Como viver a Quaresma

(Artigo exclusivo)

Desde os primórdios do cristianismo a quaresma marcou para os cristãos uma fuga ainda maior das futilidades do mundo. Assim sendo, há uma entrega com mais ardor à oração, não pela multiplicação de preces, mas se dedicando mais atenção e piedade aos momentos de uma mais intensa união com Deus, degustando os momentos venturosos de uma prece bem feita. Além disto, todas as tarefas realizadas mais conscientemente na presença do Ser Supremo, o que leva a um maior desvelo no cumprir as obrigações cotidianas e um maior respeito para com o próximo. Isto dá uma amplitude notável às menores ações, afastada toda a indolência e abolidos os pretextos vãos para uma comodidade que, na verdade, é, tantas vezes, o culto da ociosidade, mãe de tantos vícios. Ressoa lá no íntimo de cada um as palavras do Mestre divino: “Se não fizerdes penitência, todos perecereis” (Lc 13,3). Jesus, porém, não quer nada de extraordinário, mas, sim, o dever de cada instante bem feito com o fito de reparar falhas passadas e de propiciar cada um a si mesmo crescimento espiritual, trabalhando pela conversão dos pecadores. Deste modo, se atinge o núcleo do autêntico espírito de sacrifício: a contrição do coração e a mortificação do corpo. Esta pode ser via de ascese, quando são afastados alimentos saborosos, mas que, ao invés de contribuir para a saúde, só servem para aumentar o campo das mais variadas doenças.

Quaresma é um tempo precioso para cada um acertar o próprio peso a bem inclusive de sua saúde. A verdadeira homenagem a Deus abrange o homem todo: corpo e alma. A expiação dos pecados é, neste contexto, a meta quaresmal de suma importância Rompimento total, absoluto com o pecado, o que é a essência mesma da conversão interior. Ilusão de muitos cristãos é se julgarem irrepreensíveis. São aqueles que se entregam a uma falsa segurança, sem preocupação alguma em comparar sua vida com os exemplos de Cristo e dos santos. Que se reavive a coragem dos filhos de Deus que aspiram a paz interior a qual só é garantida para a alma verdadeiramente penitente. Cumpre se reparem pecados. Além disto, a esmola que inclui todas as obras de misericórdia para com o próximo, é de suma valia e será, sobretudo, providenciando remédio para o pobre que se terão as bênçãos divinas. A Campanha da Fraternidade deste ano lembra ainda a todos o dever de imitar a Cristo que veio para servir e não ser servido. É desta maneira que o cristão se prepara para o Banquete pascal do glorioso 5 de abril próximo.

 

Como viver a Quaresma
Côn. José Geraldo Vidigal de Carvalho
Professor no Seminário de Mariana durante 40 anos.

Comissão da CNBB divulga subsídios da Semana da Família e da Vida

subsidios_hora_da_familia

Livro Hora da Família 2015

Os subsídios “Hora da Família” e “Hora da Vida” são produzidos pela Comissão Episcopal para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF), com a proposta de animar as famílias ao encontro fraterno, de partilhas e reflexão sobre os ensinamentos e valores cristãos acerca da vida e da família.

A partir da primeira quinzena do mês de março, os subsídios estarão disponíveis para venda no site da Pastoral Familiar: www.lojacnpf.org.br.

O “Hora da Família” e “Hora da Vida” estarão disponíveis simultaneamente. O objetivo é motivar as comunidades para celebrar intensamente, em todo o Brasil, a Semana Nacional da Família, de 9 a 15 de agosto, e a Semana Nacional da Vida, de 1º a 7 de outubro, que culminará com o Dia do Nascituro, dia 8.

Encontros

A edição 2015 do “Hora da Família” está em sintonia com o tema do Encontro Mundial das Famílias, que ocorrerá no mês de setembro, na Filadélfia. Propõe para reflexão “O amor é a nossa missão: a família plenamente viva” e traz na capa do subsídio uma imagem do papa Francisco rodeado de crianças alegres com balões, celebrando a família.

O “Hora da Vida” traz como tema de reflexão “O Evangelho da Vida: Anunciar, Celebrar e Servir”, propondo sete encontros, com diferentes abordagens sobre a celebração da Vida. O subsídio recorda também os 20 anos da Encíclica Evangelium Vitae, de São João Paulo II.

Comissão da CNBB divulga subsídios da Semana da Família e da Vida

Músicas e subsídios para baixar

Apresentação de D. Leonardo Steiner da CF 2015

logo_campanhas_cnbb

“O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por muitos.” (Me 1 0,45)

Vida que resgata vidas! O Crucificado como servo das dores! A morte que liberta da escravidão e concede a dignidade de servir como Deus serve! Deus servo, Jesus Cristo, que concede a toda pessoa batizada o dom de ser serviço para os irmãos e irmãs.

Quaresma é tempo de abertura para o mistério da dor e da morte, da cruz, do Crucificado. Nele, somos conduzidos à graça da vida plena, à ressurreição. Ressurreição, transformação no mistério da dor, da morte, da Cruz. Quaresma, caminho de identificação com Cristo, pede de nós jejum, oração, esmola.

Jejum é um abster-se, um esvaziar-se, um abrir-se. No vazio de nós mesmos, somos fecundados pela suavidade da gratuidade. Jesus crucificado, vazio de si, é entrega suave-sofrida ao Pai: “em tuas mãos entrego o meu espírito” (Lc 23,46). No jejum, somos reintegrados!

