Liturgia católica – Anos A, B e C

Liturgia

Janeiro 2023

01 – Dia Mundial da Paz / Santa Maria, Mãe de Deus
08 – Epifania do Senhor
09 – Batismo do Senhor
25 – Conversão de S. Paulo, Apóstolo

Todas as datas

Calendário do ano litúrgico 2019 Ano C – São Lucas

Calendário do ano litúrgico 2019 Ano C – Evangelho de São Lucas

O Ciclo Litúrgico em CorelDraw e Photoshop em alta qualidade para impressão:

Baixe o calendário do Ano litúrgico 2019 em pdf: (zip)

Baixe o calendário do Ano litúrgico 2020 em pdf: (zip)

Na Área Especial

Baixe o Ano litúrgico 2020 em pdf:

Campanha da Fraternidade 2020

É tempo de se preparar para a Campanha da Fraternidade 2019, não deixe para a última hora para conhecer seus subsídios que o Portal Kairós preparou para você.

Datas principais

Material e músicas para todo o ano litúrgico

01/01/2019
Solenidade de Maria, Mãe de Deus

06/01/2019
Epifania do Senhor

13/01/2019
O Batismo do Senhor


05/03/2019
Encontro de Carnaval pelo Brasil

06/03/2019
Quarta-feira de Cinzas

10/03/2019
1º Domingo da Quaresma

17/03/2019
2º Domingo da Quaresma

24/03/2019
3º Domingo da Quaresma

31/03/2019
4º Domingo da Quaresma


07/04/2019
5º Domingo da Quaresma

14/04/2019
Domingo de Ramos

21/04/2019
Páscoa do Senhor

Datas da Família

08/03/2019
Dia Internacional da Mulher

19/03/2019
Dia de São José

25/03/2019

Solenidade da Anunciação do Senhor

08/04/2018
Dia Mundial de Combate ao Câncer


01/05/2019
Dia do Trabalho

01 à 10/05/2019
57ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil Aparecida/SP Nacional

12/05/2019
Dia das Mães

23 e 24/05/2019
Encontro de Bispos e Assessores da Pastoral Familiar Aparecida/SP Nacional

25/05/2019
9º Simpósio Nacional da Família (Em família, defendemos a vida!) Aparecida/SP Nacional

26/05/2019
11ª Peregrinação Nacional da Família Aparecida/SP Nacional

20/06/2019
Corpus Christi Dioceses

05 à 07/07/2019
43ª Assembleia Nacional da Pastoral Familiar Brasília/DF Nacional

26/07/2019
Dia dos Avós

11/08/2019
Dia dos Pais

11 à 17/08/2019
Semana Nacional da Família – SNF
A família, como vai?


07/09/2019

Independência do Brasil

01 à 07/10/2019
Semana Nacional da Vida – SNV

08/10/2019
Dia Nacional do Nascituro Dioceses

12/10/2019
Dia de Nossa Senhora Aparecida

21/10/2019
Dia Nacional da Valorização da Família

02/11/2019
Finados

08 à 10/11/2019
Encontro Nacional de Formação da Pastoral Familiar

15/11/2019
Proclamação da República

30/11/2019
Vigília pela Vida Nascente Dioceses

08/12/2019
Dia Nacional da Família Dioceses

25/12/2019
Natal do Senhor

29/12/2019
Festa da Sagrada Família

Em breve, calendário do ano litúrgico 2020 Ano A

01/01/2020
Solenidade da Santa Mãe de Deus, Maria Natal 2020

O ANO LITÚRGICO

Material e músicas para todo o ano litúrgico

Chama-se Ano Litúrgico o tempo em que a Igreja celebra todos os feitos salvíficos operados por Deus em Jesus Cristo. “Através do ciclo anual, a Igreja comemora o mistério de Cristo, desde a Encarnação ao dia de Pentecostes e à espera da vinda do Senhor” (NUALC nº 43 e SC nº 102).

Ano Litúrgico é, pois, um tempo repleto de sentido e de simbolismo religioso, de essência pascal, marcando, de maneira solene, o ingresso definitivo de Deus na história humana. É o momento de Deus no tempo, o “kairós” divino na realidade do mundo criado. Tempo, pois, aqui entendido como tempo favorável, “tempo de graça e de salvação”, como nos revela o pensamento bíblico (Cf. 2Cor 6,2; Is 49,8a).

