Campanha da Fraternidade 2020 – Cobertura completa

0Dias0Horas0Minutos0Segundos

Para a abertura da Campanha da Fraternidade 2020

Lançado o concurso da letra do hino da CF 2020

Atualização: Prorrogado prazo de inscrição do concurso para a letra do hino da CF 2020

Prorrogado prazo de inscrição do concurso para a letra do hino da CF 2020
Nesta segunda-feira, 25 de junho, o presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Walmor Oliveira de Azevedo, por meio da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia prorrogou até o dia 22 de julho o prazo para a inscrição do concurso para a letra do hino da Campanha da Fraternidade 2020.

Na sexta-feira, 07 de junho de 2019, a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) lançou o edital para o concurso da letra do hino da CF 2020 (Campanha da Fraternidade 2020). Por decisão dos bispos do Conselho Episcopal de Pastoral, o Consep, o concurso será realizado em dois editais: um para a letra do hino, e outro, posteriormente, em data ainda não definida, para a música.

Com o tema “Fraternidade e vida: dom e compromisso” e o lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34), a Campanha da Fraternidade 2020 tem como objetivo despertar para o sentido da vida como dom e compromisso, recriando relações fecundas na família, na comunidade e na sociedade, à luz da palavra de Deus.

Neste sentido, o edital para a letra do hino da CF 2020 traz algumas características que devem ser observadas pelos compositores. A letra do hino deverá traduzir em linguagem poética os conteúdos do tema, lema, objetivos evitando explicitações desnecessárias, moralismos ou chavões. Além disso, deve buscar inspiração na Sagrada Escritura e no Magistério da Igreja.

A força do texto deverá reavivar a esperança, a criatividade, o compromisso cristão. O compositor deve observar também o uso do emprego da função da linguagem mais adequada ao momento litúrgico: evocativa, exortativa, invocativa, narrativo-descritiva, experiencial, penitencial, informativa, laudativa, votiva, reflexivo-meditativa.

Em relação aos critérios para a análise da qualidade literária do texto, tratando-se de forma poética, serão observados em especial, o emprego da função da linguagem mais adequada ao momento litúrgico: evocativa, exortativa, invocativa, narrativo-descritiva, experiencial, penitencial, informativa, laudativa, votiva, reflexivo-meditativa.  As qualidades do estilo, em especial quanto aos princípios a correção, da originalidade e da harmonia também serão levados em consideração.

O prazo

As composições deverão ser enviadas à CNBB até o dia 21 de junho de 2019, VIA SEDEX, trazendo apenas o pseudônimo (nome de fantasia) do (a) autor (a), no remetente. Dentro da correspondência, em um envelope fechado, deve ter o nome verdadeiro do (a) compositor (a), junto com o termo de Cessão de Direitos Autorais (Cf. ANEXO I), preenchido e assinado, no endereço mencionado no edital.

Baixe o edital completo

Confira abaixo o edital

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL
CONCURSO PARA A LETRA DO HINO DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE – 2020

Brasília-DF, 06 de junho de 2019 – LIT – C-N°.0231/19

Prezado(a) compositor(a),
Com alegria e expectativa, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, está lançando o Concurso para a Letra do Hino da Campanha da Fraternidade de 2020. Por decisão dos bispos do Conselho Episcopal de Pastoral (CONSEP), o concurso será realizado em dois editais: um para a letra do Hino, e outro, posteriormente, em data ainda não definida, para a música.

Tema e lema da CF 2020
Lema: “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)
Tema: “Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso”

LEIA MAIS

Conselho Episcopal da CNBB avança na formulação do texto-base da CF-2020

Na tarde desta terça-feira, 26/02/2019, os bispos que integram o Conselho Episcopal Pastoral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) avançaram na formulação do texto-base da Campanha da Fraternidade 2020 cujo tema é “Fraternidade e vida: dom e compromisso” e o lema: “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10, 33-34). Os bispos foram convidados a sugerir mudanças na primeira parte do texto, que corresponde ao momento de ver a realidade.

