Posts

Reflexão e sugestão para o 2º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

Para o dia: 28/02/2021

Missa do 2º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

Gn 22,1-2.9-13.15-18; SI 115; Rm 8,31b-34;Mc 9,2-10

2º Domingo da Quaresma 2021 - Ano B

BRUGES, BÉLGICA – 12 DE JUNHO DE 2014: A Transfiguração do Senhor por D. Nollet (1694) em st. Igreja de Jacobs (Jakobskerk).

O início da Quaresma 2021, entramos em clima de reflexão, a partir da triste realidade da tentação e da necessidade de conversão permanente. Quaresma não tem um sentido em si, se não for a meta que a justifica: a Páscoa do Senhor. A meditação sobre o pecado, a tentação e o sofrimento de Jesus devem nos provocar uma conversão para chegarmos renovados à Ressurreição do Senhor.

Deus faz aliança com Abraão, depois de exigir uma obediência total: o sacrifício de seu filho Isaac, que ele tanto amava. Como sabemos, Deus acolhe sua obediência, mesmo sem ter chegado ao extremo da prova. O Filho amado de Deus, contudo, vai ao extremo, sendo sacrificado. Isaac carrega a lenha, Jesus carrega a cruz. Isaac não recusa ser morto. O Filho, mesmo sofrendo, quer fazer a vontade do Pai. A aliança do homem com Deus está no acolhimento de sua vontade. A promessa de Deus a Abraão é a descendência. O Pai dá ao Filho a Ressurreição e, com ela, todos os que nele creem.

Antes de subir o monte Calvário, Jesus sobe o monte Tabor. Isaac sobe o monte com a lenha; Jesus sobe o Monte Calvário com a cruz às costas. Sobe o Monte do Tabor com o brilho da divindade. Qual a razão de se colocar a Transfiguração durante a Quaresma? Isso ocorre todos os anos, como ocorre também narrativa da tentação de Jesus no deserto no primeiro domingo da Quaresma. Essa imagem glorificada mostra que a Paixão chega à Ressurreição dos mortos.

De agora em diante, a Lei e os Profetas, representados por Moisés e Elias, só se entendem a partir de Jesus. Ele é a Divindade que se manifestou. Por isso a nuvem, que simboliza a presença de Deus, provoca o santo temor. A transfiguração de Jesus é uma demonstração aos discípulos e a nós/que preparamos a Páscoa, de que nós também seremos transfigurados pela conversão e graça da Ressurreição.

Celebrar uma aliança é sempre assumir um contrato. As palavras de Deus se unem à resposta do homem. Deus promete a Abraão uma descendência que será grande. Ao enviar seu Filho, para selar a aliança com seu sangue, propõe para nós o compromisso de ouvir sua Palavra, pois Ele é a Palavra viva. A Ele vamos ouvir. Se nos deu o Filho, não nos daria tudo com Ele? Ouvir o Filho é corresponder à aliança e chegar à transfiguração.

Ao iniciar seu ministério, Jesus insiste: “Convertei-vos e crede no Evangelho”. Crer é acolher a aliança que Deus faz conosco em seu Filho. Assim podemos celebrar a Páscoa com um pão puro.

Sugestões litúrgicas para a Missa do 2º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

2º Domingo da Quaresma 2021

Dinamizar o sentido da Escuta Cristã da Palavra de Deus.

– Entronização da Palavra: se possível, apagar as luzes da Igreja. Colocar uma música de fundo, pedir para um jovem vestir-se de branco e entronizar a Palavra, que pode estar ladeada por velas e três pessoas, representando Pedro, Tiago e João. Eles podem se colocar diante do ambão da Palavra em sentido de escuta. Após isso, podem-se acender as luzes e se proclamar as leituras. Após a proclamação do Evangelho, cantar um mantra, enquanto os três se retiram serenamente.

– Ofertório: pedir para um senhor e uma criança, ambos vestidos a caráter e simbolizando Abraão e Isaac, levarem ao altar algumas oferendas. Em seguida, pode-se também convidar outras famílias para fazerem o mesmo gesto de levar ofertas para o altar, simbolizando que a confiança em nos entregar ao Senhor contínua em nossa vida.

