar do homem, gastar tempo, modificar parcialmente sua viagem, tudo para não ser indiferente com aquele que sofria diante dele. Os cuidados práticos descritos na parábola são emergenciais: desinfeta as feridas com vinho e alivia a dor com o óleo, costumes daquele tempo; transporta o homem até a hospedaria e paga as despesas de sua estada.

Materiais e subsídios para a Campanha da Fraternidade 2020
Materiais de formação sobre a Santa Dulce

Procuremos viver em união, em espírito de caridade, perdoando uns aos outros as nossas pequenas faltas e defeitos. É necessário saber desculpar para viver em paz e união. Jesus nos pediu que perdoássemos setenta vezes sete vezes, quer dizer, infinitamente. Procuremos fazer isso, além de amar e servir. Santa Dulce dos pobres

A postura inesperada do samaritano contém o centro do ensinamento de Jesus: o próximo não é apenas alguém com quem possuímos vínculos, mas todo aquele de quem nos aproximamos. E todo aquele que sofre diante de nós. Não é a lei que estabelece prioridades, mas a compaixão que impulsiona a fazer pelo outro aquilo que é possível, rompendo, dessa forma, com a indiferença. A fé leva necessariamente à ação, à fraternidade e à caridade.

A vida nos traz oportunidades de concretizar a fé em atitudes bem específicas. Para perceber os outros, principalmente em suas necessidades, não bastam os conceitos, mas, sim, a compaixão e a proximidade. Não se deve questionar quem é o destinatário do amor. Importa identificar quem deve amar e não tanto quem deve ser amado, pois todos devem ser amados, sem distinção. Não importa quem é o próximo. Importa quem, por compaixão, se torna próximo do outro (Lc 10,36). A medida do amor para com o próximo não é estabelecida com base em pertença religiosa, grupo social ou visão de mundo. Ela é estabelecida pela necessidade do outro, acolhendo como próximo qualquer pessoa de quem se possa acercar com amor generoso e operativo. Isso abre uma nova perspectiva nos relacionamentos, excluindo a indiferença diante da dor alheia.

No final da narrativa (do samaritano), Jesus se dirige novamente ao doutor da lei com uma nova pergunta: “No teu parecer, qual dos três fez-se próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?” (Lc 10,36). Desse modo, afirma Papa Francisco, Jesus inverte a pergunta do seu interlocutor e também a lógica de todos nós. Cristo nos faz entender que não somos nós, com base em nossos critérios, que definimos quem é o próximo e quem não é, mas é a pessoa em situação de necessidade a quem devemos reconhecer como próximo, isto é, usar de misericórdia para com ela.

* O que é Samaritano?

Samaritano é uma palavra referente ao povo ou indivíduo natural da antiga região de Samaria e também à língua falada naquela região.

Samaria é o nome de uma província referenciada por diversas vezes no Novo Testamento da Bíblia Sagrada, situada no alto de um monte entre a Judeia e a Galileia. Atualmente, a região está situada na Palestina, entre Israel e a Cisjordânia, no Oriente Médio. No total, existem cerca de 700 samaritanos que vivem em Holon, Israel, e em Nablus, Cisjordânia.

Em sentido figurado, a palavra samaritano significa uma pessoa caridosa, que tem bom coração e se preocupa com os outros. Este significado teve origem na parábola do “Bom Samaritano”, contada por Jesus em Lucas 10, 30-37.

O povo samaritano não se considera um povo judeu, e sim descendentes dos antigos israelitas que habitaram a histórica província de Samaria. Os Samaritanos eram considerados impuros pelos judeus. Da Bíblia do Judaísmo, seguem apenas o Pentateuco. Os samaritanos têm a sua própria doutrina religiosa: o Samaritanismo.

Atualmente, a língua falada pelos samaritanos é o hebraico e o árabe. Nos cultos religiosos, resgatam a antiga língua falada pelos seus ascendentes: o hebraico e o aramaico samaritano.

* Na conjugação do verbo fazer, a forma faz corresponde quer à terceira pessoa do singular do presente do indicativo (como em “O João faz o jantar”), quer à segunda pessoa do singular do imperativo (“João, faz o jantar”). A forma verbal faze, de natureza culta, é, por sua vez, a segunda pessoa do singular do imperativo do verbo fazer, frequente, por exemplo, em romances do século XIX e dos primeiros decénios do século XX.

