Posts

5 de julho – Missa do 14° Domingo do Tempo Comum 2020

Missa do 14° Domingo do Tempo Comum 2020

Jesus revela o Reino de Deus a todas as pessoas, de modo especial aos que se reconhecem pequenos e humildes de coração. Esta Eucaristia nos ajude a acolher a misericórdia e o amor de Jesus, que traz alívio e descanso para todos os que sofrem e que desejam um mundo de fraternidade e paz.

As pessoas de coração humilde acolhem a Palavra de Deus e, com gestos concretos, revelam-na aos outros.

DIÁLOGO DE JESUS COM O PAI

Nossa frágil inteligência não consegue captar todo o sentido e alcance do diálogo de Jesus com o Pai no evangelho de hoje. Nossas pobres palavras não conseguem expressar toda a profundidade nele existente. Percebemos, nesse diálogo, um relacionamento carinhoso entre os dois. Ouvimos do Mestre palavras tão intensas e, ao mesmo tempo, vemo-lo dirigir-se ao Pai com simplicidade e familiaridade.

O Mestre nos diz que seu Pai revelou “estas coisas” aos pequeninos e as ocultou aos sábios e entendidos. Estes são constituídos das elites políticas, culturais e religiosas do seu tempo. Tais elites não conseguem entender a opção de Jesus e seu Pai pelos pequeninos e pelos pobres. Só quem se despe de suas atitudes arrogantes e autorreferenciais consegue acolher a mensagem do Mestre.

A seguir, o evangelho revela a relação entre Jesus e o Pai. Este confiou seu projeto de vida ao Filho. Com suas práticas libertadoras, Jesus revela e dá a conhecer seu Pai. Tudo o
que o Pai tem a nos dizer, ele o entregou ao Filho. Este, por sua vez, o revelou aos pequeninos, abertos à sua mensagem.

Jesus então passa a se dirigir aos que estão “cansados e fatigados” e os convida a aderir a ele, prometendo-lhes descanso. Preocupa-se com o povo que vive cansado sob o peso dos impostos, da falta dos mais elementares recursos e da obrigação de observar certas leis moralistas e opressoras. A proposta do Mestre é aliviar os oprimidos pelo fardo imposto por leis excludentes, que corroem a dignidade de enormes contingentes de pessoas, e pela religião legalista e moralista dos “sábios” e “entendidos”, que buscam o próprio bem-estar servindo-se dos fiéis.

O evangelho nos desafia a sermos mansos e humildes de coração numa sociedade violenta, permeada de ódio e intolerância. Jesus convida a todos os que estão sobrecarregados pelo peso das observâncias legais a encontrar nele descanso e suavidade; pois ele é manso e humilde de coração, capaz de aliviar e consolar o povo sofrido, desfazendo ódios e divisões.

 

Pe. Nilo Luza, ssp / Portal Kairós

Reflexão e sugestão para a Missa do 14° Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A

14° Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A

Zc 9,9-10; SI 144; Rm 8,9.11-13; Mt 11,25-30

14° Domingo do Tempo Comum 2020 - Ano A

Os pequeninos se alegram com as grandezas de Deus

A liturgia da palavra deste domingo nos ajuda a compreender a ação de Deus, que se revela na história humana. Ao chamar Deus de todo-poderoso, como de fato Ele é, não podemos perder de vista que seu poder se constrói em uma dinâmica diferente da que escolhem os poderosos deste mundo. Zacarias transmite a palavra do Senhor, que convida o povo a exultar na salvação que vem de um rei que é humilde. Montado em um jumento, a montaria dos pobres, seu reinado se estenderá até os confins da terra.

Jesus, ao entrar montado em Jerusalém em um jumento, cumpre perfeitamente essa profecia; não só nesse momento, pois toda a sua vida é voltada para os pequeninos, os simples marginalizados.
Seu poder chega aos confins de toda terra porque todos os pequeninos são capazes de compreender e acolher suas palavras, seus gestos e suas atitudes de salvação.

Mas por que , afinal, os pequeninos se alegram com as palavras de vida que Jesus profere? Essa pergunta nos faz olhar para a outra parte do evangelho, que mostra Jesus em plena e total comunhão com o Pai.
Dessa comunhão nasce seu projeto de vida: ser o primeiro dentre os pequeninos para mostrar que as grandezas de Deus podem ser acolhidas somente por um coração simples e humilde. Jesus chama a si todas as pessoas cansadas das enganações do poder deste mundo. Ir a Jesus é descobrir a grandeza de ser um pequenino no reino de Deus.

Uma vida segundo a carne ou segundo o espírito?

Carne e espírito são duas dimensões importantes do ser humano. A segunda leitura deste domingo quer, certamente, corrigir os desvios daqueles que se esqueceram de aspirar às coisas do alto e se entregaram à vida mundana sem escrúpulos. Paulo nos fala de um Espírito com “E” maiúsculo, que é o Espírito de Cristo. É esse Espírito que nos torna aptos a viver integrados com nossa corporeidade e com nossa espiritualidade, na harmonia que provém de Deus. Daí brota a vida feliz e boa que o Cristo veio anunciar.

Na harmonia que brota de nós quando nos deixamos ser regidos pelo Espírito de Cristo, podemos fazer morrer tudo aquilo que desafina e desarmoniza as relações com o outro, com o mundo e com o totalmente Outro, Deus.

Assumir a dinâmica dos pequeninos do reino parece ser a primeira atitude que o Espírito nos inspira para viver bem e praticar o bem. Sintonizados com o modo de ser e de agir de Deus, a pequenez não será em nós sinal de diminuição, mas de engrandecimento para chegarmos à plenitude que Deus quer para todos e cada um de seus filhos e suas filhas.

Sugestões litúrgicas para a missa do 14° Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A

– Pedir para o animador, em breves palavras, colocar a importância da humildade para o seguimento de Jesus.
– Entrada da Palavra: convidar um grupo de crianças para dançar, pelo corredor central, a fim de apresentar para a assembleia, com alegria, a Palavra de Deus. Uma delas deverá ter a Bíblia dentro de uma mochila escolar. O momento pode
ser acompanhado por uma música de evangelização infantil que fale sobre a Palavra de Deus.
– As crianças envolvidas podem proclamar a leitura.
– Profissão de fé: dividir o texto em estrofes, intercalando com o refrão todos juntos: Creio, Senhor, mas aumentai minha fé. Esse refrão pode ser cantado, com melodia à escolha.
– Final: receber a imagem de Maria, destacando-a como exemplo de humildade e pequenez diante de Deus e dos irmãos.

Sugestões de repertório para a missa do 14° Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A  (O Domingo)

Abertura: No meio da Tua casa
Aclamação: Aleluia! Eu te louvo
Oferendas: Bendito e louvado
Comunhão: Vem, Senhor

Cifras e partituras das sugestões CNBB

Semanário litúrgico – catequético – Cantos para a Celebração – 14° Domingo do Tempo Comum 2020

 

Áudios para a Missa do 14° Domingo do Tempo Comum 2020 – Ano A CNBB:

 

Padre Anísio Tavares, C.Ss.R. / Portal Kairós

Downloads