As celebrações do Ano Litúrgico não olham apenas para o passado, comemorando-o. Olham também para o futuro, na perspectiva do eterno, e fazem do passado e do futuro um eterno presente, o “hoje” de Deus, pela sacramentabilidade da liturgia (Cf. Sl 2,7; 94(95); Lc 4,21; 23,43). Aqui, enfatiza-se então a dimensão escatológica do Ano Litúrgico.

O Ano Litúrgico tem como coração o Mistério Pascal de Cristo, centro vital de todo o seu organismo. Nele palpitam as pulsações do coração de Cristo, enchendo da vitalidade de Deus o corpo da Igreja e a vida dos cristãos.

Quando se inicia o Ano Litúrgico?

Diferente do ano civil, mas, como foi dito, não contrário a ele, o Ano Litúrgico não tem data fixa de início e de término. Sempre se inicia no primeiro Domingo do Advento, encerrando-se no sábado da 34ª semana do Tempo Comum, antes das vésperas do domingo, após a Solenidade de Cristo Rei do Universo. Esta última solenidade do Ano Litúrgico marca e simboliza a realeza absoluta de Cristo no fim dos tempos. Daí, sua celebração no fim do Ano Litúrgico, lembrando, porém, que a principal celebração litúrgica da realeza de Cristo se dá
sobretudo no Domingo da Paixão e de Ramos.

Mesmo sem uma data fixa de início, qualquer pessoa pode saber quando vai ter início o Ano Litúrgico, pois ele se inicia sempre no domingo mais próximo de 30 de novembro. Na prática, o domingo que cai entre os dias 27 de novembro e 3 de dezembro. A data de 30 de novembro é colocada também como referencial, porque nela a Igreja celebra a festa de Santo André, apóstolo, irmão de São Pedro, e Santo André foi, ao que tudo indica, um dos primeiros discípulos a seguir Cristo (Cf. Jo 1,40).

Ano Litúrgico e Dinâmica da Salvação

Tendo como centro o Mistério Pascal de Cristo, todo o Ano Litúrgico é dinamismo de salvação, onde a redenção operada por Deus, através de Jesus Cristo, no Espírito Santo, deve ser viva realidade em nossas vidas, pois o Ano Litúrgico nos propicia uma experiência mais viva do amor de Deus, enquanto nos mergulha no mistério de Cristo e de seu amor sem limites.

O Domingo, Fundamento do Ano Litúrgico

O Concílio Vaticano II (SC nº 6), fiel à tradição cristã e apostólica, afirma que o domingo, “Dia do Senhor”, é o fundamento do Ano Litúrgico, pois nele a Igreja celebra o mistério central de nossa fé, na páscoa semanal que, devido à tradição apostólica, se celebra a cada oitavo dia.

O domingo é justamente o primeiro dia da semana, dia da ressurreição do Senhor, que nos lembra o primeiro dia da criação, no qual Deus criou a luz (Cf. Gn 1,3-5). Aqui, o Cristo ressuscitado aparece então como a verdadeira luz, dos homens e das nações. Todo o Novo Testamento está impregnado dessa verdade substancial, quando enfatiza a ressurreição no primeiro dia da semana (Cf. Mt 28,1; Mc 16,2; Lc 24,1; Jo 20,1; como também At 20,7 e Ap 1,10).

Como o Tríduo Pascal da Morte e Ressurreição do Senhor derrama para todo o Ano Litúrgico a eficácia redentora de Cristo, assim também, igualmente, o domingo derrama para toda a semana a mesma vitalidade do Cristo Ressuscitado. O domingo é, na tradição da Igreja, na prática cristã e na liturgia, o “dia que o Senhor fez para nós” (Cf. Sl 117(118),24), dia, pois, da jubilosa alegria pascal.

As Divisões do Ano Litúrgico

Os mistérios sublimes de nossa fé, como vimos, são celebrados no Ano Litúrgico, e este se divide em dois grandes ciclos: o ciclo do Natal, em que se celebra o mistério da Encarnação do Filho de Deus, e o ciclo da Páscoa, em que celebramos o mistério da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor, como também sua ascensão ao céu e a vinda do Espírito Santo sobre a Igreja, na solenidade de Pentecostes.

O ciclo do Natal se inicia no primeiro domingo do Advento e se encerra na Festa do Batismo do Senhor, tendo seu centro, isto é, sua culminância, na solenidade do Natal. Já o ciclo da Páscoa tem início na Quarta-feira de Cinzas, início também da Quaresma, tendo o seu centro no Tríduo Pascal, encerrando-se no Domingo de Pentecostes. A solenidade de Pentecostes é o coroamento de todo o ciclo da Páscoa.