Nosso artigo também publicado na Aleteia

 

Portal Kairós

Retiro Popular Quaresmal: o novo subsídio para a CF 2020

O Retiro Popular Quaresmal quer ser um retorno às fontes cristãs para transformar este rico período em um grande retiro, no qual pessoa, comunidade e sociedade se articulem, em um processo de conversão, para a busca da vida plena.

A proposta com esse Retiro é que façamos um tempo semanal de oração comunitária, dois breves tempos diários (cerca de 10 minutos) de oração pessoal e um calendário de atividades e exercícios de santificação para todos os dias da quaresma. Além disso, recomenda-se que essas atividades se somem a outras iniciativas como o exercício da Via-Sacra de modo pessoal e comunitário, a participação nos Círculos Bíblicos da CF-2020, a celebração da Reconciliação e da Eucaristia e etc.

O tema da CF 2020 é “Fraternidade e vida: dom e compromisso” e o lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele (Lc 10,33-34)”. O tema e lema reforçam a dimensão do cuidado, sendo por este motivo que o cartaz apresenta Irmã Dulce, pois seu modo de cuidar sinaliza uma Igreja em saída. A ideia principal é cuidar das pessoas que estão próximas.

A CF 2020 está sintonizada com as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023), no que diz respeito à imagem da casa em que se permite o ingresso e a saída. É, ao mesmo tempo, lugar de acolhimento e envio. Com isso, ela remete aos dois grandes eixos inspiradores dessas Diretrizes: comunidade e missão. A casa é a imagem do que as Diretrizes chamam de comunidades eclesiais missionárias.

Quer viver o melhor da Campanha da Fraternidade juntamente com toda a Igreja?

De forma simples, apresentamos 4 motivos para que o subsídio Retiro Popular Quaresmal não fique de fora do material que você utilizará na CF 2020. Confira abaixo!

01 – A proposta do Retiro Popular Quaresmal é ser um retorno às fontes cristãs para tornar esse rico período um grande retiro. Com esse subsídio, encontramos, de forma prática, um caminho para percorrer o processo de conversão, em busca da vida plena, Dom de Deus e compromisso de todo cristão;

02 – O Retiro nos conduz a dois breves momentos diários (cerca de 10 minutos cada) de oração pessoal, um pela manhã, em diálogo com a Palavra de Deus para fecundar todo o dia; e outro à noite, antes de dormir, para rever os exercícios e a vivência do retiro quaresmal naquele dia, em um exame diário da consciência;

03 – O subsídio contém orientações para um momento semanal de oração comunitária (sugere-se a cada domingo da Quaresma), que pode ser feito na paróquia, na comunidade, na escola, na aldeia, no condomínio e no trabalho;

04 – Por fim, o Retiro inclui um calendário de atividades e exercícios de santificação para todos os dias da Quaresma.

O ideal é que o Retiro Popular Quaresmal seja somado a outras iniciativas da CF 2020, por exemplo o exercício da Via-Sacra, de modo pessoal e comunitário, e a participação nos Círculos Bíblicos.

Você pode adquirir na livraria católica de sua cidade ou no site da CNBB.

 

CNBB / Portal Kairós

Regional Sul 3 realiza o Seminário da CF 2020

O cuidado e a valorização da vida, centro do Evangelho, estará ainda mais na pauta da Igreja Católica do Brasil nos próximos meses. Isso porque este é o apelo da Campanha da Fraternidade 2020, que tem na Santa Dulce dos Pobres sua principal inspiração. Para motivar, fazer refletir e instrumenalizar agentes de todo o Estado, o Regional Sul 3 da CNBB, em parceria com CEBI – Centro de Estudos Bíblicos e a Editora Paulus, organizou o Seminário Campanha da Fraternidade 2020, realizado em duas turmas lotadas nos dias 20 e 21 de novembro no auditório da Paulus, no Centro Histórico de Porto Alegre.

Além de chamar a atenção para a vida que deve ser preservada desde a concepção até o seu fim natural, a Campanha do próximo ano põe a atenção nas mais variadas formas de degradação da vida em nosso país, passando pelos migrantes, indígenas, presos, dependentes químicos, desempregados e também os que possuem alguma doença mental, causadora de sofrimentos diversos, como o suicídio. Discutido recentemente no Sínodo dos Bispos para a Amazônia, a Casa Comum, como o Papa Francisco chama a natureza e seus recursos, também está no centro da motivação da CF.

