Hora da Vida – Semana Nacional da Vida

Igreja católica celebra o Dia do Nascituro 2021

Nesta sexta-feira, 8 de outubro, será celebrado o Dia do Nascituro 2021. Para a data, as comunidades, paróquias e dioceses de todo o Brasil são convidadas a realizar um Sinal da Esperança. O chamado é para acender velas, a fim de “propagar a ‘Luz de Cristo’ para que possa iluminar e proteger as vidas vulneráveis e indefesas”.

A Oração do Nascituro (abaixo) deve acompanhar as velas acesas, num momento de devoção e unidade com toda a Igreja no Brasil.

O ato pode ser realizado em frente a uma Igreja, numa praça pública ou lugar que o grupo achar oportuno. No subsídio Hora da Vida, a Comissão Nacional da Pastoral Familiar (CNPF) sugere que a comunidade local se mobilize e realize ações adicionais, de acordo com a sua realidade, como procissões, passeatas, oração do Santo terço e outras, em unidade com todas as pastorais, movimentos e serviços presentes na comunidade.

Direito de nascer

O assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB e secretário executivo da Comissão Nacional da Pastoral Familiar, padre Crispim Guimarães, recorda que neste dia dia 8 de outubro, “somos chamados a visitar nossas consciências sobre o ‘direito de nascer’ da criança, que ainda vive dentro do útero materno e que tem o direito à proteção, à alimentação, a um nascimento sadio, ao respeito de sua vida e saúde e tem também o direito de ser amada”. Infelizmente, observa padre Crispim, as crianças têm suas vidas ameaçadas “por grupos econômicos poderosos e países que em nome de supostos ‘direitos humanos’, menosprezam a humanidade daqueles que na barriga de suas mães são vidas”.

Bênçãos do Senhor

O subsídio Hora da Vida 2021 oferece para o Dia do Nascituro um roteiro de celebração com o tema “Os filhos são bênçãos do Senhor”.

“Neste Dia do Nascituro 2021, a reflexão será sobre o cuidado com a vida humana em formação e com a necessidade de celebrar a vida e a missão de cada pessoa, desde o momento em que é gerada, passando pelo início de seu desenvolvimento como pessoa sonhada e amada por Deus. Todos nós fomos um dia nascituros, no ventre de nossas mães“.

Recordando a encíclica Evangelium Vitae, o texto traz a convocação de São João Paulo II: “Urge uma mobilização geral das consciências e um esforço ético comum, para se atuar uma grande estratégia a favor da vida”.

Outro convite é que as famílias procurem informações sobre grupos de defesa da vida nas comunidades, bairro ou cidade. Que participem de atividades de apoio a famílias em risco e de atos para construção de políticas públicas justas em defesa do Nascituro.

Pastoral Familiar / Portal Kairós

A Semana Nacional da Vida 2021

Semana Nacional da Vida 2021

A Semana Nacional da Vida 2021

“O casal que ama e gera a vida é a verdadeira ‘escultura’ viva (…), capaz de manifestar Deus criador e salvador”. (AL, n. 11)

A família é o Santuário da vida. Mas qual vida? Todas as vidas! Porque na família é que se guarda e se revela a comunicação humana, onde se acolhe e protege a vida “contra os múltiplos ataques a que está exposta, e pode desenvolver-se segundo as exigências de um crescimento humano autêntico. Por isso, o papel da família é determinante e insubstituível na construção da cultura da vida” (EV, n. 92).

O Hora da Vida, que a cada ano proporciona uma reflexão sobre o valor inviolável da vida humana, oferecendo em uma linguagem acessível a oportunidade para que as famílias, em casa ou em grupos de pequenas comunidades missionárias, possam conhecer a voz e o Magistério da Igreja, em 2021, tem como principal fonte a Carta Encíclica Evangelium Vitae, de São João Paulo II. Nessa Carta Circular, “como igreja doméstica, a família é chamada a anunciar, celebrar e servir o Evangelho da vida”.