Sugestões de repertório para a Missa do 2º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B (O Domingo)

Abertura: João Batista
Aclamação: Louvor a vós
Oferendas: Recebe este canto
Comunhão: Então da nuvem

Cifras e partituras das sugestões CNBB

Semanário litúrgico – catequético – Cantos para a Celebração – 2º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

 

Áudios para a Missa do 2º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B CNBB:

 

Padre Anísio Tavares, C.Ss.R. / Portal Kairós

Reflexão e sugestão para o 1º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

Para o dia: 21/02/2021

Missa do 1º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

Gn 9,8-15; SI 24; lPd 3,18-22; Mc 1,12-15

1º Domingo da Quaresma 2021

Quaresma significa 40 dias (Quadragésima dies) de preparação para a Páscoa 2021. No primeiro domingo, abre-se a perspectiva da Vigília Pascal, que lhe deu origem. Temos então a promessa, a realização e o anúncio. Neste ano, vamos refletir sobre as alianças que Deus fez conosco.

O caminho quaresmal busca, nas Sagradas Escritura, ajudar a nos preparar para Páscoa. No ano B, temos a temática da aliança. Iniciamos pela aliança com Noé, chamada aliança da terra. A seguir vem a aliança com Abraão, na promessa de uma descendência. Depois a aliança com o povo no Sinai, por meio da qual Deus perdoa ao povo. Em seguida, a aliança no coração e, por fim, a nova aliança feita em Jesus.

Na aliança com Noé, Deus dá a certeza da paz sobre a terra devastada pelo Dilúvio. O arco-íris é lembrado como uma arma mortal, um arco de guerra, que se transformou em enfeite, isto é, não mais vai destruir a terra.

A arca de Noé é assumida com um modelo para o tempo da Quaresma porque lembra que a salvação veio pelas águas do Batismo, que purificam e dão vida nova. O Mistério Pascal de Cristo é nossa purificação. Jesus, em sua morte e ressurreição, não só realiza fatos, como também concretiza o projeto redentor de Deus. As águas do mal não o afogam, porque Deus está com Ele.

Nossa participação no mistério de Cristo nos faz viver o mesmo momento de ondas do pecado. Participamos com Ele da tentação e com Ele vencemos pela conversão.

“O tempo se completou, e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho” (Mc 1,15). A vitória de Jesus sobre Satanás marca o início do novo tempo. Toda a preparação do povo de Israel e, mais ainda, de todos os tempos da História chega a seu ponto maior. Completa-se o tempo. Com Jesus começa um novo tempo, o tempo de Deus agir para acolher todos.

O dinamismo dessa vida nova se inicia na conversão, na mudança radical de nosso viver, para uma nova orientação baseada no Reino de Deus.

Sugestões litúrgicas para a Missa do 1º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

1º Domingo da Quaresma 2021

– Antes da procissão de entrada: introduzir cada símbolo da Campanha da Fraternidade 2021 com uma pequena mensagem, ajudando a Comunidade a tomar consciência da realidade do país. Com cada símbolo, pode-se levar ao altar a toalha, as velas, a toalha do ambão da Palavra, enfatizando que a preparação do altar está em comunhão com a vida concreta do povo que sofre.

– Ofertório: apresentar, por meio de imagens e/ou cartazes, a realidade concreta da Comunidade dentro da proposta da CF. Essas imagens podem ser colocadas no conjunto de símbolos da CF, deixando como memória da proposta geral e particular para a comunidade.

– Antes da bênção final: entronizar a imagem de Nossa Senhora das Dores, com uma música e dança, preparadas pelos jovens e pelas crianças, destacando a importância da Maternidade de Nossa Senhora das Dores, que nos acompanhará no tempo quaresmal. Após a entronização da imagem, convidar os fiéis a fazerem, em silêncio, o propósito de conversão para o tempo quaresmal.