Conteúdos

A reflexão sobre o tema da Campanha (“Viu, sentiu compaixão e cuidou dele.” – Lc 10, 33-34), marcou os conteúdos da formação. As palestras foram realizadas pelo padre Patriky Samuel Batista, secretário executivo da CF Nacional; Dom Adilson Pedro Busin, bispo auxiliar de Porto Alegre e referencial do Conselho Missionário Regional (Comire); Dom Ricardo Hoepers, bispo de Rio Grande, presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB e idealizador do Observatório de Bioética da CNBB no Estado; e padre Anésio Ferla, da Congregação Pobres Servos da Divina Providência, realizador de diversas ações sociais em Porto Alegre.

Foram dois dias planejados com muito carinho. E como resposta, tivemos a significativa participação de muitas pessoas das Arquidiocese e Dioceses do Regional Sul 3. Isso nos lembra que temos uma Igreja viva e motivada para que a esta mesma vida ganhe sentido em todas as nossas atividades. Batizados e enviados, seguimos em comunhão e participação”, refletiu Sandra Zambon, secretária-executiva do Regional Sul 3 da CNBB.

Vista como um grande convite para exercer a empatia e para enxergar o Cristo no outro, a Campanha da Fraternidade 2020 traz como lema “Fraternidade e vida: dom e compromisso”. Para o padre Sereno Boesing, jesuíta da Arquidiocese de Porto Alegre, participante do Seminário, “estamos diante da necessidade de construir caminho para que o servir transforme a realidade que nos cerca”. Outro participante da formação, Jonison Mallmann, Coordenador de Pastoral da Diocese de Uruguaiana, afirmou que “a motivação é servir e cuidar como Jesus cuidou, para promover a vida e a dignidade da pessoa”.

“Minha principal motivação para a CF 2020 vem da frase do fundador de minha congregação (Congregação das Irmãs Missionárias de Carlos Borromeo/Scalabrinianas), que dizia ‘fazer o outro feliz é mais importante do que ser feliz’. O sorriso do olhar do irmão transforma meu olhar em um grande sorriso, desperta uma profunda gratidão pelo que sou e pelo dom que recebi gratuitamente para amar e servir”, afirmou a irmã Mareni Giaretta, que atua como enfermeira do Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre.

 

Regional Sul 3 / Portal Kairós

Downloads

Entrevista CF 2020: caminhos que revelam o sentido da vida

Em diversas ocasiões, o Papa Francisco insiste para que sejamos uma Igreja em saída ao encontro das periferias geográficas e existenciais. Contemplando a realidade como discípulos e missionários, nota-se diversos sinais onde a vida não é valorizada como dom.

Pensando nisso, a Campanha da Fraternidade (CF) de 2020 traz o tema “Fraternidade e vida: dom e compromisso” e o lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10, 33-34), além de Santa Dulce dos Pobres no Cartaz Oficial.

“Falta um compromisso para com a vida dom de Deus a ser cultivado e compromisso a ser assumido. Vivemos em uma cultura marcada pelos traços de Caim onde já não se reconhece o outro como irmão. Neste cenário, os bispos do Brasil nos propõem uma bela e pertinente reflexão sobre a vida”, diz o Secretário Executivo de Campanhas da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Padre Patricky Samuel Batista, em entrevista sobre a CF 2020.

Entrevista CF 2020: caminhos que revelam o sentido da vida

Entrevista CF 2020

Qual o motivo e o que inspirou o tema deste ano?

Padre Patriky Samuel – Para lançar um olhar mais detalhado sobre a vida temos a inspiração bíblica do Bom Samaritano. Ele foi capaz de interromper sua rotinaadiar seus compromissos para cuidar da vida que estava abandonada a beira do caminho; Ele viu, sentiu compaixão e cuidou dele.

Eis a inspiração para vivermos o tempo quaresmal. Coração que se converte é coração disposto a cuidar da vida em todas as suas formas e expressões, desde a concepção, passando pelo término natural, rumo a plenitude. Foi uma feliz escolha o tema da CF 2020.

