Tema de reflexão: “Os falsos missionários”

“Eu devo anunciar a Boa Nova do reino de Deus” (Lc 4,46).
“Anunciar o Evangelho não é título de glória para mim; é, antes uma necessidade que se me impõe.
Ai de mim, se eu não anunciar o evangelho” (1Cor 9,16-17).

Tema de reflexão: “Os falsos missionários”

Às vezes se confunde missão católica com serviço social e promoção humana. Numa homilia de domingo escutei um missionário dizer que trabalha com os índios, mas que “não está ali para cristianizar e dogmatizar ninguém”; achei muito estranho. Ora, evangelizar é levar a salvação de Jesus Cristo e as verdades (= dogmas da fé). Fiquei escutando o resto da homilia e percebi que o trabalho do missionário não se diferenciava das ONGs que estão entre os índios, ou talvez fosse apenas como o trabalho da FUNAI ; uma preocupação de levar o “bem estar social” aos índios: defesa, vacinas, preservação da cultura indígena, etc. Não ouvi falar de conversão, de batismo e de abraçar a fé católica.

Se não é para cristianizar os índios, então, não é verdadeira evangelização católica. O papel missionário da Igreja é levar a salvação de Jesus Cristo, como fizeram São Pedro, São Paulo e os demais Apóstolos, sem esquecer a caridade é claro, que sempre fizeram e fomentaram. Mas se faltar a catequese católica, não é verdadeira evangelização; é mera assistência social. Isso muitas instituições podem fazer, mas levar Jesus Cristo, o Batismo da salvação, a Confissão, a Eucaristia, o Matrimônio, etc… só a Igreja é capaz de fazer.

São Paulo VI disse na “Evangelli Nuntiandi” que “não há verdadeira evangelização se não se falar do nome de Jesus, de seus milagres, de sua doutrina, de sua paixão, morte e ressurreição redentoras da humanidade”.

LEIA MAIS

O Texto-base: 1° passo para começar a preparar a CF 2020

O Texto-base: 1° passo para começar a preparar a CF 2020

Nos próximos dias o Texto-base da Campanha da Fraternidade 2020 chegará às livrarias. É um livro de 115 páginas muita bem elaboradas. O tema da Campanha é: “Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso”, e o Lema é “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10, 33-34), extraído da Parábola do Bom Samaritano. O lema no encoraja, a partir de Jesus Cristo, a servir com espírito de humanidade, cuidado e amor para com o próximo, sementes da fraternidade.

A apresentação do Texto-base assinada por quatro bispos, representando a cúpula da CNBB no Brasil, nos lembra de que “A Campanha da Fraternidade é um modo privilegiado pelo qual a Igreja no Brasil vivencia a Quaresma”, e recordando o lema da Campanha, os assinantes da Apresentação no Texto-base escreverem: “Lembremo-nos de Santa Dulce dos pobres, mulher frágil no corpo, mas fortaleza peregrinante pelas terras de São Salvador da Bahia de Todos os Santos. Dulce, incansável peregrina da caridade e da fraternidade. Dulce, testemunho irrefutável de que a vida é dom e compromisso. Dulce que via se compadecia e cuidava. Dulce que intercede por nós no céu”.

Ajudar ao próximo é missão dos discípulos e discípulas de Jesus. Santa Dulce é representante do “bom samaritano dos nossos tempos”. Por isso, sua imagem é apresentada em perspectiva na capa do Texto-base. A pintura da capa do livro mostra Santa Dulce na rua com pessoas pobres e doentes e assim, onde contemplamos uma Igreja em saída, que está nas ruas e vai ao encontro das pessoas.

LEIA MAIS

Quem são os 5 novos Santos e Santas de 2019?

Quem são os 5 novos Santos e Santas de 2019?

Foram apresentadas, na manhã deste sábado dia 11 de outubro, na Sala de Imprensa da Santa Sé, pelos seus respectivos Postuladores, as biografias dos cinco novos Santos, que serão canonizados pelo Papa, no próximo domingo, na Praça São Pedro.

Os novos Santos e Santas de 2019

01 – João Henrique Newman, convertido do Anglicanismo, fundador do Oratório de São Felipe Neri, na Inglaterra; e quatro mulheres:

02 – Irmã Dulce Lopes Pontes, no civil Maria Rita, primeira santa brasileira, da Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus;

03 – Margarida Bays, virgem, Terciária da Ordem de São Francisco de Assis;

04 – Josefina Vannini, no civil Judite Adelaide Águeda, fundadora das Filhas de São Camilo; e

05 – Maria Teresa Chiramel Mankidiyan, Fundadora da Congregação das Irmãs da Sagrada Família.

Eis alguns breves dados biográficos dos novos Santos

Cardeal João Henrique Newman

João nasceu em Londres, em 1801. Foi ordenado sacerdote pela Igreja Anglicana tornando-se pároco de São Clemente, em Oxford.

Em 1845, Newman converteu-se ao catolicismo e, alguns anos depois, foi ordenado sacerdote da Igreja Católica. Fundou o Oratório de São Felipe Neri e foi criado Cardeal em 1879, com o lema “O coração fala ao coração”.

Joao Newman faleceu em 11 de agosto de 1880 e foi beatificado por Bento XVI em 19 de setembro de 2010.

Irmã Dulce Lopes Pontes

Maria Rita nasceu, em Salvador, Bahia, em 1914. Tinha 6 anos quando sua mãe faleceu. Aos 18, entrou para a Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, onde recebeu o nome de Dulce. Fundou a União dos Trabalhadores de São Francisco, um movimento operário cristão, e o hospital Santo Antônio.

Irmã Dulce faleceu na capital baiana em 1992. Foi beatificada em 2011, durante o Pontificado de Bento XVI.