Sugestões de repertório para a Missa do 1º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B (O Domingo)

Abertura: João Batista
Aclamação: Louvor a vós
Oferendas: Recebe este canto
Comunhão: Quando invocar

Cifras e partituras das sugestões CNBB

Semanário litúrgico – catequético – Cantos para a Celebração – 1º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B

 

Áudios para a Missa do 1º Domingo da Quaresma 2021 – Ano B CNBB:

 

Padre Anísio Tavares, C.Ss.R. / Portal Kairós

Reflexão e sugestão para a missa do 2° Domingo da Quaresma 2020

2° Domingo da Quaresma 2020

Gn 12,1-4a; Sl 32; 2Tm 1,8b-10; Mt 17,1-9

Parma, Itália – 16 de abril de 2018: O afresco da Transfiguração no Monte Tabor no Duomo por Lattanzio Gambara (1567-1573).

Deus acompanha nosso caminhar

A caminhada quaresmal é árdua, pois exige de nós muita sinceridade para conosco e muita confiança em Deus. A desinstalação que o Senhor pede a Abrão é radical. Não é fácil deixar tudo para seguir uma proposta incerta, humanamente falando. Abrão coloca-se a caminho em virtude da escuta obediente da voz de Deus. Só assim ele será pai de uma grande nação, um sinal de Deus. Também os discípulos são convidados por Jesus para se abrirem à escuta de seus ensinamentos e, assim, colocarem-se a caminho com Ele até a cruz. Ao transfigurar-se, Jesus se revela como Palavra viva do Pai, dirigida a toda a humanidade. Por isso o pedido: “Escutai-o”. É preciso escutar aquele que sintetiza em si todo a Lei de Moisés e toda a força profética de Elias para, no amor, selar a nova e eterna aliança entre o divino e o humano. Diante da tentação de construir ali três tendas, Jesus mostra a Pedro que é preciso ainda caminhar para cumprir o plano amoroso do Pai: dar a vida pela humanidade e ressurgir glorioso sobre o pecado e a morte. Ainda que seja bom estar no alto do monte, ainda melhor, afirma Jesus, é fazer a vontade do Pai.

Desçamos o monte!

Se Deus nos acompanha, não podemos pensar em propósitos quaresmais medíocres, que, em vez de nos levar à conversão, levamos a um comodismo ainda maior. Precisamos viver bem esse tempo de mudança profunda de vida, tempo de silenciar nosso interior agitado para poder escutar a Palavra de Deus. A escuta do evangelho leva-nos à abertura ao outro que está diante de nós, tantas vezes invisível por causa de nosso fechamento. Não está na hora de descermos do monte, de onde vemos tudo de cima, e tocarmos a realidade de nós mesmos e dos que caminham conosco?

Paulo convida Timóteo e a todos nós a um exercício de compaixão, ou seja, a sofrer com ele pelo evangelho, pela boa notícia que tantas vezes é ignorada ou silenciada. Está aí um sentimento nobre para ser cultivado nesta quaresma: a compaixão. Nossa conversão não pode restringir-se a momentos litúrgicos, confissão sacramental e a procissões penitenciais. Todas essas práticas de nossa religião só ganham sentido e valor quando manifestamos o real desejo de caminhar com Jesus, de mudar de vida verdadeiramente. Rito não é mágica! É experiência de Deus, que se estende na vida para fazer acontecer o Reino de Deus anunciado por Jesus. Com Cristo podemos fazer com que nossa fé se enraíze no chão de nossa história e na de nossa comunidade e, assim, fazer com que nossa conversão dê frutos de justiça, como o senhor nos pede.

SUGESTÕES LITÚRGICA

– Oração da coleta: pode-se enfatizar a importância da Oração neste tempo quaresmal, oferecendo as intenções em modo dinâmico e participativo.
– Liturgia da Palavra: introduzir a proclamação das leituras com um mantra, enfatizando a importância da escuta orante da Palavra de Deus.
– Oferendas: continuar motivando a doação de alimentos durante o momento das oferendas, em favor das famílias carentes da comunidade.
– Envio da comunidade: antes da bênção final, preparar um momento de compromisso da comunidade com a oração pelos doentes e necessitados.