Entremeando os dois ciclos do Ano Litúrgico, encontra-se um longo período, chamado “Tempo Comum”. É o tempo verde da vida litúrgica. Após o Natal, exprime a floração das alegrias natalinas, aí aparecendo o início da vida pública de Jesus, com suas primeiras pregações. Após o ciclo da Páscoa, este tempo verde anuncia vivamente a floração das alegrias pascais. Os dois ciclos litúrgicos, com suas duas irradiações vivas do Tempo Comum, são como que as quatro estações do Ano Litúrgico.

O “Santoral” ou o “Próprio dos Santos”

Em todo o Ano Litúrgico, exceto nos chamados tempos privilegiados (segunda parte do Advento, Oitava do Natal, Quaresma, Semana Santa e Oitava da Páscoa), a Igreja celebra a memória dos santos. Se no Natal e na Páscoa, Deus apresenta à Igreja o seu projeto de amor em Cristo Jesus, para a salvação de toda a humanidade, no Santoral a Igreja apresenta a Deus os copiosos frutos da redenção, colhidos na plantação de esperança do próprio Filho de Deus. São os filhos da Igreja, que seguiram fielmente o Cristo Senhor na estrada salvífica do
Evangelho. Em outras palavras, o Santoral é a resposta solene da Igreja ao convite de Deus para a santidade.

Materiais e subsídios para a Campanha da Fraternidade
Materiais de formação sobre a Igreja Católica

Leia mais

27 de janeiro: 3º Domingo do Tempo Comum

O ESPÍRITO DO SENHOR ESTÁ SOBRE NÓS

Jesus foi ungido pelo Pai para anunciar o evangelho da vida e da salvação. Esta liturgia nos ajude a tomar consciência de que também nós, no batismo, fomos consagrados pelo Espírito para sermos continuadores da missão de Jesus. A exemplo dele, somos chamados a promover no mundo a justiça, a paz e a libertação dos males que afligem nossos irmãos e irmãs. Recordemos que se encerra no dia 27/01/2019, no Panamá, a Jornada Mundial da Juventude.

LIÇÃO DE VIDA
Jesus deseja que todos o ajudemos a anunciar o seu amor e a construir um mundo de justiça, fraternidade e paz.

Lucas inicia seu evangelho manifestando o desejo de também deixar por escrito os acontecimentos relacionados a Jesus de Nazaré. Ele dedica a obra a Teófilo, nome que significa “amigo de Deus”. Portanto, essa obra é também destinada a todos aqueles que se consideram amigos de Deus.

A seguir, apresenta Jesus entrando e ensinando nas sinagogas, particularmente na da vila onde se criou. É aí em Nazaré, região da Galileia, que o Senhor inicia sua missão: anunciar uma boa notícia aos pobres, a liberdade aos cativos e oprimidos, recuperar a vista aos cegos, proclamar o
tempo da graça. O Mestre estabeleceu para si verdadeiro programa de vida.

A Palavra de Deus não é palavra morta. Cada página do evangelho traz uma palavra viva, que deve se realizar no hoje da história. Na vida de Jesus está a vida de cada um de seus seguidores. E na missão dele está também a missão de todo batizado.

Como, nos dias atuais, proclamar uma boa notícia aos pobres? Como fazer ressoar a mensagem libertadora do evangelho na vida de tantos presos, muitos dos quais submetidos a condições desumanas e, não raro, condenados por causa de um “pedaço de pão”, enquanto a maior parte dos grandes roubos continua impune? Como devolver a real visão dos fatos aos que vivem iludidos por ideologias divulgadas pelos grandes meios de comunicação e pelas redes sociais?

Ungido pelo Espírito, Jesus cumpriu a profecia de Isaías, restaurando a dignidade de todos aqueles nos quais esta foi lesada. Tal deve ser também nossa missão: restaurar a dignidade de todo ser humano, começando pelos pobres. A proposta de Jesus é libertar as pessoas de qualquer situação de opressão e miséria, promovendo integralmente a vida.

O cristão, ungido pelo Espírito, é alguém que não se conforma com a maldade, a esperteza oportunista, a violência e a injustiça reinantes na sociedade. Quem se acomoda diante de tanto sofrimento não entendeu ou não procura entender o que o Mestre viveu e ensinou. É possível ficarmos conformados quando, em nosso país, algumas poucas famílias têm, juntas,
uma fortuna equivalente à soma das riquezas de cem milhões de brasileiros? O Espírito do Senhor clama em nós!