O milagre que a levou à canonização é a cura milagrosa de José Maurício Bragança Moreira, que ficou cego por causa de um glaucoma grave. Ao sofrer de conjuntivite, colocou uma pequena imagem da Irmã Dulce sobre os olhos, pedindo a sua intercessão. Quando acordou, voltou a ver de novo.

Josefina Vannini

Josefina Vannini nasceu em Roma, em 1859. Aos quatro anos de idade, perdeu o pai e, três anos depois, a mãe. Durante os exercícios espirituais, conheceu o sacerdote camiliano, Padre Luigi Tezza, que reconheceu nela a pessoa indicada para iniciar uma nova Congregação, fundada em 1892, com o nome de Filhas de São Camilo.

Madre Josefina faleceu em 1911 e, em 1994, foi beatificada por São João Paulo II.

O milagre que a levou à canonização, refere-se a Arno Klauck, mestre de obras de Sinop (MT), que caiu do terceiro andar enquanto colocava vigas de madeira. Enquanto caía, invocou a intercessão da religiosa, salvando-se, milagrosamente, com apenas alguns hematomas.

Maria Teresa Chiramel Manki-diyan

Maria Teresa nasceu em 1876, em Puthenchira, estado indiano de Kérala. Recebeu muitas graças místicas de Deus, como visões de Nossa Senhora e de Santos, além dos estigmas de Cristo, em 1909, que sempre manteve em segredo.

Em 1914, Maria Teresa fundou a Congregação das Irmãs da Sagrada Família. Sofrendo de diabetes, faleceu em 1926.

Madre Maria Teresa Chiramel foi beatificada por São João Paulo II, em 9 de abril de 2000.

Margarida Bays

Margarida nasceu em Friburgo, na Suíça, em 1815. Filha de agricultores, trabalhou toda a sua vida como costureira. Acometida por um câncer, com a idade de 40 anos, ficou, inexplicavelmente, curada, em 8 de dezembro de 1854, dia em que Pio IX proclamou o Dogma da Imaculada Conceição.

Margarida teve muitas experiências místicas e experimentou os estigmas. Faleceu em 27 de junho de 1879 e foi beatificada por São João Paulo II, em 29 de outubro de 1995.

Músicas e subsídios da Irmã Dulce para baixar

 

Vatican News / Portal Kairós

Lançado o hino da canonização da Irmã Dulce

As Obras Sociais Irmã Dulce (OSID) lançaram o Hino à canonização da Irmã Dulce

Lançado o hino da canonização da Irmã Dulce

Intitulada de Doce luz, a canção tem composição Léo Passos e Chico Gomes, e é interpretada por Waldonys, cantor que se apresentará ao lado de Margareth Menezes, em Roma, durante a cerimônia de canonização, em 13 de outubro.

Veja abaixo a letra e ouça a música

Doce Luz

Eu sinto seu cheiro de flor
Eu sei que você está aqui
Sua presença é de amor

Luz, olhar de esperança
Luz, das doces palavras
Luz, me dá confiança
Luz…

Luz que cuida de mim
Que acalma o meu coração
Me acolhe com seu abraço
Afasta a solidão

Luz que luta por mim
Que ampara e estende a mão
Que nunca duvida do amor
Quem em nome do sim
Não tem medo do não

Doce Luz
Eu sinto seu cheiro de flor
Eu sei que você está aqui
Sua presença é de amor

Doce Luz
Que nunca abandona um irmão
Conceda sua força de fé
Me guia, minha luz, pela escuridão

Se o fardo é pesado
Com amor tudo passa
Se a dor dilacera
Com amor tudo passa
Completo abandono
Com amor tudo passa
Se aperta a saudade
Com amor tudo passa

Se a porta se fecha
O amor escancara
Se há desespero,
o amor leva calma
Se há solução,
com amor você acha
Estou onde o amor estiver
Pois se tem amor, tudo passa

Doce Luz
Eu sinto seu cheiro de flor
Eu sei que você está aqui
Sua presença é de amor

Doce Luz
Que nunca abandona um irmão
Conceda sua força de fé
Me guia, minha luz, pela oração

Baixe o Hino da Santa Dulce dos pobres – Doce Luz:

Baixe a Música da Santa Dulce dos pobres – A Bahia canta sua Santa:

 

Portal Kairós

“Fraternidade e Vida” é o tema do Texto-base da CF 2020

“Fraternidade e Vida” é o tema do Texto-base da CF 2020

A Campanha da Fraternidade é o modo com o qual a Igreja no Brasil vivencia a Quaresma. Há mais de cinco décadas, ela anuncia a importância de não se separar conversão e serviço à sociedade e ao planeta. A cada ano, um tema é destacado, assim, a Campanha da Fraternidade já refletiu sobre realidades muito próximas dos brasileiros: família, políticas públicas, saúde, trabalho, educação, moradia e violência, entre outros enfoques.

Em 2020, a CF convida, por meio de seu texto-base, a olhar de modo mais atento e detalhado para a vida. Com o tema “Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso” e lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34), busca conscientizar, à luz da palavra de Deus, para o sentido da vida como dom e compromisso, que se traduz em relações de mútuo cuidado entre as pessoas, na família, na comunidade, na sociedade e no planeta, casa comum.

Lançado pela editora da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), o texto-base convida a um olhar que se eleva para Deus, no mais profundo espírito quaresmal, e volta-se também para os irmãos e irmãs, identificando a criação como presente amoroso do Pai. No texto, a presidência da CNBB afirma que a Campanha será uma motivação para olhar transversalmente as diversas realidades, interpelando a todos ao respeito do sentido que, na prática, se atribui à vida, nas suas diversas dimensões: pessoal, comunitária, social e ecológica.

Ver, sentir e cuidar

LEIA MAIS