Sugestões de repertório

Abertura: Senhor, eis aqui
Aclamação: Louvor e glória
Oferendas: O Vosso coração
Comunhão: Então, da nuvem

Cifras e partituras das sugestões CNBB

Semanário litúrgico – catequético – Cantos para a Celebração  – 2° Domingo da Quaresma 2020

 

Áudios para o 2° Domingo da Quaresma 2020 (Salmo e refrão orante):

 

Padre Anísio Tavares, C.Ss.R. / Portal Kairós

8 de março: missa do 2º Domingo da Quaresma 2020

2º Domingo da Quaresma 2020 – Ano A

Jesus é o Filho amado do Pai que nos ensina a sair do egoísmo para viver o amor e a fraternidade. Unidos a ele e escutando o que nos diz, permitimos que sua luz resplandeça em nós, para iluminarmos o mundo com nossas boas ações. Que a Eucaristia, neste tempo quaresmal, nos ajude a crescer na oração, na escuta e na vivência da Palavra do Senhor.

Pela oração e escuta de sua Palavra, permanecemos unidos a Jesus e espalhamos no mundo o seu amor e a sua luz.

TRANSFIGURADOS PELO AMOR

A glória divina, resplandecente de luz, manifesta-se em Jesus acompanhada pelas nuvens e pela voz que deixa claro: ele é o Filho amado pelo Pai.

Os detalhes da cena fazem pensar em Moisés, que voltava do monte Sinai com o rosto resplandecente por ter estado na presença de Deus. A luz intensa que brilha no rosto e nas vestes de Jesus, ao invés, não vem de fora. Vem dele mesmo, pois aquele Mestre que vivia no meio de gente pobre, nas periferias, é ele próprio o Senhor da história. Não se manifesta glorioso, na capital Jerusalém, a uma multidão de pessoas, mas numa montanha qualquer, a três discípulos.

A transfiguração foi uma antecipação – momentânea – da glória do Senhor ressuscitado. Uma experiência sem igual, tanto que Pedro sugere armar tendas para continuar ali. O Senhor glorioso, porém, deverá antes entregar a própria vida, passando pelo sofrimento e pela morte. Pois o Senhor da glória é o servo sofredor que entrega a vida por amor.

Para os três discípulos e para nós, permanecem duas ordens. A primeira, vinda do Pai, consiste em ouvir o Filho amado. Ouvir é a atitude fundamental dos discípulos. Ouvir Jesus é entender o que disse e fez, para que seu ensinamento esteja vivo em nossa vida e assim, de algum modo, possamos continuar hoje a mesma missão que o Pai lhe confiou. A outra ordem vem do próprio Jesus, que, após tocar os discípulos, lhes diz que se levantem e não tenham medo de enfrentar os desafios da realidade.

Nesta caminhada de preparação para a Páscoa, o Senhor continua a se revelar a nós. Ele se manifesta de tantos modos, reanima nossa fé, alimenta nossa esperança, faz-nos vencer a tristeza e fortalece nossa missão de seguidores. É preciso, porém, voltar sempre à realidade, às tantas realidades de sofrimento e dor que precisam ser transfiguradas. Afinal, como disse santo Irineu, o que é a glória divina, senão o ser humano vivendo plenamente?”.

 

Pe. Paulo Bazaglia, ssp / Portal Kairós

Reflexão e sugestão para a missa do 1° Domingo da Quaresma 2020

1° Domingo da Quaresma 2020

Gn 2,7-9;3,1-7;SI 50;Rm 5,12-19;Mt 4,1-11

Antuérpia, Bélgica – 5 de setembro: afresco da tentação de Jesus em Joriskerk ou st. Igreja de George a partir de 19. Cent. em 5 de setembro de 2013 em Antuérpia, Bélgica

O jardim da vida ou a escravidão do pecado?