A oração é aproximação, nova relação, exposição, busca de atingimento pela amorosidade de Deus. Uma quase súplica de afeto e de amor: “Meu Deus, meu Deus, porque me abandonastes?” (Mt 27,46). A busca de coração pelo Pai. Quanta intimidade!

A esmola, partilha de vida, cuidado amoroso, liberdade de entrega, serviço! A esmola é envio para o próximo. Encontro com aqueles que o Estado e a sociedade não querem (Madre Teresa de Calcutá). Esmola, exercício para o crescimento e fidelidade da nossa filiação divina: sermos bons e generosos como Deus o é.

Leia mais

Os melhores materiais para a Campanha da Fraternidade 2015

materias_cf_2015

Baixe os melhores materiais para a Campanha da Fraternidade 2015:

Fraternidade, Igreja e Sociedade

campanhafraternidade_formacao

Estudo da CF 2015

(Artigo exclusivo)

A Campanha da Fraternidade deste ano de 2015 vem lembrar a importância do serviço com o lema tirado das palavras de Cristo: “Eu vim para servir” (Mc 10,45). O tema é este: “Fraternidade, Igreja e Sociedade”. Uma Igreja a serviço de uma sociedade mais humana, mais justa, menos desigual. Jesus preceituou aos seus seguidores: “O que for maior entre vós, será vosso servo” (Mt 23,11). Em toda e qualquer atividade o ser humano está, quer queira quer não, servindo seu semelhante. Quando, porém, no outro se contempla o Mestre divino tudo tem um valor transcendente e motiva a um serviço realizado comcompetência e total eficiência. O serviço prestado na ótica cristã é a expressão concreta do amor. É o que queria dizer o Apóstolo Paulo ao declarar: “Pela caridade colocai-vos a serviço uns dos outros” (Gl 5,13). Trata-se da caridade, da fraternidade que são características da Igreja, sinais visíveis da dileção divina encarnada no Redentor imolado pela humanidade. Este serviço se expressa na humildade e na obediência ao desígnio de Deus, “porque somos obra sua, criados em Jesus Cristo para fazer boas obras” (Fl 2, 16).

Isto, na verdade, com total disponibilidade que chega até a imolação, como o fez Cristo “que não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida para redenção de muitos” (Mt 20,28). Além do mais, cumpre o compartilhamento do júbilo, da dor, das exigências e das aspirações de toda pessoa, como Paulo ensinou aos romanos e coríntios (Rm 12,15; 1 Cor 9, 19-23). Esta doutrina foi inclusive recordada pelo Concílio Ecumênico na Gaudium et Spes, mostrando que “as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens de nosso tempo, sobretudo dos pobres e dos que sofrem, são simultaneamente as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo. Nada há de verdadeiramente humano que não encontre eco em seu coração” (GS 1).

São os muitos aspectos do serviço universal dos cristãos, sinal sacramental do batismo. É que o Messias já havia sido anunciado no Antigo Testamento como o servo de Iahweh e dos homens (Is 52,13; 53,12) e o cristão é outro Cristo. Dentro desta teologia do serviço não se pode esquecer um aspecto salientado pela Igreja Oriental, isto é, tudo que foi criado está a serviço do ser racional. O mundo reflete a sabedoria divina e deve ser um grande espetáculo para elevar a alma até o Criador, guiando a mente humana para o Invisível por meio das coisas visíveis num cosmos que patenteia a Sabedoria divina. Todas as plantas, as montanhas, os rios, os mares, as flores, as pedras, os vales, o ar, tudo, está a serviço do homem. Exemplo magnífico que flui da natureza na qual tudo também é préstimo. Deste modo há uma total espiritualização do serviço que deixa de ser considerado como uma atividade humana de mero assistencialismo, mas o cerne mesmo de toda ação que se torna ocasião para o testemunho de uma doação completa, visando uma sociedade verdadeiramente cristã.

É que o serviço cristão é uma participação concreta da benevolência de Cristo, possuindo eficácia salvífica e promocional para o outro e para a comunidade. Busca afetuosa das indigências concretas e sempre novas das pessoas e da sociedade na qual cada um está inserido com tarefas específicas, mas indispensáveis para o bem comum. Daí a importância capital dos estudantes de qualquer nível ou profissão, pois estão num estágio de preparação para bem poder servir como profissionais aptos ao progresso de todos. O fundamento desta realidade é que o verdadeiro dom do serviço é a necessidade alheia. Todo e qualquer obséquio visa intrinsecamente a promoção do semelhante e abrange o trabalho de cada um a cada instante. A pluralidade dos carismas outorgados pelo Espírito Santo faz, porém, com que se multipliquem os serviços, sobretudo no que tange a ajuda pastoral nas múltiplas atividades eclesiais, nas obras de misericórdia quer pessoais, quer organizadas, com as quais os batizados, imitando o samaritano (Lc 10,29-37) do Evangelho, se voltam sobre as pessoas feridas, excluídas, massacradas, levando-lhes socorro e ajuda oportunos. Lição, importantíssima, portanto, a que legou Jesus a seus epígonos, lembrando a todos este ano através do hino da Campanha da Fraternidade deste: “Quero uma igreja solidária / servidora e missionária/que anuncia e saiba ouvir/ a lutar por dignidade/ por justiça e igualdade/ pois “eu vim para servir”. Saibamos corresponder a esta sua sublime mensagem e estaremos construindo um mundo melhor.

 

Fraternidade, Igreja e Sociedade
Côn. José Geraldo Vidigal de Carvalho
Professor do Seminário de Mariana durante 40 anos.