Pe. Nilo Luza, ssp

20 de janeiro: 2º Domingo do Tempo Comum

“EIS AQUI A SERVA DO SENHOR”

A liturgia deste domingo nos convida a reconhecer a presença de Jesus em todos os momentos da nossa vida; e também a presença de Maria, que intercede por nós e nos convida a fazer o que Jesus nos pede: sermos no mundo sinais de alegria, esperança e salvação. Celebremos em comunhão com os participantes da Jornada Mundial da Juventude, que se inicia nesta semana no Panamá.

LIÇÃO DE VIDA
Maria, nossa mãe do céu, sempre intercede a seu Filho, Jesus, por nós, por nossas famílias, por nossa comunidade e especialmente pelos que passam por dificuldades.

Nesta semana, a juventude do mundo inteiro estará vivendo a Jornada Mundial da Juventude, no Panamá.

A milhões de jovens falta alegria, esperança, oportunidades: “Eles não têm mais vinho” (Jo 2,3). O encontro com Jesus muda a vida das pessoas, dos jovens: “‘Mestre, onde moras?’ ‘Vinde e vede.’ Foram e permaneceram com ele” (Jo 1,38-39).

O Sínodo dos Bispos teve como tema: “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”. O papa Francisco disse na abertura da reunião pré-sinodal, em Roma, no ano passado: “Os jovens devem ser levados a sério”. E disse mais: “Queridos jovens, o coração da Igreja é jovem precisamente porque o evangelho é como uma linfa vital que a regenera continuamente”.

Com Maria, queremos estar atentos às necessidades das juventudes, aos seus clamores, escutar suas angústias, seus desejos, suas críticas, suas ideias e alimentar seus sonhos e ideais. Lembrava são Bento: “Muitas vezes, é aos mais jovens que o Senhor revela a melhor solução”.

Com a jovem Maria, queremos dizer: “Eis aqui a serva do Senhor”. Um sim que faz a diferença, que nos move, que transforma nossa vida e nos dá coragem de empenhar nossas forças pela vida da juventude.

É preciso ter a ousadia de dizer: “Eles não têm mais vinho”. As juventudes não têm mais vinho. Na fé, confiando e contando com Deus, e no compromisso pessoal, em grupo e comunitário, abrindo espaços, dando oportunidades, “enchendo jarras”.

A JMJ 2019 quer ser esse lugar, espaço, oportunidade de encontro com Jesus, de reflexão, oração, consciência e decisão, recarregando as baterias e assumindo a missão de levar o vinho da alegria e da esperança a todas as juventudes.

Por isso, com Maria, queremos dizer: “Eis aqui a serva do Senhor”. Eis-me aqui! Estamos decididos. Envia-nos, Senhor!

“Queridos jovens, o Senhor, a Igreja, o mundo esperam também a vossa resposta à vocação única que cada um tem nesta vida!” (papa Francisco).

Vilsom Basso, scj
Bispo de Imperatriz-MA, presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da CNBB

13 de janeiro: Batismo do Senhor

O BATISMO DE JESUS E O NOSSO BATISMO

“A festa do Batismo do Senhor, que hoje celebramos, nos recorda que todos somos filhos e filhas amados de Deus. O Pai do céu hoje nos chama a ouvir a sua voz e participar da missão de Jesus de anunciar ao mundo o amor, a fraternidade, a paz e a alegria da salvação”

LIÇÃO DE VIDA:
Pelo batismo nos tornamos todos irmãos e irmãs na fé, chamados a viver no amor a Deus e ao próximo.

Revestido do Espírito Santo e confirmado como Filho de Deus, Jesus inicia, de modo solene, a missão para a qual o Pai o enviou. No seu batismo, sentimos fortemente a presença da Santíssima Trindade: o Pai apresenta o Filho Jesus, e o Espírito Santo o consagra para a implantação do reino de Deus no mundo.

Ao juntar-se à multidão que João batizava, Jesus se mostra como aquele que assume os pecados da humanidade. Coloca-se no mesmo nível dos pecadores, os quais ele veio redimir e salvar. A esse respeito, o apóstolo Paulo escrevia aos coríntios: “Aquele que não conheceu pecado, por nós Deus o tratou como pecador, para que nós, por seu intermédio, fôssemos justos diante de Deus” (2Cor 5,21).

