Posts

A Campanha da Fraternidade Ecumênica em 2021 já tem tema e lema

Tema: “Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor”
Lema: “Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade” Ef. 2.14

A Comissão da Campanha da Fraternidade Ecumênica se encontrou na sede do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic), dia 7 de janeiro, com a tarefa de escolher o tema e o lema da próxima Campanha da Fraternidade Ecumênica em 2021. O tema escolhido é: “Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor” e o lema: “Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade”, Ef. 2.14.

A Comissão (foto acima) é formada por representantes das igrejas membro do Conic, da qual a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) participa, a Igreja Betesda, como igreja observadora e o Centro Ecumênico de Ecumênico de Serviços à Evangelização e à Educação Popular (Ceseep), como membro fraterno. O secretário executivo de Campanhas da CNBB, padre Patriky Samuel Batista, participou da reunião representando a CNBB.

O Conic é constituído pelas Igrejas Apostólica Romana (ICAR), Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), Episcopal Anglicana do Brasil (IEAB), Presbiteriana Unida (IPU) e a Sirian Ortodoxa de Antioquia (ISOA).

Segundo a secretária-geral do Conic, Romi Bencke, realizar mais uma Campanha da Fraternidade Ecumênica, neste contexto de polarização e agressões, demonstra, na prática, compromisso com o diálogo, um mandato inegociável do Evangelho. “O tema da Campanha pretende afirmar que as diferenças nos enriquecem ao invés de nos ameaçar. Apesar de parecer que a Fraternidade ficou fora de moda, acreditamos que o Batismo nos torna irmãos e irmãs”, avaliou.

Campanhas Ecumênicas

A última Campanha da Fraternidade Ecumênica realizada pela CNBB e pelo Conic foi em 2016 com tema “Casa comum, nossa responsabilidade” e lema “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5.24), com foco no saneamento básico, desenvolvimento, saúde integral e qualidade de vida aos cidadãos.

A primeira Campanha da Fraternidade Ecumênica foi realizada em 2000, com o tema “Dignidade humana e paz” e lema “Novo milênio sem exclusões”. A segunda, em 2005, abordou “Solidariedade e Paz” e “Felizes os que promovem a paz”. A Campanha de 2010 tratou da “Economia e Vida”, a partir do lema “Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro”.

 

CNBB / Portal Kairós

A Campanhas da Fraternidade 2021 será ecumênica

Consep dá encaminhamentos sobre as próximas Campanhas da Fraternidade

No início da tarde desta terça-feira, 28 de maio de 2019, os bispos do Conselho Episcopal Pastoral (Consep) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) discutiram sobre as Campanhas da Fraternidade de 2020 e 2021. Para o próximo ano, com o trabalho iniciado, foi apresentado o andamento da preparação do texto-base. Para 2021, quando a Campanha será ecumênica (CFE), os bispos pensaram em sugestões de temas para apresentar ao Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic), responsável por dinamizar a CFE.

Campanha da Fraternidade Ecumênica

Os bispos começaram tratando da CFE 2021, cuja realização foi aprovada em Assembleia Geral. O bispo de Cornélio Procópio (PR) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da CNBB, dom Manoel João Francisco, retomou o histórico das CFEs, realizadas em 2000, 2005, 2010 e em 2016, sendo a primeira como sugestão da CNBB, inspirada na motivação de São João Paulo II, e as demais por solicitação do Conic.

“A CNBB e outras igrejas sugerem temas, uma comissão elabora o texto base, o Conic prepara e encaminha tudo”, explicou dom Manoel sobre o processo das CFEs.

O assessor da Comissão, padre Marcus Barbosa Guimarães, que é subsecretário adjunto de Pastoral da CNBB, complementou recordando o pedido da Assembleia Geral para que haja revisão do modelo, da gestão dos recursos e da composição da comissão que avalia os recursos.

Na sequência, os bispos discutiram sobre o possível tema que deve ser sugerido ao Conic. A primeira sugestão, “Educar para o diálogo” foi bem acolhida, mas também recebeu sugestões de acréscimos em diferentes perspectivas. Os bispos ressaltaram a pertinência da temática no contexto de intolerância que marca a atualidade, a necessidade de refletir sobre a educação, a oportunidade de contribuir na reflexão à luz da Palavra de Deus e ainda promover ações para favorecer o ecumenismo dentro da Igreja, além de refletir sobre a situação da educação no país e educar para as virtudes.

CF 2020

O bispo auxiliar de Brasília (DF) dom Leonardo Steiner apresentou aos membros do Consep o trabalho de preparação do texto-base da CF 2020, iniciado ainda em 2018. Até o momento, já foram concluídas as duas primeiras partes do texto. Durante a apresentação, dom Leonardo colheu sugestões de acréscimos as três partes do texto, como falas de irmã Dulce, por exemplo. Além de indicações para a terceira e última parte do texto, o agir. A partir daí, o Conselho deve definir as próximas etapas de preparação da próxima CF.

“Ao invés de discutir uma realidade única, achamos por bem fazer uma abordagem ampla sobre o valor da vida, dada a banalização da vida como o suicídio e a automutilação”, ressaltou dom Leonardo.

 

CNBB / Portal Kairós