Posts

A Campanha da Fraternidade de 2015

dom_odilo_scherer_em_roma

Dom Odilo P. Scherer

Em 2015 a Igreja Católica Apostólica Romana celebra o 50.º aniversário de encerramento do Concílio Vaticano II, realizado de outubro de 1962 a outubro de 1965. Tratou-se do evento mais marcante da Igreja no século 20.

A comemoração desse aniversário está sendo ocasião para recordar personalidades importantes do concílio, como os papas João XXIII e Paulo VI. Mas também para voltar às grandes intuições e orientações dessa “assembleia-geral” do episcopado católico de todo o mundo. De fato, os ensinamentos conciliares ainda estão longe de ser plenamente postos em prática, muito embora um caminho significativo já tenha sido percorrido nesses 50 anos.

No Brasil diversos eventos vêm sendo realizados em âmbitos acadêmicos e eclesiais, nos últimos três anos, para comemorar esse cinquentenário. Para 2015 a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) está promovendo uma reflexão mais ampla, em âmbito popular, sobre o concílio por meio da Campanha da Fraternidade. Com o tema “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e o lema “Eu Vim para Servir”, a campanha aborda a relação Igreja-sociedade à luz da fé cristã e das diretrizes do Concílio Vaticano II.

A Campanha da Fraternidade parte de dois pressupostos fundamentais para a vida cristã e centrais no concílio: a autocompreensão da própria Igreja e as implicações da fé cristã para o convívio social e para a presença da Igreja no mundo. Em outubro de 1963, na abertura da segunda sessão do concílio, o papa Paulo VI expressou isso nas duas perguntas feitas no seu discurso aos participantes: “Igreja, que dizes de ti mesma? Igreja, dize, qual é tua missão?” Os 16 documentos conciliares respondem a essa dupla interpelação.

De fato, o cristianismo, vivido pela Igreja Católica, é uma religião histórica e não apenas sapiencial, embora também tenha essa conotação. Além de transmitir ensinamentos a serem acolhidos pessoalmente, sua proposta também é levar a uma prática social e histórica, em que suas convicções e seus ensinamentos sejam traduzidos em expressões de cultura e formas de convívio social.

A autocompreensão da Igreja aparece, sobretudo, no documento conciliar Lumen Gentium (A luz dos Povos): ela entende ser formada por todos os que aderem a Cristo pela fé no Evangelho e pelo batismo; assim, mais que uma instituição juridicamente estruturada, que não deixa de ser, ela é um imenso “povo de Deus”, presente entre os povos e as nações de todo o mundo, não se sobrepondo a eles, mas inserindo-se neles, como o sal na comida ou como o fermento na massa do pão. Portanto, a identificação pura e simples da Igreja com os membros da hierarquia é insuficiente e inadequada; ela é a comunidade de todos os batizados, feitos discípulos de Jesus Cristo e testemunhas do seu Evangelho.

A partir desse princípio se entende que uma das grandes questões assumidas pelo concílio tenha sido a superação da visão dicotômica “Igreja-mundo”. Isso se desdobra no esforço da Igreja de abrir-se ao diálogo com o mundo, de estabelecer uma relação fecunda com as realidades humanas, acolher o novo e o bem que há em toda parte, partilhar as próprias convicções, contribuindo para a edificação do bem comum, pondo-se ao serviço do mundo sem ser absorvida por ele.

O documento conciliar que melhor expressa essa postura é a constituição pastoral Gaudium et Spes (A Alegria e a Esperança), aprovada e promulgada por Paulo VI em 1965, às vésperas do encerramento do concílio. Esse denso texto começa com as palavras paradigmáticas: “A alegria e a esperança, as tristezas e as angústias dos homens de hoje, sobretudo dos pobres e de todos os que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo”.

Nele aparece a visão cristã sobre o mundo e o homem, sua dignidade, sua existência e sua vocação; reflete-se sobre a comunidade humana e as relações sociais, o sentido do trabalho e da cultura e sobre a participação da Igreja, enquanto “povo de Deus” inserido na sociedade, na promoção do bem de toda a comunidade humana.

Os cristãos e suas organizações tomam parte da história dos povos e da grande família humana. E a Igreja, “povo de Deus”, fiel à missão recebida de Jesus Cristo, quer estar a serviço da comunidade humana, não zelando apenas por seus projetos internos e seu próprio bem. O papa Francisco vem recordando isso constantemente nos seus pronunciamentos: que ela precisa ser “uma Igreja em saída”, uma “comunidade samaritana”, ou como “um hospital de campo”, para socorrer e assistir os feridos… Mas também quando diz que a Igreja não pode omitir-se, nem abster-se de dar sua contribuição para a reta ordem ética, social, econômica e política da sociedade.