De 1º a 7 de outubro, os católicos são convidados a celebrar a Semana Nacional da Vida, através da oração, da escuta da Palavra e da solidariedade para com os mais vulneráveis, especialmente neste tempo de pandemia, quando muitas pessoas são vistas por parte da população mundial como descartáveis. Vemos o desprezo de governos que não se importam com a vida do povo em seus países e de países que não se compadecem das nações mais pobres. Assim acontece com o Haiti, a nação mais pobre das Américas que até julho não tinha aplicado uma única dose do imunizante. Enquanto nos chamados países ricos existem imunizantes suficientes para o dobro ou o triplo de suas respectivas populações.

No dia 8 de outubro, somos chamados a visitar nossas consciências sobre o “direito de nascer” da criança, que ainda vive dentro do útero materno e que tem o direito à proteção, à alimentação, a um nascimento sadio, ao respeito de sua vida e saúde e tem também o direito de ser amada, mas que, infelizmente, está ameaçada por grupos econômicos poderosos e países que em nome de supostos “direitos humanos”, menosprezam a humanidade daqueles que na barriga de suas mães são vidas.

Celebremos a vida, dom de Deus no Santuário de nossas famílias!

Pe. Crispim Guimarães dos Santos

Assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB  e Secretário Executivo Nacional da Pastoral Familiar.

Pastoral Familiar / Portal Kairós

Apresentando o Hora da Vida 2021

 Hora da Vida 2021

Queridos irmãos e irmãs do Portal Kairós!

Chegamos com muita alegria e entusiasmo a mais um Hora da Vida, para ser vivenciado na Semana Nacional da Vida 2021 em todas as nossas comunidades.

Neste ano estamos muito contentes pelas formações e articulação dos casais cooperadores do Serviço à Vida na Pastoral Familiar. Aos poucos, estamos aprofundando os temas nos três eixos: início da vida, final da vida e políticas públicas. Mesmo com a pandemia, nós não estagnamos e continuamos a Promover, Defender e Cuidar da vida, pois é o maior dom de Deus e a porta que abre para todos os outros dons.

Assim, tudo começa no seio da Família, Santuário perfeito para que a vida se desenvolva com tudo o que Deus sonhou para a felicidade de seus filhos e filhas. Santuário que queremos assumir como Igreja doméstica à serviço do Reino de Deus. Deus continua seu plano de amor através desse Santuário de graças que une o coração do homem e da mulher para serem cocriadores e participantes: eis a vocação da família! Os filhos, portanto, são um mimo, um presente, um dom pelo qual Deus continua manifestando seu transbordamento de amor.

Na capa do Hora da Vida 2021, neste ano, temos a representação da Igreja doméstica em verde. É sinal de esperança para a Igreja Família de famílias, isto é, nossa comunidade eclesial representada pela cruz (sinal do maior amor de Deus por nós).  Tudo desenhado em uma lousa, a casa, o Santuário da Vida está em movimento, pois é despertada pela fé e pela dedicação dos cooperadores do Serviço à Vida, que têm o coração aberto para que Deus possa escrever na história das nossas famílias, a história de sua Igreja.

A palavra VIDA está em destaque para mostrar a grandeza de Deus na criação e da partilha do seu amor trinitário. Ele convida toda família a ser seu Santuário! Promover, Defender e Cuidar da vida é uma verdadeira escola, por isso está na Hora de reconhecermos os traços do amor de Deus na lousa de nossa história e das nossas famílias, para que a Vida seja sagrada, inviolável e se respeite toda sua dignidade, desde a concepção até seu fim natural.

Uma abençoada Semana da Vida a todos!

Dom Ricardo Hoepers

Bispo de Rio Grande – (RS) e Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB

Subsídio Hora da Vida 2021:

Pastoral Familiar / Portal Kairós

8 de outubro: o Dia do Nascituro (aquele que há de nascer)

Dia do Nascituro

O dia do nascituro, celebrado no dia 8 de outubro, encerra a Semana Nacional da Vida (1 a 7 de outubro).

Em 2020, a Semana Nacional da Vida, em sintonia com a Campanha da Fraternidade, escolheu por tema: Vida: Dom e compromisso. O objetivo é destacar o valor da vida humana, como dom de Deus, e à necessidade de promover o cuidado deste dom desde a concepção até o seu fim natural.