Creio que ajudará cada fiel e cada uma de nossas comunidades a redescobrir o valor e a beleza da vida. Não somente redescobrir, mas reencontrar os caminhos que revelem o sentido da vida; Vida que é um intercâmbio de cuidados; Vida que é Dom; Vida que é o próprio Cristo; Vida que grita hoje por sobrevivência.

Em tantos anos de CF o mundo mudou muito, mas algumas urgências ainda são muito parecidas com as mesmas do passado. Continuam existindo muitos pobres, a Igreja continua fazendo um trabalho social necessário e urgente em várias partes do Brasil. Na sua opinião, porque alguns aspectos persistem? Podemos dizer que a Evangelização hoje passa muito pelo cuidado com a vida em várias dimensões diferentes?

Padre Patriky Samuel – Evangelizar é cuidar. Um cuidado que brota da experiência pessoal e comunitária que fazemos com o Ressuscitado. Aquele que, vencedor da morte, nos chama a sermos sal da terra e luz do mundo. Compreendendo o anúncio do Evangelho como cuidado anunciamos com o testemunho de vida o amor de Cristo que gera continuamente vida nova.

Evangelizar é cooperar com aquele que diz: “Eu vim para que todos tenham vida e vida em plenitude”. Sobre a persistência de vários aspectos que ainda hoje nos desafiam, penso que há uma série de fatores que contribuem para isso: desde as opções econômicas e sociais que os governos fazem, passando pela indiferença que reina entre as pessoas, chegando até a forma com a qual vivemos a fé cristã. Não basta sermos especialistas em diagnósticos, simplesmente apontar caminhos de superação se não somos capazes de trilhar este caminho.

Como o Bom Samaritano precisamos colocar nossa vida a disposição do outro. Ver, aproximar, cuidar! Um cuidado que vai além dos necessários primeiros socorros. Um cuidar que supõe acompanhar as situações, ir às causas. Tudo isso só terá sentido se, partindo de Cristo, nossa motivação for a interpelação que o Evangelho nos faz. Servimos aquele que é o Senhor da vida. Enquanto houver alguma situação de descuido e indiferença em relação a vida, não podemos descansar.

O Cartaz com a Irmã Dulce quer dizer que ela é a grande inspiradora para esta Campanha?

Padre Patriky Samuel – Foi uma feliz coincidência. Na verdade, um presente da Divina Providência. No fim de junho, em reunião com o secretário Geral da CNBB, Dom Joel Portela, estávamos uma equipe a pensar na identidade visual da CF 2020. Pensamos: quem seria o ícone do Bom Samaritano para os dias atuais? Vários nomes surgiram, na sua maioria mulheres dedicadas ao serviço do próximo.

Quando Dom Joel mencionou a Ir. Dulce a acolhida foi unanime. Isso antes mesmo de sair a data da canonização. Em Santa Dulce dos Pobres, ícone da compaixão e do cuidado, contemplamos o que o amor é capaz de fazer. A ousadia do amor que cuida nos recorda que vida doada é vida santificada. Sem sombras de dúvidas uma inspiração que ajudará muitas pessoas a darem um passo novo. Passos em sintonia com aquele que cuida de nós. (1Pd 5,7)

O que todos nós católicos poderíamos fazer para viver melhor o período da CF com ações concretas. Pode nos dar dicas?

Padre Patriky Samuel – Abrir a Palavra de Deus e com ela viver comprometido. Somos cristãos! Vivemos à Luz da Palavra que converte os corações e transforma a realidade. Costumo dizer que as mudanças que esperamos acontecer no mundo começarão a ser realidade quando começarem a se concretizar em nós. O que eu faço faz o mundo acontecer.

Talvez uma grande contribuição da CF 2020 seja cultivar a ousadia de, neste mundo tão acelerado e indiferente, interrompermos nossa rotina, fazer uma pausa para rever nossas opções de vida e começar, sem demora, a cuidar uns dos outros. Cuidado que supõe qualidade de nossa presença, olho no olho, mão a mão, corações compadecidos. A vida é um intercâmbio de cuidados.