O batismo de Jesus é, na verdade, o grande momento da manifestação solidária da Santíssima Trindade. A voz do Pai celeste ecoa e esclarece: “Tu és o meu Filho amado, em ti ponho o meu benquerer”. Esse amor do Pai sustenta toda a vida de Jesus, incluindo a hora de sua morte na cruz: “Pai, em tuas mãos entrego meu espírito” (Lc 23,46). Quanto ao Espírito Santo, ele paira sobre Jesus, em forma corpórea de pomba, símbolo da criação (cf. Gn 1,2) e da nova criação (cf. Gn 8,8-12). Movido pelo Espírito de Deus, Jesus realiza nova criação. São Paulo afirma: “Se alguém está em Cristo, é nova criatura. As coisas antigas passaram…” (2Cor 5,17).

Pois bem, toda a realidade que envolve o batismo de Jesus é o que acontece quando uma pessoa é batizada em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Existe, porém, um perigo: que a catequese oferecida hoje a pais e padrinhos de batismo acentue aspectos secundários (roupa, horário, fotografia, certidão) e trate de modo superficial os aspectos fundamentais (implicações do batismo, compromissos com a Igreja).

O fato é que, a partir do batismo, passamos a pertencer à comunidade de Jesus Cristo. Nosso distintivo é a prática do amor a Deus e ao próximo. Assumimos responsabilidades com a Igreja e adquirimos o direito de participar da sua vida litúrgica e sacramental. Na qualidade de discípulos e discípulas de Jesus, decidimos caminhar no ritmo dele, observar o que ele nos ordena, certos de que ele é o único Caminho que nos leva ao Pai.

Pe. Luiz Miguel Duarte, ssp

6 de janeiro: Epifania do Senhor

SOLENIDADE DA EPIFANIA

“Jesus é a manifestação de Deus ao mundo”

COMPROMISSO DE VIDA:
Vou me esforçar para demonstrar às pessoas com quem convivo o amor que tenho por elas.

O ano civil se inicia justamente na fase final do tempo do Natal, quando celebramos a Epifania e o Batismo do Senhor. Jesus manifesta-se ao mundo na visita dos sábios do Oriente, e, quando cumpre o rito do batismo no rio Jordão pelas mãos de João Batista, revela-se o Deus Trindade.

Que essas “epifanias” marquem nosso início de ano, para que o encontro com o Senhor transforme nossa vida, fazendo-a mudar de rumo. Temos certeza de que sempre haverá “uma luz em nosso caminho” para nos conduzir Àquele que é a Luz do mundo e que veio para iluminar a todos.

Somos chamados a refletir o rosto de Deus para os irmãos e irmãs. Assim como os sábios do Oriente voltaram para a sua terra iluminados pela verdadeira luz que é Cristo, também devemos resplandecer para os irmãos um brilho que não tem sua origem em nós, mas é obra do Senhor. E isso se manifesta por meio do nosso próprio testemunho cotidiano.

“Deus é vizinho, o seu Reino está próximo (cf. Mc 1,15): o Senhor não quer ser temido como um soberano poderoso e distante, não quer permanecer num trono celeste ou nos livros da história, mas gosta de mergulhar nas nossas vicissitudes de cada dia, para caminhar conosco” (papa Francisco, homilia na santa missa pelos 1.050 anos de batismo da Polônia).

Muitas vezes, somos estranhos para aqueles que moram perto de nós ou até dentro de nossa casa! Assim como Deus se fez vizinho a nós, aprendamos a ver no outro o nosso próximo. Conforta-nos saber que do pequeno e do anônimo Deus se serve com predileção. Em cada pequeno gesto fraterno, há uma epifania do amor de Deus.

Neste ano civil que se inicia, que possamos ser espelhos da luz divina de que o mundo de hoje tanto necessita, para que ela penetre as trevas do nosso tempo e nos aponte a esperança no futuro.

Estamos unidos aos jovens que se reúnem no Panamá, entre os dias 22 e 27 deste mês, para a Jornada Mundial da Juventude. Após termos celebrado, em outubro passado, o Sínodo dos Bispos sobre a juventude, agora o tema da “vocação e discernimento” se aprofunda com a resposta de Maria: “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua Palavra” (Lc 1,38). Que a luz do Senhor permeie, de modo muito especial, a nossa juventude neste novo ano e nos aponte a esperança para o futuro.

 Orani João Tempesta, O. Cist.
Cardeal Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro

Palavra oficial do Papa