O pressuposto teológico e antropológico dessa preocupação do concílio é a convicção de que a humanidade constitui uma única grande família de filhos de Deus e de irmãos entre si. Por isso mesmo o empenho em favor da dignidade e dos direitos humanos fundamentais de cada ser humano, bem como na edificação da justiça social, da fraternidade entre todos e da assistência a toda pessoa necessitada, é parte integrante da sua missão, bem como da vida cristã coerente de cada membro da Igreja.

A Campanha da Fraternidade vai retomar essas intuições fecundas do concílio e propô-las novamente à reflexão no contexto brasileiro, durante o ano de 2015, especialmente no período da Quaresma, em que se prepara a celebração da Páscoa cristã. O lema “Eu vim para servir” retoma as palavras de Jesus: “Eu não vim para ser servido, mas para servir e para entregar a minha vida pela salvação de todos” (Mc 10,45). A promoção do verdadeiro espírito fraterno no convívio social é, sem dúvida, um importante serviço à sociedade.

 

Dom Odilo P. Scherer / Portal Kairós

Oração da Campanha da Fraternidade 2015

Músicas e subsídios para baixar

Solidariedade é um modo de fazer história, diz papa Francisco

papa_francisco_01

“A solidariedade, entendida em seu sentido mais profundo, é um modo de fazer história e isso é o que fazem os movimentos populares”, disse o papa Francisco, na manhã de ontem, dia 28, durante encontro com os participantes do Encontro Mundial dos Movimentos Populares.

Ao falar sobre solidariedade, Francisco sugeriu pensamentos e atos em favor da comunidade e da prioridade de vida a todos. “Também é lutar contra as causas estruturais da pobreza, a desigualdade, a falta de trabalho, a terra e a violência, a negação dos direitos sociais e trabalhistas”, enumerou. Para ele, a solidariedade se traduz no enfrentamento aos “efeitos destruidores do ‘Império do dinheiro’, como os deslocamentos forçados, as migrações dolorosas, o tráfico de pessoas, a droga, a guerra, a violência. “Todas essas realidades que muitos de vocês sofrem e que todos somos chamados a transformar. A solidariedade, entendida em seu sentido mais profundo, é um modo de fazer história e isso é o que fazem os movimentos populares”, disse.

A transformação da realidade dos que sofrem com a pobreza conduziu o papa a três elementos que para ele são uma resposta a algo que deveria estar ao alcance de todos, mas que está cada vez mais longe da maioria: “terra, casa e trabalho”. A abordagem em relação ao escândalo da pobreza não deve promover “estratégias de contenção que somente tranquilizem e convertam os pobres em seres domesticados e inofensivos”.

O papa Francisco alertou, ainda, ao tratar dos elementos “terra, casa e trabalho”, que fala do amor pelos pobres, que está “no centro do Evangelho”. “É estranho, mas quando falo sobre estas coisas, para alguns parece que o papa é comunista”, comentou.

Francisco também falou sobre a “cultura do descartável”, na qual aqueles que não podem se integrar no fenômeno da exportação e da opressão, são excluídos como resíduos, sobras. Ele explicou que isso acontece quando no centro de um sistema econômico está o deus dinheiro e não o homem, a pessoa humana. “Ao centro de todo sistema social ou econômico deve estar a pessoa, imagem de Deus, criada para que fosse o dominador do universo. Quando a pessoa é desprezada e vem o deus dinheiro, acontece esta troca de valores”, alertou.

Falando sobre trabalho, o papa destacou direitos a uma remuneração digna, à seguridade social e à cobertura previdenciária aos catadores, vendedores ambulantes, costureiros, artesãos, pescadores, camponeses, construtores, mineiros, todo tipo de cooperativistas e trabalhadores de ofícios populares, que, segundo Francisco, estão excluídos dos direitos trabalhistas e têm negada a possibilidade de sindicalizar-se e de ter uma renda adequada e estável. “Hoje quero unir minha voz à sua e acompanha-los em sua luta”, afirmou.

O papa ainda falou sobre paz e ecologia no contexto dos três elementos apresentados em seu pronunciamento. “Não se pode haver terra, não pode haver casa, não pode haver trabalho se não temos paz e se destruirmos o planeta”, disse. Ele exorta que a criação não é uma propriedade da qual se pode dispor a esmo gosto, nem que pertence a uns poucos. “A criação é um dom, é um presente, um dom maravilhoso que Deus nos deu para que cuidemos dele e utilizemos em benefício de todos, sempre com respeito e gratuidade”, acrescentou.