No texto base, sobretudo na última parte, temos uma série de iniciativas para inspirar nossa ação em cada comunidade eclesial missionária. Muito mais ainda poderá ser feito. Mas aquilo que será realizado há de produzir frutos se, motivados pela fé em Cristo ressuscitados, iniciarmos processo de construção de uma nova identidade onde a capacidade de cuidar seja um estilo de vida. Ver, compadecer e cuidar! Sinais de uma vida Samaritana.

 

A12 / Portal Kairós

O bom Samaritano: tema da Campanha da Fraternidade 2020

O bom Samaritano

Em meio aos inúmeros e ricos textos bíblicos que podem iluminar a nossa Quaresma, um deles é destacado pela Campanha da Fraternidade deste ano, tornando-se referência para tudo o que viermos a rezar, refletir e agir: “Um doutor da Lei se levantou e, para experimentar Jesus, perguntou: “Mestre, que devo fazer para herdar a vida eterna?” Jesus lhe disse: “Que está escrito na Lei? Como lês?”

Ele respondeu: “Amarás o Senhor; teu Deus, de todo o teu coração, com toda a tua alma, com toda a tua força e com todo o teu entendimento; e a teu próximo como a ti mesmo!” Jesus lhe disse: “Respondeste corretamente. Faze isso e viverás”. Ele, porém, querendo justificar-se, disse a Jesus: “E quem é o meu próximo?” Jesus retomou: “Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e caiu nas mãos de assaltantes, que lhe arrancaram tudo, espancaram-no e foram embora, deixando-o meio morto.

Por acaso descia por aquele caminho um sacerdote, mas ao ver o homem, passou longe. Assim também um levita: chegou ao lugar, viu o homem e seguiu adiante pelo outro lado. Um samaritano*, porém, que estava viajando, chegou perto dele e, ao vê-lo, moveu-se de compaixão. Aproximou-se dele e tratou-lhe as feridas, derramando nelas azeite e vinho. Depois, colocou-o sobre seu próprio animal e o levou a uma hospedaria, onde cuidou dele. No dia seguinte, pegou dois denários e deu-os ao dono da hospedaria, recomendando: “Cuida dele, e o que gastares a mais, eu o pagarei quando eu voltar”.

Lançado o vídeo da CF 2020 para as comunidades

No teu parecer, qual dos três fez-se o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes? Ele respondeu: “Aquele que usou de misericórdia para com ele” Então Jesus lhe disse: “Vai e faze* o mesmo” (Lc 10,25-37).

Essa parábola, proposta por Jesus em seu caminho de subida a Jerusalém (Lc 9,51-19,27), é parte da explicação do que seria necessário fazer para entrar na vida eterna. Esse tipo de questionamento era muito comum naquele tempo já que existiam mais de 613 leis e outras prescrições pontuais a serem cumpridas para se chegar a esse fim. Por essa razão, vendo a impossibilidade de cumprir fielmente todos os mandamentos, o doutor da lei questiona Jesus sobre o que realmente não poderia deixar de ser feito para herdar a vida eterna.

“Que devo fazer?” A busca pelo cumprimento exato das prescrições da lei deveria ser seguida do esforço pessoal para colocá-las em prática. Diante da questão, Jesus responde com uma nova pergunta com a qual indaga sobre o conteúdo das Escrituras. O que elas dizem sobre o que fazer para herdar a vida eterna?

A resposta oferecida pelo doutor da lei a Jesus conecta Dt 6,5 a Lv 19,18 criando um mandamento único composto de duas partes: “Amarás o Senhor; teu Deus, de todo o teu coração, com toda a tua alma, com toda a tua força e com todo o teu entendimento; e a teu próximo como a ti mesmo’’ (Lc 10,27).

A Jesus não interessava inserir um novo ensino teórico sobre os deveres em relação ao mandamento do amor a Deus e ao próximo. Diante da segunda pergunta do doutor da lei, “Quem é meu próximo?”, Jesus propõe uma nova perspectiva e uma nova possibilidade de realizar tal mandamento, divergindo do que havia sido proposto.

Os mestres fariseus já haviam ensaiado muitas vezes respostas sobre quem seria o próximo citado em Lv 19,18. No entanto, suas respostas oscilavam sempre entre as ligações nacionais, étnicas, afetivas, sociais e religiosas. No texto do Antigo Testamento, o próximo era o compatriota, membro do povo de Deus e também aquele que tinha sido inserido no povo na medida em que assumia sua religião e seus costumes (Lv 19,33-34).