A primeira versão da parte do “Ver”, ainda em processo de elaboração, está dividida em três partes: 1 – De que vida falamos; 2 – A vida que se manifesta na beleza e na alegria; 3 – Feridas que machucam e ameaçam a vida. O secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, pediu observações gerais ao texto. Quanto à linguagem, parte dos bispos destacou a maneira como foram apresentadas a ideias. “Estão muito agradáveis, o que vai gerar interesse pela leitura”, destacou o vice-presidente da entidade, dom Murilo Krieger.

O arcebispo de Porto Alegre (RS) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada, dom Jaime Spengler, achou importante acrescentar, dentro do bloco que fala das feridas que machucam e ameaçam a vida, o processo de robotização por qual passa a sociedade brasileira, a questão da depressão e a situação dos “órfãos filhos de pais vivos”.

Dom Armando Bucciol, bispo de Livramento de Nossa Senhora (BA) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia, chamou a atenção para o fato de que a cultura atual respira muitos venenos que retiram o amor à vida. E esta campanha, em sua avaliação, propõe o caminho de se se apaixonar pela vida.

Os bispos também foram convidados a colaborar com sugestões sobre a iluminação bíblica com sugestões de textos para integrar a parte do “julgar” dos documentos que é composta também pelos textos do magistério da Igreja.

O bispo de Imperatriz (MA) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para Juventude, dom Vilsom Basso, sugeriu buscar no Antigo Testamento os textos que falam da dignidade da criação e do sopro do Criador; da sarça ardente e do espinheiro, em passagens que Deus se manifesta à humanidade. No Novo Testamento sugeriu incluir as parábolas de Jesus que falam da natureza: a da videira e do semeador.

Dom João Justino, arcebispo de Montes Claros (MG) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Educação e Cultura, sugeriu acrescentar a parábola do jovem rico para apresentar a ideia de que atualmente a sociedade prega muito o apego aos bem materiais, fato que atrapalha as pessoas de descobrir o verdadeiro sentido da vida. Outras sugestões foram acrescentadas ao texto.

CNBB / Portal Kairós
Músicas e subsídios para baixar

Avanços na formulação dos objetivos da CF 2020

CONSEP avança na formulação dos objetivos da Campanha da Fraternidade 2020

Campanha da Fraternidade 2020 – CF 2020
Lema: “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34)
Tema: “Fraternidade e vida: dom e compromisso”

No primeiro dia, 23 de outubro, da 22ª reunião do Conselho Episcopal Pastoral (CONSEP) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a última do ano, na sede da entidade em Brasília (DF), os bispos avançaram na formulação do objetivo geral e dos objetivos específicos da Campanha da Fraternidade 2020, CF 2020 – cujo tema é Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso.

O presidente da CNBB, cardeal Sergio da Rocha, não participa da reunião em função de estar exercendo o papel de relator geral do Sínodo dos Bispos, em Roma, até domingo 27 de outubro. Contudo, não deixou de enviar sua mensagem pastoral e de ânimo aos bispos do Consep. Outros dois membros do Consep, o arcebispo de Porto Alegre (RS) dom Jaime Spengler, presidente da Comissão Episcopal Pastoral de Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada, e o bispo de Imperatriz (MA), dom Vilsom Basso, também estão em Roma, participando do Sínodo dos Bispos.

O assessor político da CNBB, padre Paulo Renato, apresentou aos bispos o quadro de composição do Congresso Nacional (Senado e Câmara dos Deputados Federais) após o primeiro turno das eleições 2018. O destaque, segundo o assessor, é a não eleição de vários políticos tradicionais. A CNBB buscará, a partir de janeiro de 2018, fortalecer uma articulação junto a deputados e senadores católicos que se elegeram no pleito. Os bispos também aprovaram a elaboração de uma Nota da CNBB sobre o cenário político colocado pelas Eleições 2018. O documento, após aprovação dos membros do CONSEP será publicado no dia 24 de outubro.