O tempo da quaresma evidencia o constante convite de Deus à conversão. A catequese apresentada na primeira leitura nos mostra duas realidades:
1) a do jardim da vida, no qual o homem e a mulher são criaturas privilegiadas de Deus, cuja missão é cuidar e zelar de toda a criação com Ele;
2) a realidade do pecado, em que o ser humano rejeita o senhorio amoroso de Deus e mergulha em seu profundo egoísmo, desejando tornar-se senhor do bem e do mal. As consequências são graves, trazendo a desarmonia no convívio comunitário e a desorientação total em relação ao sentido e ao valor da vida.

Paulo faz o paralelo entre a humanidade desobediente e egoísta, que não obedece a Deus, figurada em Adão, e Cristo, o homem pleno – novo Adão -, que vem recordar o projeto inicial de Deus para cada ser humano. Em Jesus, a humanidade novamente volta a caminhar com Deus e a buscar o sentido profundo da vida. Nele, a contrição é feita no amor misericordioso.

Apresentar-se diante de Deus com o coração contrito, como sugere o salmo 50, significa reconhecer que o pecado nos aprisiona e que a graça nos liberta. As tentações se sustentam pela promessa falsa de felicidade, mas se escondem de seu âmago a destruição. O pedido de perdão expressa o grito mais profundo do ser humano por liberdade, vida e dignidade.

A liberdade que salva!

Cristo, ao posicionar-se com firmeza diante das tentações, faz emergir o homem livre, capaz de rejeitar a ganância pelo ter, poder e prazer. No deserto de nossos pecados, o Pai nos resgata em Cristo para a vida nova da autêntica liberdade. Por isso Paulo exalta a obediência de Jesus, a qual nos reconciliou com o Pai a ponto de podermos de novo nos sentirmos filhos amados e não concorrentes gananciosos do Criador. Neste tempo quaresmal, olhemos para a realidade que nos cerca, a qual traz as marcas terríveis de nossas atitudes, quando nos deixamos levar pela ganância do ter, pelo abuso do poder e pela desvirtuação do prazer, causando a destruição da fraternidade, dos laços familiares e comunitários. Com Cristo, caminhemos para a liberdade, que nos permite dizer não para as tentações egoístas e, assim, abrirmo-nos para a doação de vida em favor dos irmãos. Eis o tempo favorável! Convertamo-nos! Cristo nos chama e nos acompanha neste tempo penitenciai.

Sugestões Litúrgicas

– Ato Penitencial: o ato penitenciai pode ser dinamizado a partir das três tentações de Jesus, ligando com a entrada da Palavra.
– Entrada da Palavra: na entrada da palavra, fazer uma encenação breve sobre o sentido atual das três tentações de Jesus no deserto, mostrando como elas podem ser superadas na escuta atenta da Palavra de Deus.
– Preces dos fiéis: as preces podem contemplar algumas “tentações” presentes na vida da comunidade, que a impedem de caminhar com mais vigor no caminho da conversão.
– Oferendas: aproveitar o momento das oferendas para motivar a doação de gêneros alimentícios, a fim de se fazer cestas básicas. Essa ação pode ser mantida durante todo o tempo quaresmal.

Sugestões de repertório

Abertura: Senhor, eis aqui
Aclamação: Louvor e glória
Oferendas: O vosso coração
Comunhão: Quando invocar

Cifras e partituras das sugestões CNBB

Semanário litúrgico – catequético – Cantos para a Celebração  – 1° Domingo da Quaresma 2020

 

Áudios para o 1° Domingo da Quaresma 2020 (Salmo e refrão orante):

 

Padre Anísio Tavares, C.Ss.R. / Portal Kairós

Downloads

Folhetos da 2º Domingo da Quaresma 2021 – 28/02/2021 para imprimir

Folhetos da 1º Domingo da Quaresma 2021 – 21/02/2021 para imprimir

Guia de planejamento para a Quaresma

Letras das músicas para CF 2020, Quaresma, Páscoa e Semana Santa (livrinhos)