A parábola do samaritano é composta por cinco personagens anônimos, indicados apenas por suas etnias ou funções, e ocorre em um local de fácil compreensão para alguém daquele tempo. Por isso, embora seja uma parábola, a história narrada possui grande possibilidade de ter sido, ao menos em parte, um fato que realmente aconteceu na estrada que ligava Jericó a Jerusalém. Um homem, vítima de salteadores, é deixado quase morto, à beira da estrada. O fato de ter sido agredido leva a pensar na possibilidade de ter resistido ao assalto, o que lhe teria ocasionado a agressão quase fatal e o abandono à beira da estrada, não sendo mais capaz de fazer algo por si mesmo.

Dois transeuntes oriundos do templo, o sacerdote, responsável pelos sacrifícios, e o levita, responsável pela animação da liturgia, retornam de Jerusalém após concluírem seus turnos de trabalho e agem com indiferença diante daquele que jaz sofrendo à beira da estrada. Não se descreve o motivo da indiferença. Poderia ser por motivos culturais, religiosos [se fossem contaminados com o sangue ou o homem viesse a morrer, ficariam impuros (Lvl5; 21,11)], ou simplesmente por não desejarem interromper a viagem, não mudarem seus planos, não terem seu trajeto e horário prejudicados por esse acontecimento. De qualquer forma, é dito que viram o homem e se distanciaram dele, seguindo o trajeto anteriormente proposto.

Um samaritano que passava, ao ver o homem, sentiu compaixão. Essa compaixão nasceu do seu modo diferente de olhar, do seu modo diferente de perceber aquela realidade. Essa compaixão o levou a se aproximar do homem, gastar tempo, modificar parcialmente sua viagem, tudo para não ser indiferente com aquele que sofria diante dele. Os cuidados práticos descritos na parábola são emergenciais: desinfeta as feridas com vinho e alivia a dor com o óleo, costumes daquele tempo; transporta o homem até a hospedaria e paga as despesas de sua estada.

Materiais e subsídios para a Campanha da Fraternidade 2020
Materiais de formação sobre a Santa Dulce

Procuremos viver em união, em espírito de caridade, perdoando uns aos outros as nossas pequenas faltas e defeitos. É necessário saber desculpar para viver em paz e união. Jesus nos pediu que perdoássemos setenta vezes sete vezes, quer dizer, infinitamente. Procuremos fazer isso, além de amar e servir. Santa Dulce dos pobres

A postura inesperada do samaritano contém o centro do ensinamento de Jesus: o próximo não é apenas alguém com quem possuímos vínculos, mas todo aquele de quem nos aproximamos. E todo aquele que sofre diante de nós. Não é a lei que estabelece prioridades, mas a compaixão que impulsiona a fazer pelo outro aquilo que é possível, rompendo, dessa forma, com a indiferença. A fé leva necessariamente à ação, à fraternidade e à caridade.

A vida nos traz oportunidades de concretizar a fé em atitudes bem específicas. Para perceber os outros, principalmente em suas necessidades, não bastam os conceitos, mas, sim, a compaixão e a proximidade. Não se deve questionar quem é o destinatário do amor. Importa identificar quem deve amar e não tanto quem deve ser amado, pois todos devem ser amados, sem distinção. Não importa quem é o próximo. Importa quem, por compaixão, se torna próximo do outro (Lc 10,36). A medida do amor para com o próximo não é estabelecida com base em pertença religiosa, grupo social ou visão de mundo. Ela é estabelecida pela necessidade do outro, acolhendo como próximo qualquer pessoa de quem se possa acercar com amor generoso e operativo. Isso abre uma nova perspectiva nos relacionamentos, excluindo a indiferença diante da dor alheia.

No final da narrativa (do samaritano), Jesus se dirige novamente ao doutor da lei com uma nova pergunta: “No teu parecer, qual dos três fez-se próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes?” (Lc 10,36). Desse modo, afirma Papa Francisco, Jesus inverte a pergunta do seu interlocutor e também a lógica de todos nós. Cristo nos faz entender que não somos nós, com base em nossos critérios, que definimos quem é o próximo e quem não é, mas é a pessoa em situação de necessidade a quem devemos reconhecer como próximo, isto é, usar de misericórdia para com ela.