Comissões Pastorais

Parte da reunião foi dedicada ao comunicado do trabalho que vem desenvolvendo as Comissões Episcopais Pastorais. A Comissão de Educação e Cultura comunicou que está revisando o documento nº 102 da CNBB, “O seguimento de Jesus Cristo e a ação evangelizadora no âmbito universitário”. Segundo o arcebispo coadjutor de Montes Claros (MG) dom João Justino de Medeiros Silva, que preside a Comissão, o material será apresentado à próxima reunião do Conselho Permanente da CNBB, no mês de novembro. O bispo também falou da realização do 19º Encontro Nacional da Pastoral da Educação, realizado de 28 a 30 de setembro, no Centro de Estudos do Sumaré, no Rio de Janeiro. O tema escolhido para esta edição é O atual cenário da Educação Brasileira e as perspectivas para a Pastoral da Educação.

O bispo auxiliar de São Luís (MA) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Missionária e a Cooperação Inter-eclesial da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Esmeraldo Barreto de Farias, disse ser necessário reforçar que os bispos recuperem, em suas igrejas locais, o sentido da Coleta do Mês Missionário. Segundo ele, este pequeno gesto colabora para ricas experiências missionárias da Igreja no mundo.

Com o tema “A eclesiologia do Papa Francisco e a Pastoral Familiar numa Igreja em saída”, a Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) através da Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF), comunicou a realização nos dias 29 e 30 de novembro, em Salvador (BA), do Encontro Nacional de Referenciais e Assessores da Pastoral Familiar. De acordo com o bispo de Osasco e presidente da Comissão para a Vida e a Família, dom João Bosco Barbosa de Sousa o encontro, direcionado aos bispos referenciais e religiosos assessores (regionais e diocesanos), será um importante momento de aprendizado, reflexão, partilha, e, principalmente, unidade da Pastoral Familiar e suas lideranças em âmbito nacional.

A Comissão do Laicato da CNBB e representante do Conselho Nacional do Laicato do Brasil (CNLB) apresentaram os resultados da participação, dias 25 e 28 de setembro, em um encontro promovido pelo Dicastério dos Leigos, Família e Vida sobre a “Promoção e Formação dos Fieis Leigos: Boas Práticas”, em Roma. Segundo o bispo de Caçador (SC), dom Severino Clasen, presidente da Comissão para o Laicato, 15 conferências episcopais da África, América do Sul, América do Norte, América Central, Ásia, Oceania e Europa foram convidadas para compartilhar suas experiências e refletir sobre os processos e indicativos para a formação de leigos. “Dialogamos com outras conferências encorajando-as para que valorizem o laicato como vem fazendo a CNBB”, disse.

Segundo a presidente do CNLB, Marilza Lopes Schuina, os representantes brasileiros apresentaram em Roma: a) o Ano Nacional do Laicato no Brasil; b) a experiência do Centro Nacional de Fé e Política e das Escolas de Formação; c) formação organizada pelo Instituto de Pastoral Regional (IPAR), Regional Norte; e c) O processo de formação desenvolvido pelo Conselho Nacional do Laicato do Brasil, organismo de Comunhão Eclesial que busca o aprofundamento da vocação laical.

Dom Darci José Nicioli, presidente da Comissão Episcopal para a Comunicação,  disse que o documento de estudos da CNBB número 111, intitulado “Orientações pastorais para as mídias católicas: Imprensa, Rádio, TV e novas mídias”, enviado às dioceses, recebeu contribuições que serão incorporadas em um revisão e apresentada aos bispos do Conselho Permanente, em novembro. A expectativa do religioso é que também seja apresentado aos bispos na 57ª Assembleia Geral, no próximo ano.

O padre Antonio Marcos Depizzoli, assessor da Comissão para a Animação Bíblico-Catequética da CNBB, também fez os informes da comissão. Com destaque para a realização da 4ª Semana Brasileira de Catequese, de 14 a 18 de novembro de 2018, em Itaici/Indaiatuba (SP). O encontro tem como lema “nós ouvimos e sabemos que ele é Salvador do mundo” (Jo 4,42).

O assessor da Comissão para Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada, padre João Cândido da Silva Neto informou da reunião ampliada com todos os organismos que da Comissão para avaliar e planejar a caminhada.  Falou ainda da realização do IV Congresso Vocacional do Brasil, de 05 a 08 de setembro, no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida (SP).

CNBB / Portal Kairós
Músicas e subsídios para baixar