A Semana Nacional Vida foi instituída, em 2005, durante a 43ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O Dia do Nascituro é dedicado às crianças que são gestadas nos ventres de suas mães. A data celebra o direito à proteção da vida, à saúde, à alimentação, ao respeito e a um nascimento sadio. O objetivo é suscitar a consciência do sentido e valor da vida humana em todos os seus momentos.

No vídeo a seguir, Dom Bruno Elizeu Versari, bispo de Campo Mourão e referencial para a Pastoral Familiar no Paraná, concede a bênção aos nascituros, às gestantes e a todas as pessoas.

Hoje celebramos o Dia do Nascituro. Momento ainda mais propício de demostrar das mais diversas maneiras, o nosso amor pela vida em todas as suas instancias:

Este é “o grande momento de dizermos ‘obrigado, Senhor pela vida, por este grande milagre que acontece em cada ser humano que vem à existência'”, nos recorda o bispo de Rio Grande (RS) e presidente da Comissão para a Vida e a Família da CNBB, dom Ricardo Hoepers.
Nesta Semana Nacional da Vida, refletimos o tema Vida: dom e compromisso.
Encerremos este momento que somou ricas experiências de oração e testemunho em todo o país nos unindo em três preces: pelos bebês, pelas mães e pelo Brasil.

Recordamos e celebramos a vida que brota no ventre das mães e também os que protegem corajosamente os que ainda não nasceram.

Portal Kairós

No Dia do Nascituro 2020, conheça mães que escolheram pela vida

Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família da CNBB faz balanço da Semana da Vida e fala sobre importância do Dia do Nascituro

Dia do Nascituro 2020

“Milagre” e “Filho de Deus”. Essas são também as formas encontradas pela produtora de rádio e televisão, Ângela Aparecida Menezes, e pela arquiteta, Paula Caroline Marchi Corrêa, ambas mães, para se referir ao nascituro, celebrado nesta quinta-feira, 8 de outubro. Nascituro, de acordo com Antonio Roberto Hildebrand – autor do “Dicionário Jurídico”, é todo aquele que já foi concebido, cujo nascimento se espera.

Paula e Ângela viveram períodos gestacionais difíceis e, mesmo assim, optaram por seguir com a gravidez e assegurar o nascimento de seus filhos.

Para a produtora de rádio e televisão, o aborto foi uma opção no início de sua primeira gravidez. “Vivi na minha primeira gestação um momento de não aceitação. Tentei abortar por três vezes através da ingestão de remédios, mas não deu certo. Depois me indicaram uma clínica de aborto”, relata.

Ângela conta que chegou a ir até a clínica, mas que, momentos antes do procedimento, quando ouviu o coração do bebê, mudou de ideia. “Percebi que não era meu corpo, que era um outro corpo, um outro ser e que aquela criança dentro de mim era uma outra pessoa. (..) Quando ouvi o coração do bebê, ouvi Jesus falar comigo”.

Depois da escolha por seguir com a gravidez, a produtora de rádio e televisão passou por momentos de incerteza: como havia tomado três doses do remédio abortivo, tudo indicava que seu bebê nasceria com alguma deficiência. Angela revela que, após um cenáculo conduzido pelo Monsenhor Jonas Abib no Estádio do Morumbi, em São Paulo, passou a entregar seu filho e seu parto ao Espírito Santo.

“Por experiência própria posso afirmar, com propriedade, que a vida deve ser defendida desde o ventre materno, desde a sua concepção” – Angela Menezes

“Quando meu filho foi nascer, uma UTI neonatal estava preparada para receber uma criança com algum tipo de deficiência. Após o parto os médicos o levaram e depois retornaram dizendo que meu filho nasceu em perfeito estado”, recorda.

A mãe de Guilherme, hoje com 27 anos, e também de Miriam, de 14 anos, afirma que não desistiu de sua primeira gravidez, pois o poder de Deus a fez entender que seu filho era uma benção.

Descolamento de placenta e gravidez na pandemia

Leia mais