* O que é Samaritano?

Samaritano é uma palavra referente ao povo ou indivíduo natural da antiga região de Samaria e também à língua falada naquela região.

Samaria é o nome de uma província referenciada por diversas vezes no Novo Testamento da Bíblia Sagrada, situada no alto de um monte entre a Judeia e a Galileia. Atualmente, a região está situada na Palestina, entre Israel e a Cisjordânia, no Oriente Médio. No total, existem cerca de 700 samaritanos que vivem em Holon, Israel, e em Nablus, Cisjordânia.

Em sentido figurado, a palavra samaritano significa uma pessoa caridosa, que tem bom coração e se preocupa com os outros. Este significado teve origem na parábola do “Bom Samaritano”, contada por Jesus em Lucas 10, 30-37.

O povo samaritano não se considera um povo judeu, e sim descendentes dos antigos israelitas que habitaram a histórica província de Samaria. Os Samaritanos eram considerados impuros pelos judeus. Da Bíblia do Judaísmo, seguem apenas o Pentateuco. Os samaritanos têm a sua própria doutrina religiosa: o Samaritanismo.

Atualmente, a língua falada pelos samaritanos é o hebraico e o árabe. Nos cultos religiosos, resgatam a antiga língua falada pelos seus ascendentes: o hebraico e o aramaico samaritano.

* Na conjugação do verbo fazer, a forma faz corresponde quer à terceira pessoa do singular do presente do indicativo (como em “O João faz o jantar”), quer à segunda pessoa do singular do imperativo (“João, faz o jantar”). A forma verbal faze, de natureza culta, é, por sua vez, a segunda pessoa do singular do imperativo do verbo fazer, frequente, por exemplo, em romances do século XIX e dos primeiros decénios do século XX.

Nosso artigo também publicado na Aleteia

 

Portal Kairós

Retiro Popular Quaresmal: o novo subsídio para a CF 2020

O Retiro Popular Quaresmal quer ser um retorno às fontes cristãs para transformar este rico período em um grande retiro, no qual pessoa, comunidade e sociedade se articulem, em um processo de conversão, para a busca da vida plena.

A proposta com esse Retiro é que façamos um tempo semanal de oração comunitária, dois breves tempos diários (cerca de 10 minutos) de oração pessoal e um calendário de atividades e exercícios de santificação para todos os dias da quaresma. Além disso, recomenda-se que essas atividades se somem a outras iniciativas como o exercício da Via-Sacra de modo pessoal e comunitário, a participação nos Círculos Bíblicos da CF-2020, a celebração da Reconciliação e da Eucaristia e etc.

O tema da CF 2020 é “Fraternidade e vida: dom e compromisso” e o lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele (Lc 10,33-34)”. O tema e lema reforçam a dimensão do cuidado, sendo por este motivo que o cartaz apresenta Irmã Dulce, pois seu modo de cuidar sinaliza uma Igreja em saída. A ideia principal é cuidar das pessoas que estão próximas.

A CF 2020 está sintonizada com as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023), no que diz respeito à imagem da casa em que se permite o ingresso e a saída. É, ao mesmo tempo, lugar de acolhimento e envio. Com isso, ela remete aos dois grandes eixos inspiradores dessas Diretrizes: comunidade e missão. A casa é a imagem do que as Diretrizes chamam de comunidades eclesiais missionárias.

Quer viver o melhor da Campanha da Fraternidade juntamente com toda a Igreja?

De forma simples, apresentamos 4 motivos para que o subsídio Retiro Popular Quaresmal não fique de fora do material que você utilizará na CF 2020. Confira abaixo!

01 – A proposta do Retiro Popular Quaresmal é ser um retorno às fontes cristãs para tornar esse rico período um grande retiro. Com esse subsídio, encontramos, de forma prática, um caminho para percorrer o processo de conversão, em busca da vida plena, Dom de Deus e compromisso de todo cristão;

02 – O Retiro nos conduz a dois breves momentos diários (cerca de 10 minutos cada) de oração pessoal, um pela manhã, em diálogo com a Palavra de Deus para fecundar todo o dia; e outro à noite, antes de dormir, para rever os exercícios e a vivência do retiro quaresmal naquele dia, em um exame diário da consciência;

03 – O subsídio contém orientações para um momento semanal de oração comunitária (sugere-se a cada domingo da Quaresma), que pode ser feito na paróquia, na comunidade, na escola, na aldeia, no condomínio e no trabalho;

04 – Por fim, o Retiro inclui um calendário de atividades e exercícios de santificação para todos os dias da Quaresma.