Em relação à “globalização da indiferença”, presente no mundo, foi apresentado um “guia de ação, um programa” considerado “revolucionário”: as bem-aventuranças, presentes no Evangelho de Mateus.

Ao final, Francisco afirmou que os movimentos populares expressam “as necessidades urgentes de revitalizar as democracias”. Ele considera “impossível imaginar um futuro para a sociedade sem a participação como protagonista das grandes maiorias”.

Encontro

O Encontro Mundial dos Movimentos Populares aconteceu de 27 a 29 de outubro, com organização do Pontifício Conselho Justiça e Paz do Vaticano, em colaboração da Pontifícia Academia de Ciências Sociais e líderes de vários movimentos. São 100 leigos, líderes de grupos sociais, 30 bispos engajados com as realidades e os movimentos sociais em seus países, e cerca de 50 agentes pastorais, além de alguns membros da Cúria romana presentes no evento. Representou a CNBB o bispo auxiliar de Brasília (DF) e secretário geral da instituição, dom Leonardo Steiner.

O evento buscou fortalecer a rede de organizações populares, favorecer o conhecimento recíproco e promover a colaboração entre eles e suas Igrejas locais, representadas por bispos e agentes pastorais provenientes de vários países do mundo. O Pontifício Conselho Justiça e Paz do Vaticano ressalta o compromisso na promoção e tutela da dignidade e dos direitos da pessoa humana, assumido pelos movimentos.

 

 CNBB / Portal Kairós

Dom Murilo anima participantes em Seminário da CF 2015

seminario_cf_2015_rne3

Durante o último final de semana, entre os dias 17 e 19 de outubro, dezenas de pessoas das mais variadas representações diocesanas do Regional Nordeste 3 participaram do Seminário Regional de formação e animação para Campanha da Fraternidade 2015 e da Evangelização 2014. Na atividade os participantes puderam ouvir do arcebispo de São Salvador e Primaz do Brasil, dom Murilo Krieger sobre a importância em se fortalecer o espírito de solidariedade e evangelização.

“É importante que haja uma percepção de que as pessoas necessitam viver uma solidariedade e também oferecê-la. A partir disto, a evangelização deve acontecer de forma comum a fim de que todos possam ser atingidos pela palavra de Deus”, ressaltou dom Murilo.

A atividade foi assessorada por Antônio Evangelista, um dos assessores que compõe a equipe nacional da Campanha da Fraternidade. Durante os dias do encontro o assessor apresentou propostas de incentivo e reforço durante as ações para a Campanha da Fraternidade nas Dioceses do RNE 3 e motivou aos líderes na propagação do tema 2015: “Eu vim para servir” e com o espírito de revitalizar a nossa colaboração com a sociedade pelas as palavras do Santo Padre e o documento 100 da CNBB.

Ao final do encontro os participantes definiram algumas pistas de ação como: promover a formação de Escolas de “Fé e Política” nas dioceses e Regionais e potencializar as ações de evangelização das Famílias a partir das aproximações e diálogos entre grupos, serviços e pastorais, fortalecendo o Setor Família, em sintonia com o que já está sendo proposto pelo Sínodo da Família, entre outras propostas.

 

Dom Murilo anima participantes em Seminário da CF 2015 – cnbbne3.org.br / Portal Kairós

Objetivos da Campanha da Fraternidade 2015

dom_leonardo_ulrich_steiner_cnbb

Objetivo geral da CF – 2015 CNBB

01 – Aprofundar, à luz do Evangelho, o diálogo e a colaboração entre a Igreja e a sociedade, propostos pelo Concílio Ecumênico Vaticano II, como serviço ao povo brasileiro, para a edificação do Reino de Deus.

Objetivos específicos da CF – 2015 CNBB

01 – Fazer memória do caminho percorrido pela Igreja com a sociedade, identificar e compreender os principais desafios da situação atual.

02 – Apresentar os valores espirituais do Reino de Deus e da doutrina Social da Igreja, como elementos autenticamente humanizastes.

03 – Identificar as questões desafiadoras na evangelização da sociedade e estabelecer parâmetros e indicadores para a ação pastoral.

04 – Aprofundar a compreensão da dignidade da pessoa, da integridade da criação, da cultura da paz, do espírito e do diálogo inter-religioso e intercultural, para superar as relações desumanas e violentas.

05 – Buscar novos métodos, atitudes e linguagens na missão da Igreja de Cristo de levar a Boa Nova a cada pessoa, família e sociedade.

06 – Atuar profeticamente, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para o desenvolvimento integral da pessoa e na construção de uma sociedade justa e solidária.