O ideal é que o Retiro Popular Quaresmal seja somado a outras iniciativas da CF 2020, por exemplo o exercício da Via-Sacra, de modo pessoal e comunitário, e a participação nos Círculos Bíblicos.

Você pode adquirir na livraria católica de sua cidade ou no site da CNBB.

 

CNBB / Portal Kairós

Regional Sul 3 realiza o Seminário da CF 2020

O cuidado e a valorização da vida, centro do Evangelho, estará ainda mais na pauta da Igreja Católica do Brasil nos próximos meses. Isso porque este é o apelo da Campanha da Fraternidade 2020, que tem na Santa Dulce dos Pobres sua principal inspiração. Para motivar, fazer refletir e instrumenalizar agentes de todo o Estado, o Regional Sul 3 da CNBB, em parceria com CEBI – Centro de Estudos Bíblicos e a Editora Paulus, organizou o Seminário Campanha da Fraternidade 2020, realizado em duas turmas lotadas nos dias 20 e 21 de novembro no auditório da Paulus, no Centro Histórico de Porto Alegre.

Além de chamar a atenção para a vida que deve ser preservada desde a concepção até o seu fim natural, a Campanha do próximo ano põe a atenção nas mais variadas formas de degradação da vida em nosso país, passando pelos migrantes, indígenas, presos, dependentes químicos, desempregados e também os que possuem alguma doença mental, causadora de sofrimentos diversos, como o suicídio. Discutido recentemente no Sínodo dos Bispos para a Amazônia, a Casa Comum, como o Papa Francisco chama a natureza e seus recursos, também está no centro da motivação da CF.

Conteúdos

A reflexão sobre o tema da Campanha (“Viu, sentiu compaixão e cuidou dele.” – Lc 10, 33-34), marcou os conteúdos da formação. As palestras foram realizadas pelo padre Patriky Samuel Batista, secretário executivo da CF Nacional; Dom Adilson Pedro Busin, bispo auxiliar de Porto Alegre e referencial do Conselho Missionário Regional (Comire); Dom Ricardo Hoepers, bispo de Rio Grande, presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB e idealizador do Observatório de Bioética da CNBB no Estado; e padre Anésio Ferla, da Congregação Pobres Servos da Divina Providência, realizador de diversas ações sociais em Porto Alegre.

Foram dois dias planejados com muito carinho. E como resposta, tivemos a significativa participação de muitas pessoas das Arquidiocese e Dioceses do Regional Sul 3. Isso nos lembra que temos uma Igreja viva e motivada para que a esta mesma vida ganhe sentido em todas as nossas atividades. Batizados e enviados, seguimos em comunhão e participação”, refletiu Sandra Zambon, secretária-executiva do Regional Sul 3 da CNBB.

Vista como um grande convite para exercer a empatia e para enxergar o Cristo no outro, a Campanha da Fraternidade 2020 traz como lema “Fraternidade e vida: dom e compromisso”. Para o padre Sereno Boesing, jesuíta da Arquidiocese de Porto Alegre, participante do Seminário, “estamos diante da necessidade de construir caminho para que o servir transforme a realidade que nos cerca”. Outro participante da formação, Jonison Mallmann, Coordenador de Pastoral da Diocese de Uruguaiana, afirmou que “a motivação é servir e cuidar como Jesus cuidou, para promover a vida e a dignidade da pessoa”.

“Minha principal motivação para a CF 2020 vem da frase do fundador de minha congregação (Congregação das Irmãs Missionárias de Carlos Borromeo/Scalabrinianas), que dizia ‘fazer o outro feliz é mais importante do que ser feliz’. O sorriso do olhar do irmão transforma meu olhar em um grande sorriso, desperta uma profunda gratidão pelo que sou e pelo dom que recebi gratuitamente para amar e servir”, afirmou a irmã Mareni Giaretta, que atua como enfermeira do Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre.

 

Regional Sul 3 / Portal Kairós